Segunda-feira, 23.05.11

A certa altura o Jamor parecia o recreio da escola em que um grupo de miudos se preparava para mais um desses jogos de "muda aos cinco e acaba aos dez". Não se chegou a esse extremo e o jogo até esteve mais equilibrado do que possa imaginar pelos números frios do resultado final mas ficou evidente que o FC Porto em 2010/11 caminhou num mundo à parte. Na final da Taça de Portugal quiseram deixá-lo bem claro, esmagando outro rival minhoto sem pedalada para esta tremenda equipa azul e branca.

 

Nunca o FC Porto tinha ganho três Taças de Portugal de forma consecutiva.

Sempre contra rivais do Norte, sempre num estádio, como diz Villas-Boas, histórico mas a cair de velho. Mas nunca com tamanha superioridade. Depois das vitórias de Jesualdo Ferreira, a consagração de Villas-Boas e o broche perfeito a uma época inesquecível. Se em Dublin a exibição tinha sido pouco entusiasmante, muito por culpa do jogo cuidado e táctico do Braga, no Jamor foi o espelho perfeito da filosofia robsoniana a que Villas-Boas acude quando gosta de falar de origens. O FC Porto passou uma tarde solarenga em Oeiras com o pé constantemente no acelerador e saiu do estádio Nacional com mais do que um troféu nas mãos. Saiu com o sentimento do dever cumprido, de uma vitória que completa um "Poker" histórico que nem José Mourinho logrou conquistar. Uma época que começou na Supertaça de Aveiro frente ao Benfica e que terminou no abate ao Vitória de Guimarães que nunca soube por cordura num jogo eléctrico e de causa-efeito. Os vimaranenses chegavam com a esperança que os festejos europeus dos dragões passassem factura mas a verdade é que encontraram com uma equipa mais desperta e dinâmica do que nunca. Sem uma referência fixa no ataque, pela ausência por lesão de Falcao, o FC Porto destroçou o jogo defensivo do Vitória com as sucessivas trocas de posição entre Varela, Hulk e James Rodriguez. O colombiano não se limitou a marcar o hat-trick e a ser o homem do jogo. Foi também o espelho moral em que se mediu esta equipa, com uma fome tremenda de glória. Começou por ter poucos minutos mas foi encontrando o seu espaço na estrutura montada por Villas-Boas e é, inequivocamente, uma das figuras chave deste final de temporada confirmando tudo aquilo que deixava antever nos seus dias do Banfield.

 

O jogo começou frenético com um golo azul e branco aos 4 minutos.

James foi oportuno e abriu a contenda mas pouco depois o Vitória mostrou que não vinha a festa alheia e com a ajuda de Álvaro Pereira igualou o choque. A bola dançava nos pés dos azuis e brancos que evidenciavam pouco cansaço de uma semana histórica, talvez porque havia a consciência de que o último jogo era também um dos mais importantes do ano e que havia a forçosa necessidade de ir buscar forças onde fosse possível. Varela, fisicamente em baixo desde Março, levou a filosofia à prática e ampliou de novo a vantagem antes que um imenso Edgar, nos ares, voltasse a desfeitear Beto. Foi a última vez em que se ouviu falar do Vitória de Guimarães. A partir de aí o jogo passou a ser um monólogo azul e branco com Rolando e Hulk, este de canto directo com muitas culpas para Nilsson, a ampliarem a vantagem para os 4-2.

O jogo estava aparentemente decidido quando Edgar teve nos pés a oportunidade de levar para o balneário uma sensação de alivio para os vitorianos e de preocupação para os homens de Villas-Boas. Não só desperdiçou o penalty (na segunda parte falhou outros tantos golos) como na continuação o demoniaco James marcou o quinto. Como miudo deve ter-se lembrado dessas peladinhas de muda e troca e saiu para os balneários com o resto da equipa exultante. A final tinha acabado, a goleada não.

O segundo tempo deu para celebrar, para homenagear Mariano Gonzalez, um dos mais amados jogadores do balneário azul e branco, e também para marcar o sexto golo, de novo por James, deixando o Porto a apenas dois tentos de igualar o recorde histórico do Benfica de golos marcados numa só final (8, ao Estorial Praia). Os azuis e brancos confirmavam a sua 16º vitória na prova, superando aqui também os números do Sporting, e ao mesmo tempo igualavam (ou superavam, tendo em conta o que se possa pensar da Taça Latina) o eterno rival Benfica em titulos. Muitas razões para celebrar e o ambiente era de festa evidente, muito mais do que se podia antecipar com uma vitória na Taça depois de vencer Liga e Europe League nas semanas prévias. É essa sensação de fome de titutos que distingue este FC Porto de Villas-Boas do do seu antecessor (que venceu 3 ligas e 2 Taças em quatro anos) e dá sinais inequivocos de que, para o ano, o FC Porto continua a ser o máximo favorito nos troféus domésticos, por muito que se espera melhoras substanciais de Benfica e Sporting. No outro lado do campo, derrotados pela quinta vez em cinco finais, os adeptos do Vitória voltaram resignados à cidade-berço com o consolo de mais uma participação nas provas europeias e a sensação do dever cumprido.

Triunfal, o FC Porto soube esmagar o Vitória de Guimarães sem abdicar da sua filosofia de futebol cuidado mas tremendamente ofensivo. Soube ter a bola nos pés para pautar o ritmo e soube pisar o acelerador para moldar o jogo à sua medida. Mais do que os golos foi a avalanche ofensiva que diferenciou este Porto dos seus antecessores e que, de passo, serviu para confirmar a imensa superioridade do conjunto azul e branco face aos rivais directos. Bateu o Benfica na Liga, o Braga na Europa e o Vitória na Taça. Em todas as competições foi claramente superior em todos os momentos da época. E se muitos querem imaginar um segundo ano à Mourinho, com vitória na Champions League incluida, o mais sensato é pensar que a hegemonia doméstica, resgatada por um ano pelo Benfica de Jesus, é o objectivo prioritário e mais acessível para os dragões. Este ano já está escrito a letras de ouro na história do futebol português. O próximo promete ser ainda mais apaixonante!



Miguel Lourenço Pereira às 15:22 | link do post | comentar

Segunda-feira, 15.11.10

O eterno duelo minhoto há anos que ganhou outra preponderância no futebol português. O fim abrupto do Boavista e o desafinar constante da orquestra sportinguista abriu as portas à emergência de um novo centro de poder. Se o Minho tivesse só um clube, hoje talvez seria a terceira força nacional. Mas mesmo divididos em dois os minhotos sentem que sopra uma brisa favorável ao futebol nortenho. Vitória e Braga dizem presente.

A vitória dos vimaranenses no duelo minhoto não é uma novidade. O ano transacto coube à equipa então orientada por Paulo Sérgio quebrar a invencibilidade do rival de Braga. Três pontos que decidiram, a longo prazo, o titulo a favor do Benfica. Este ano o Braga não está a exibir-se com a mesma fluidez, vitima do natural desgaste de ter várias frentes abertas, mas o Minho continua a lutar pelo titulo. Ou pelas migalhas deixadas pelo FC Porto. O triunfo do Vitória de Guimarães permitiu à equipa de Manuel Machado continuar a liderar a perseguição à frente do pelotão da capital. Tal como há dois anos atrás, quando os vimaranenses só tropeçaram nas jornadas finais, depois de estar perto da glória lograda pelo eterno rival, o ambiciado segundo lugar. A média de resultados dos dois grandes clubes minhotos há muito que deixou de ser uma novidade. O Braga tem um projecto consolidado desportivamente e desde há cinco anos para cá que é uma força a ter em conta. 2009/2010 foi o culminar de uma politica desportiva pensada ao mais minimo detalhe e apesar da nova época não apresentar o mesmo Braga, a verdade é que a equipa segue nas várias frentes que o calendário impõe. Taças a tiro, Champions League de bom nível com presença europeia garantida para Fevereiro, onde quer que seja, e o segundo lugar na Liga Sagres (que lhe permite reeditar o melhor resultado da sua história) a uns significativos sete pontos. Os mesmos pontos que o separam do seu eterno rival vimaranense. Há muito que o Minho deixou de ser apenas pasto para os adeptos encarnados do Norte que jogavam em casa a cada visita do SL Benfica a Braga, Guimarães, Barcelos e arredores. Hoje os dois clubes têm atrás de si uma massa adepto involucrada, uma politica desportiva pensada e uma atitude de grande. Os resultados não surpreendem.

 

Sem Boavista, vitima do risco da sua politica desportiva, e com um Sporting incapaz de conseguir mais do que 3 titulos em 3 décadas de campeonato, é legitimo pensar que o terceiro posto no ranking do futebol português está em aberto. O Sporting passou os últimos oito anos a destroçar o que construiu em apenas três. Titulos perdidos no principio ou no fim da Liga, técnicos que vão e vêm, jogadores veteranos e jovens misturados sem critério e uma politica presidencial que destroça qualquer projecto desportivo a médio prazo. Imaginar hoje o Sporting a meio da tabela classificativa já não é tão complicado como há uns anos. É até mesmo natural ver o sofrimento dos adeptos sportinguistas jornada após jornada. Os leões conseguiram nas últimas jornadas recuperar a face e seguem já no quinto posto da classificação (a 14 do lider) mas o ano parece perdido, mais um. E a paciência de Job que caracterizou o sofrimento de uma massa adepta que viveu 18 anos (de 1982 a 2000) sem títulos parece ter voltado. A grandeza dos verdi-brancos começa a ostentar-se mais no nome do que no poder desportivo e mediático. Uma verdadeira quebra moral.

Sem Belenenses e Boavista, únicas equipas capazes de sagrar-se campeãs numa liga pautada pelo poder dos chamados "3 Grandes", cabe ao Minho reclamar a sua quota de destaque. O Vitória de Manuel Machado, equipa sem dinheiro mas com muita imaginação, é o perfeito exemplo dessa atitude. Poucos se relembram da notável campanha de 2008 dos vimaranenses, que ficaram às portas de disputar a Champions League no ano seguinte, e talvez por isso muitos se surpreendam com o notável arranque de época de um conjunto que não perdeu com os rivais directos Porto, Benfica, Braga, Sporting e Nacional na sua ambição por superar o seu melhor registo histórico. Com os milhões deixados nos cofres por Bebé e com uma equipa montada quase a custo zero, os vimaranenses revelam-se um conjunto sólido e estruturado, capaz de reviravoltas com truques sacados da cartola, e com estomago para aguentar a pressão de rivais tecnica e financeiramente muito superiores. A viagem à Madeira, terreno do rival que roubou o sonho europeu na última ronda da época passado, será uma boa prova (mais uma) do estofo do conjunto vimaranense.

Uns kilómetros a norte o Braga olha com desconfiança para a época que se vai desenrolando a pouco e pouco. A margem de manobra no campeonato é cada vez mais curta para não perder a ligação com o pelotão da frente e um duelo com o Nacional da Madeira o confronto menos apetecível. A gesta europeia frente ao Sevilla teve o seu preço e apesar das primeiras duas derrotas nos duelos da prova rainha europeia, a dupla vitória frente ao Partizan Belgrado confirmou a presença europeia dos bracarenses em 2011. Um verdadeiro sucesso europeu que teve as suas consequências na liga, onde a falta de concentração e atitude custaram pontos preciosos. Domingos Paciência sabe que o brilharete europeu não pode destroçar o bom trabalho ligueiro e o mais seguro é pensar que a equipa arsenalista passará a ter a prova nacional como máxima prioridade, pelo menos até Fevereiro. Tempo de sobra para recuperar o atraso com o grupo da frente com o qual já não tem duelos pendentes a disputar.

 

Sem um Hugo Viana na melhor forma e com um ataque em baixo de forma, o Braga perdeu o rótulo de equipa de máxima eficácia. Mas, mesmo assim, não deixa de ser um rival sério à luta pelos postos europeus (Champions League incluida) e apesar do arranque de época tremido, os bracarenses partilham com os vimaranenses uma legitima ambição a trepar um escalaão no pódio do futebol nacional. Esse lugar que o Sporting, entre crise financeira e desnorte desportivo, parece determinado a querer abandonar.



Miguel Lourenço Pereira às 09:16 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Porto esmaga

Os bons ventos do Minho

Últimos Comentários
Thank you for some other informative web site. Whe...
Só espero que os Merengues consigam levar a melhor...
O Universo do Desporto é um projeto com quase cinc...
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO