Sábado, 25.04.09

O destino é a fatalidade da condição humana e persegue-nos a todos, qual sombra pegajosa. O de Virgilio Mendes encontrou-o ontem. Não sabemos se estava preparado ou se o apanhou de surpresa, como esses desarmes fora de horas que nos deixam estonteados com tamanha rapidez. Virgilio era um desses mitos que sabia o que encontrava, quando se encontrava no vestuário, antes de um grande desafio. Nessa altura chamavam-lhe desafios a esses encontros repletos de emoção e incerteza que faziam parte desse nosso futebol dos anos 40 e 50.

Durante toda a vida Virgilio foi dragão. Na época, ainda se vivia o fantasma dos andrades, mas o poderoso jogador do FC Porto não temia a vivos e mortos e em campo impunha a ordem numa equipa que teimava em encontrar-se. Fez parte dessa equipa que viveu o primeiro grande oásis e lançou as bases do único team campeão azul em muitos, muitos anos. Mas ficaria para a história como leão. Não de verde ao peito, mas de raça. Essa raça que marcaram a vida dos grandes defesas azuis e brancos. Foi em Génova, frente á toda poderosa Itália com as quinas ao peito. O resultado final aqui conta pouco (4-1 para os mais curiosos...a favor dos italianos, claro). Foi a exibição de Virgilio que enlouqueceu os italianos, mais predispostos que quaisquer outros a elogiar defesas talentosos. A imprensa portuguesa aproveitou a fama e catalogou-o como "Leão de Génova" para apagar a má imagem colectiva da derrota, mas a verdade é que de Itália e Espanha começaram a soar os temidos cantos da sereia. Mas Virgilio ficou. Tinha inaugurado o novo Estádio das Antas e estaria presente na celebre dobradinha de Yustrich e mais tarde nas vitórias com Guttman.

 

Mais do que o seu papel chave no FC Porto e na selecção nacional desses turbulentos anos 50, Virgilio foi sempre o espelho do jogador gentlemann que começava a desaparecer. Para muitos o melhor lateral direito de sempre a actuar em relvados nacionais, Virgilio tinha ao clube que o acolheu em 1947 essa devoção de outros tempos.Tornou-se na prata da casa e ganhou um lugar na história de um desporto que sempre viveu mais de mercenários do que de abnegados. Aqueles 8 contos ao mes que ganhava contra as 15 mil pesetas que lhe ofereceu o Celta de Vigo são, ainda hoje, uma lição de devoção num mundo cada vez mais pobre de valores.  



Miguel Lourenço Pereira às 00:23 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

O eterno leão azul

Últimos Comentários
Thank you for some other informative web site. Whe...
Só espero que os Merengues consigam levar a melhor...
O Universo do Desporto é um projeto com quase cinc...
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO