Quarta-feira, 9 de Julho de 2014

Podem passar os anos. As gerações. Haverá momentos únicos, históricos. Viveremos torneios exibidos em novos suportes digitais. O mundo acabará mas os Mundiais continuarão a disputar-se noutra galáxia. O que nunca irá ser esquecido foi o vivido ontem em Belo Horizonte. Naquele que foi, muito provavelmente, o jogo mais importante da história do futebol desde o Inglaterra vs Hungria, entendemos definitivamente que o passado nunca volta.

 

Billy Wright e Tom Finney olhavam desconfiados para um jogador gorducho, cabelo impecavelmente penteado, meias altas. Não parecia um jogador de futebol profissional. Tinha mais aspecto de dono de bar de má reputação. Para esses dois símbolos do Rule Britannia o futebol consistia numa série de leis não escritas. No topo da lista estava a eterna invencibilidade dos ingleses. Os Pross já tinham perdido internacionais, mas sempre longe de casa. No tapete sagrado de Wembley eram invencíveis. Até àquela tarde. O jogador gorducho provou em campo que o futebol não era uma questão de credo, de raça, de coração. Era um jogo altamente sofisticado, cheio de burocráticos detalhes tácticos mas onde o génio individual tinha sempre de casar com o talento colectivo para forjar o triunfo final. Puskas mostrou aos ingleses que o futebol que eles tinham reinventado e dominado de forma insultante tinha chegado ao fim. Demonstrou-o diante dos seus olhos para não haver mais duvidas. A verdade é que há décadas que os ingleses não eram os melhores do Mundo, per se. Nos anos 30 a escola danubiana e a Itália tinham ocupado o seu lugar e do outro lado do Atlântico o futebol rioplatense tinha demonstrado estar, como mínimo, à altura dos insulares. Mas esses duas décadas tinham passado sempre debaixo de um fantasma de genuína admiração pelos ingleses. Viviam da glória passada, do seu jogo fascinante, das suas velhas lendas, como se bastasse vestir a camisola com os três leões, cantar o God Save the Queen e ganhar por direito divino. Os seis golos dos húngaros em Wembley acabaram com oitenta anos de hegemonia emocional inglesa. O império tinha chegado ao fim.

 

Foi isso que aconteceu em Belo Horizonte.

O mesmo fiel retrato dessa tarde de Londres em que o futebol se despediu entre lágrimas das suas origens e seguiu o seu caminho. Cinco anos depois da hecatombe inglesa, apareceu um novo império. Chegou com o mesmo fascínio original provocado pelos ingleses. O Brasil era tudo aquilo que a Inglaterra já não era mais tinha feito o mundo acreditar que sim. Tinha talento, organização, engenho, velocidade e jogadores capazes de roubar corações para a eternidade. O triunfo no Mundial de 1958 tinha sucedido ao drama do Maracanazo e à brutalização do futebol (já) canarinho em 1954. Nesse torneio, disputado na SUécia, começou a saga memorável dos brasileiros. Quatro anos depois o segundo titulo. Em 1970, debaixo do sol asfixiante do Azteca, o tricampeonato Mundial e a certeza de que não havia ninguém no Mundo que pudesse estar à altura da sua sombra. O Brasil tornou-se na nova Inglaterra. Era a segunda selecção de todos, a equipa que chegava sempre como favorita, mesmo em más horas. A que tinha um jogo inconfundível, aquela cujos adeptos podiam presumir de ser únicos e inimitáveis. A “amarelinha” tornou-se tão grande como os “leões”. O God Save the Queen foi substituído pelos batuques, passos de samba e gritos de ordem tropicais. A dinâmica emocional manteve-se. O Brasil perdeu, mais do que ganhou. Perdeu a jogar bem, perdeu a jogar mal. Chegou ao zénite do seu génio colectivo em Espanha, em 1982, baixou às profundezas oito anos depois com um modelo de jogo atrasado no tempo e desfasado no espaço do ADN brasileiro. Recuperou títulos e prestigio mas, como sucedia com a Inglaterra dos anos 30 e 40, já estava longe da sua insultante hegemonia. Foi-se tornando menos Brasil e o resto do Mundo fingiu que não o sabia e continuou a olhar e a assobiar para o lado por respeito a uma velha glória que sabe que os focos já apontam noutra direcção. Mas todas as velhas glórias mais tarde ou mais cedo se confrontam com a realidade. Em casa, diante dos seus, o golpe é sempre muito mais duro. Os ingleses só entenderam que o mundo tinha realmente mudado quando os húngaros destroçaram o seu lote de estrelas intocáveis em pleno Wembley. A humilhação em 1950 contra espanhóis e americanos passou ao lado da critica dos adeptos porque foi distante. O mesmo foi sucedendo com os dramas vividos pelas sucessivas encarnações de um decrépito Brasil. Até ontem.

No Mineirão os brasileiros procuraram sacar das mesmas armas dos ingleses. Houve o hino, o equipamento icónico e o fervor do público que ainda acreditava que existia uma vontade divina que tratava os futebolistas brasileiros como uma raça à parte. Do outro lado um rival que já vinha, como os húngaros, dando sinais nos anos anteriores que o seu caminho era outro. Mas um rival que, ainda assim, sabia que defrontava o Brasil no Brasil. O respeito impunha-se. Tudo isso acabou com o primeiro toque da bola na relva. O Brasil foi atropelado com uma facilidade insultante. Reflexo perfeito daquela tarde em Wembley. Thomas Muller e Toni Kroos reencarnaram em Ferenc Puskas e Nandor Hidgekuti. O Brasil limitou-se a pedir a ajuda dos ausentes, fantasmas antigos e novos criados na psique nacional como canalizador de desculpas. Os golos foram sucedendo-se a um ritmo de jogo de amigos. O estado de estupefacção era mais evidente do desnorte do que o avolumar do marcador. Os brasileiros não acreditavam que mesmo sem futebol, sem jogadores e sem colectivos o facto de ser o Brasil não os deixava isentos de uma noite assim. Os homens que se julgam Deuses olham sempre com descrença para o fatalismo que os espera. A Alemanha foi ela mesma, sem mudar uma vírgula, e bastou-lhe para ganhar. Não quis fazer sangue. O resultado pode enunciar o contrario mas os golos surgiram de forma tão natural que o difícil era não marcá-los. Tivesse a Alemanha jogado ao mesmo ritmo os noventa minutos e o marcador teria colocado o Brasil ao nível futebolístico do Guam. Era ontem o nível onde estava.

 

O fim do império britânico foi confirmado em Londres naquela tarde. Os ingleses ainda assim demoraram a dar-se conta. Meses depois foram a Budapeste perder por sete golos. Nos três Mundiais seguintes perpetuaram a sua fama de decadentes figuras de cera com resultados decepcionantes atrás de resultados decepcionantes. O titulo conquistado em 1966, a hegemonia dos clubes insulares na segunda metade dos anos setenta e o sucesso da Premier League serviram de consolo emocional. O resto do Mundo continua a olhar para a Inglaterra com uma reverência emocional que já não se confunde com respeito desportivo. O processo futuro  do Brasil tem tudo para seguir o mesmo caminho. Os problemas do futebol brasileiro são tão antigos como o tempo. Quando acabou a mágica geração dos anos cinquenta e sessenta, apareceram de novo os treinadores brutalizadores do esférico , os desastrados “cartolas” da CBF e no coração dos clubes. A Globo fez do futebol o aperitivo das novelas. A decadência em campo começou no próprio jardim de casa. Há mais de vinte anos, desde o São Paulo de Telé Santana, que não há uma equipa brasileira de clubes digna desse nome a nível de projecção global. Os jogadores foram sendo vendidos cada vez mais cedo, cada vez mais fora de tempo e o espírito da “ginga” e do “malandro” foi substituída pelo engrossar de legiões de operários made in Europa. A tudo isso a resposta da CBF foi a eleição de treinadores desinspirados ,de Carlos Alberto Parreira a Scolari sem esquecer os Zagallo, Menezes ou Dungas. Sem lideres fora e dentro de campo o futebol brasileiro tornou-se cada vez mais o fiel reflexo dos decadentes ingleses. O jogo de Belo Horizonte abriu definitivamente os olhos aos brasileiros e aos descrentes do Mundo.

O jogo bonito há décadas que não existe, ontem o que caiu ao chão foi a constante sensação de que, do nada, o Brasil pode voltar a ser o velho Brasil pelo simples desejo de sê-lo. Esses dias acabaram para sempre. O novo império está por entregar e será seguramente partilhado pelos herdeiros ideológicos do tiki-taka espanhol , alemão ou quem os queira seguir. O que é certo é que esta história chegou ao fim. E daqui a muitos anos os nossos filhos vão pedir-nos, â hora de ir para a cama, que lhes contemos essa fábula mágica do dia em que a Alemanha acabou com essa Camelot que um dia se chamou Brasil.


Categorias: ,

publicado por Miguel Lourenço Pereira às 18:18 | link do post

De Bete do Intercambiando a 15 de Julho de 2014 às 18:35
Post muito bem escrito, com analogia que procede inteiramente. Parabéns!
Sou brasileira, e diferente do Sr. Lázaro que o é e não torceu para o Brasil, vou sempre torcer pela vitória e também para que abandonem a arrogância de "Vencedores", para assumir a humildade dos derrotados, mas com a garra da Fênix, que os tornará novamente campeões.


Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Últimos Comentários
Thank you for some other informative web site. Whe...
Só espero que os Merengues consigam levar a melhor...
O Universo do Desporto é um projeto com quase cinc...
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
arquivos

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

.Em Destaque


UEFA Champions League

UEFA Europe League

Liga Sagres

Premier League

La Liga

Serie A

Bundesliga

Ligue 1
.Do Autor
Cinema
.Blogs Futebol
4-4-2
4-3-3
Brigada Azul
Busca Talentos
Catenaccio
Descubre Promesas
Desporto e Lazer Online
El Enganche
El Fichaje Estrella
Finta e Remate
Futebol Artte
Futebolar
Futebolês
Futebol Finance
Futebol PT
Futebol Total
Jogo de Área
Jogo Directo
Las Claves de Johan Cruyff
Lateral Esquerdo
Livre Indirecto
Ojeador Internacional
Olheiros.net
Olheiros Ao Serviço
O Mais Credível
Perlas del Futbol
Planeta de Futebol
Portistas de Bancada
Porto em Formação
Primeiro Toque
Reflexão Portista
Relvado
Treinador de Futebol
Ze do Boné
Zero Zero

Outros Blogs...

A Flauta Mágica
A Cidade Surpreendente
Avesso dos Ponteiros
Despertar da Mente
E Deus Criou a Mulher
Renovar o Porto
My SenSeS
.Futebol Nacional

ORGANISMOS
Federeção Portuguesa Futebol
APAF
ANTF
Sindicato Jogadores

CLUBES
Futebol Clube do Porto
Sporting CP
SL Benfica
SC Braga
Nacional Madeira
Maritimo SC
Vitória SC
Leixões
Vitoria Setúbal
Paços de Ferreira
União de Leiria
Olhanense
Académica Coimbra
Belenenses
Naval 1 de Maio
Rio Ave
.Imprensa

IMPRENSA PORTUGUESA DESPORTIVA
O Jogo
A Bola
Record
Infordesporto
Mais Futebol

IMPRENSA PORTUGUESA GENERALISTA
Publico
Jornal de Noticias
Diario de Noticias

TV PORTUGUESA
RTP
SIC
TVI
Sport TV
Golo TV

RADIOS PORTUGUESAS
TSF
Rádio Renascença
Antena 1


INGLATERRA
Times
Evening Standard
World Soccer
BBC
Sky News
ITV
Manchester United Live Stream

FRANÇA
France Football
Onze
L´Equipe
Le Monde
Liberation

ITALIA
Gazzeta dello Sport
Corriere dello Sport

ESPANHA
Marca
As
Mundo Deportivo
Sport
El Mundo
El Pais
La Vanguardia
Don Balon

ALEMANHA
Kicker

BRASIL
Globo
Gazeta Esportiva
Categorias

a gloriosa era dos managers

a historia dos mundiais

adeptos

africa

alemanha

america do sul

analise

argentina

artistas

balon d´or

barcelona

bayern munchen

biografias

bota de ouro

braga

brasileirão

bundesliga

calcio

can

champions league

colaboraçoes

copa america

corrupção

curiosidades

defesas

dinamarca

economia

em jogo

entrevistas

equipamentos

eredevise

espanha

euro 2008

euro 2012

euro sub21

euro2016

europe league

europeus

extremos

fc porto

fifa

fifa award

finanças

formação

futebol internacional

futebol magazine

futebol nacional

futebol portugues

goleadores

guarda-redes

historia

historicos

jovens promessas

la liga

liga belga

liga escocesa

liga espanhola

liga europa

liga sagres

liga ucraniana

liga vitalis

ligas europeias

ligue 1

livros

manchester united

medios

mercado

mundiais

mundial 2010

mundial 2014

mundial 2018/2022

mundial de clubes

mundial sub-20

noites europeias

nostalgia

obituário

onze do ano

opinião

polemica

politica

portugal

premier league

premios

real madrid

santuários

seleção

selecções

serie a

sl benfica

sociedade

south africa stop

sporting

taça confederações

taça portugal

taça uefa

tactica

treinadores

treino

ucrania

uefa

todas as tags

subscrever feeds