Quinta-feira, 10 de Outubro de 2013

Em semana de jogos internacionais de selecções voltou à baila o velho e caduco (ou assim parecia) debate das nacionalizações. Dois frentes abertos, um em Espanha e outro em Inglaterra, colocaram no ponto de mira a história dos jogadores que optam por jogar por nações distintas daquelas de donde nasceram ou com as quais têm ligações familiar. No século XXI esse debate está totalmente fora de ordem na esmagadora maioria dos desportos mas o mediatismo do futebol garante que qualquer acto natural é visto ainda como uma aberração social.

Diego Costa é brasileiro. Quer jogar por Espanha. Adnan Januzaj é belga. E em Inglaterra querem que se torne parte dos Pross.

São dois casos bem diferentes mas que reabrem um debate antigo. É legitima, moral e ético que um jogador que não seja de um país possa representar a sua selecção nacional?

Ao contrário do que muitos querem fazer crer, nacionalizar jogadores não é uma moda do universo global de hoje.

A Itália de Vittorio Pozzo foi duplamente campeã do Mundo com argentinos e uruguaios no onze. Jogadores que tinham disputado a primeira final do Mundial, em 1930, e que foram transformados em italianos por oportunismo político. Eram os "oriundi". Ao mesmo tempo vários filhos da emigração, muitos dos quais nascidos ainda nos países de origem, começaram a jogar regularmente pelos seus novos países, ainda que levantando alguma polémica com os adeptos, como aconteceu em França com Kopa nos anos cinquenta. Alfredo di Stefano, que raramente esteve nos planos das selecções argentinas, disputou em 1962 o Mundial do Chile com Espanha. Na mesma equipa estava o idolo do eterno rival, Ladislao Kubala, um dos maiores jogadores húngaros da história. Mesmo assim a campanha dos espanhóis não passou à história e quando, dois anos depois, venceram o seu primeiro Europeu, o onze era composto por jogadores exclusivamente nascidos em Espanha. O mesmo não se podia dizer das potências coloniais (Portugal, França) e nem sequer dos ingleses que sempre procuraram assediar os melhores jogadores britânicos, na maior parte das vezes sem sucesso. E quando chegaram os anos oitenta, os brasileiros começaram a tomar parte na diáspora que levou vários dos seus atletas a surgirem como internacionais japoneses, de equipas do Médio Oriente, da América central e até da Europa. Donato com Espanha, Cacau com a Alemanha, Eduardo com a Croácia eram apenas alguns dos exemplos mais mediáticos. A Espanha de 2008, na segunda vez que vencerem o Europeu, arrancava para o ataque sabendo que a cobrir as costas estava o experiente brasileiro Marcos Senna. O êxito de Portugal em 2004 deveu-se, e muito, ao brasileiro Deco. Antes dele tinha havido excepções também no futebol português e depois dele veio Pepe, Liedson, Makukula e todos os filhos da comunidade guineense que fazem parte dos escalões internacionais. Olisadebe, nigeriano, jogou pela Polónia. Argentinos e uruguaios voltaram a actuar pela Itália e a diáspora deixou uma Alemanha com jogadores de ascendência turca, tunisina, polaca e checa e uma França com filhos do Império mas também de emigrantes portugueses, arménios e argelinos. No fundo a velha história de que a selecção nacional é exclusiva dos nativos de cada país há muito tempo que deixou de ser uma realidade.

 

E então, que fazer nestes casos?

Há, como em tudo na vida, uma moralidade no futebol que deveria ser respeitada ainda que não imposta.

O critério base da FIFA parte do principio que um jogador que nunca disputou um jogo oficial com o seu país de origem e vive há cinco anos no país de acolhimento, pode ser internacional por essa nação. Exclui os jogos amigáveis destas contas o que no caso de Diego Costa amplia a discussão. O brasileiro já foi chamado por Scolari e já jogou pelo escrete canarinho. Não renunciou a jogar pelo Brasil. Mas como a selecção está proibida de realizar encontros oficiais até ao Mundial, não há forma de prender oficialmente o jogador. Até Junho de 2014, jogue onde jogue Diego Costa, será sempre de forma temporal porque a Espanha também deixará de ter jogos oficiais a fazer quando se qualifique directamente. O jogador já manifestou vontade em jogar pela selecção espanhola, consciente do seu valor e também da falta de concorrência no ataque da Roja ao contrário do cenário que encontraria num Brasil com Hulk, Neymar, Fred, Leandro Damião, Pato e Jô. A sua escolha parece claramente oportunista (não só por já ter jogado pelo Brasil mas também porque, até há poucas semanas, era fácil encontrar Diego Costa em concentrações oficiais e nas ruas de Madrid com auriculares, indumentária e adereços evocando a bandeira brasileira) e cínica. Mas está no seu legitimo direito.

Já o caso de Adnan Januzaj é distinto.

O belga é filho de uma diáspora tremenda. Nasceu em Bruxelas e aí se criou mas a sua ascendência familiar vem dos Balcãs entre kosovares, albaneses e montenegrinos. Tem ainda uma costela turca na família. Condições suficientes para reclamar jogar com qualquer uma destas selecções. Mas Inglaterra, país onde vive actualmente, também está interessada no seu potencial. O problema é que teria de esperar que se cumprissem cinco anos de vida do jogador no país (acima dos 18 anos) o que alargaria a sua internacionalização até aos 23. Um cenário pouco plausível, deixando evidente que Januzaj provavelmente escolha a Bélgica como o país a representar. O seu caso é distinto ao de Costa. Existem laços familiares com vários países ainda que é difícil entender até que ponto chega a sua identificação. Ozil, por exemplo, manifestou sempre desejo de jogar com a Alemanha, país onde nasceu e cresceu, contra a vontade de uma família exclusivamente turca. Os irmãos Boateng jogam por nações distintas (Alemanha e Gana) porque assim o sentem. Pepe sempre manifestou sentir-se mais português do que brasileiro ao contrário de Deco e Liedson. O avançado do Atlético de Madrid, Diego Costa, é claramente (e sente-se claramente) brasileiro mas entende que o futebol é um negócio e jogar hoje com Espanha quotiza em alta. Ao contrário de Senna (já veterano e sem hipóteses de ser chamado) sabe-se cobiçado por duas potências e pode escolher entre a que quiser. É a versão mais mercantilista das nacionalizações.

 

É difícil definir a lógica por detrás deste processo. Pessoalmente não tenho nada contra que um jogador actue por um país onde não nasceu ou com o qual não tem nenhum laço de sangue sempre e quando sinta esse país como uma segunda pátria. Seja porque cresceu desportivamente aí, porque sente que esse é o país que o valoriza de verdade ou porque futebolisticamente está integrado nessa cultura. Não é preciso fazer provas genéticas e de ADN para entender o compromisso e a entrega que esse jogador terá com a camisola do país que elegeu como seu. Ninguém escolhe onde nasce. É-me mais difícil de aceitar cenários bem diferentes, onde a escolha é arbitrária e oportunista e onde o jogador apenas utiliza a plataforma da selecção como veículo próprio. Em Portugal tivemos casos claramente em ambos os lados da barricada, Pepe no primeiro e Liedson no segundo (Deco poderia considerar-se a meio caminho, mas a pender mais para o primeiro ponto). E ninguém se surpreenderá se a situação se venha a repetir. O que é perigoso é lançar debates demagógicos e populistas sobre nacionalismos e xenofobia quando o futebol continua a ser a melhor forma de unir os povos à volta de uma paixão em comum.  



publicado por Miguel Lourenço Pereira às 20:06 | link do post

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Últimos Comentários
Thank you for some other informative web site. Whe...
Só espero que os Merengues consigam levar a melhor...
O Universo do Desporto é um projeto com quase cinc...
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
arquivos

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

.Em Destaque


UEFA Champions League

UEFA Europe League

Liga Sagres

Premier League

La Liga

Serie A

Bundesliga

Ligue 1
.Do Autor
Cinema
.Blogs Futebol
4-4-2
4-3-3
Brigada Azul
Busca Talentos
Catenaccio
Descubre Promesas
Desporto e Lazer Online
El Enganche
El Fichaje Estrella
Finta e Remate
Futebol Artte
Futebolar
Futebolês
Futebol Finance
Futebol PT
Futebol Total
Jogo de Área
Jogo Directo
Las Claves de Johan Cruyff
Lateral Esquerdo
Livre Indirecto
Ojeador Internacional
Olheiros.net
Olheiros Ao Serviço
O Mais Credível
Perlas del Futbol
Planeta de Futebol
Portistas de Bancada
Porto em Formação
Primeiro Toque
Reflexão Portista
Relvado
Treinador de Futebol
Ze do Boné
Zero Zero

Outros Blogs...

A Flauta Mágica
A Cidade Surpreendente
Avesso dos Ponteiros
Despertar da Mente
E Deus Criou a Mulher
Renovar o Porto
My SenSeS
.Futebol Nacional

ORGANISMOS
Federeção Portuguesa Futebol
APAF
ANTF
Sindicato Jogadores

CLUBES
Futebol Clube do Porto
Sporting CP
SL Benfica
SC Braga
Nacional Madeira
Maritimo SC
Vitória SC
Leixões
Vitoria Setúbal
Paços de Ferreira
União de Leiria
Olhanense
Académica Coimbra
Belenenses
Naval 1 de Maio
Rio Ave
.Imprensa

IMPRENSA PORTUGUESA DESPORTIVA
O Jogo
A Bola
Record
Infordesporto
Mais Futebol

IMPRENSA PORTUGUESA GENERALISTA
Publico
Jornal de Noticias
Diario de Noticias

TV PORTUGUESA
RTP
SIC
TVI
Sport TV
Golo TV

RADIOS PORTUGUESAS
TSF
Rádio Renascença
Antena 1


INGLATERRA
Times
Evening Standard
World Soccer
BBC
Sky News
ITV
Manchester United Live Stream

FRANÇA
France Football
Onze
L´Equipe
Le Monde
Liberation

ITALIA
Gazzeta dello Sport
Corriere dello Sport

ESPANHA
Marca
As
Mundo Deportivo
Sport
El Mundo
El Pais
La Vanguardia
Don Balon

ALEMANHA
Kicker

BRASIL
Globo
Gazeta Esportiva
Categorias

a gloriosa era dos managers

a historia dos mundiais

adeptos

africa

alemanha

america do sul

analise

argentina

artistas

balon d´or

barcelona

bayern munchen

biografias

bota de ouro

braga

brasileirão

bundesliga

calcio

can

champions league

colaboraçoes

copa america

corrupção

curiosidades

defesas

dinamarca

economia

em jogo

entrevistas

equipamentos

eredevise

espanha

euro 2008

euro 2012

euro sub21

euro2016

europe league

europeus

extremos

fc porto

fifa

fifa award

finanças

formação

futebol internacional

futebol magazine

futebol nacional

futebol portugues

goleadores

guarda-redes

historia

historicos

jovens promessas

la liga

liga belga

liga escocesa

liga espanhola

liga europa

liga sagres

liga ucraniana

liga vitalis

ligas europeias

ligue 1

livros

manchester united

medios

mercado

mundiais

mundial 2010

mundial 2014

mundial 2018/2022

mundial de clubes

mundial sub-20

noites europeias

nostalgia

obituário

onze do ano

opinião

polemica

politica

portugal

premier league

premios

real madrid

santuários

seleção

selecções

serie a

sl benfica

sociedade

south africa stop

sporting

taça confederações

taça portugal

taça uefa

tactica

treinadores

treino

ucrania

uefa

todas as tags

subscrever feeds