Domingo, 1 de Julho de 2012

Não podia ser mais irónico que o titulo mais criticado e aborrecido da história do futebol espanhol tenha chegado na noite em que La Roja marcou mais golos num jogo a eliminar em quatro anos. A Itália apareceu organizada mas não soube reagir aos golos espanhóis e caiu vitima da sua própria virtude. Espanha torna-se na primeira selecção a juntar, de forma consecutiva, dois ceptros europeus e um mundial e iguala a Alemanha como a selecção com mais Euros nas vitrines. O consagrar de um ciclo que mudou o rosto do futebol.

 

Prandelli não queria acreditar. 

Cinco minutos antes, Thiago Motta tinha sido a sua última opção. Chielinni tinha-se lesionado no inicio do jogo. Di Natale entrou para o lugar do destroçado Cassano ao intervalo. E agora Motta. Motta, o homem que tinha entrado há cinco minutos não se mexia. Ia a caminho do balneário, cabeça baixa. Com apenas dez jogadores era impossível lograr o que onze não tinham sido capazes. A final do Europeu terminou aí.

Antes tinham chegado os golos, as ocasiões, as intervenções de Casillas, um penalty que Proença não viu e a consagração definitiva (a última?) desta geração espanhola. A selecção de Xavi e companhia começou mal o jogo mas encontrou-se com um golo contra a corrente do jogo e a partir daí sentiu-se cómoda, como sempre, sabendo que a sua fortaleza está no eixo defensivo. Ironicamente, ou talvez não, foi um dos defesas, o mais explosivo, Jordi Alba, quem subiu pelo flanco para relembrar o seu passado de extremo e assim marcar o segundo golo. Ainda não tinhamos chegado aos 40 minutos. Nunca ninguém tinha recuperado numa final de um Euro de uma desvantagem de dois golos e Itália, de todas as selecções, era a mais improvável para operar essa reviravolta. Com Balotelli desactivado, Cassano desaparecido e Pirlo bem guardado, o jogo estava decidido. Espanha não jogou propriamente bem, manteve o seu habitual futebol de crochet horizontal, passe atrás de passe, procurando surpreender a defesa italiana com um que outro passe largo a rasgar. Mas não estava a funcionar. Os italianos tinham a bola e iam tentando furar a muralha defensiva espanhola. Mas foi Espanha quem marcou. Posse de bola larga, sonolenta, passe a rasgar a Fabregas que centra no último segundo, o suficiente para Silva meter a cabeça e encontrar a baliza vazia. 1-0. 

 

Depois começou o jogo preferido dos espanhóis. Guardar a bola e defender com ela com comidade.

Itália, a única selecção em todo o torneio que marcou a Casillas, lançou-se para o ataque com uma honestidade tremenda mas o guarda-redes espanhol defendeu cada disparo, desviou cada centro e mostrou-se, uma vez mais, infalível. Pirlo tinha a bola mas não tinha o espaço e numa perda do meio-campo italiano, Xavi esperou até ver Jordi Alba passar como uma flecha pelo seu lado e isolar-se diante Buffon. 2-0.

A segunda parte foi ainda mais à espanhola, adormecida no seu jogo de troques rápidos. Sem um jogador no miolo, os italianos foram-se abaixo, fisica e psicologicamente e o jogo acabou. Espanha ficou com a bola, os italianos desistiram de a roubar e limitaram-se a defender-se de uma derrota demasiada dolorosa, demasiado injusta para uma selecção que fez um Europeu impecável. Não foi suficiente. Xavi apareceu outra vez, pela primeira vez no torneio, e Torres fechou o debate do nove com o seu segundo golo em duas finais consecutivas, algo que nunca um jogador tinha logrado. Minutos depois a conexão Chelsea, Torres-Mata, dá a Espanha a maior vitória de sempre numa final da história. Ironia das ironais, a ditadura futebolistica espanhola, terminou o torneio com uma goleada inesquecível.

O futebol espanhol conquistou o seu terceiro titulo internacional consecutivo. No meio deste ciclo só a eliminação diante dos Estados Unidos na Taça das Confederações impede aos espanhóis reclamar um pleno absoluto. Se o Euro 2008 foi o da surpresa, da afirmação de um estilo, e se o Mundial 2010 uma vitória da sorte dos últimos momentos e da labor colectiva do meio-campo, o triunfo neste Campeonato da Europa foi, sobretudo, o de um estilo que se metamorfoseou a ponto de deixar de ser reconhecidamente um modelo ofensivo - como explorou o Barcelona nestes quatro anos - para ser um planteamento cada vez mais defensivo, cuidadoso e cínico. Com a bola os espanhóis fazem o que querem e decidiram que queriam defender com ela em vez de atacar com ela. Os golos, para os espanhóis, tornaram-se numa consequência da boa defesa e não do melhor ataque. Uma revolução na mentalidade do jogo, uma revolução que precisa, urgentemente, de uma contra-revolução.

Num Europeu sem surpresas, sem novas formas de contrariar este esquema, num torneio onde as grandes selecções tentaram, quase sempre, jogar em negação, a vitória de Espanha é lógica e consequente com uma realidade táctica que parece evidente no universo futebolistico. Uma realidade de estagnação que espera por um novo estilo, um novo sistema, uma nova forma de pensar o jogo para desafiar os campeões invictos e reinantes. O próximo Mundial do Brasil será o desafio definitivo. 


Categorias:

Miguel Lourenço Pereira às 21:09 | link do post | comentar

141 comentários:
De G. Moutinho a 2 de Julho de 2012 às 13:24
Acho que o "Tika Taka" não é tão invencivel como pode parecer à primeira.
É verdade que o Barcelona, que usa este mesmo estilo de jogo dominou o futebol mundial durante alguns anos, mas agora parece que a era deles acabou, o Real Madrid que usa uns estilo de jogo algo semelhante ao de Portugal e o próprio Chelsea com a famosa tática do "autocarro" mostraram que era possivel combater o estilo do Barça, anulando a posse de bola deles (no caso do Real) ou deixando-os andar aos passes sem abrir um unico espaço que permita uma jogada de perigo do adversário (no caso do Chelsea).
No euro a Espanha não foi assim tão dominadora, aliás, apenas dominou o jogo da final. Croácia e Itália (no primeiro jogo) não estiveram muito longe de derrotar os espanhois e Portugal (que não só tem o melhor jogador do mundo como tambem tem jogadores como Pepe, Coentrão, Nani e Moutinho) esteve a 2 penaltis de os eleminar, apenas faltou um ponta de lança experiente e talvez um pouco menos de azar na marcação das grandes penalidades e se calhar, ontem teria sido o dia da nossa seleção...


De carlos a 2 de Julho de 2012 às 14:26
O melhor do Mundo não foi ao europeu, mas o melhor da Europa, o Iniesta esteve por lá.


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Julho de 2012 às 15:23
Carlos,

Há uns tempos escrevi que Iniesta pode ser melhor do que Zidane. Provavelmente já o é. Não sei o que precisa de fazer para vencer o Ballon D´Or!

Este ano, entre ele, Iker Casillas e Didier Drogba deveria estar o vencedor.


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Julho de 2012 às 15:14
G. Moutinho,

O modelo espanhol (não gosto da expressão do amigo Montés) como todos os modelos é batível. Diziam o mesmo do modelo brasileiro, hungaro, holandês, do Milan e da Itália de Sacchi, enfim, perdi a conta aos modelos invenciveis que acabaram, mais tarde ou mais cedo, superados.

O que é certo é que há conceitos que se tornaram verdades inquestionáveis e a resposta está, precisamente, em questioná-los. A posse de bola é um deles. Ontem Espanha chegou a ter, na segunda parte, a mesma posse de bola que os italianos e no entanto goleou no fim do jogo. Clubes e selecções começam a perceber que a mitologia da posse de bola - o conceito centro-europeu - não é infalível e é a partir daí que vão surgir novas ideias como sempre sucedeu.

A Espanha é menos vertical que o modelo do Barcelona mas tem um aspecto fantástico, o seu sistema defensivo, que lhe tem permitido esconder as suas fragilidades ofensivas. Não se esqueçam que falamos da selecção que ganhou um Mundial à base de 1-0, nem a Itália de 82, tão criticado, desceu tão baixo em concretização ofensiva.

O grande mérito espanhol foi ter feito o mundo acreditar que jogam de uma forma invencivel e isso acaba quase sempre por condicionar psicologicamente o rival. E aí, metade do jogo está ganho.

um abraço


De Luis a 2 de Julho de 2012 às 14:55
Que si la consagración de esta generación española puede ser la última...
Que si empezaron mal y "se encontraron" con un gol que les cambió la suerte...
Que si Italia era la menos indicada de las selecciones para recuperarse de dos goles de ventaja ejecutando una "reviravolta"...(seguro que la más indicada era Portugal, me entra la risa...).
Que si España no jugó bien...(joder, llega a jugar bien y...ah, es verdad, es Portugal la que jugó muy bien...al rugby).
Vamos, que sólo la inspiración de Casillas, parando los imparables tiros de Italia, tuvo mérito para parar a Italia cuando "se lanzó" al ataque.
Que la segunda parte fue más a la española: adormecida (si se despiertan, entonces, marcan 8...).
Que la victoria española es injusta (anda, no lo dijo ya Cristiano Ronaldo...??)
Que Xavi apareció "por primera vez en el torneo"...
Que si "la ironía" de la victoria española (el personaje que escribe no sabe lo que es la ironía, claramente...)
Que si la victoria de España en el Mundial fue la de la suerte de los últimos momentos...
Que si España practica un fútbol cínico...que necesita una "contrarevolución"...que, de nuevo, imagino será el gran fútbol portugués el que la realice...
En fin, que España ha implantado su "estancamiento" táctico y que, claro, no éste, sino el próximo campeonato será "el desafío definitivo"...
Y que hay que considerar cómo España "chegou até lá" (debe de ser de milagro), porque Italia es la "vencedora moral de este torneo"...?

Resentimiento, complejo histórico y mucha tontería parece el diagnóstico más objetivo. Qué triste el día a día de algunos portugueses...

Firma un madridista de toda la vida, que adora el señorío histórico del Madrid, y que por tanto no soporta la suciedad de Pepe, Coentrao y Mourinho.

P.S.: Llaman a Mourinho un "ganador"? No será, más bien, un mal perdedor? Así llaman en mi tierra al que cuando pierde siempre tiene un culpable preparado... Y es probablemente el autor intelectual -desde Miami- de la jugada portuguesa de acusar al árbitro de tener intenciones de complacer a Platini. Intimidando a un árbitro con poca experiencia, preparan el terreno para poder dar patadas y que el árbitro tienda a perdonar para que no le acusen... Más claro, el agua.


De Luis a 2 de Julho de 2012 às 14:58
...y más triste, imposible...


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Julho de 2012 às 15:21
Luis,

O seu comentário é, no fundo, o motivo porque Espanha será sempre um pais de mentalidade pequena, envolto em complexos de superioridade dificeis de contrariar porque ser o centro do Mundo, como sucedeu com os imperadores mais egocêntricos, é um fardo demasiado grande para um povo.

No seu comentário, não encontro a natural felicidade que é natural do adepto de uma selecção que ganhou tudo o que havia para ganhar mas sim a eterna frustração daquele que procura que digam que o seu carro é o mais bonito da sua aldeia, porque se não lhe dizem todos começam-lhe a entrar as dúvidas. Esse espirito auto-destructivo é precisamente aquele que tem levado a décadas de derrotas do futebol espanhol e é precisamente aquilo que esta maravilhosa selecção mudou, assumindo-se como uma equipa onde não há espaço para essa pequenês com tudo o que está para lá dos Pirineus e, ao mesmo tempo, essa falsa sensação de superioridade com os vizinhos da "peninsula".

E utilizar o conceito de senhorio histórico para criticar uma selecção e um país através de jogadores e técnicos que devolveram um titulo que um clube centenário era incapaz de ganhar é curioso, tendo em consideração que o chamado senhorio do Real Madrid é bastante questionável ao largo da sua história. Esse complexo também, não tem cura, lamentavelmente.

Blanco y en botella!


De Luis a 2 de Julho de 2012 às 17:00
Querido Miguel, por elemental concordancia lógica, mi comentario no puede ser el motivo por el que España será siempre un país... Podrá en todo caso, reflejar semejante motivo.

De nuevo los emperadores...joder, es tremenda la obsesión que tiene Portugal con ese antiguo asunto...debe ser por no haber podido imperar en nada. Se nota hasta con Brasil, grandísimo país profundamente odiado, cómo no, por Portugal, por haberlos superado en absolutamente todo (até fazem brincadeiras muito particulares com vcs...), hasta en el acento.

Olvídense ya de esto, y saquen partido de lo mejor que tienen, que es bastante.

Mi "natural felicidad", a la que alude con cierta característicamente provinciana cursilería, no es óbice para la objetividad, como debe ser. La cuestión es que el "carro" todos -menos usted- dicen que es el más bonito. A mí, ya ve usted, me da un poco igual el carro. Debo reconocer que, por nuestro histórico individualismo nunca creí que el proyecto de una selección española fuera posible. Pensé que para ser individualista y ganar era necesario ser Brasil, es decir, cada uno artista y mago del balón, capaz de jugar donde fuera. Y, claro, en España no nace tanta gente con un balón en los pies!

De cualquier forma, si la sensación de superioridad es falsa...a los datos -de todo tipo- me remito (de nuevo, son tercamente objetivos, al contrario que otros...).

Ya decía yo que tenía que ser usted precisamente quien viniese por vez primera en la Historia a decir que, hasta que llegó Portugal al Real Madrid, no ganó títulos!! (largas y relajadas carcajadas, permítame la aliteración). Hágase usted mirar eso, que le aseguro que se cura si no es usted muy mayor.

Adoro de Portugal sus paisajes, la dureza y estoicismo de sus gentes (en el mejor sentido), y a algunos de sus grandes intelectuales, sobre todo a Pessoa. Por eso me quedo con aquel maravilloso:

"Ó mar salgado / quanto do teu sal..."


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Julho de 2012 às 17:21
Luis,

É tal o complexo de superioridade, outra vez, que quando falo de imperadores, pensando nos megalómanos romanos do passado, esses que acreditavam ser o centro do mundo, vai o Luis e vê se lhe serve o chapéu. Que eu saiba, salvo casos muito pontuais e historicamente discutiveis, em Espanha o termo "imperador" é de uso pouco frequente, mesmo na época gloriosa dos Áustrias, mas se calhar o erro é meu. Os complexos é que não.

Curiosamente Portugal não só imperou em muitas coisas como teve a inteligência, bastante pragmática e humana, de descobrir o Mundo para o Mundo em vez de destruir povos e gentes à espadeirada, um passado sangrento que só Espanha pode presumir, com o habitual sorriso a que incas e aztecas seguramente não lhe fizeram muita graça.

Quanto ao resto, palavras leva-as o vento, o carro pode ser o mais bonito do Mundo para todos, se não o és para mim, dá-me exactamente igual, tenho inteligência suficiente para saber que há gostos para todas as cores e que o que o Luis pense de mim ou do meu trabalho é tão importante para mim como é para si o que pense do seu carro, por muito que a maioria diga a oposto.

Quanto ao Real Madrid, conheço muito melhor do que imagina a história do clube forjado com negócios oportunos com ministros fascistas como o simpático Moscardo, e sei perfeitamente que antes de ganhar com jogadores e técnicos portugueses (parece que me referi aos últimos anos, devia ter sido mais explicita, às vezes nem para bom entendedor meia palavra basta) também os ganhou com outras curiosas artimanhas de que seguramente, como bom merengue, não faz falte que lhe relembre. E isso não invalida as grandes equipas e treinadores que por lá passaram, nem tudo é tão bom, nem tudo é tão mau.

Quando todos têm telhados de vidro, convém não atirar pedras para o lado.

Fico feliz que Espanha tenha, como o Brasil, encontrado o seu caminho, é da união e não da desunião que nascem os grandes projectos. Há um ou dois jogadores desta geração que não me suscitam honesta admiração, da mesma forma que admiro profundamente Nadal, Gasol e tantos desportistas espanhóis que mudaram o rosto do seu país lá fora.

Conheço poucos países com tanta gente tão admirável, com tanta gente digna de elogio, com tantos desconhecidos que são gigantes no seu pequeno mundo. Para mim viver em Espanha é um prazer, para mim trabalhar com espanhóis é uma lição de estar no mundo com frontalidade e sem medo, agora isso não significa que tenha porque defender a capa e espada aquilo em que não acredito.

obrigado pelas visitas


De Luis a 2 de Julho de 2012 às 18:20
Miguel,

También los megalómanos españoles creyeron ser (hasta hace bien poco, desgraciadamente), centinelas de Occidente, vigilantes y centro del mundo, etc. Cuánto más en la época en que en el Imperio Español (que SÍ es una terminología frecuente para precisamente las épocas en torno a la que usted cita), "no se ponía el sol"... Y, consecuentemente, se trataba de un imperio mucho mayor que el que nunca tuvo Roma, ni siquiera la "koiné" de Alejandro. El matiz, querido, entre imperio y monarquía absoluta, es casi transparente.

Qué raro, parece que sólo España puede presumir de un pasado tan sangriento, sólo le faltaba a usted decir esto para ser aún más sospechoso... Se olvida usted de numerosos países (ya ve que le concedo el benefício de la duda de que los conozca, porque son tan evidentes que están en la memoria de -casi- todos...). Por otra parte, pocos brasileños (por poner un ejemplo) estarían de acuerdo con la visión angelical que transmite usted, implícitamente, de los recios navegantes y conquistadores portugueses...

La historia del Madrid, en fin, todas tienen sus matices. En más de cien años pueden pasar muchas cosas, y la mediación histórica es inevitable, pero es verdad que siempre ha sido muy señorial, elegante y deportiva, proporcional y relativamente hablando.

Hay un dicho español: "sobre gustos no hay nada escrito". Siempre contesto: "que haya leído usted...". Hay miles de años de obras sobre gustos, muchas imprescindibles. El problema del relativismo absoluto es que legitima todos los fascismos: si todo vale, dependiendo del punto de vista... Pero es tenido por la indocumentada "opinión pública" como una posición de gran tolerancia... No, no todo vale. Casi todo es cuestión de gustos, esto es verdad, pero no todo. El matiz AQUÍ sí es importante.

Respecto a lo demás, totalmente de acuerdo (parece que mi experiencia en Portugal es tan positiva como la suya en España, de lo cual me alegro), también hay jugadores españoles que no admiro demasiado. Me parece que Torres falla demasiado, por ejemplo, que sólo vale para grandes distancias y juegos muy verticales, y que tiene mal regate corto. En cuanto a Nadal, reciente y espectacular revés. Y si me permite seguir la incursión extrafutbolística, momento dulce del extraordinario Fernando Alonso, con un coche inferior (y un poco de suerte, para variar...).

Obrigado pelas respostas


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Julho de 2012 às 18:59
Luis,

Lejos de mi pensar que España ha sido el unico reyno/imperio que ha sangrado el mundo, pero la verdad es que en ese capitulo Portugal no tiene las manos tan sucias. Las tendra en otras apartados - el trafico de esclavos, de los cuales fomos, y es curioso, el primer pais continental a penar el esclavagismo - pero no tanto en eso.

Cuanto al termino imperio si, lo conozco de sobra gracias, pero es un termino de historiadores. La casa de Hasburg no solia presumir de un imperio en España, entre otras cosas porque solia tener la cabeza en el imperio - ese si consagrado en titulo y nombre - romano-germanico. Por eso los reyes del siglo de oro siempre han preferido la nomenclatura real a la imperial apesar de que el tamaño (y las riquezas, tan mal gestionadas como las nuestras) superaba cualquier imperio pretérito.

La historia del Madrid es grande y es facil de constatar que no ha sido el club del regimen como muchos dicen, un titulo que queda mucho mejor en el Atletico Aviacion, perdon, Atletico de Madrid, ese si un club que ha vivido un antes y un despues de la epoca franquista y que sigue en manos poco recomendables. Pero le recuerdo esos episodios para relembrar que todos tenemos ovejas negras en nuestro pasado y que esa mentalidade tan sureña europea de sacar pecho a la minima conquista olvida muchas veces lo que hay por detrás.

Cuanto a los gustos no estamos de acuerdo. El matiz es siempre variable y depende del espectro cultural y social de cada uno. No se puede pretender que una obra de arte, un libro, una pieza musical, un partido de futbol sean objectivos a los ojos de quien los mira, sean los indios Tupac sean las tribos maoris o los habitantes de Toledo. Cada una vivo el arte, y el futbol lo és, como siente su vida y no hay una vara de medir para la vida.

Para quien le gusta el vino puede siempre tentar el tinto o el blanco, el europeo o el americano, el rioja o el porto, el de los viñedos de la Provence o de la Toscana. Pero no creo que se pueda decir que entre todos esos hay uno que, por motivo x, sea mejor o mas importante que los demas.

Cuanto a mi experiencia española, la mejor possible, es mi segunda casa y Madrid mi ciudad de adopcion, sin duda alguna. Pero eso no hace que cambie mi opinion con respecto al mundo en si. Todo es criticable, en mi pais y en los paises de los demas.

De nada, un saludo!


De Luis a 2 de Julho de 2012 às 20:13
Cierto, no hay una vara de medir, y los matices son todos aceptables "qua" matices, pero sí que hay obras de arte universales que unen a guaraníes, japoneses y esquimales. Compartimos estructuras perceptivas similares, no idénticas, pero que tienen muchos elementos comunes no mediables culturalmente. "La Pietá" conmueve a un esquimal que no sabe quién es la Virgen María, pero que es humano, y comprende lo que ocurre ahí, y capta la fuerza de lo transmitido.

Gracias a Dios (póngase cualquier otro principio...), y en virtud de esas similitudes, los Derechos Humanos son tales, y no los derechos del portugués, del español, del blanco, del negro o del amarillo: a todos nos repelen o admiran situaciones abusivas y crueles, o heroicas (respectivamente), siempre y cuando estén desprovistas de matices demasiado específicos, es decir, siempre y cuando sean lo bastante generales. En aquella especificidad se encuentra el reino del gusto, de la cultura, del matiz.

Un buen ejemplo sería quien proclama que, a su juicio, el tinto de su pueblo es el mejor vino que existe. Por una parte, el gusto se educa. Por otra, el juicio de gusto debe estar incontaminado de cualesquiera otras consideraciones extraestéticas, y cualquier cariño por el terruño, o costumbre de beber ese vino (o educación-exposición limitada a ese vino), deforma el resultado. Es lo que se llama sesgo.

Gracias a..., es por eso que podemos decir que ciertas costumbres son bárbaras, y eso NO es opinable. Cuando alguien defiende la vulneración de los Derechos Humanos, siempre es porque hay un "chiringuito" de poder oculto. Porque no le gusta que los vulneren contra él, es decir, siempre es un colectivo determinado el oprimido.

Por cierto, que si puedo "romper una lanza a mi favor", diré que España, por otro lado, 200 años antes de la Ilustración, inventó los Derechos Humanos (Bartolomé de las Casas, "Derecho de Yndias")...

Dicho lo cual, reitero mis disculpas, esta vez porque, por alusiones, escribo esto en un espacio que no está destinado a estos fines.


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Julho de 2012 às 20:31
Luis,

No hay ninguna problema, mucho de lo que dices es cierto, y la figura de Bartolomé de las Casas una de las grandes olvidadas del siglo de oro. Hoy en dia, en España se recuerda primero a los escritores y los guerreros y muchos se olvidan todos los que se movian por esas fechas con ideas ya absolutamente universales como él.

un saludo


De Luis a 3 de Julho de 2012 às 00:30
Muchas gracias. También mucho de lo que tú dices es cierto.

Saludos!


De Miguel Lourenço Pereira a 3 de Julho de 2012 às 00:35
Luis,

De nada, era o que faltava!

cumprimentos


De Luis a 3 de Julho de 2012 às 00:50
Eso mismo digo yo!

Cumprimentos


De Carlos a 2 de Julho de 2012 às 15:29
Luís, sou um português mas concordo em absoluto com tudo.
Só mesmo os portugueses pequeninos andam sempre a falar de árbitros para justificar as vitórias dos melhores.
Este blog é o exemplo perfeito que em todas as vitórias do Barça ou da Espanha vê erros arbitrais, mas na dos adversários (Inter, Chelsea, Real) se esquece desses erros.
São pequenos e invejosos muitos portugueses, não sabem e não conseguem apreciar a beleza do futebol.


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Julho de 2012 às 15:39
Carlos,

Perdi alguns minutos a ver nos arquivos do blog onde me esqueci de referir os erros arbitrais que favoreceram os clubes que citou e simplesmente não o encontro. Deve ser impressão minha sem dúvida.

O futebol é um desporto demasiado complexo para ter apenas uma só beleza e a arbitragem, e as manobras politicas, e o impacto social, são elementos que fazem parte da complexidade do jogo. Não entender isso é meio caminho para não entender até onde o futebol pode chegar.

Quem acredita que no futebol a arbitragem pode não exercer um papel determinante deveria começar uma plataforma de apoio a que se volte aos principios do século XIX, jogos sem árbitros, sem polémicas e sem influências externas. Será bastante complexo, mas acreditando na beleza do futebol tudo é possível.


De Luis a 2 de Julho de 2012 às 17:22
También los alemanes creyeron que el fútbol era todo teoría (y datos, que usted maneja con una precisión inasequible al común de los mortales...). Consiguieron un sistema feo y aburrido (éste sí...), pero muy efectivo...Hasta que se encontraron con la genialidad de Brasil, y modestamente de España y algunos otros (a quien no oso comparar todavía con la Brasil, como sí hacen algunos poseídos de excesivo ardor patriótico). "Caras" de dos metros, portentos físicos, burlados por la genialidad (que tanto odian) antisistema de pequeños genios como Raúl, Iniesta, Pirlo, Messi...

Si por ellos fuera, con presentar un certificado notarial de quién ha entrenado más horas, y de quién levanta más kilos, no haría falta jugar el partido, para que no se presentaran "injusticias" propias del "azar"...

Piense con un poco más de profundidad, antes de tachar a alguien de esteta sin profundidad...

Cuando Italia ganó a Alemania, les faltó tiempo a loa alemanes para decir que Italia practicaba un fútbol "de calle" (para ellos, un insulto, porque quiere decir, sin sistema, "poco profesional"). La respuesta, sin embargo, es sencilla como su estupidez (también, histórica). No emplean sistema, PORQUE NO LO NECESITAN, no son torpes con fuerza de voluntad como los teutones. La genialidad, queridos, es así. Aunque escuece a casi todos!


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Julho de 2012 às 17:35
Luis,

Existem poucas selecções que melhor jogaram como a Alemanha de 72-74. Eu, pessoalmente, e é o meu gosto, coloca-a ao lado da Holanda da mesma época sem o menor dos problemas. Mas é verdade que as selecções e equipas dos anos 80 e 90 não ofereciam o futebol.espectáculo que dinamarqueses, espanhóis, franceses, holandeses ou brasileiros, para dar alguns exemplos.

Eu não defendo, nem defendarei nunca, o modelo alemão como modelo de excelência. Aliás, em primeiro lugar, não creio que esse modelo exista sequer. E entre as minhas selecções preferidas partilham o mesmo espaço a louca Brasil de 70 com a União Soviética de 86, toda ela ordem e sistema, a Inglaterra de 66 (a mais tactica do futebol inglês) com a França de 82. O sistema, como o génio individual, são duas armas diferentes e que usadas em conjunto são implacáveis.

Esta selecção espanhola é história e será sempre comparada com as maiores. E logrou méritos suficientes para isso mesmo. Mas para fazer história nem sempre é preciso vencer e, mais do que isso, mitificar. O futebol espanhol é especialista em criar lendas e esta selecção tem muito génio e algo de um marketing hábil e eficaz.

Quanto ao génio individual, só conheço dois homens que venceram sozinhos um torneio: Garrincha e Maradona. Não acredito que sós, Iniesta, Xavi, Silva ou Fabregas fossem capazes do mesmo. Mas em conjunto são muito difíceis de parar.


De Luis a 2 de Julho de 2012 às 18:27
Miguel,

Completamente de acuerdo, para variar! Sólo añadiría que convendría añadir a la lista a tres "hombres-orquesta": Pelé, Di Stéfano y...Messi (aunque aún no ha hecho nada con la selección). Una vez leí que Maradona sólo era Maradona a veces, mientras que Messi es (casi) siempre, Messi... Curioso, también el físico parecido de ambos!

Aunque es verdad que éstos que cito no ganaron un torneo "solos", sí que en general tenían-tiene un protagonismo tremendo.


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Julho de 2012 às 18:46
Luis,

Di Stefano, Pelé, Messi, Cruyff, Beckenbauer, Eusébio, Puskas, Charlton, Platini, Muller, van Basten, Zidane, Iniesta, Ronaldo, Baggio...a lista é infindável e há um conjunto de jogadores que, como há em qualquer arte um conjunto de nomes, valem por si só horas de tédio a ver milhares de nomes esforçados mas desconhecidos.

Mas todos eles, em menor ou maior medida, encontraram sempre uma orquestra bem afinada por detrás. O Brasil de 62, orfão de Pelé e a mudança de posição de Zagallo (e essa mutação é importante) e a Argentina de 1986, construido de uma forma muito similar ao Chelsea actual, sobreviveram as competições com esses dois génios a levarem-nos, literalmente às costas.

Curiosamente os melhores jogos de ambos foram contra o mesmo rival, Inglaterra!


De Luis a 2 de Julho de 2012 às 17:06
Carlos, no conocía este blog, al que llegué un poco "de rebote", como es frecuente en Internet.

Lo que sí puedo decirle es que la envidia, desgraciadamente, no es sólo patrimonio suyo, sino que debe ser particularmente ibérico, porque en España es también especialidad local...

La reacción de nuestro escritor, tan súbita y airada, claramente refleja el estilo, ya comentado por otros antes que yo, de una aparente, pero epidérmica, corrección...cuya causa es sólo maquillar al "monstruo irracional de las -bajas- pasiones"...


De Sílvia a 2 de Julho de 2012 às 23:51
Portugal merecia ter ganhado o jogo com Espanha e depois teria sim fortes possibilidades de ganhar a Itália. Há muita gente (não só portugueses) que acusa Espanha de ser uma nação arrogante; o teu comentário a isso contribui. Sejam mais humildes, só vos fica bem.


De Luis a 3 de Julho de 2012 às 00:47
Silvia, hasta los mejores equipos tienen días mejores y días peores. Y es a los aspirantes a quienes corresponde demostrar que son buenos, porque los mejores lo son precisamente porque hasta en un mal día, suelen ganar.

Para mí, la fuerza de Portugal fue, sobre todo, muscular (y la mayoría de las veces, NO sobre la bola...). En la prórroga, ni eso, ni siquiera tras haber tenido más descanso que España: el dominio y ocasiones fueron claramente españoles. Y consideremos que el partido de España, no me duele reconocer que fue uno de los peores, sin llegada, que es probablemente un punto débil que ya comienza -espero- a corregir.

Mucha gente -y no sólo españoles-, considera que los ingleses, franceses, alemanes, americanos, argentinos, italianos, chinos e incluso portugueses son arrogantes... Por tanto es algo que no tiene tanta relevancia, no?

En cambio, sí parece arrogante, en virtud de lo que ya he explicado, asegurar que Portugal merecía haber ganado a España e incluso que tenía méritos para ganar a Italia, que sólo en individualidades ya supera con mucho a Portugal, a excepción de Cristiano R y quizá Pepe.

De todas formas, la humildad está muy sobrevalorada en nuestras tradiciones judeocristianas. Es mala para la salud mental, produce depresión. Pero la soberbia excesiva tampoco es, evidentemente, buena. Los antiguos griegos decían que lo ideal, la virtud, estaba en la [eupsychía], o "buen estado de ánimo", que consistía en decir la verdad, lo más objetivamente posible. Decir que eres el mejor, o uno de los mejores, cuando es verdad, es bueno. Y si eres el mejor, no decirlo, es igual de malo para uno, el MISMO vicio, que mentir haciéndose inmerecidas atribuciones (soberbia).


De jasenjoberic a 2 de Julho de 2012 às 16:14
Boring Spain?
The debate is so ridiculous it should be put in a box and kept
in a place where it does not come out to trouble us again.

The real debate about Spain, surely, is whether there has ever been a more devastatingly effective team.


The answer, almost certainly, is that there has not and anyone who wants to argue the point need only refer to the avalanche of statistics that confirm them as the pass-and-move specialists of their industry.


Trying to compare Portugal style, or just any other team, sounds ridiculous from my point of view, free of any subjective patriotism.


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Julho de 2012 às 16:35
Jasen,

Ive read the first sentence on the Guardian piece on the final curiously!

The is no measure of comparing differente styles, there´s just a reality: there are other ways of playing football, as beautiful and as effective. This tiki-taka is surely one of the most sucessful, no doubt about that, but so it was the "metodo" of Pozzo or the 4-2-4 of the best Brazil team from 57 to 65, and they were, sooner than latter, beatable.

Football is, like life, a constant evolution!


De Luis a 2 de Julho de 2012 às 17:35
To some is, like life, an "eternal return"!!


De Luis a 2 de Julho de 2012 às 17:31
That would be, dear Jasen, precisely the point: the freedom from any subjective patriotism (unavailable for certain essayists...).

Oh well, they can always try to mend that reading all the papers, diving in their swamp of -mostly irrelevant- data, see if they can accuse you of plagiarism, like the school telltale... But in a "putilla" subtle way, always hit & hide...

Sad, sad, sad...


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Julho de 2012 às 18:42
Luis,

Eu não atiro a pedra e me escondo. Estou aqui, sempre a responder aos comentários dos meus leitores, daqueles que, como tu, perdem minutos do seu tempo para ler o que eu escrevo. É preciso ter paciência para ler os outros e é preciso respeitar quem nos lê, sempre.

Mas "putilla"? Eu não vi onde te faltei ao respeito em qualquer uma das tuas respostas para me acusares de me lembrar de um parágrafo de um artigo do The Guardian.

Isso é que é triste!


De Luis a 2 de Julho de 2012 às 18:52
Miguel,

Acusa usted a este lector del Guardian de haber copiado sus ideas del periódico, eso sí, implícitamente (por eso lo de esconder la mano).

"Putilla", se usa (y sólo de esta manera lo he querido usar) para referirse a eso: el que acusa sutilmente, y luego "echa un baño de miel" para que no se note. En absoluto tiene nada que ver con la prostitución.

Pero desde luego, le ruego acepte mis disculpas por el posible y absolutamente no intencionado malentendido.


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Julho de 2012 às 19:02
Luis,

No le acuso de nada. Lo afirmo. Afirmo que esas mismas palavras, ipsis verbis, estan en el articulo que puedo consultar cualquiera del The Guardian sobre el partido de ayer. Y me recuerdo porque me ha gustado la frase, por lo que implica, el espejo perfecto de la mitologia futbolistica.

Por lo tanto no creo ni que haya sido implicito ni que haya dado ningun baño de miel. Y lo vuelvo a decir, sin ningun problema. Si da la curiosidad de que la originalidad de este lector es similar al del periodista del Guardian, le pido disculpas, sin problema.

Desde luego, de su parte, disculpas aceptadas!


De Luis a 2 de Julho de 2012 às 19:05
Y...en efecto, no me ha faltado al respeto...directamente. Yo he hablado de algunos portugueses, no de todos. Usted hablaba de España. Es curioso:
"Conheço poucos países com tanta gente tão admirável, com tanta gente digna de elogio, com tantos desconhecidos que são gigantes no seu pequeno mundo. Para mim viver em Espanha é um prazer, para mim trabalhar com espanhóis é uma lição de estar no mundo com frontalidade e sem medo (...)"

Pero..."España será siempre un país de mentalidad pequeña"...? No parece muy coherente...

Pero bueno, creo mejor ceñirnos a lo futbolístico, y dejar la Historia en paz!


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Julho de 2012 às 19:11
Luis,

No es tan dificil. La gente, individuos de calle, son una cosa. España, como cualquier pais, es una nacion (o en su caso particular, una suma de naciones) con su identidad propria, sus complejos, su cultura, su historia, su presente y su futuro, sus logros y sus fracasos. La historia de España como nacion poco tiene que ver con la historia de los individuos de hoy, pero esta ahi.

Pero lo que digo de España puedo decir de Portugal igual, hay pocos paises con tantos complejos como Portugal sin ninguna duda.

Y para los que me critican de ser anti-español, como si eso fuera posible, solo tienen que consultar el archivo del blog. Cuando yo decia que Xavi era el mejor del Mundo, que Iniesta era tan o mas que Zidane y que a Casillas habia que dar el Balon D´Or, no escuche a nadie acusar de anti-españolismo.

Es curioso que a la gente le mueve solo lo que le apasiona. Mira a un articulo o una idea y de ahi hace el retrato de un individuo de forma inmediata. Falta paciencia a un mundo que va a mil rotaciones por segundo!


De Luis a 2 de Julho de 2012 às 20:23
Sin el lenguaje no corporal, es difícil hacer el retrato, sin duda.

En efecto, sólo mueve lo que apasiona. La etimología es sabia, pasión y pasividad comparten raíz griega: somos llevados por el camino [pathos] por, o pasivos frente a, lo que nos apasiona. Es decir, que nos mueve!

Y esto es bueno, pero procurando una cierta onjetividad al menos... Dionisos sí, pero con Apolo....

Saludos


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Julho de 2012 às 20:32
Luis,

Cierto, y cuando la pasion y la pasividad se olvidan del realismo y de la objectividad, nascen discusiones tan futiles como las de Paris y sus diosas.

un saludo


De Sílvia a 2 de Julho de 2012 às 23:57
Por que respondes em espanhol? E Miguel, achas mesmo que ganha quem merece? que naif, não?? não sei se sou eu que sou muito exigente, mas há mtos comentários ingénuos sobe futebol!


De Miguel Lourenço Pereira a 3 de Julho de 2012 às 00:02
Silvia,

Quem ganha merece porque fez o que tinha de fazer para ganhar. De forma legal, ilegal, jogando bem, jogando mal, isso são outros conceitos.

O mérito é sempre questionável, os números não. Não quer dizer que ache pessoalmente que deva ganhar, moralmente falando, mas se ganhou é por algo, nem que seja, por sorte. E se a sorte estava do seu lado, pois mereceu-a.

PS: Falo em português geralmente, espanhol e inglês pontualmente :-p


De Jose Carlos Cardoso Marques a 2 de Julho de 2012 às 17:11
Li atentamente o que se escreveu aqui sobre a matéria, concordando ou discordando dos pontos de vista, porventura todos denotam uma pontinha de verdade.

Porém a sensação de facto é que PORTUGAL, não fez tudo que estava ao seu alcance para derrotar os espanhois (foi medo - respeito - não sei).

Eu culpo inteiramente o Treinador, a sua visão foi cega ao ponto de não querer mostrar os dentes;

Por volta dos 85 minutos não fez aquilo que estava á frente dos olhos de todos (ACAGAÇAR OS ESPANHOIS).

Deveria ter feito com que Ronaldo viesse a pisar terrenos interiores (perto dos centrais), metendo um ala na direita (ou vice versa) encostando NANI numa das alas.

Esse efeito teria imposto respeito aos Espanhois e creio que os levaria á derrota.

Vejam que os espanhois atacavam pela direita (coitado do Coentrão), porque o Ronaldo não fechava.

Ou seja com aquele dispositivo mataria o jogo dos espanhois e estou certo que nos teria encaminhado á vitoria.

PERDEMOS UMA ENORME OPORTUNIDADE


De teixeira a 2 de Julho de 2012 às 17:23
esperar mais do Paulo Bento é um excesso, se me perdoe a observação. Trata-se de um conservador completo, limitado , especialmente como profissional. Falta atrevimento ao Senhor Bento. Não é um estudioso. Nem carismático. Não é um, a meu juízo, um progressista . É um funcionário da federação. Disciplinado e cumpridor dos deveres que estão afectos ao cargo. Porém, em termos de poesia futebolística, penso que jogadores e seleccionadores precisam, ousar, desafinar às vezes, para terem brilho e sucesso. Deve a continuidade do cargo ao miúdo da Madeira.


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Julho de 2012 às 17:28
Teixeira,

Paulo Bento é um conservador, disse-o quando foi nomeado seleccionador e continuo a dizê-lo. A sua abordagem funcionou porque, com os jogadores que tinha, pouco mais podia fazer.

Mas uma coisa é certa. Há equipas de futebol que, treinadas por homens igualmente conservadores, encontram no terreno de jogo a harmonia de criar algo distinto, original e ousado. Foi assim com a França em 2006, por exemplo.

O problema de Portugal passa também pela falta de liderança e de iniciativa dos seus jogadores mais emblemáticos!


De teixeira a 2 de Julho de 2012 às 17:49
despeço-me do blog neste instante com a perplexidade de ter encontrado um veículo onde se pode discutir e conversar sobre futebol em nível que ainda não conhecia. parabéns por seres um estudioso. sou mais velho, e experiência só conta para o futuro. posso te garantir que os seleccionadores /treinadores conservadores só vão adiante quando encontram "indisciplinados" no elenco. Artistas da bola. Aqueles que desrespeitam no campo a palavra burocrática; o esquema ortodoxo. A magia do futebol não está em pranchetas e sim na bota dos jogadores. "Viver é extremamente perigoso". A história não fala dos covardes. É preciso ousar sempre. Conheci e vi jogar maquinas maravilhosas". Cito: o Brasil de 58 e 70; Argentina (campeã) de Maradona, Holanda de 78, Alemanha de Beckenbauer e a Espanha de hoje. O Del Bosque é só uma figura tosca no banco. Basta não atrapalhar e deixar jogar. Um avô que todos desejam na família. Sou um romantico inveterado. Espero que o esquema espanhol - vai ser suplantado sem dúvida - possa vir ser substituído por um ainda mais formidável. Por ora, gostemos ou não, os espanhóis não tem rivais à altura. Um grande abraço e até uma próxima.


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Julho de 2012 às 18:49
Teixeira,

Obrigo eu pelas palavras, pelas visitas, pelos comentários e pela discussão. Quanto às tuas últimas palavras, estou de acordo na generalidade, só um grande génio individual consegue abrir caminho sobre um grande génio colectivo.

um abraço


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Julho de 2012 às 17:24
Jose,

Paulo Bento fez um grande trabalho de contenção e a Portugal faltaram unhas ou dentes para morder com contundência. Eu, pessoalmente, tinha colocado Varela ou Quaresma no lugar de Almeida e acredito que nesse momento Portugal perdeu o controlo do jogo, que tinha, e as opções de vencer.

Não sei se Portugal teria ou não vencido o jogo dessa forma, e jogando como jogou, teve uma oportunidade despediçada entre Meireles e Ronaldo, mas também teve sorte quando Iniesta rematou quase à figura de Patricio. Assim é o jogo, e esta meia-final tem de ser uma lição para o próximo torneio.

um abraço


De Afonso a 2 de Julho de 2012 às 21:05
Antes demais parabéns pelo blog. Maioritariamente opinioes construtivas.. dificil de encontrar ultimamente.

Acerca deste EURO. Confesso que o Paulo Bento nunca me passou uma imagem de competente à frente da selecção. Como é que podem escolher um treinador com tao pouca experiência!? Sim, porque treinar uma unica equipa durante 4/5 anos nao é a meu ver experiencia suficiente para se "dirigir" uma seleção . Porque não um Manuel José, completamente habituado a seleções de menor calibre onde tem de peneirar ininterruptamente até encontrar os melhores jogadores! Isto para nao falar de um tal de Mourinho, mas essa é outra história.

Mas pronto, como as minhas expectativas nao estavam muito altas acabei por ficar surpreendido pela positiva. Paulo Bento fez um bom trabalho levando Portugal até à meia final, sendo batido apenas pela futura campeã. O resultado poderia ter sido outro como é obvio. Penalties é 80% lotaria mas tambem tactica. Porquê um Moutinho a marcar quando se sabe que nao é de maneira nenhuma a sua especialidade? Alem de se ver claramente na sua cara que estava extremamente nervoso...quando assim é porque é que os jogadores nao marcam para o meio a meia altura?? É sempre golo em 95% das vezes.

Mas agora falando do que me levou a comentar neste blog.
Como já foi dito anteriormente e muito bem, o problema de Portugal (no futebol ou desporto em geral), é ao nivel da formação. A maioria dos clubes aposta essencialmente em estrangeiros de creditos firmados (CAROS) e nao tem a coragem de apostar em "produtos" nacionais. Isso é compreensivel por parte dos clubes na medida em que esta aposta nao tem repercussoes imediatas. Logo, às vezes para ganhar algumas coisas, é preciso perder outras. O Sporting parece-me ser o clube a apostar mais nesta politica e tem sevisto o resultado. As piores epocas de sempre!! Mas acredito que esse trabalho dará frutos no futuro. Digo isto sem ser Sportinguista, pois o meu clube até é o injustiçado do Boavista FC . (um bom tópico para escrever nesta blog, fica a dica).

Além de tudo isto que referi, acredito piamente ser preciso uma mudança drástica de mentalidade no desporto em geral em Portugal. É preciso criar condiçoes para os "nossos" atletas evoluirem de forma sustentada.

Só falta referir um ponto. É preciso ter a noção de que Portugal é um Pais pequeno (em termos geográficos claro). Somos só 11 milhoes . . a Alemanha por exemplo, tem 80 milhoes . O que significa muita "matéria prima", jogadores! Por tudo isto, é preciso optimizar todo este processo de formação.

E por favor....Ronaldo é um grande jogador mas... nao é um capitão de seleção de maneira nenhuma!! Por incrivel que pareça, o "nosso" Pepe tem mais aptidões para tal. Grande jogador cheio de raça que canta melhor e mais sentido o hino de Portugal do que outros jogadores nascidos em terras lusitanas.

ps: esqueci-me de dizer. Porque é que Portugal só demonstra o que sabe jogar quando se encontra a perder e tem de ir atrás do prejuízo? Nao entendo... eu dou comigo próprio a pedir que soframos um golo no inicio para que joguemos bem e ao ataque....

Mais uma vez, parabéns pelo blog.


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Julho de 2012 às 21:23
Afonso,

Obrigado pela visita e pelo comentário.

Estamos de acordo na esmagadora maioria dos pontos que levanta (sobre o Boavista, cujo caso conheço bem podia escrever-se um livro) e o mais importante que retenho é precisamente isso: trabalhar a formação e ter em consideração que num país de 11 milhões a matéria prima não é muito grande.

A Portugal falta uma equipa directiva, como a polaca, que se dedica a encontrar filhos e netos de emigrantes de valor noutros países e tentar captá-los para jogar por Portugal. Mas não nas equipas A, falo a nível de sub-15 e 17, onde se forjam realmente os jogadores de futuro.

um abraço


De Sívia a 2 de Julho de 2012 às 21:19
Portugal merecia mais ganhar.


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Julho de 2012 às 21:24
Sivia,

Ganha sempre quem merece!


De Afonso a 2 de Julho de 2012 às 21:46
Obrigado pelo comentário. :)

Mas tal não é minha surpresa quando venho ao blog para ler a resposta e deparo-me com a seguinte resposta: "Ganha sempre quem merece!"

Peço desculpa mas....tal frase está mesmo a pedir a seguinte resposta. :D

Entao o famoso jogo da champions Chelsea VS Barcelona!!!??? Ou o Ireland VS France (playoff campeonato do Mundo).

Claro que entendi o que está por trás da frase mas....cuidado! ;)

Saudaçoes...


De Helder Caeiro a 2 de Julho de 2012 às 22:11
E com muita tristeza minha que hoje vi mais destaque a um inicio de epoca de um clube do que una medalha de ouro para uma portuguesa e mais falou- se o dia todo NAS noticias de espanha campea europeia e muito pouco do ouro portugues e triste


De Helder Caeiro a 2 de Julho de 2012 às 22:12
E com muita tristeza minha que hoje vi mais destaque a um inicio de epoca de um clube do que una medalha de ouro para uma portuguesa e mais falou- se o dia todo NAS noticias de espanha campea europeia e muito pouco do ouro portugues e triste


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Julho de 2012 às 22:34
Hélder,

É o país que temos. Posso garantir-lhe que se fosse ao contrário o directo seria todo da atleta nacional e havia uma nota de rodapé com o campeão da Europa.

um abraço


De Luis a 3 de Julho de 2012 às 01:00
...en eso España va mejorando, pero no está mucho mejor que Portugal... Por lo menos Portugal no tiene los problemas de nacionalismo estúpido (cateto, pueblerino, idiota -en sentido etimológico-) que tenemos aquí, mientras el mundo contemporáneo tiende a unirse...

Para muestra, un triste botón (o dos...):

http://www.intereconomia.com/noticias-/punto-pelota/godall-raja-los-jugadores-barca-seleccion-20120702

http://www.larazon.es/noticia/4630-barcelona-sin-pantalla-pero-con-celebracion

Brasil me parece de nuevo un gran ejemplo para nosotros: inmenso, heterogéneo, pero en sus aviones, "Orgulho de ser brasileiros". En cambio aquí, país mucho más pequeño, una bandera española en el centro de Madrid aún puede agredir sensibilidades estúpidas, como si Franco, que lleva 35 años frío, tuviese algo que ver con la idea actual de España...

Ay pena, penita, penaa....


De marco a 3 de Julho de 2012 às 01:20
Caro Hélder, eu dou-lhe razão, se responder frontalmente se já conhecia a Dulce Lopes e se segue os europeus de atletismo. Se não for o caso, não o censuro. Eu também não. Fico feliz e não me importo nada se lhe derem o tempo de antena que bem merece. Até porque afinal sempre somos campeões da europa, mesmo que nem estivessemos a contar minimamente com isso. Agora se isso não acontece, os culpados somos nós, mesmo aqueles que ficaram ontem a saber do evento e se escândalizam com a falta de notoriedade.

Os jornais, rádio, CS, são apenas a extensão do nosso povo. Se as contratações do Benfica vendem mais, a resposta é fácil. E termos o Ronaldo ( cujo desempenho neste Euro não se destacou tanto dos seus companheiros) aparecendo sozinho na capa do Record enquanto que a vizinha Espanha ama os seus 11 de igual maneira, sejam os catalães ou os madrilistas, faz-me crer que temos muito para aprender sobre futebol, mas não só. Na selecção espanhola não sabemos quem é o ídolo. É o Casillas, é o Iniesta é o Torres, são uma equipa.

E aí, meus amigos, não há patriotismo que me ludibrie. Dizer que a mentalidade é pequena no país vizinho, é fantasia. Poucos povos defendem tão afincadamente a sua cultura, a sua língua e os seus atletas.
Na selecção portuguesa vejo o mundo girar à volta de um homem, mesmo uns adorando e outros odiando, esquecem o futebol no colectivo.

A Espanha ganhou bem. Com ou sem bola de ouro no plantel, joga o melhor futebol de 11, o genuíno portanto.


De Joaquim Gil a 3 de Julho de 2012 às 12:37
Caro Marco, desculpe a minha intromissão, tocou num assunto crucial, para definirmos a diferença de cultura entre portugueses e espanhóis, eles defendem a sua língua, a sua cultura e o seu patriotismo, um exemplo flagrante está neste blog, basta recuar uns comentários para verificar, sendo o blog português, à um espanhol que intervém com vários comentários, sempre na sua língua e o bloguista, responde-lhe em espanhol, se um espanhol, no nosso país, precisar de uma informação, não se esforça por falar português, a pessoa solicitada é que lhe dá logo a informação, normalmente, em portunhol!!


De Marco a 3 de Julho de 2012 às 01:44
Caro Afonso, vou ser directo na minha abordagem. A justiça da vitória do Chelsea é mais latente do que as pessoas podem fazer crer, quando estamos a falar de uma equipa sem as armas e que ainda para mais ia ser arrasada pelo demolidor futebol do Barça.

A organização defensiva saiu premiada, mas se fosse só isso, estavam mortos quando se viram a perder 2-0 e com menos 1 jogador, em pleno Camp Nou . Ou nunca teriam reagido ao golo tardio do Bayern no seu estádio...

Mas para explicar isto estávamos aqui uma noite e nenhum de nós mudava de opinião.


O outro caso é mais difícil de justificar e mais triste, pois é daquelas situações em que o erro de arbitragem intervém de forma decisiva no desfecho do jogo, ou da competição.
infelizmente, mesmo as grandes decisões das fases mundiais estão cheios delas. Quem não se lembra do pénalti inexistente que permitiu a Andreas Brehme dar "somente" o título mundial à Alemanha?


De Afonso a 3 de Julho de 2012 às 13:12
Acho que me fiz entender erradamente... o jogo da champions a que me refiro, nao é o desta época que deu o título ao Chelsea mas sim o mais escandaloso roubo no mundo do futebol a que eu já assisti. Aquele com o sr Howard Webb a apitar, aquela meia-final em que 4 penaltys nao foram assinalados e no fim do jogo o sr arbitro, se é que se enquadra nessa categoria, está pavido e sereno como se nada de mal tivesse acontecido!!

E sim erros acontecem como é obvio, só é pena que seja quase sempre para os mesmos lados...
Lembrei-me novamente de mais um exemplo mais recente. Este campeonato da Europa em que a Espanha se encontrava a ganhar à Croacia e simplesmente nao foi assinalado um penalty claríssimo que, a meu ver mudaria o rumo dos acontecimentos. Croacia estaria por cima do jogo e os espanhois iriam tremer...

Nao estou a por em causa a qualidade da seleção espanhola mas...há coisas que nao podem ser só coincidencia.

Nao sei se posso por links aqui mas se sim, aqui fica o pequeno video dos lançes desse tal jogo Chelsea vs Barcelona: http://www.youtube.com/watch?v=s5x0iM0oQps

E, peço desculpa mas, nem sempre ganha a melhor equipa! É o que o desporto tem de fascinante para mim...


De marco a 3 de Julho de 2012 às 17:51
Muito bem, então temos a distinção de 2 acontecimentos que pouco têm em comum, os erros de arbitragem ( e sim, claro que decidem campeonatos) e as vitórias das equipas menos talentosas.

Estamos de acordo. É verdade que o Barça pagou o preço, em certa medida, no ano seguinte, contra o Inter, embora as situações não sejam bem iguais. Ou que o Chelsea também teve uma mãozinha na Champs deste ano. Na verdade, poucos campeões têm a folha limpa. ele há a Inglaterra de 66, a Argentina do golo com a mão, ou o título decidido a favor da Alemanha, já mencionado por mim, na final de 1990. E com a Espanha, e com os próximos certamente.


Quanto ao comentário anterior, sobre a resposta em espanhol, é um bom exemplo. Melhor só os jornalistas espanhóis que questionaram o Paulo Bento para responder em espanhol, mas felizmente alguém teve bom senso e não o deixou responder, isto em plena conferência de imprensa de antevisão do jogo. A Sport Tv é chatinha, está em tudo o que mexe, mas depois apanhamos estas pérolas em directo que depois não merecem destaque nos blocos noticiosos.



De Miguel Lourenço Pereira a 3 de Julho de 2012 às 21:57
Meus amigos,

A linguagem oficial do Em Jogo é sempre o português, o que não invalida que responda algumas vezes em francês, inglês, espanhol ou italiano aos meus leitores.

Não vejo onde é que isso possa entrar em debate, além de ser uma opção pessoal, o facto de pertencer a um país que cultiva o dominio dos idiomas estrangeiros sempre me pareceu mais um mérito do que algo a ter em contra. Países como Espanha, França ou Itália dobram tudo o que lhes entra e depois são incapazes de comunicar-se fluentemente com o Mundo.


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
Thank you for some other informative web site. Whe...
Só espero que os Merengues consigam levar a melhor...
O Universo do Desporto é um projeto com quase cinc...
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO