Terça-feira, 30 de Novembro de 2010

Não é por acaso que o Real Madrid tem sentido cada vez mais dificuldades em jogar no Camp Nou. Neste tipo de duelos, em que a camisola se sente com paixão, é fundamental ter uma equipa mentalmente preparada. A táctica funciona muito pouco se não a acompanha a atitude. Barcelona e Real Madrid apresentaram o seu desenho e o seu onze de gala (salvo Higuain, por lesão). Mas diferenciaram-se totalmente no empenho que puseram no terreno do jogo. Aí, como no resultado final, a diferença foi abismal. Os números, inevitáveis.

Quando uma equipa tem oito jogadores formados desde pequenos no seu centro de formação, jogadores que sentem a camisola até ao tutano, é de esperar que num duelo como este dêm tudo por tudo.

Este Barcelona pode perder com o modesto Hércules numa tarde de despistes mas contra o eterno rival ninguém admite a minima falha. Mais do que o talento inato desta inesquecível geração blaugrana, o tapete molhado do Camp Nou sentiu a diferença do pisar com querer dos catalães contra as amedrontadas hostes merengues. Mourinho nunca ganhou no terreno do seu rival particular. Também nunca tinha sofrido tanto. Para ele, e para os mais cínicos, o jogo foi um duelo desigual. Um David contra Golias sem happy-ending. Não havia nada a fazer. A impotência do luso no banco, sem alternativas para mudar o rosto a um conjunto desfigurado, dictou o volume do resultado. O conjunto da capital espanhola chegou ao intervalo a perder 2-0, mas com uma leve reação. Voltou ainda mais descrente e descaracterizado e postulou-se diante de um pelotão de fuzilamento sem piedade. A morte foi agónica e lenta. Durou 90 minutos certos. Enquanto os cristãos caíam sob os golpes de gladiadores sedentos de sangue, a galeria aplaudia como nunca. Era a sua noite.

Xavi Hernandez, Andrés Iniesta, Pedro Rodriguez, Sergi Busquets e Leo Messi. O quinteto da Masia definiu o ritmo e espirito do jogo com uma mobilidade inalcançável por quem encarou o encontro com um desleixo pouco comum nas equipas de Mourinho. O técnico português quis usar o seu sistema habitual no desenho, mas no terreno o posicionamento foi bem diferente. O 4-2-3-1, com Marcelo muitas vezes a tornar-se num terceiro interior, desapareceu com o primeiro suspiro. Di Maria foi forçado por Dani Alves a actuar de falso defesa esquerdo (mas não tem o caracter de Etoo para o lograr com mestria) enquanto que Cristiano Ronaldo e Karim Benzema estavam isolados num oceano de jogadores azulgrana que controlaram sempre com a precisão de um relógio suiço as movimentações ofensivas dos merengues. Com o progressivo desaparecimento de Mezut Ozil, que continua a não aparecer nos jogos importantes (como em Bremen e como na semi-final da África do Sul), a equipa branca quebrou-se num 7-3 desorientado, perdido, knockeado. Os golos foram apenas a conclusão de um grave problema de posicionamento e atitude. Os catalães trocavam a bola com naturalidade, sem pressão, e tinham tempo para ler, pensar e executar com mestria. Os cinco golos surgiram assim, de lances ponderados e executados com precisão e aproveitando os erros posicionais dos rivais.

 

Guardiola venceu o duelo de xadrez sem inovar ou mexer nenhuma peça. Mantendo-se igual a si mesmo.

Todos os golos que não entraram contra o Inter em Maio chegaram ontem às redes de Casillas. A diferença não está tanto em Mourinho, que teve uma abordagem similar a ambos os encontros, mas sim na atitude dos jogadores. Se os cracks do Barcelona são de outra galáxia, Xavi Hernandez mais maestro do que nunca, a maturidade e garra dos neruazurri é ainda uma ilusão para um conjunto madrileño sem eira nem beira. Uma equipa demasiado jovem (Marcelo, Khedira, Ozil, Benzema, Di Maria), ou demasiado displicente (Ramos, Pepe, Xabi Alonso, Cristiano) acaba por ser presa fácil de um predador nato como é o conjunto azulgrana. Guardiola manteve-s fiel à filosofia cruyffiana e jogou como sabe, ao ataque declarado, mas controlando sempre os espaços. Busquets, Pique, Xavi e Iniesta cercaram o meio-campo do Madrid. E asfixiaram-no lentamente. Messi deambulava pelo centro, arrastando consigo marcações e ritmo de jogo e abriu o jogo para as penetrações letais de Pedro e Villa. O erro do Madrid foi querer jogar num campo curto quando o Barça aproveitou ao máximo cada centimetro do relvado imenso do Camp Nou. Villa e Pedro partiam sempre, encostados às linhas, enquanto o quarteto defensivo do rival actuava muito junto, basculando de um lado ao outro, deixando sempre um sector lateral sem marcação. E quando o rival tem passadores do nível de Iniesta, Xavi e Messi, está tudo dito. Os dois primeiros golos resultaram da paciência do futebol de toque blaugrana. O primeiro conclui-o Xavi, com destreza. O segundo foi apontado por Pedro. Em ambos os casos Marcelo, o pior da defesa do Madrid, viu-se superado pela velocidade do jogo rival. Os golos de Villa, já na segunda parte, significaram o culminar do oportunismo posicional dos jogadores azulgrana. No limite do fora de jogo, com uma defesa mal posicionada, o avançado asturiano beneficiou de duas assistências magistrais de um Leo Messi mais centrocampista do que nunca. O argentino não marcou (apesar do primoroso gesto técnico nos instantes iniciais), mas foi determinante no centro do terreno de jogo. Puxou e encurtou a defesa rival para si e abriu espaço para os demais. Tudo aquilo que Cristiano Ronaldo, que continua a desaparecer nos jogos a sério, foi incapaz de fazer. Messi tem-no mais fácil, joga numa equipa feita e pensada à sua medida, com a mesma filosofia e modelo de jogo. A Ronaldo faltam parceiros de baile. Tinha-os em Old Trafford e a cada dia que passa paga o preço de ter abandonado uma equipa feita à sua medida por querer jogar num clube que já foi o da moda mas que agora é mais um entre tantos. Ao português para ser Di Stefano separam-no 60 anos. Hoje, para ser estrela global, ser admirado e respeitado, é preciso ser-se jogador do clube azulgrana como sucedeu ao revés com o argentino nos anos 50. CR7 ainda não entendeu o seu erro e a inevitabilidade do mesmo, algo que o próprio Zidane sofreu na pele com a comparação directa com Ronaldinho no ocaso da sua carreira. E assim, uma vez mais, a força e o querer do português são algo insignificante quando do outro lado está uma escola de dança da qualidade dos blaugrana. Nem o penalty por assinalar, nem o teatro do bom, primeiro de Guardiola (indisculpável e desnecessária atitude) e depois de Messi, borraram a exibição perfeita, culminada com o golo de Jeffren, depois de mais um lance largo onde Sérgio Ramos, desastrado como quase sempre, desistiu do lance para depois procurar a cara de Puyol e as pernas de Messi. Era mais fácil.

 

A diferença de dois projectos futebolisticos paralelos mas em estádios de evolução bem distintos ficou patente. Não é de 5-0, todos sabem-no bem. Mas é ainda imensa. O Barcelona de hoje é o culminar do Barcelona que arrancou em 1988 e que há 20 anos que tem recuperado o atraso histórico com respeito ao eterno rival em titulos, prestigio e qualidade de jogo. Producto de uma filosofia própria que funciona e vive a sua idade de ouro e que merece todos os elogios do mundo. É a equipa dos estetas, dos amantes do futebol de toque e da precisão. Do outro lado Mourinho chegou com a pressão dos resultados e a necessidade de resgatar da depressão um histórico que há muito vive do passado glorioso. É uma equipa jovem com grande margem de progressão mas a que lhe faltam os veteranos e o caracter que habitualmente imprimem os conjuntos do português que terá de se medir com o rival ideal. Em Inglaterra Mourinho derrotou o "Invencible" Arsenal, já na sua fase descendente e em Itália não teve real competição. O mano a mano com o Barcelona só terminará em Maio e o português sabe até que pode perder os dois jogos e mesmo assim ser campeão. É o seu objectivo pessoal mas não o dos adeptos e da direcção merengue, assombrados pelo jogo do rival, que procuram algo mais. Talvez seja justo conceder que, agora mesmo, esse algo mais é demasiado utópico. Não se pode resolver em cinco meses uma equação para a qual o rival demorou 20 anos a encontrar a resposta. O Madrid de Mourinho, como o dos anteriores técnicos, paga o preço de uma ausência de politica desportiva em prol do marketing. Pode vencer no final, como venceu Schuster, Capello ou Del Bosque, mas o Mundo já sabe por quem se vai decantar. E essa, mais do que a goleada de ontem, é a grande vitória do Barça. Ser a equipa global de hoje como o rival foi nos anos 50. Sem contestação! 



publicado por Miguel Lourenço Pereira às 08:10 | link do post

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Últimos Comentários
Thank you for some other informative web site. Whe...
Só espero que os Merengues consigam levar a melhor...
O Universo do Desporto é um projeto com quase cinc...
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
arquivos

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

.Em Destaque


UEFA Champions League

UEFA Europe League

Liga Sagres

Premier League

La Liga

Serie A

Bundesliga

Ligue 1
.Do Autor
Cinema
.Blogs Futebol
4-4-2
4-3-3
Brigada Azul
Busca Talentos
Catenaccio
Descubre Promesas
Desporto e Lazer Online
El Enganche
El Fichaje Estrella
Finta e Remate
Futebol Artte
Futebolar
Futebolês
Futebol Finance
Futebol PT
Futebol Total
Jogo de Área
Jogo Directo
Las Claves de Johan Cruyff
Lateral Esquerdo
Livre Indirecto
Ojeador Internacional
Olheiros.net
Olheiros Ao Serviço
O Mais Credível
Perlas del Futbol
Planeta de Futebol
Portistas de Bancada
Porto em Formação
Primeiro Toque
Reflexão Portista
Relvado
Treinador de Futebol
Ze do Boné
Zero Zero

Outros Blogs...

A Flauta Mágica
A Cidade Surpreendente
Avesso dos Ponteiros
Despertar da Mente
E Deus Criou a Mulher
Renovar o Porto
My SenSeS
.Futebol Nacional

ORGANISMOS
Federeção Portuguesa Futebol
APAF
ANTF
Sindicato Jogadores

CLUBES
Futebol Clube do Porto
Sporting CP
SL Benfica
SC Braga
Nacional Madeira
Maritimo SC
Vitória SC
Leixões
Vitoria Setúbal
Paços de Ferreira
União de Leiria
Olhanense
Académica Coimbra
Belenenses
Naval 1 de Maio
Rio Ave
.Imprensa

IMPRENSA PORTUGUESA DESPORTIVA
O Jogo
A Bola
Record
Infordesporto
Mais Futebol

IMPRENSA PORTUGUESA GENERALISTA
Publico
Jornal de Noticias
Diario de Noticias

TV PORTUGUESA
RTP
SIC
TVI
Sport TV
Golo TV

RADIOS PORTUGUESAS
TSF
Rádio Renascença
Antena 1


INGLATERRA
Times
Evening Standard
World Soccer
BBC
Sky News
ITV
Manchester United Live Stream

FRANÇA
France Football
Onze
L´Equipe
Le Monde
Liberation

ITALIA
Gazzeta dello Sport
Corriere dello Sport

ESPANHA
Marca
As
Mundo Deportivo
Sport
El Mundo
El Pais
La Vanguardia
Don Balon

ALEMANHA
Kicker

BRASIL
Globo
Gazeta Esportiva
Categorias

a gloriosa era dos managers

a historia dos mundiais

adeptos

africa

alemanha

america do sul

analise

argentina

artistas

balon d´or

barcelona

bayern munchen

biografias

bota de ouro

braga

brasileirão

bundesliga

calcio

can

champions league

colaboraçoes

copa america

corrupção

curiosidades

defesas

dinamarca

economia

em jogo

entrevistas

equipamentos

eredevise

espanha

euro 2008

euro 2012

euro sub21

euro2016

europe league

europeus

extremos

fc porto

fifa

fifa award

finanças

formação

futebol internacional

futebol magazine

futebol nacional

futebol portugues

goleadores

guarda-redes

historia

historicos

jovens promessas

la liga

liga belga

liga escocesa

liga espanhola

liga europa

liga sagres

liga ucraniana

liga vitalis

ligas europeias

ligue 1

livros

manchester united

medios

mercado

mundiais

mundial 2010

mundial 2014

mundial 2018/2022

mundial de clubes

mundial sub-20

noites europeias

nostalgia

obituário

onze do ano

opinião

polemica

politica

portugal

premier league

premios

real madrid

santuários

seleção

selecções

serie a

sl benfica

sociedade

south africa stop

sporting

taça confederações

taça portugal

taça uefa

tactica

treinadores

treino

ucrania

uefa

todas as tags

subscrever feeds