Quinta-feira, 4 de Março de 2010

Os amigáveis de preparação são sempre terrenos de areias movediças. Vive-se na dúvida e incerteza de perceber onde está o real e onde pulula o imaginário. O campo é rectangular mas o jogo não é quadrado e a dúvida, o direito à dúvida, sempre persiste a cada golo suspeito de uma facilidade que no futuro pode não existir. No entanto as migalhas não deixam pistas e permitem entender que a maturidade competitiva é algo genético. Para o bem e para o mal.

Mergulhamos em quatro estádios ao mesmo tempo. O olhar desvia-nos a acção, os replays concentram a atenção. Quatro, melhor dito, oito realidades lado a lado que deixam pistas importantes e enganos imperdoáveis. Saber qual é qual, aí está o truque. Que poucos dominam. É possível imaginar o leitor a fixar-se apenas no resultado final e cingir-se ao números. O futebol é isso. Números puros e duros. O jogo, a estética, o sofrimento. Isso conta durante 90 minutos. Depois esvanece-se em números. Em cálculos. 0-1, 2-0, 0-2, 3-1. Quatro resultados, oito números. Muitas mentiras encobertas. Não fosse o futebol uma caixa de surpresas e poderiamos tecer já criticas e elogios, antecipar campeões e anunciar derrotados. Mas estamos a 98 dias do inicio da prova mais esperada dos últimos quatro anos. Muitas enfermarias ainda se irão encher com estrelas que nunca pisarão as relvas africanas. Muitos nomes consagrados chorarão ao não ouvir o seu nome. E muitos se surpreenderão com escolhas bem mais polémicas.

No entanto há algo que fica bem patente. A natureza das equipas está, não nos berrantes equipamentos que vão surgindo, mas no seu ADN de jogo. Na forma como encaram cada encontro, amigável ou não. A disciplina táctica, o empenho, a determinação. Essa é a madeira dos campeões, o ponto final que faz a diferença num momento de aperto. Tudo o resto é pura sorte. Pura ilusão e fantasia. Há equipas cujo o ADN está feito para ganhar. Desde sempre. Outras sofreram mutações, progressivas, e hoje são o que nunca se imaginou que seriam. E há aquelas que, pura e simplesmente, nunca mudam. Ontem vimos de tudo. Espelhos preciosos, dicas importantes, realidades imutáveis. Pelo menos em três meses.

Assim é Espanha. Assim é Portugal. Por um lado o ADN perfeito. Uma equipa com um leque de opções imensas, que se dá ao luxo de deixar no banco o melhor jogador do Mundo e, mesmo assim, mandar no jogo. Uma equipa com sorte no ADN - que o diga Ramos, que o diga Casillas - mas que a procura constantemente. Espanha controla, Espanha remata, Espanha finta. Mas, acima de tudo, Espanha deixou de ser a débil fúria. Agora é uma equipa organizada que controla os tempos de jogo. Que sabe encurtar e estender o terreno, que tanto joga em 4-5-1, dando a bola aos seus elementos mais criativos, como aposta num 4-4-2 mais vertical com o apoio dos seus extremos velozes. Com soluções tácticas e de elementos, é no entanto na mentalidade que se nota a real superioridade do jogo espanhol. O ADN da Roja é ganhador por natureza. Os jogadores trocam a bola com confiança. Com claridade. Podem enganar-se, mas assumem o risco. E é assim que desbloqueiam jogos complicados. O de ontem, frente a uma França que já foi assim, há largos anos, era um desses. E a dupla valenciana Silva-Villa assumiu o risco. Ganhou. Está-lhes no ADN.

 

Por outro lado Portugal é uma equipa sem código genético.

Uma equipa amorfa, tensa e nervosa. Não tem coragem para fazer um passe mais largo, mais arriscado. Gosta de ralentizar, de jogar em águas pouco profundas. Troca a bola com segurança numa zona que sabe que domina, pegada à linha de meio-campo. Aí é forte e segura. Atrás teme. À frente teme. Constante temor que nem uma frágil China consegue alterar. Num jogo de preparação Portugal não testou nada. Nem um sistema táctico alternativo ao imposto 4-3-3. Nem jogadores novos ao lote de eleitos. Nem uma nova mentalidade. Jogou como sempre. Lento, para os lados, sem coragem de galopar. De dar o golpe final. Cristiano Ronaldo, uma vez mais assobiado por um público que tem o mesmo ADN da equipa, foi o único a procurar a verticalidade. Mas rema só. Ninguém o segue. Ninguém o entende. É de outra realidade. O problema português não está na goleada que não o foi. Está na debilidade que nunca deixou de ser. Sem Deco (e com Micael a continuar fora dos eleitos, mesmo com a lesão a poder tapar a falta de coragem do seleccionador), Portugal é uma equipa que não pensa o jogo. Está aí, simplesmente, à espera. Nani corre muito, mas joga pouco. A bola é que se deve mover, não o homem. Um principio básico que Nani ainda não compreendeu. Talvez nunca o faça. Meireles e Tiago são macios, débeis e sem coragem para arriscar. Dão segurança no processo de contenção. Mas são como uma folha em branco. Vazios de ideias. E claro, há Hugo Almeida, essa torre só, que se dá mal com a responsabilidade. A baliza encolhe a cada golpe seu. O ADN português ainda não mudou com Queiroz. Talvez nunca mude. Há coisas que a vida não deixa evoluir.

Se a França decai a olhos vistos (a dupla atacante de ontem escalada por Domenech é a mesma que há 10 anos eliminou Portugal do Euro 2000) a Alemanha rejuvenesce de uma forma assustadoramente atraente. Perdeu, é certo. Mas estas são as mentiras de este jogos. A Argentina pode vencer, apesar de Maradona. Não graças a ele. Tem matéria-prima suficiente para estar aí, entre os melhores. A Inglaterra venceu, graças a Capello. Os ingleses começam a mutar o seu ADN. A organização e as transições de jogo capellianas adequam-se bem à raça e determinação britânicas. Talvez em 2012 os Pross sejam a melhor equipa da Europa. Estão a caminho.

Mas o caso mais curioso é mesmo o de Joachim Low. O seleccionador alemão é um case-study autêntico. Adjunto do mediático Klinsmann, trouxe uma disciplina à Mannschaft que o técnico de 2006 nunca impôs. Com ele a equipa é mais segura e determinada. E no entanto, também é mais criativa. E descarada. Low fez o que poucos seleccionadores alemães se atraveriam a fazer. Rejuvenesceu a equipa nacional. A mentalidade germânica sempre defendeu a ideia de que só uma larga carreira dava direito a um lugar na equipa nacional. Low aposta pela juventude, sem passado mas com um futuro de ouro. Nos últimos encontros - oficiais ou não - fez estrear mais de 10 novos jogadores. Todos eles de um futuro promissor. A maioria deles irá à África do Sul. E mesmo assim a equipa se mantém fiel ao seu ADN ciníco, competitivo e eficaz.

Pode ter perdido ontem, mas o futebol engana. E muito. Hoje por hoje o ADN alemão está muito por cima do ADN argentino. E quando for a doer, isso contará mais do que o talento. Assim se decidem campeões. 



publicado por Miguel Lourenço Pereira às 09:46 | link do post

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Últimos Comentários
Thank you for some other informative web site. Whe...
Só espero que os Merengues consigam levar a melhor...
O Universo do Desporto é um projeto com quase cinc...
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
arquivos

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

.Em Destaque


UEFA Champions League

UEFA Europe League

Liga Sagres

Premier League

La Liga

Serie A

Bundesliga

Ligue 1
.Do Autor
Cinema
.Blogs Futebol
4-4-2
4-3-3
Brigada Azul
Busca Talentos
Catenaccio
Descubre Promesas
Desporto e Lazer Online
El Enganche
El Fichaje Estrella
Finta e Remate
Futebol Artte
Futebolar
Futebolês
Futebol Finance
Futebol PT
Futebol Total
Jogo de Área
Jogo Directo
Las Claves de Johan Cruyff
Lateral Esquerdo
Livre Indirecto
Ojeador Internacional
Olheiros.net
Olheiros Ao Serviço
O Mais Credível
Perlas del Futbol
Planeta de Futebol
Portistas de Bancada
Porto em Formação
Primeiro Toque
Reflexão Portista
Relvado
Treinador de Futebol
Ze do Boné
Zero Zero

Outros Blogs...

A Flauta Mágica
A Cidade Surpreendente
Avesso dos Ponteiros
Despertar da Mente
E Deus Criou a Mulher
Renovar o Porto
My SenSeS
.Futebol Nacional

ORGANISMOS
Federeção Portuguesa Futebol
APAF
ANTF
Sindicato Jogadores

CLUBES
Futebol Clube do Porto
Sporting CP
SL Benfica
SC Braga
Nacional Madeira
Maritimo SC
Vitória SC
Leixões
Vitoria Setúbal
Paços de Ferreira
União de Leiria
Olhanense
Académica Coimbra
Belenenses
Naval 1 de Maio
Rio Ave
.Imprensa

IMPRENSA PORTUGUESA DESPORTIVA
O Jogo
A Bola
Record
Infordesporto
Mais Futebol

IMPRENSA PORTUGUESA GENERALISTA
Publico
Jornal de Noticias
Diario de Noticias

TV PORTUGUESA
RTP
SIC
TVI
Sport TV
Golo TV

RADIOS PORTUGUESAS
TSF
Rádio Renascença
Antena 1


INGLATERRA
Times
Evening Standard
World Soccer
BBC
Sky News
ITV
Manchester United Live Stream

FRANÇA
France Football
Onze
L´Equipe
Le Monde
Liberation

ITALIA
Gazzeta dello Sport
Corriere dello Sport

ESPANHA
Marca
As
Mundo Deportivo
Sport
El Mundo
El Pais
La Vanguardia
Don Balon

ALEMANHA
Kicker

BRASIL
Globo
Gazeta Esportiva
Categorias

a gloriosa era dos managers

a historia dos mundiais

adeptos

africa

alemanha

america do sul

analise

argentina

artistas

balon d´or

barcelona

bayern munchen

biografias

bota de ouro

braga

brasileirão

bundesliga

calcio

can

champions league

colaboraçoes

copa america

corrupção

curiosidades

defesas

dinamarca

economia

em jogo

entrevistas

equipamentos

eredevise

espanha

euro 2008

euro 2012

euro sub21

euro2016

europe league

europeus

extremos

fc porto

fifa

fifa award

finanças

formação

futebol internacional

futebol magazine

futebol nacional

futebol portugues

goleadores

guarda-redes

historia

historicos

jovens promessas

la liga

liga belga

liga escocesa

liga espanhola

liga europa

liga sagres

liga ucraniana

liga vitalis

ligas europeias

ligue 1

livros

manchester united

medios

mercado

mundiais

mundial 2010

mundial 2014

mundial 2018/2022

mundial de clubes

mundial sub-20

noites europeias

nostalgia

obituário

onze do ano

opinião

polemica

politica

portugal

premier league

premios

real madrid

santuários

seleção

selecções

serie a

sl benfica

sociedade

south africa stop

sporting

taça confederações

taça portugal

taça uefa

tactica

treinadores

treino

ucrania

uefa

todas as tags

subscrever feeds