Sexta-feira, 01.02.13

A União Soviética nunca venceu uma Taça dos Campeões Europeus e no seu equivalente mediático, a Champions League, o máximo que um dos seus históricos representantes conseguiu alcançar foi uma meia-final, em 1999. Eram outros dias, o último suspiro do projecto Dynamo Kiev com marca de Lobanovsky. Desde então só o Shaktar Donetsk esteve perto de superar esse feito e abraçar a glória de fazer história. Mas para Willian a glória, no futebol, vem em segundo lugar. O dinheiro está sempre primeiro.

O sorteio dos Oitavos de Final da Champions League foi nefasto para os amantes do futebol europeu.

Não porque colocou frente a frente Real Madrid e Manchester United, um dos duelos mais repetidos das noites europeias desde os anos 50, mas porque obrigou os dois favoritos a surpresa do torneio a defrontarem-se demasiado cedo. O Borussia Dortmund tem sido, talvez, a equipa mais original, atrevida e eficaz do futebol europeu pós-Pep Team. É uma equipa de critério, de criatividade, de domínio do espaço com e sem bola e, sobretudo, uma equipa jovem e sem complexos. Nota-se o dedo de génio de Klopp, forçado a fazer renascer um clube mítico das cinzas da falência financeira, e a classe dos seus protagonistas. Em dois anos, o clube perdeu dois dos seus lemes no meio-campo, Sahin e Kagawa, e mesmo assim foi melhorando. A versão actual, nessa conexão Gundogan-Gotze-Reus no apoio a Lewandowski é talvez a mais completa e fascinante das suas formações. A performance decepcionante numa Bundesliga que nunca foi objectivo prioritário, depois de dois titulos consecutivos, deixou claro que o que o clube de Dortmund queria era recuperar o troféu ganho em 1997 com uma autoridade inesperada frente à Vechia Signora.

Mas frente a frente o conjunto alemão vai ter a outra equipa que mais tem captado a atenção dos seguidores europeus no último ano. O projecto de Mircea Lucescu tem tantos anos quanto os de Klopp mas maneja outros princípios. Sobretudo investe muito mais dinheiro e procura aliar a velha organização táctica da escola soviética com o talento descarado dos jogadores brasileiros de génio que escapam ao radar dos grandes clubes. Quando o Shaktar começou a mergulhar no Brasil encontrou um filão por explorar. Pagava o que clubes de nível médio europeu não podiam pagar e que os grandes não se atreviam. Arriscaram em vários jogadores de enorme potencial e ganharam a esmagadora maioria das apostas. Uma linha defensiva moldada em casa, com o contributo do genial capitão, Dario Srna, e acompanhada dos Krystov, Chygrinsky, Rakytskiy e Rat, e a partir de aí, o génio made in Brasil. Um cocktail explosivo que já deu uma Taça UEFA, no passado, e agora podia almejar a mais, a muito mais, depois das exibições de classe e superioridade táctica contra duas equipas do perfil do Chelsea e Juventus.

 

Willian era um nome fundamental em todo o esquema de Lucescu.

Com Fernandinho, era o pulmão e alma do meio-campo ucraniano. No relvado, a sua omnipresença desmotivava o mais resoluto dos marcadores directos. Estava em todas as partes, finalizando, assistindo, recuperando e tapando espaços com um radar que poucos jogadores podem presumir de ter incorporado. Era o jogador com mais talento natural do plantel e aquele com maior margem de progressão internacional. Falou-se sempre do interesse de clubes ingleses (Chelsea e Tottenham) e do PSG, falou-se do papel de 10 num Brasil mais ofensivo do que nunca para a próxima Confederações. Falou-se de tudo e de mais alguma coisa, falou-se sobretudo da glória de ser um jogador diferente.

Mas no final Willian não vai estar nesse mano a mano alucinante que nos espera. Vai antes mudar-se mais para leste, para o coração da Rússia, onde os milhões do Anzhi falaram mais alto. O clube do qual Roberto Carlos é director desportivo conseguiu, com base no mesmo livro de cheques que o levou do Brasil à Ucrânia, atrai-lo para uma equipa onde já estão Etoo, Dzudasazk ou Jucilei, por exemplo. Uma equipa com potencial mas que tem desiludido, não só na liga russa como também na Europe League.

Á sua volta, no Shaktar, o médio contava com Fernandinho, Ilsinho, Alex Teixeira, Douglas Costa, Luiz Adriano, Maicon, Eduardo e o genial arménio Mkhtrayian. Um meio-campo que poucas equipas podem presumir ter ao qual se vai juntar agora outro desses talentos imensos que deambulam pelo futebol de leste, longe do radar mediático, o imenso Taison, comprado por 15 milhões ao Metalist. Com Taison e Mkhtrayin ao lado, e com Fernandinho e Hubschmann atrás, dificilmente uma equipa podia olhar para o Shaktar de cima para baixo. E no entanto, agora, sem o seu líder espiritual, Lucescu terá de repensar a sua estratégia e, sobretudo, encontrar um novo génio a quem entregar a batuta individual de um colectivo superlativo.

 

Willian seguramente será um jogador mais rico na Rússia e continuará a marcar as diferenças no projecto do Anzhi. Mas ao abandonar uma nave destinada à glória antes do embate decisivo, também demonstra ter uma reduzida visão de futuro. Não só vira definitivamente as costas ao escrete canarinho, agora nas mãos de Scolari, um homem que aprecia sobretudo esse conceito de grupo, como provavelmente nunca voltará a estar tão perto de emudecer a Europa com o seu génio incombustível. Rico, sem dúvida, mas um pouco mais pobre como futebolista.



Miguel Lourenço Pereira às 14:08 | link do post | comentar

Segunda-feira, 05.04.10

Depois de décadas de ditadura desportiva, o Dynamo de Kiev encontrou no Shaktar Donetsk um rival à altura. O clube laranja apostou forte no mercado sul-americano mas sempre sem descurar a sua própria formação. Os resultados estão à vista com a vitória na última edição da Taça UEFA. Entre a nova vaga de legionários ergue-se o jovem Rakytskiy, imperial sobre os céus da Ucrânia. 

Quando o clube ucraniano aceitou a assombrosa oferta do Barcelona de Guardiola pelo central Chygrinskyi no passado defeso, os mais criticos acusavam a equipa de delapidar a segurança defensiva dos detentores da Taça UEFA. O central de cabelo comprido tinha sido o esteio da formação ucraniana nos dois anos anteriores. E no entanto em Barcelona é hoje uma das figuras mais contestadas da década. Pelo seu infra-rendimento, entenda-se. Lá longe, a milhares de kilómetros de distância, a diferença não se nota. O buraco na defesa foi tapado com eficácia pelo técnico romeno Mircea Lucescu. E o sucesso desportivo de Yaroslav Rakytskiy é um espelho do salto qualitativo da politica de formação ucraniana. O central de 20 anos vive o seu ano dourado. Passou da equipa júnior à titularidade com a equipa nacional. É um dos cérebros do sector defensivo do Shaktar e já tem meia Europa atrás de si. Muitos pensarão duas vezes, lembrando-se dos constantes emigrantes de leste que não vingam nas ligas europeias. Mas a sua cotação não deixa de estar em alta.

 

Rakytskiy nasce em Agosto de 1989 em Pershtravensk.

Pouco ciente de que a URSS estava a dar o último suspiro, nasceu sob o signo de uma das melhores formações da história, o Dynamo de Kiev do qual o pai era um adepto fanático. No entanto a vida afastou-o da capital do novo estado e lançou para norte. O trabalho em Donetsk do pai abriu as portas do futuro como jogador do filho. Yaroslav começou a actuar em clubes de bairro até que foi chamado pelos olheiros do Shaktar a prestar provas. Com 15 anos foi contratado para a equipa juvenil numa altura em que os milhões de Ahkmetov começavam a dar outra forma ao conjunto ucraniano. O seu crescimento foi notável. Tapado na equipa principal por uma geração talentosa do qual precisamente era Chygrinskyi o maior expoente, o jovem central de 1m80 esperou. E teve a sua oportunidade. Começou a ser chamado com regularidade na época passada, a da consagração europeia do arrojado Shaktar. Com um lugar vago na defesa, agarrou a oportunidade. Foi implacável na final da Supertaça Europeia no Monaco e rapidamente assumiu a batuta do conjunto ucraniano que caiu na Europe League cedo demais. Rápido a sair com a bola, implacável nas marcações e com um sentido de posicionamento impar, o central deu de tal forma o salto que chegou à titularidade com a selecção nacional.

O futuro pertence-lhe. A margem de progessão na Ucrânia ainda é imensa e o jovem tem a titularidade mais do que assegurada. O fracasso da viagem a Barcelona do seu mentor pode ser um fardo para um investimento de um grande europeu. Mas com o Europeu de 2012 na mente, o mais provável é que Rakytskiy opte por ficar em Donetsk para aproveitar esse Junho para deixar a Europa a perguntar: de onde saiu este legionário?



Miguel Lourenço Pereira às 06:29 | link do post | comentar

Quinta-feira, 21.05.09

Foi uma despedida que soube a pouco mas a UEFA já se foi e com sabor a caipirinha misturada com vodka de primeira. O Shaktar Donetsk entrou para a história como o primeiro clube ucraniano a vencer uma prova europeia desde a independência mas o triunfo é mais brasileiro que outra coisa. A armada desconhecida vinda directamente do sambódromo mundial foi demasiado para um clube que teve saudades também do seu intérprete mais virtuoso e que nunca se soube reencontrar em campo. Justiça seja feita a taça ficou em boas mãos, mas quem esperava o espectáculo do Carnaval teve de contentar-se com um forró de favela.

 O quinteto de brasileiros do Shaktar entra directamente para o hall of fame de vencedores de uma prova que diz adeus e no final foram eles quem realmente fez a diferença. O projecto milionário de Donetsk não serve para consumo caseiro (que o diga a vantagem que tem o já campeão Dynamo) mas nesta edição europeia assentou que nem uma luva. Ontem, em Istambul, foi demasiado para um Werder Bremen constantemente nervoso e sem uma única ideia na cabeça. Feitas as contas ás estatísticas que daqui sempre saem, no final os teutónicos até atacaram mais, mas os “ucraniano-brasileiros” foram sempre mais eficazes e claros nas transições. Resultado: cada ataque do Shaktar era um perigo real, cada avançada do Werder uma sequencia atabalhoada de jogadores que não sabiam o que fazer com a bola. Notava-se que faltava ali o chefe e que os demais eram simples operários, habituados a obedecer sem que lhes peçam que mandem em si mesmos. Diego foi a chave do Werder Bremen dos últimos três anos. No jogo mais importante da década estava na bancada. E no campo a equipa esteve ausente. O ataque foi ineficaz do principio ao fim – por muito que Pizarro gesticula-se a torto e a direito – e o meio campo, mais habituado a conter que a criar, pediu demasiado ao jovem Ozil que tem talento mas ainda não anda para estas andanças. A defesa, essa, foi o verdadeiro calcanhar de Aquiles como se viu ao minuto 15. Um passe a rasgar a toda a linha, uma série de trapalhadas e Luiz Adriano a bater um desamparado Wiese. 

A festa brasileira tinha começado antes, com todo o seu esplendor. Qual estarolas, entre eles passava todo o jogo do Shaktar, que entre o técnico romeno, capitão croata e quinteto brasileiro pouco tem de ucraniano a não ser a tenacidade. William a Fernando, Fernando a Ilsinho, Ilsinho a Jadson e Luiz Adriano. Enfim, é só trocar os nomes que o resultado vai sendo o mesmo e os ataques sucedem-se para desespero de Schaaf. O golo de Naldo – o mais inconformado ao final – foi mais erro alheio que mérito próprio e só durante esses vinte minutos finais da primeira parte se viu algum traço de esclarecimento por parte do onze alemão. Soube a pouco. Os teutónicos atacaram mas os ucranianos controlaram. O jogo seguia empate e cada lance venenoso dos avançados brasileiros era um ai Jesus na defesa alemã. A passagem dos 90 foi vendo a Lucescu ir trocando o seu esquadrão brasileiro por jogadores da casa, mais habituados ao choque físico que se esperava no prolongamento, já que os alemães, pouco hábeis mas bastante voluntariosos, não pareciam desarmar. O espectáculo, esse tinha ficado em casa certamente, até porque nunca se viu em campo verdadeiros momentos de grande futebol. Do prometido pouco, do visto menos ainda. 

Chegamos a esses trinta minutos fatais, onde ninguém arrisca e onde poucos chegam a petiscar, e tudo ficou na mesma, com os ucranianos a entrar e os brasileiros a sair, e com os amarelados alemães (Medina Cantalejo gostou de ir distribuindo cartões escusados a torto e a direito) a sair por outros gigantes de poucas ideias e muita força. Por largos momentos este Werder não era o mágico onze que tinha eliminado AC Milan ou Hamburgo mas sim o espelho daquelas equipas teutónicas dos anos 80 e 70, mas sem qualquer tipo de eficácia. E o pezinho de samba do escrete laranja foi fazendo das suas até que um centro medido a régua e esquadro encontrou o pé atrevido de Jadson. O brasileiro desconhecido até este ano – como os colegas que fazem este “samba Donetsk” – quis ficar para a história e rematou suavemente, mas com o engenho necessário para fazer com que o nervoso Wiese não agarrasse a bola por completo. O escorregão foi fatal, a bola deslizou sobre as redes e já estava Jadson e amigos a festejar na bandeirola de campo para delírio dos milhares de ucranianos que baixaram até ao Bósforo. Feita a festa na bancada sul, lançado o desespero entro os que já pouco acreditavam e Diego, de telemóvel na mão, a acertar detalhes do contracto milionário com a Juve.

 

Os 120 minutos foram passando e no final os jogadores ucranianos aplaudiram os rivais, que acabaram por sê-lo pouco em campo, antes de subirem à tribuna. Srna, o irascível croata de bandeira ás costas, subiu ao palco para receber do senhor Platini – que volta a recuperar uma tradição antiga – essa pesada taça que já por tantas mãos ilustres passou. A história fecha-se com chave de ouro para os de Donetsk que ainda devem andar de festa rija. A Taça UEFA chegou ao fim, mas para o Shaktar promete ser apenas o princípio de uma era de sucessos.



Miguel Lourenço Pereira às 08:27 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Quarta-feira, 20.05.09

 

O novo e o velho!
 
O futuro!
 
O futebol europeu atribuiu hoje a primeira prova europeia a sério – já houve Supertaça no Mónaco mas esse jogo é meio a brincar – da temporada. E a última com o nome de UEFA. Tranquilos, a prova não acaba aqui. Muda o nome. E se de nomes falamos, estes dois serão os últimos no seu longo historial. Mas só um ficará escrito a letras de ouro com direito a confetis e fitinhas coloridas na taça mais pesada de todas. O novo rosto do futebol europeu, a força ucraniana misturada com o perfume brasileiro. O velho rosto da matreirice europeia sob a forma de exército teutónico. O Shaktar Donetsk nunca esteve numa final e até hoje tinha sempre vivido sob o fantasma do Dynamo de Kiev. A quem eliminou, por certo. Já o Werder Bremen sabe o que são finais europeias e em 1991, no velhinho estádio da Luz arrebatou o troféu a um AS Mónaco treinado então por um desconhecido Arsene Wenger. O que é claro é que aqui estão representadas duas das ligas mais dinâmicas do futebol europeu da actualidade. 

  

O favorito – se é que há dessas coisas neste tipo de desafios de vida ou morte – continua a ser o Werder Bremen. Mesmo sem Diego, o grande maestro de malas feitas e cabeça em Turim. Mesmo sem a frieza do gigante Mertesacker. Mesmo sem os centímetros a mais de Hugo Almeida. Não podia ser de outra forma. Thomas Schaaf há anos que sonhava com esse patamar para o “seu” Bremen. E quando começam a surgir na imprensa rumores – até há pouco impensáveis – da saída do técnico que leva dez anos à frente do clube do norte da Alemanha, imaginamos que uma despedida com um troféu europeu fará verdadeira justiça à passagem de este homem pelo clube verde e branco. O Werder Bremen teve uma fase de grupos da Champions League complicada e acabou por ser vítima dos deslizes do Inter que permitiu assim o apuramento aos gregos do Panaitinaikhos. A equipa acabou por ser repescada para a UEFA e a partir daí exibiu-se com notável regularidade, destroçando tudo e todos que se atravessem a passar pelo seu caminho. Chega à final sem o seu génio, que verá da bancada o dispositivo táctico assente, cada vez mais, nas movimentações de Pizarro e no trabalho no meio campo de Baumann, Frings, Fritz e Ozil. Quase nada!
 
Do outro lado os novos ricos europeus, esse símbolo da mutação que vive o futebol no velho continente, cada vez mais pertença de quem tem dinheiro para gastar, chegue donde chegue. E esses não entendem de favoritos. O filão brasileiro de Donetsk abriu as portas de uma final impensável há meses, quando o Sporting derrotou os ucranianos a dobrar e os eliminou da Champions League. A equipa recuperou o orgulho, e tal como os rivais de hoje, arrancou para uma campanha impressionante, coroada com a saborosa eliminação do eterno rival. Ilsinho, Fernandinho, Jadson e Adriano foram as prendas do milionário Rinat Akhmetov ao seu clube de pequeno e estes devolveram com juros a aposta. Os grandes já estão de dentes bem afiados, mas amanha em Istambul, o laranja terá toque de samba.

 

Em casa de um desses países que pertence à nova vaga de fundo europeia – falta a Rússia, vencedora do ano passado – a final entre a velha e renascida Europa e a nova e dinâmica dinastia, é mais do que um confronto de duas equipas. São dois clubes que apostam em homens de mentalidade ofensiva, equipas de ataque constante. O titulo doméstico perdeu-se e agora o que conta é entrar para a história. Favoritos nestes jogos não há, e menos quando há um lugar para preencher numa lista para a história. Istambul une Ásia e Europa e será igualmente a ponte entre o passado e futuro da prova, o passado e futuro do futebol europeu.

 

Longe do glamour da finalíssima da Champions na Cidade Eterna, nas margens do Bósforo viver-se-á mais uma dessas noites onde o que menos importa são os nomes. O que conta é a bola a rolar…seja de que cor seja!



Miguel Lourenço Pereira às 09:34 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

O dinheiro primeiro, a gl...

Rakytskiy, o legionário u...

Samba Donetsk

O especial sabor da últim...

Últimos Comentários
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
Posts mais comentados
2 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO