Segunda-feira, 01.07.13

Não houve duas equipas em campo. Não houve tempo. Uma entrou, empurrada por milhões, e ocupou todo o espaço imaginário do tapete verde do Maracaña para si. Fez a festa sozinha, entre suspiros do carnaval e memórias de outros tempos. Espanha caiu diante de uma selecção que soube ser melhor em todas as facetas do jogo. Uma derrota que pode ser útil para reactivar mecanismos num projecto que está no topo à demasiado tempo para ser julgado por um só jogo. Para os brasileiros, a noite de ontem foi um ajuste de contas moral com aqueles que achavam que era fácil entrar no Maracanã como senhores do jogo bonito e sair com vida. O teste a sério é daqui a um ano mas os sinais, pela primeira vez em muito tempo, são positivos!

Espanha começou a perder final antes da bola rolar.

Quanto soaram os hinos, ao ar sério, de quem está habituado a finais dos espanhóis, seguiu-se uma manifestação do poder emocional que provoca o futebol e só o futebol. Num país em crise consigo mesmo, com pessoas nas ruas a cercar o estádio, a paixão pelo futebol tinha o condão de ser o bálsamo emocional necessário para o brasileiro comum. Os milhares que encheram as bancadas de um estádio construido para ver o Brasil campeão cantaram o hino como se fossem para a batalha. Em campo os jogadores fizeram o mesmo. O velho espirito de família, de alma, de Luis Filipe Scolari ressuscitou na forma como Neymar, Júlio César, Thiago Silva, Fred ou Paulinho cantavam e choravam por dentro esse orgulho brasileiro. Quando o árbitro apitou para o minuto inicial, o escrete canarinho está mentalizado para ganhar. Nenhuma equipa do Mundo poderia fazer nada em relação a isso. Dois minutos depois, a jogada tipo de Scolari. Lançamento largo para o extremo onde a força de Hulk se sobrepôs ao pequeno Alba, centro para o coração da área onde a Espanha sempre sofre. Atrapalhamento e golo. Naquele breve segundo em que a bola pulou, Casillas e Fred lançaram-se pelo esférico. Noutro dia, noutra hora, o guarda-redes espanhol operaria um dos seus milagres. Mas aquilo era o Maracanã, era o Brasil e o uma consequência inevitável de acordar o monstro adormecido.

Nesse momento a comunhão entre adepto e jogador neutralizou qualquer arma futebolística que Espanha tivesse para oferecer. No final, não encontraram forma de sair desse bloqueio mental em que entraram. Sentiram-se intimidados pelas bancadas, pelo jogo duro do meio-campo brasileiro e pela forma como os rivais aplicaram em campo todos os passos necessários para neutralizar o tiki-taka. Pressão alta, à altura da baliza, e asfixiante. Constantes ajudas na marcação, linha defensiva longe da área, espaço de campo reduzido. Procurar o contacto físico, reduzir os espaços por onde a bola se possa mover. E depois, velocidade. Velocidade na movimentação, no lançamento da bola para o ataque, na tomada de decisão. Scolari emulou o que Heynckhes conseguiu com o Bayern. O resultado foi exactamente o mesmo.

Uma equipa com talento e prestigio contra uma equipa com talento e fome. Prevaleceu, em ambos casos, a segunda fórmula. Espanha, tal como o Barcelona, nunca entrou no jogo e foi derrotada de forma clara, concisa e inapelável por um rival que não precisou de recorrer ao anti-jogo, a estratagemas defensivos e à sorte.

 

Depois da exibição memorável contra o Uruguai, essa Espanha desapareceu do mapa.

Contra a Nigéria sofreu muito mais do que se esperava. Frente à Itália beneficiou, como em 2008, do factor sorte depois de ter reequilibrado no prolongamento um jogo que não conseguiu dominar nos noventa minutos. Aos italianos faltou-lhe a coragem e eficácia na tomada de decisão nos metros finais. Mas o Brasil sabia que esse não seria um problema. Neymar, que aos europeus sempre gerou dúvidas, emerge deste torneio como uma figura consensual. Foi a alma e o motor ofensivo do Brasil, movendo-se pelo campo com autoridade, oferecendo golos e disparando sem medo. O Brasil começou a ganhar o jogo no momento em que decidiu não ter medo do rival, uma arma psicológica que os espanhóis utilizam muito bem com alguns rivais que procuram adaptar o seu modelo de jogo ao seu. Paulinho e Luis Gustavo tinham outra missão. Como fizeram em todo o torneio (e como o fazem nos seus clubes), morderam, morderam e morderam. Com eles por perto a bola não durava um segundo no pés dos espanhóis. As subidas dos laterais e a velocidade de acção de Thiago e David Luiz cercava por completo o esquema habitual de Del Bosque.

O seleccionador espanhol não encontrou solução para o problema. Nem a entrada de Navas nem a de Villa resolveram a equação. Foi sempre tudo demasiado lento, impreciso e previsível. Sem tempo para pensar, sem espaços para mover-se, os espanhóis viram-se atados por uma teia da qual têm sempre dificuldade em sair. Do outro lado a velocidade era a principal arma com que o Brasil deixava os rivais em sentido. Arbeloa e Piqué foram admoestados por faltas sobre um supersónico Neymar. O primeiro livrou-se da expulsão e foi substituído porque parecia evidente que não sobreviveria a outra. Piqué não teve melhor sorte. O astro ascendente brasileiro aplicou-lhe a mesma fórmula de Cristiano Ronaldo e o jogador que tanto prometia em 2011 voltou a cair no mesmo erro e a comprometer, ainda mais, as aspirações da sua equipa.

Nessa altura já David Luiz tinha sabido ler a ideia de Pedro e Neymar ampliado a vantagem. Nesse golo colocou-se em prática o verdadeiro perfume canarinho. Oscar, sabedor que precisava de guardar a bola uns segundos para permitir a Neymar sair do fora de jogo, rodou sobre si mesmo em vez de procurar um passe mais fácil. Foi suficiente para romper a linha defensiva espanhola e oferecer ao número 10 o merecido golo. Casillas já tinha impedido por duas vezes a festa brasileira. Mas os milagres não seriam suficientes essa noite.

A partir desse momento Espanha rendeu-se. Sérgio Ramos sacou do coração onde já não havia cabeça para marcar um penalty infantil de Marcelo sobre Navas mas falhou-o. Fred ampliou a vantagem depois de mais uma delicatessen de Neymar (simulando um remate que não existiu) e o Brasil dedicou-se a bailar os campeões do Mundo com uma autoridade impensável. Reduzidos, fisica e psicologicamente, os espanhóis apenas procuraram resistir à goleada que parecia inevitável se, num acto quase de misericórdia, o Brasil não tivesse reduzido as rotações e Scolari tivesse preferido Jadson a Lucas Moura para dar a estocada mortal sobre um rival ferido.

 

Em 2002, Scolari foi campeão com uma equipa memorável. O seu esquema táctico em 3-4-3 dava todo o protagonismo a três Ballons D´Or (Ronaldo, Rivaldo e o futuro Ronaldinho) e à velocidade dos seus laterais (Cafú, Roberto Carlos) mas o verdadeiro truque estava na sala de máquinas, uma defesa oleada e um meio-campo de operários. Dez anos depois, o seleccionador repetiu a fórmula. Já não conta com três estrelas mundiais na frente, mas em Neymar, Fred e Hulk encontrou jogadores esfomeados e com sacrifício físico para pressionar até ao suspiro final. Em Marcelo e Dani Alves tem os sósias perfeitos dos seus laterais originais e com Paulinho, Luis Gustavo, Óscar e Hernanes, opções suficientes para aplicar a sua máxima no meio-campo. O triunfo, a todos os títulos inesperado, será um colchão mental importante para enfrentar o ano que falta. Espanha saberá voltar ao seu melhor depois de lamber as feridas. Selecção de jogadores inteligentes e ambiciosos, passará por um processo de selecção inevitável de quem sabe que há muito talento a bater à porta, mas no próximo mês de Junho arrancarão o Mundial como máximos favoritos. Um estatuto que merecem depois de seis anos memoráveis. Mas na noite de 30 de Junho de 2013 o Brasil demonstrou ao resto do Mundo como é possível desbloquear esta máquina de futebol sem recorrer ao lado mais negro do jogo. Resta saber quantos países terão os meios, a fome e o saber de reproduzir esse esquema. No planeta futebol actual não são muitos os países que podem permitir-se com sonhar com uma exibição perfeita como a dos canarinhos. Uma exibição para a posteridade! 



Miguel Lourenço Pereira às 15:26 | link do post | comentar | ver comentários (4)

Quarta-feira, 01.07.09

A grande lição aprendida directamente da última edição da Taça das Confederações tem pouco a ver com a debacle europeia ou mais um titulo para as vitrines brasileiras. O aviso de que o "soccer" está em grande forma é para ser tomado a sério, apesar de ainda haver uma série de criticos que continua a insistir que o futebol nos Estados Unidos não tem futuro. É certo que a popularidade do "soccer" é infinitamente inferior aos desportos made in USA. Mas também está claro que é não é preciso que seja um desporto de multidões para poder ter uma selecção de primeiro nivel. A equipa de Bob Bradley provou-o este mês na África do Sul. 

As condições naturais dos jogadores norte-americanos - desportistas por excelência, muito mais que os outros gigantes económicos adormecidos como a China, India, Japão ou Australia - e a fortissima influência de jogadores de origem latina e europeia provam que o poder do melting pot que tanto sucesso deu ao desporto americano em geral parece finalmente estar a fazer efeito no futebol. Da equipa orientada por Bradley há jogador de origem latina, africana e europeia. Há uma mistura perfeita de distintos estilos, de poderio fisico e capacidade técnica. E acima de tudo uma fomração e disciplina táctica que os americanos nunca tinham demonstrado até hoje.

 

Depois de terem roubado o protagonismo das provas da CONCAF ao México os Estados Unidos querem dar um passo em frente. Da equipa que em 1994 chegou aos Oitavos de Final no seu Mundial nada sobra. Apesar do campeonato local continuar a ser um negócio mais do que uma verdadeira prova competitiva, a verdade é que a esmagadora maioria dos jogadores actua na Europa onde conseguiram desenvolver uma apuradíssima consciência técnico-táctica. Mesmo os que ainda actuam nos States são já altamente cobiçados por clubes europeus que vêm no mercado norte-americano um potencial filão. O Villareal, por exemplo, apostou na contratação de Jozy Altidore, acabando-o por emprestar ao Xerez, mas para a próxima época sabe que conta com um jogador que depois da sua magnética performance contra (ironia do destino) a Espanha, vale o dobro no mercado. O mesmo se poderá dizer de Spector, Onyewu, Clark os os jovens Bradley ou Beasley, as futuras grandes promessas da equipa do Tio Sam. 

 

Apesar de faltar ao Estados Unidos calibre nas grandes provas, a excelente prestação na Taça das Confederações lançou o primeiro alarme. Na África do Sul os americanos serão um rival duro de roer. Dependerão em muito do grupo em que ficarem colocados, mas sabe-se que fora da Europa as equipas do Velho Continente perdem fulgor e abrem espaço a agradáveis surpresas. Há sete anos os próprios americanos lograram chegar até aos Quartos de Final, só batidos pela finalista Alemanha. Depois da precoce eliminação na fase de grupos do Mundial 2006 os americanos voltam com a ambição redobrada de plantar cara aos grandes do desporto rei e provar que são uma potência mundial em todos os desportos, mesmo quando estes não enchem estádios e dão audiências de milhões. 



Miguel Lourenço Pereira às 08:15 | link do post | comentar | ver comentários (4)

Segunda-feira, 29.06.09

Com o final de mais uma edição da Taça das Confederações, e deixando à parte todas as polémicas relativas à (fraca) organização local, resta-nos olhar para trás e relembrar o que de melhor se pôde apreciar durante as semanas de competição que acabaram por coroar o Brasil campeão pela terceira vez.

 

Foram 11 Magnificos entre um exército pouco deslumbrante, onde as grandes estrelas estiveram uns furos abaixo do esperado (a longa época passou factura) e que deixou alguns nomes na retina para confirmar no próximo ano quando já for uma competição verdadeiramente a doer. 

 

Guarda Redes

Tim Howard

 

O guardião norte-americano que teve uma passagem para esquecer pelo Manchester United é hoje um precioso seguro de vida para o Everton de David Moyes. No momento mais alto da sua carreira, Howard provou que os Estados Unidos possuem uma linha defensiva praticamente intransponível. A sua exibição diante da Espanha foi épica, parando tudo o que havia para parar. Apesar dos seis golos sofridos nos dois jogos com o Brasil esteve impecável em ambos os encontros. Um jogador já veterano e com muita experiência que foi pedra base para a espantosa campanha da equipa norte-americana.

 

Defesa Direito

Jonathan Spector

 

Uma das agradáveis surpresas da prova. O jovem lateral direito que milita no West Ham United foi sempre um dos elementos mais seguros do onze norte-americano. Esteve a excelente nível em todos os encontros e foi dele o cruzamento letal para o primeiro golo americano na final. Tem toda a carreira à sua frente e o seu valor triplicou depois da viagem à Africa do Sul não sendo de esperar que dure muito tempo em Upton Park.

 

Defesa Esquerdo

André Santos

 

Foi sempre o sacrificado por Dunga para lançar os ataques venenosos de Daniel Alves, mas a verdade é que o lateral esquerdo foi sempre dos melhores jogadores em campo nos encontros disputados pela canarinha. Com o Brasil a viver um complexo problema com a sucessão de Roberto Carlos (já passaram pelo posto seis jogadores), o jovem defesa que actua no Corinthians foi um perfeito seguro de vida, tendo sido apenas victima do protagonismo da dupla Maicon-Daniel Alves, incompativel no lado direito do onze canarinho.

 

Defesas Centrais

Lúcio e Onyewu

 

Foram os pilares defensivos das equipas finalistas, decisivos em todos os momentos em sem responsabilidades nos lances de golo. Lúcio está no culminar de uma carreira brilhante. É o grande patrão do Brasil, homem de confiança de Dunga, e o lider indiscutivel do balneário. O central do Bayern Munchen esteve sempre em grande plano e coroou a magnifica prova com o golo vitorioso na final. 

 

O norte-americano Onyewu foi uma surpresa para muitos. Actua - está em final de contrato - no Standard de Liege de Boloni que se sagrou campeão belga e foi sempre uma muralha instransponível. Na meia final contra a Espanha anulou por completo Fernando Torres enquanto que no jogo com o Egitpo não deu nunca espaços à equipa rival. Na final foi apenas batido no confuso lance do 2-2 tendo tido uma exibição imaculada no restante desenrolar do encontro.

 

Médio Defensivo

Felipe Melo

 

Felipe Melo é o braço direito em campo de Dunga. O jovem médio da Fiorentina assumiu-se de estaca neste onze, superando Anderson e Elano na corrida à titularidade. Ao lado do veterano Gilberto Silva é o elemento mais móvel da dupla defensiva no meio campo, responsável pelas rápidas transições de jogo para Kaká e companhia. Foi sempre constante em todos os encontros e nunca hesitou em ajudar o ataque para criar desiquilibrios. Uma pérola do Brasil mais cinico.

 

Médio Direito

Xavi Hernandez

 

É sempre o motor da selecção espanhola. No dia em que não carburou a 100% viu-se o resultado. A campeã da Europa chegou cheia de pompa mas saiu da África do Sul com um sofridíssimo terceiro posto. Dominou o grupo a belo prazer graças ao trabalho de Xavi, que serviu sempre na perfeição a letal dupla ofensiva. No jogo das meias finais Xavi esteve apagado - notou-se o cansaço da época e o meio campo improvisado por Del Bosque - e a Espanha caiu. A sua ausência do jogo de terceiro e quarto posto voltou a mostrar o vazio do futebol ofensivo espanhol sem a sua batuta. Continua a ser o melhor.   

 

Médio Esquerdo

Clint Dempsey

 

No meio campo ou atrás da dupla Donovan-Altidore, o trabalho incansável de Patrick Dempsey ao longo do torneio foi espantoso. O norte-americano jogou ao lado de um grupo de luxo (Bradley, Clark, Feirlhaber, ...) mas destacou pela sua verticalidade e pelo seu faro de golo. Diante da Espanha apanhou o trapalhão Sérgio Ramos em contra-mão e no meio dos centrais brasileiros desviou subtilmente para abrir a contagem no jogo da final. Um dos grandes nomes do Soccer que saiu da África do Sul como um heroi.

 

Médio Avançado

Kaká

 

Esteve uns furos abaixo do esperado - viveu a prepração da prova à volta do rebuliço da sua transferência milionária para o Real Madrid - mas ainda assim foi eleito o melhor do torneio. Distinção exagerada pelo seu real protagonismo mas a verdade é que sem Kaká este Brasil seria bastante mais vulgar. Toques de génio a abrir (Egipto) e fechar (Estados Unidos) uma prova onde nunca se lhe viu completamente confortável num posto de falso ponta de lança a descair para o lado esquerdo do ataque. Tem a batuta de comando mas tem de arriscar mais no um contra um para ser realmente decisivo.   

 

Avançados

Luis Fabiano e Landon Donavan

 

Foram as duas estrelas da final. O primeiro marcou dois golos decisivos e confirmou-se como o goleador da prova. O segundo foi o capitão perfeito lutando e marcando na hora H. Dois homens chave para entender as campanhas de Brasil e Estados Unidos.

 

Luis Fabiano é um avançado letal e já o provou por diversas vezes no Sevilla onde venceu duas Taças UEFA. Depois da má experiência no FC Porto, o dianteiro assumiu-se como um dos pontas de lança mais eficazes do futebol europeu e depois da queda em desgraça de Ronaldo e Adriano assume-se naturalmente como a primeira opção para o ataque da canarinha. Para quem tinha dúvida da sua eficácia, aqui fica a sua resposta.

 

Donovan é um velho conhecido, estrela maior do futebol norte-americano, cobiçado na Europa pelo Bayern de Munchen e estrela do L.A. Galaxy. Jogador de fino recorte, toque rápido e espirito de luta impressionantes, é útil como segundo ponta de lança graças à velocidade e oportunismo. O golo em contra golpe ao Brasil na final demonstrou toda a sua frieza naquele que é hoje em dia o maior embaixador do soccer e de quem se espera muito no próximo ano. 

 

Treinador

Bob Bradley

 

 Não é fácil brilhar contra as maiores selecções do Mundo mas o génio estratégico de Bradley provou que hoje em dia os Estados Unidos estão um passo mais perto da elite do futebol mundial. Derrotou com insultante superioridade o Egipto, esmagou a Espanha com um jogo inteligentissimo impedindo o futebol de toque tão tipico dos espanhois. E na final pôs o Brasil em sentido com uma primeira parte de altissimo nível. Bradley soube dar a volta a uma seleção desmoralizada e montou um conjunto de elevado nível que mistura jovens promessas com veteranos de grande nível. A prestação dos States torna-os em grandes candidatos a surpresa do ano em 2010. Resta ver se mantêm o bom nível quando for a doer.



Miguel Lourenço Pereira às 18:32 | link do post | comentar

Kaká venceu o prémio ao Melhor Jogador e redimiu-se da polémica ausência na Copa América. Luis Fabiano sagrou-se como Melhor Marcador e provou aos brasileiros que há vida para lá de Ronaldo e Adriano. Mas mesmo assim este tricampeão brasileiro nesta prova que ainda desperta pouca emoção nos adeptos nunca convenceu durante estas três semanas de prova. O Brasil sofreu, uma vez mais, para levar de vencida um surpreendente conjunto norte-americano e precisou de um golpe de autoridade do capitão Lúcio, a seis minutos do final do jogo, para conquistar o titulo. A que era o principal favorito. Uma vitória esperada mas que nunca deslumbrou em nenhum momento. Culpa de Dunga que prefere a eficácia ao espectáculo. Uma eficácia que lembra o Brasil de 1994 e que é um sério aviso para os rivais do escrete no Mundial do ano que vem. 

A vitória brasileira era esperada por tudo e todos (havia quem acreditava na surpresa espanhola mas cedo se viu que La Roja ainda precisa de pulir muito o seu futebol) mas o onze brasileiro nunca deu a entender que tinha controlada a prova. Sofreu a bom sofrer no primeiro jogo, e apesar dos golpes de autoridade com os StatesItália - a grande decepção da prova - o que se viu deste Brasil foi um onze sólido, compacto, oportunista e competitivo. Da genialidade do futebol de rua brasileiro nem rasto. Nem Kaká, nem Robinho...tudo baseado num jogo de toque curto, rápido mas ao ritmo do relógio sem um rasgo de irreverência capaz de destroçar o adversário. A essência brasileira desapareceu por debaixo de uma capa europeizada do futebol do escrete, da mesma forma que Parreira montou o seu Brasil campeão de 1994 onde - e isto não surpreenderá ninguém - o fiel de balança era o mesmo homem que hoje sonha com o Hexa. Dunga manteve dois homens intocáveis toda a prova. Felipe Melo e Gilberto Silva são a trave mestre da sua equipa. Todo o jogo brasileiro gira à sua volta. E quando os dois médios defensivos são o fiel de balança do jogo brasileiro, está tudo dito. 

O génio das individualidades continua a colocar o Brasil uns furos acima das restantes selecções. Foi assim no jogo com o Egipto, onde se viu o melhor Kaká. Foi assim com o potente livre de Daniel Alves na meia final com a África do Sul. E ontem foi o espirito goleador de Luis Fabiano quem fez a diferença. Os Estados Unidos mostraram que a eliminação da Espanha não foi uma coincidência. Tinham a lição bem estudada e controlaram durante a primeira parte o jogo brasileiro desde a sua grande área. Os dois golos de vantagem eram justos face à superioridade norte-americana. Mas na segunda parte surgiu o Brasil guerreiro que Dunga tanto aprecia. Kaká viu-se mais solto e foi uma investida sua pela esquerda que fez a diferença. A entrada de Daniel Alves deu mais acutilância ao ataque e a forma letal como o Brasil encara os lances de bola parada resolveu a questão. Marcou Lúcio, o central que já estava na equipa pentacampeã há sete anos e que é hoje o lider brasileiro. O central sabe jogar com os pés, é autoritário de cabeça e é um autêntico pastor de homens. Mereceu o golo da consagração e Dunga viu recompensado o seu método conservador mas tremendamente eficaz.

 

Este Brasil pode não deslumbrar mas parece muito mais sólido e consistente do que a equipa que viajou até à Alemanha. Ao contrário dos rivais de nome (Espanha e Itália) esteve à altura das circunstâncias e percebeu cedo que uma prova a eliminar tem de ser encarada de forma particular. No entanto o futebol em campo do escrete não deslumbra como nos acostumou. Kaká parece um jogador mais pequeno neste sistema de jogo que depende muito da eficácia ofensiva do ponta de lança (neste caso Luis Fabiano) já que Robinho, um falso segundo avançado, foi uma constante sombra de si próprio. A sólida defesa e o muro no meio campo são a arma secreta de Dunga mas para vencer o Mundial do próximo ano o Brasil pode precisar de um pouco mais de pura eficácia para vencer. Talvez um pouco mais de magia...



Miguel Lourenço Pereira às 09:43 | link do post | comentar

Quinta-feira, 25.06.09

Do outro lado do Atlântico o "soccer" continua a ser um imenso desconhecido mas o boxe é, ainda nos dias de correm, uma imensa paixão para os americanos. Assim que não foi de estranhar que a equipa orientada pelo excelente estratega que é Bradley tenha destroçado a campeão da Europa por um perfeito K.O. Se o combate tivesse sido aos pontos, la Roja teria ganho tal foi a insistência com que procurou a baliza do sereno Tim Howard (a anos luz daquele guardião inseguro dos dias de Old Trafford). Mas, tal como no boxe, também ontem os pontos valeram de pouco quando há dois golpes tão secos e letais. Aos 35 jogos a Espanha voltou a conhecer o sabor da derrota. Os Estados Unidos fizeram história e logram a primeira final intercontinental da sua história. Não que muitos se tenham dado conta nas terras do "Tio Sam".

 

Depois de ter surpreendido meio mundo pela destreza ofensiva que lhes valeu uma categorica e decisiva vitória ante o Egipto - demasiado debilitado pelas importantes ausências - os Estados Unidos voltam a mostrar que é preciso começar a levar mais a sério o "soccer" desta selecção. Bradley montou uma equipa compacta que alia perfeitamente a boa geração do futebol norte-americano da última década (a mesma que logrou o brilharete dos quartos de finais em 2002 mas que falhou na hora H quatro anos depois) com as grandes promessas dos "States" que já andam pela Europa a espalhar o seu particular perfume. Hoje em dia face à crise profunda que atravessa a selecção mexicana, é cada vez mais evidente que a grande potência da América do Norte são os Estados Unidos. A qualidade de jogo é muito superior ao valor individual dos elementos que compõem a equipa dos "yankees". Uma defesa jovem e segura, um guardião tranquilo, um meio campo pressionante e avançados acutilantes. O futuro que passa por Jozy Altidore, Demerit, Onyewu, DaMarcus Beasley, Clark e Dempsey alinhado com a veterania e genialidade de Landon Donavan, provavelmente um dos melhores executantes individuais da história do "soccer". Que os Estados Unidos se tenham desligado do maior desporto mundial não significa que a sua equipa deixa de ter o potencial necessário para ser um rival de peso. A partir de hoje, a Espanha já o sabe.

 

A selecção campeã da Europa terminou um ciclo brilhante de 35 jogos consecutivos sem conhecer o sabor da derrota. Foi desde 2006, então num jogo amigável com a Roménia, que os espanhois começaram uma série histórica que os levaram a vencer o Europeu de 2008 e a igualar o melhor registo do escrete canarinho. A equipa espanhola caiu ontem de pé, mas deixando a nu algumas aspectos que as vitórias alcançadas nestes dois anos foram tapando habilmente. A Espanha está longe de ser aquela selecção letal e que encanta, como o foi a França do virar o século ou a Holanda de Gullit, van Basten e companhia, apenas para citar as selecções europeias com melhores registos dos últimos vinte anos. Apesar de eficazes - os números não mentem - a equipa espanhola vive do futebol de toque rápido e hábil dos seus brilhantes executantes. Num onze que vive entre o 4-5-1 e o 4-4-2, é no meio campo que está a chave do futebol espanhol. Xabi Alonso (na ausência de Senna) pensa o aspecto defensivo e abre alas para que Cesc, Cazorla, e o genial Xavi orquestrem todo o jogo ofensivo. Contar com dois dos melhores pontas de lança do momento (Fernando Torres e David Villa), e com um banco de luxo, ajuda. E não é por esta derrota que a selecção espanhola deixa de ser uma das grandes favoritas a vencer o próximo Mundial. Mas já perdeu a capa de invencibilidade que vinha ostentando. Mais, os seus rivais já conhecem os seus particulares esqueletos no armário. O primeiro é a defesa. A equipa espanhola conta com um enorme guarda-redes e dois centrais em grande forma (Puyol e Pique) e dois suplentes de garantias (Albiol e Marchena). Mas as alas são um problema grave. Sérgio Ramos não tem cultura táctica - como se percebeu nos dois lances decisivos de ontem - e perde-se demasiado no ataque para ser eficaz a defender. Já Capdevilla é o eixo mais fraco, a todos os niveis, da selecção mas não tem - ainda - uma alternativa credivel. E os pés de barro defensivas da equipa espanhola notam-se mais com equipas que jogam sem medo. Com os States fizeram ontem.

 

Os Estados Unidos provaram aquilo que já se adivinhava. Apesar da série admirável, a Espanha tem demonstrado várias dificuldades em dominar nos últimos encontros da fase de apuramento para o Mundial. Mais ainda, é uma equipa que tem uma grave dificuldade em dar a volta ao marcador. Quando abre a contagem e se deixa estar, tranquilamente no comando, começa a surgir o seu bom futebol. Mas se tem de partir de uma desvantagem torna-se num colectivo mais nervoso que perde um pouco o descernimento táctico. Na esmagadora maioria das vezes a genialidade dos seus artistas resolve. Mas todos têm direito a um dia mau. Ontem o dia mau não foi de Xavi, Cesc, Torres ou Villa. Foi de todos. Muitos procuram a falta de um desiquilibrador como é Iniesta (ficou de fora por lesão) ou de maior equilibrio no eixo defensivo (os americanos foram perigosos em todos os contra-ataques que lançaram ás redes de Casillas) mas a verdade é que já a Bélgica, Bósnia e Turquia tinham levantado esta mesma problemática. Mas eram rivais com um potencial inferior e com disciplina táctica bastante deficiente para neutralizar La Roja. Bradley estudou como ninguém a lição, preparou muito bem o encontro e anulou o colectivo espanhol, em lugar de procurar tapar individualidades. Funcionou.

 

Enquanto os americanos saboreiam o logro, em Espanha lambem-se as feridas destes dois socos incisivos, procuram-se as desculpas e assobia-se para o lado. Afinal é só a Taça das Confederações, no Mundial isto não acontecerá, ...como no passado, a tipica arrogância espanhola fala em acidente de percurso em vez de procurar as respostas às perguntas realmente importantes. Pode ser que este seja apenas um parêntesis e não está em discussão o papel de claro favorito da Espanha no próximo mundial. É campeã da Europa em titulo, e os titulos, respeitam-se. Mas defendem-se nos relvados. E ontem a CONCAF bateu a UEFA. E não houve nenhum seleccionador ontem que não tenha aprendida a lição. A equipa de Vicente del Bosque caiu na realidade. Mas continua a estar aí, de olhos postos no Mundial. Depois da licção aos italianos, o correctivo aos espanhois lança de novo o aviso da eterna maldição. Afinal, nunca uma equipa europeia logrou vencer um Mundial fora da Europa. Daqui a um ano saberemos se há mesmo maldições que são eternas.

 



Miguel Lourenço Pereira às 11:26 | link do post | comentar

Sexta-feira, 19.06.09

A maioria da imprensa internacional deu como surpreendente a vitória do Egipto diante da Itália. Se por um lado a equipa italiana jogou bem no segundo tempo - sem claridade nenhuma mas com grande alma - a verdade é que há um desconhecimento absoluto fora do continente africano das potencialidades do Egipto. A selecção das pirâmides tem a sua quota parte da culpa - afinal desde 1990 que não marca presença num Mundial de Futebol - mas hoje em dia os egipcios são a mais completa selecção do continente que daqui a um ano receberá o seu mundial. E em África, até que se prove o contrário, mandam os faraós.

 

Já tinham avisado no jogo contra o Brasil, colocando por três vezes (três) a bola dentro das redes de um desamparado Julio César. Culpou-se a defesa brasileira de todos os erros mas quem esteve verdadeiramente mal nesse encontro foi a defesa egipica. Concedeu muitos espaços, mostrou fragilidades nos lances de bola parada e acabou traída pela sorte (com ajuda da televisão) no último instante. Mas deixou o aviso. O mesmo que nas últimas edições da CAN, da qual a última foi um festival de antologia que levou o Cairo à loucura. A presença do Egipto na África do Sul tem em África o mesmo impacto que a vitória espanhola na Europa. Uma equipa com bom toque de bola, eficácia diante da baliza e capaz de sacar o melhor de uma das suas gerações mais emblemáticas. No entanto, à diferença dos espanhois, os egipcios vivem o ostracismo do marketing e da falta de exportação dos seus talentos. No Egipto paga-se bem o que impede muitas vezes que os seus melhores jogadores abandonem os grandes clubes locais - onde se inclui o Al Ahly que com Manuel José venceu tudo o que havia para vencer - para aventurar-se na Europa, como sucede com os jogadores magrebinos ou da África negra. Daí que para a maioria dos adeptos nomes como os de Homos, autor de um golo de belo efeito, Aboutrika, Said, Zidan, que se lesionou durante o encontro, e Essam El Hadary. O veterano guarda-redes é um mito nacional e ontem provou-o bem com uma exibição genial do primeiro ao último segundo parando tudo o que havia para parar. E isto que os mais populares Mido e Zaki, a actuar na Europa, não viajaram com a sua equipa, o primeiro por opção técnica (tem um passado de indisciplinado) e o segundo por lesão. 

 Honestamente é preciso referir que a selecção do Egipto tem pontos debeis. A defesa pode ser permeável em lances estudados e o ataque por vezes é pouco eficaz, especialmente quando actua a segunda linha. Como foi o caso de ontem. Mas é um conjunto organizado como poucos no continente africano. A sua ausência do Mundial (neste momento não lidera o grupo de qualificação) seria uma grande perda já que a jogar "em casa", os faraós poderiam demonstrar o seu melhor jogo.

 

Depois do Brasil ter provado o veneno egipcio, ontem foi a vez da Itália. A equipa de Marcello Lippi joga de forma agonizante. Com os Estados Unidos reagiu a tempo e dominou por completo o segundo tempo, mas desde muito cedo jogava contra 10. Ontem foi melhor na última meia hora, mas trapalhona em todas as investidas à baliza egipcia. Lippi continua a apostar no mesmo conjunto que lhe deu o titulo Mundial há três anos mas a já então veterana equipa é hoje um conjunto demasiado envelhecido para este ritmo (nota-se demasiado o ar cansado de Gattuso, Pirlo, Cannavaro, Toni, Zambrotta...). E as novas incorporações ao onze (Montolivo, Pepe, Rossi) não estão a ser capazes de fazer a diferença. Apesar do fracasso do Euro, a equipa de Lippi não deu ainda provas de ter aprendido a licção e hoje dificilmente poderá ser catalogada como candidata a revalidar o trofeu. Terá, para já, de bater por mais de dois golos um eficaz Brasil para jogar as meias-finais desta prova. E depois um ano para aprender os erros e apresentar na África do Sul um rosto totalmente distinto. Enquanto isso os egipcios celebram. Estão a um pequeno passo de fazer história e já sonham com outros voos. Mas para isso é preciso qualificarem-se primeiro.



Miguel Lourenço Pereira às 14:22 | link do post | comentar

Domingo, 14.06.09

Esta é uma prova cada vez mais incómoda e a quem poucos dão real importância. Criada pela FIFA para servir de ante-camara para o Campeonato do Mundo – que arrancará a 11 de Junho do próximo ano – a Taça das Confederações já mudou de formato, de periodicidade e de distribuição de participantes. Sem nunca chegar a convencer. As grandes selecções marcam presença mas a contra-gosto. Os pequenos países aproveitam para aparecer debaixo dos holofotes, nem que seja por uns breves minutos, e o país organizador demonstra todo o esplendor do evento que tem preparado. Este ano a festa é especial. Nem os grandes estão interessados em viajar à África do Sul com um ano de antecedência nem o país africano está ainda em condições de se mostrar um digno anfitrião. No final poucos se lembrarão desta Taça das Confederações. Uma vez mais…

 
A polémica atribuição do Mundial 2010 à África do Sul teve o seu preço. Desde que foi anunciado o primeiro Mundial em solo africano que a euforia foi rapidamente substituída pela incerteza. Dificuldades constantes em cumprir os prazos, obras paradas, insegurança constante, problemas de saúde, pouca capacidade para atrair espectadores…tudo joga contra o maior país africano que queria fazer deste Campeonato do Mundo uma festa. Mas razoes para celebrar não há, e agora, a um ano do arranque oficial, sem tempo para mudar o guião, cabe à organização mostrar o seu melhor rosto. Mesmo com os atrasos, os gastos e os problemas, tudo tem que parecer perfeito nos próximos quinze dias, sob pena de condenar definitivamente as aspirações da organização a realizar um Mundial para a historia. A Taça das Confederações não chega num bom momento e a FIFA sabe disso. Estará com lupa em riste a analisar cada mínimo detalhe que, no final de contas, acabará para deixar o futebol para segundo plano. E quando isso sucede, já sabemos que sucesso espera a prova…
 
Dentro do relvado a prova também não entusiasma os amantes do bom jogo. A distribuição das equipas pelos dois grupos criou disparidades que terão repercursões na classificação final. Os dois grandes favoritos – Brasil e Espanha – só se poderão cruzar nas meias finais, mas o escrete canarinho de Dunga, que não logra entusiasmar nem o mais aférrimo adepto brasileiro, tem rivais de peso no seu grupo. A campeão do mundo Itália, em fase de reconstrução de novo sob a batuta de Lippi, será a sua grande rival, até porque nestas provas a eficácia italiana é letal. O seleccionador chamou à África do Sul um grupo de jogadores jovens e aproveitará para fazer experiências de forma a garantir que o núcleo duro da sua equipa – praticamente o mesmo de há quatro anos – tem alternativas à altura. Já o Brasil continua a depender muito do génio individual das suas estrelas mas desta feita sem a magia do futebol arte a que nos foi acostumando. O pulso de ferro de Dunga nota-se dentro e fora de campo mas a realidade é que lhe falta uma vitória numa prova assim para reforçar o seu estatuto. Já passaram dois anos desde o triunfo na Copa América e desde ai ao Brasil não se voltou a ver em forma. Eles que são, alias, os campeões em titulo depois do triunfo esmagador na Alemanha há quatro anos. No mesmo grupo estão ainda os Estados Unidos, em grave crise de resultados na fase de qualificação CONCAF, e ainda o Egipto que tarda em afirmar-se a nível de selecções (não vai a um Mundial desde 1990) quando os seus principais clubes dominam o futebol africano. Tem uma linha ofensiva letal mas uma defesa pouco fiável que poderá ser um temível calcanhar de Aquiles num grupo tão equilibrado.
 
Do outro lado está a Espanha. A selecção campeã da Europa é forçosamente candidata até porque atravessa uma autentica idade de ouro. Em campo não conhece a derrota há mais de dois anos e possuiu um dos mais completos planteis disponíveis na actualidade para qualquer seleccionador. Vicente del Bosque, o homem que substituiu o polémico Aragonês, tem aqui a possibilidade de conquistar o seu primeiro titulo com La Roja e apesar das baixas de Marcos Senna e Andres Iniesta, o onze espanhol é claramente o favorito nas casas de apostas. No entanto é preciso reforçar que a prova vem na pior altura para os vizinhos ibéricos. O cansaço em jogadores fundamentais presentes na época fantástica do Barcelona e as polémicas transferências nos corredores não deixaram dormir a equipa tranquila. E já se sabe, em Espanha atiram-se os foguetes antes da festa e se na Áustria resultou, o próprio seleccionador é o primeiro que sabe que o catalogo de favoritos pode jogar contra eles próprios. Será um moinho que terão de derrubar.
No mesmo grupo estão ainda as débeis selecções da Nova Zelândia (que desde que a Austrália se juntou às equipas asiáticas passou a dominar a seu belo prazer a zona da Oceânia), Iraque e a anfitriã Africa do Sul que quer fazer boa figura em casa mas que sabe que ainda está a anos-luz das grandes potencias do continente.
 
A prova arranca hoje e prolonga-se até ao próximo 28 de Junho. A adaptação ao clima – muito similar ao que veremos no próximo ano, ou seja, um clima invernal no ponto mais a sul do continente africano – será a tarefa mais complicada para as equipas que viajarão dentro de um ano – as que lograrem o apuramento, algo que, para já, só a África do Sul, Japão, Holanda e Coreia do Sul conseguirem. Resta saber se o futebol em campo servirá para esquecer os problemas organizativos com que se depara constantemente esta prova, ou se a edição deste ano reforçará a ideia de que se há provas que estão a mais no calendário desportivo da FIFA, esta seguramente é uma delas.

 



Miguel Lourenço Pereira às 00:00 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

No Macaranã quem manda sã...

O novo rosto do Soccer

11 Magnificios da viagem ...

Brasil vence sem convence...

O soccer deixa Espanha K....

Em África mandam os Faraó...

África do Sul recebe vers...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO