Quinta-feira, 02.01.14

"Um pequeno passo para o Homem. Um grande passo para a Humanidade". A 20 de Julho, Neil Amstrong transformou-se no reflexo humano na lua. Não estava só. Com ele levou a alma do Independiente, o único clube que pode dizer com orgulho que esteve na superfície lunar.

Parece mito mas não o é. Algures no solo rochoso da Lua, há um pedaço de um clube argentino para a posteridade. Um clube chamado Independiente, a alma de Avellaneda, um dos subúrbios mais apaixonados pelo "futbol" de Buenos Aires. Um clube que fez de Neil Amstrong, o primeiro astronauta a pisar o solo lunar, o seu mais célebre embaixador. E no momento mais histórico do século XX, quando a voz de Amstrong pronunciou a sua célebre frase, e as suas pisadas na rocha lunar foram vistas por milhões através da televisão, o que podia ser uma pequena anedota transformou para sempre a vida de um clube de futebol. O único que esteve na lua. Quando a tripulação do Apollo 11 voltou à Terra, os dirigentes do Club Atlético Independiente fizeram pública uma surpreendente notícia. Amstrong tinha deixado na lua uma prova da sua ligação com o clube, uma marca para o resto dos tempos: uma bandeira do Independiente na superfície lunar.

Ninguém acreditou na Argentina na fábula de Héctor Rodriguez. Não só porque parecia ridículo que três norte-americanos se preocupassem com um clube de futebol (e ainda para mais, argentino) como parecia fora de qualquer protocolo deixar um elemento terrestre na lua sem um objectivo concreto para a NASA e o governo norte-americano. E assim, durante meses, os adeptos rivais do Independiente, os seus vizinhos do Racing, divertiram-se com novos cânticos que gozavam com a viagem à lua do mais famoso adepto "rojo", utilizando paralelismos com os falhanços das tentativas dos soviéticos - também eles, os "rojos" - em lograr o feito. Mas em Novembro de 1969, meses depois da histórica viagem, a tripulação do Apollo 11 chegou a Buenos Aires numa tour mundial coordenada pela NASA para apresentar os heróis dos tempos modernos ao mundo. Algum jornalista lembrou-se de perguntar a Amstrong se a louca história contada pelos dirigentes do Independiente tinha algum sentido. A resposta deixou a todos surpreendidos!

 

Amstrong confirmou publicamente tudo aquilo que tinha sido contado pela direcção do Independiente.

De um momento para o outro a rábula mais fantástica ganhava forma e dimensão de novela épica. Com o relato a ser dado pelo próprio protagonista da aventura. Meses antes do lançamento da nave espacial, o clube argentino abordou a embaixada norte-americana em Buenos Aires. Como reconhecimento à missão espacial, o Independiente queria associar-se ao projecto e fazer dos três astronautas elegidos - Neil Amstrong, Edwin "Buzz" Aldrin e Michael Collins - sócios do clube. A embaixada entregou ao clube fotos dos três astronautas (com o equipamento espacial) e o Independiente fez da tripulação parte da família do clube, respectivamente os sócios 80399, 80400 e 80401.

A história podia ter acabado aí, um golpe de relações públicas. Mas não. O "Rey de Copas", nome pelo qual o clube de Avellaneda é conhecido - é o terceira emblema com mais títulos internacionais do Mundo, 15, (atrás de Boca Juniores e AC Milan, com 18 cada, ainda que os milaneses contam com quatro Supertaças Europeias) queria marcar a sua presença fisicamente na viagem à lua. Semanas antes da viagem lunar, a NASA recebeu uma caixa enviada pela embaixada norte-americana na capital argentina. Dentro vinham várias bandeiras, cachecóis e camisolas do clube para os três tripulantes e a família. Chegavam com um pedido especial: deixar uma das bandeiras enviadas na superfície da lua naquela que seria a mais importante viagem da História. A carta sensibilização a tripulação e os três concordaram em levar uma bandeira a bordo junto a outros elementos que seriam depositados na lua. Quando a 20 de Julho o módulo espacial aterrou na superfície lunar, a bandeira foi colocada, juntamente com esses objectos, no satélite terrestre antes do regresso da tripulação. Amstrong confirmou então por carta à direcção do clube que tinha cumprido a promessa. Meses depois, em pessoa, voltou a fazê-lo para surpresa de todos os presentes na cerimónia organizada na embaixada norte-americana.

Até hoje, a viagem à Lua tornou-se parte do folclore emocional dos adeptos do clube. Quando o astronauta faleceu - a 25 de Agosto de 2012 - os adeptos do Independiente homenagearam-no com uma ovação póstuma de vários minutos no primeiro jogo em casa da equipa. Afinal, graças a este estranho americano, podiam olhar para a Lua de noite sabendo que parte da alma do clube também os iluminava durante a noite.



Miguel Lourenço Pereira às 12:54 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Sábado, 03.03.12

Não é o primeiro grande livro nem certamente será o último grande livro alguma vez escrito sobre esse jogo tão popular, hoje como há 100 anos atrás, que é o futebol. Mas é seguramente o mais completo e fundamental tratado sobre o gigantesco fenómeno politico, social, económico e desportivo que é o beautiful game. Nunca um livro soube penetrar tão fundo na pele de um desporto que muitos teimam em dissociar dos alicerces da sociedade contemporânea. Talvez por isso, The Ball is Round, é tão importante para entender o jogo como o drible de Maradona naquela quente tarde na Cidade do México em 1986.

 

São 900 páginas mas leem-se como se fossem apenas 90.

Talvez essa seja o mais sincero elogio que se pode fazer a um livro que, no fundo, é um tratado épico. Resume o seu poder de sintese, a sua capacidade de absorção e a eterna sensação de vazio que fica quando se guarda o livro pela última vez. Para quem lê pela primeira vez um livro dedicado ao futebol, a experiência é intensa. Para quem conta com uma biblioteca repleta de livros sonantes e brilhantes, é uma surpresa refrescante. The Ball is Round não vive da especificidade que fazem de Inverting the Pyramid de Jonathan Wilson e Football Against the Enemy de Simon Kuper, obras fundamentais. O primeiro é o mais completo livro escrito sobre tácticas, o segundo o mais espantoso retrato do futebol como fenómeno social.

The Ball is Round é tudo isso e muito mais. Sem entrar no mesmo nível de detalhe, abordage com perfeição as metamorfoses tácticas e a envolvência social do jogo. Toca os aspectos politicos com a mesma delicadeza com que Maradona dormia a bola nos pés. Finta a natural tendência de livros cronológicos em deixar-se cair em datas e titulos com a velocidade de Garrincha e remate cada capitulo com uma análise tão perfeita como os disparos de Pelé. Respira-se futebol em cada página. Sobretudo respira-se a evolução da própria história a partir de uma bola de futebol.

 

David Goldblatt, jornalista inglês por detrás desta obra épica, entende, como nós, que o futebol é o espelho perfeito da metamorfose social dos últimos 150 anos. Com ele conhecemos as múltiplas origens de um jogo que os ingleses souberam domar e estruturar. Com ele viajamos à volta do mundo futebolistico para perceber de que forma o jogo contribuiu para a ascensão e queda das ditaduras militares sul-americanas ou para a formalização do movimento independentista africano. Como Goldblatt explica detalhadamente o futebol não provocou guerras nem assinou tratados de paz, mas abriu as condições para mudanças de ciclo espelhando perfeitamente o sentir dos povos em cada micro-cosmos socio-cultural.

Ao largo das páginas avançamos cronologicamente, viajamos entre continentes, entendemos a decadência das grandes potências, a ascensão dos desafiantes ao trono, reconhecemos nomes próprios, eventos e momentos chave e entendemos de que forma a Guerra das Malvinas contribuiu para a péssima campanha da Argentina no Mundial de 1982 da mesma forma que o ambiente que se vivia em Budapeste à hora de partida dos Magiares para o Mundial de 1954 condicionou a sua performance. Seguimos a evolução do futebol nacional das principais nações e ligas e lemos sobre as especificidades que fazem dos EUA, Austrália, India e China casos à parte nesta relação quase sintomática entre futebol e importância politica-social durante os últimos 50 anos. Goldblatt, notável jornalista free-lancer, não deixa pontas soltas, não abdica de encontrar sempre uma resposta para cada dúvida e, no final, explica como um jogo de 90 minutos não é mais do que a consequência de mil e um factores que se conjugam na mesma direcção.

 

Ao contrário de muitos livros que tentam relativizar o papel do maior fenómeno social dos últimos 100 anos – talvez só comparável ao cinema e à libertação sexual – The Ball is Round interpreta a sua real relevância e reforça a sua condição primordial no entendimento da evolução socio-economico-politica e cultural do último século. Um livro que não esconde nem se envergonha de entender o beautiful game como algo muito mais importante que um jogo é, nos dias que correm, uma verdadeira benção. Que seja escrito de forma tão brilhante e certeira é um autêntico bónus. Se alguma vez tiverem de ler algum livro jogo o futebol e só puderem escolher um, The Ball is Round deveria ser, sem dúvida, a primeira (e única) opção. Pouco mais se pode dizer de um livro. Pouco lhe faria tanta justiça como lê-lo. Até ao último sorvo.



Miguel Lourenço Pereira às 15:14 | link do post | comentar

Quinta-feira, 16.02.12

O Real Madrid deve toda a sua fama a um só jogo. O primeiro grande épico europeu visto maioritariamente por quem tinha televisor na Europa Ocidental à época. Sessenta anos depois, mais do que nunca, a mitologia futebolistica é definida inexoravelmente pelo poder da televisão e da curta memória que há se transformou no espelho desta sociedade.

 

Messi é o melhor jogador da história.

Pudera! Cada lance seu é visto em primeiro, segundo, terceiro plano, em movimento, em 3D, a cores e alta definição. Desliguemos agora o modo irónico antes que pensem que falamos a sério. O génio do argentino é único, mas o seu papel na história do jogo deve muito ao poder das novas tecnologias, da era dos twitters, facebooks, HDs e 3Ds.

A televisão, sempre a televisão, define os padrões de qualidade e superioridade de uns sobre os outros. A mitologia moderna não se baseia na palavra escrita ou perdida no tempo. É escrava da imagem. Messi é escravo da sua própria imagem da mesma forma que o Real Madrid ainda sobrevive no inconsciente humano pela força inequivoca das suas camisolas brancas brilhantes naquela tarde em Glasgow. A televisão provocou um antes e depois na sociedade ocidental e o futebol como espelho perfeito do mundo em mutação viu-se inevitavelmente presa à mesma realidade. A memória deixou de fazer sentido se não for acompanhada de um clip de video subido ao You Tube. Hoje não há ninguém que escreva sobre futebol que não se limite a repetir a mesma ladainha que foi vendida com imagens coladas à lapela. Pelé, Maradona, Cruyff e Di Stefano, o quarteto imenso. Real Madrid, Ajax, Liverpool, Milan, Manchester United e Barcelona, as seis equipas mais emblemáticas nos últimos 60 anos. Consequências directas da popularização do espectro televisivo. A memória deixou de ser algo valorizável. Quem a tinha e quem presenciou outros tempos foi morrendo e o seu testemunho recolhido por uma infinita minoria, ostracizada por aqueles que se agarram à imagem como um jesuita à cruz. Os mitos do passado não televisado deixaram de existir, a história foi despromovida à condição de anedoctário e os heróis a cores suplantaram os a preto e branco da mesma forma que os Messi a 3D parecem mais que os Maradona de planos únicos de camara.

 

Alfredo Di Stefano, génio que chegou ao final da sua carreira quando a televisão estava apenas a dar os primeiros passos, entrou nesse top 4 quase como por gesto de condescendência.

Nenhum jovem de menos de 40 o cita sem ser por pura imitação snob e pretenciosa e nem mesmo Messi ou Maradona, seus conterrâneos, o têm como referência. Nessa tarde ele manobrou à vontade, como sempre, o jogo colectivo do Real Madrid. Marcou um hat-trick (Puskas marcou um poker) e entrou nesse imaginário televisado por pouco. Quem o viu jogar diz dele maravilhas que nem as imagens seriam suficientes para ilustrar vários clips de best of, desses que fizeram das corridas de Ronaldo, das roletas de Zidane, dos bailados de van Basten ou os remates de Cristiano Ronaldo, imagens de marca internacionais. O hispano-argentino, pouco dado a falsas modéstias, no entanto sempre defendeu que ele nunca foi tão bom como Pedernera e Labruna, os mentores de La Maquina, da qual restam poucas imagens em video. Outros sobreviventes de eras pretéritas falaram da aura de grandeza de Sindelaar, Meazza, Friedenreich, Piola, Finney e Hidegkuti como génio tão brilhantes como os Cruyff, Baggio, Romários, Keegans e van Basten que se seguiram. Mas sem video ninguém acredita que o génio fosse algo real quando os relatos radiofónicos ainda eram a excepção, e não a regra. O futebol homérico, inspirado em descrições e metáforas mitológicas, para a maioria dos espectadores e analistas actuais é puro folclore. Não conta, não existe, não faz sentido.

 

Esses são os mesmos que vivem sem entender que o impacto do Brasil de 70 deve-se tanto ao génio dos seus jogadores como ao facto da camisola amarela estridente ter sido vista, pela primeira vez, em televisores a cores, debaixo do calor asfixiante do meio-dia mexicano. Os mesmos que exaltam o presente e votam no “flavour of the month” por cima de nomes ilustres que nunca viram ou quiseram ver. Os que reduzem a mitologia futebolistica ao poder da televisão e esquecem-se de que o jogo já era centenário quando os aparelhos começaram a invadir os lares da Europa. Acreditar que o génio, a arte, o talento só existem porque passou na televisão é tão néscio como pensar que qualquer tempo pretérito é melhor que o actual. Entre esses dois mundos, essas duas filosofias, encontraremos certamente a virtude. O problema é que muito poucos se dão realmente ao trabalho de a procurar.



Miguel Lourenço Pereira às 15:25 | link do post | comentar | ver comentários (10)

Sexta-feira, 23.04.10

Ser vizinho de um dos clubes mais bem sucedidos da história é sempre um problema. Para o Atlético de Madrid tornou-se numa maldição. A equipa que já foi filial do Athletic Bilbao na capital é hoje um terceiro grande que procura encontrar o seu espaço num futebol espanhol cada vez mais bipolarizado. Poucos são os que se lembram da sua época aurea, quando começaram a ser conhecidos como os "colchoneros".

Entre a imprensa indefectível do Real Madrid o Atlético ganhou a alcunha de "Pupas", um termo espanhol similar ao infantilismo luso "doi-doi".

Uma picada ao orgulho dos atléticos, essencialmente porque o clube nos últimos trinta anos passou a maior parte das temporadas a queixar-se e a lamber as feridas de sucessivos erros de gestão. Não é por acaso que desde os anos 70 que a equipa só venceu um titulo de Liga, em 1996. Muito pouco para o segundo conjunto da capital espanhola e, historicamente, o terceiro grande de Espanha. Há muito que o deixou de ser. Não só para o mais titulado Athletic Bilbao, o constante Valencia ou o emergente Sevilla. Até mesmo perante equipas de menor historial mas com projectos desportivos sustentados e que têm demonstrado no terreno e fora dele, a sua superioridade.

A presença nas Meias-Finais da Europe League, que começam a disputar-se esta semana, é o grande êxito desportivo da década para o clube rojiblanco. Desde o afastamento do polémico Jesus Gil y Gil que os seus sucessores, o filho Miguel Angel Gil e o productor cinematográfico Enrique Cerezo, têm sido incapazes de inverter o rumo. Os adeptos afastam-se da equipa e nem o forte investimento realizado este ano - não vendendo nenhuma das estrelas e contratando vários jogadores nos mercados de Verão e Inverno - mudou a fraca prestação doméstica. Salva-se a Europa e a lembrança de outros tempos.

 

A história pregou ao conjunto atlético o termo colchonero.

A origem remonta aos anos 20. Por essa época o clube começou a estabelecer-se como um dos grandes de Espanha, depois de ter sido largos anos apenas a filial do Athletic Bilbao na capital. Ao funcionar como equipa satélite do conjunto basco, os madrileños importavam os seus equipamentos de Bilbao. As celebres camisolas às listas brancas e vermelhas tornaram-se num icone da entidade. E, curiosamente, deram origem ao seu apelido. Por essa altura a maioria dos colchões comercializados em Espanha tinham a mesma origem. O desenho era funcional e exactamente igual à camisola atlética. Um colchão branco com quatro tiras vermelhas bem identificativas. A comparação foi inevitável. A alcunha ficou da mesma forma que o conjunto acabou intimamente ligada à praça Neptuno, recém-construida, para comemorar os seus triunfos. E ao rio Manzanares, que passa pelo oeste madrileño, e onde construiu o seu estádio, antecessor do actual Vicente Calderon. Ao contrário do rival Real, clube das gentes ricas do centro e norte da cidade, o Atlético ficou intimamente associado ao povo da zona sul. E assim seria.

Durante a Guerra Civil o conjunto mudou de nome para Atlético Aviacion, já que a designação Athletic Madrid fora proibida por Franco. Depois da fusão definitiva entre o clube e o Aviacion Nacional, em 1947, o clube passou a utilizar a designação de Atlético de Madrid.  E viveu então uma das suas melhores épocas que terminou nos anos 70, com uma final da Taça dos Campeões e a subsequente conquista da Taça Intercontinental. A partir daí o oásis. O fim do sonho colchonero!

Cercado por todos os lados, o conjunto colchonero procura rever a sua identidade. Tem um estádio novo à espera e uma equipa jovem com grande potencial. No entanto a divida acumulada pela direcção e a falta de competitividade do plantel tem levado a massa adepta à beira do desespero. Ser colchonero, hoje, é cada vez mais um sacrificio a que poucos se sujeitam. Mas, os que o fazem, levam as cores no peito até ao fim!



Miguel Lourenço Pereira às 11:01 | link do post | comentar | ver comentários (5)

Sexta-feira, 12.02.10

George Best declarou numa entrevista que se não tivesse sido jogador de futebol gostaria de ter sido uma estrela rock. Não o foi. Mas chegou a ser outro tipo de estrela: actor. E não foi o único. Ao longo dos últimos 90 anos houve vários futebolistas que experimentaram uma carreira artística no cinema. Nenhum deles ficou para a posteridade pelo seu talento dramático. Mas cada um deixou a sua marca particular provando que uma vez estrela no relvado também se pode ambicionar ser estrela nos palcos.

  
Eric Cantona dá corpo a Eric Cantona no filme do inglês Ken Loach Looking for Eric que esta semana estreia em Portugal. Mas nem sempre foi assim. O antigo número 7 do Manchester United já conhecia os meandros do cinema e surgiu pela primeira vez à frente de uma câmara no drama histórico Elizabeth onde encarnou um embaixador francês na corte elisabetina. Cantona é um dos jogadores tornados em actores mais mediáticos. Mas não é o único.
Em 1971, no auge da sua fama, desportiva e não só, George Best co-protagonizou a comédia Percy, encarnando-se a si próprio. Também Stanley Collymore, antigo avançado do Liverpool e Aston Villa, não resistiu a um pequeno cameo na sequência inicial de Basic Instinct 2: Risk Addiction, ao lado da implacável Sharon Stone. Mas talvez o futebolista inglês que melhor soube explorar a sua faceta de jogador-actor foi Vinnie Jones. O temível central, antigo internacional e um dos enfants terribles por excelência dos anos 80 e 90, trabalhou com Guy Ritchie nos seus dois primeiros filmes. Em Lock and Stock and Two Smoking Barrels, de 1998, canalizou a sua célebre agressividade no papel de um temível cobrador de dívidas disposto a tudo para voltar a casa com o dever cumprido. Esse foi o primeiro, mas não o último, filme onde o jogador apareceu. Gone in Sixty Seconds, Snatch, Swordfish, Eurotrip ou X Men: The Last Stand são apenas exemplos dos mais de 30 filmes onde Vinnie Jones deu a cara.
 
Apesar de hoje já não ser tão habitual encontrar um célebre jogador do outro lado do ecrã durante os anos 30 e 40 o fenómeno era uma realidade popular.
As grandes estrelas capitalizavam a sua popularidade em filmes desenhados à sua medida que esgotavam sessões durante semanas consecutivas. Ricardo Zamora, talvez o mais completo guardião de sempre do futebol espanhol, aproveitou a sua imensa fama para se tornar em galã. Em 1926 protagonizou Por Fin Se Casa Zamora que rapidamente se tornou num dos maiores êxitos de bilheteira do cinema mudo espanhol. No final da sua carreira, em 1943, surge em Campeones!!, onde partilha o protagonismo com a esmagadora maioria dos jogadores do Real Madrid de então. Entre eles estava Jacinto Quincoces. O médio merengue protagonizou outros quatro filmes de ficção transformando-se num dos mais célebres actores espanhóis dos anos 40. Um dos filmes onde faz de si próprio, La Saeta Rubia, como o nome bem indica, conta também com a presença de Alfredo di Stefano, outro craque que não resistiu a dar o salto. Tal como o austríaco Mathias Sindelaar, o “homem de papel” do Wunderteam austríaco que pouco antes de cair em desgraça foi um dos rostos mais sonantes de Roxy und Das Wunderteam. Ou até o português Valdemar Mota, a grande estrela do FC Porto dos anos 30 que protagonizou, ao lado de Beatriz Costa a comédia O Trevo de Quatro Folhas.
No entanto até hoje há um filme de 1981 que espelha bem esse fascínio que o cinema exerce sobre os futebolistas. Victory contou com um elenco de estrelas dentro e fora dos relvados. Pelé – que já no Brasil tinha protagonizado vários filmes populares – Bobby Moore, Osvaldo Ardilles, Paul van Himst ou Mike Summerbee colocaram-se às ordens de John Huston e juntaram-se a Michael Caine, Max von Sydow e Sylvester Stallone neste filme de guerra onde um jogo entre prisioneiros e oficiais nazis abre as portas a uma fuga espectacular. Um filme com um enorme sucesso comercial mas que acabou por não fazer escola.
 
Hoje os anúncios tornaram-se no veículo ideal hoje para os jogadores que já não precisam do grande ecrã para se darem a conhecer fora dos relvados. Hoje Cristiano Ronaldo, Lionel Messi ou Kaká têm suficiente notoriedade com as campanhas publicitárias dos seus principais sponsors. Mas na era do futebol amador e idealista o cinema era um veículo perfeito para manter a aura de estrela quando a rádio ainda prevalecia sobre a televisão e muitos dos jogadores só tinham corpo na imaginação de muitos adeptos.


Miguel Lourenço Pereira às 00:10 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Quinta-feira, 11.02.10

Esta semana estreia nas salas de cinema portuguesas Looking For Eric. Comédia optimista de Ken Loach, um dos cineastas sociais mais determinantes da filmografia europeia dos últimos 50 anos, o filme é também uma séria abordagem ao poder do futebol como elemento de coesão social. E claro, Looking for Eric é um regresso nostálgico à imensa figura de Cantona, o rei de Manchester.

 

 

Não vemos como um lotado Old Trafford, repleto de ingleses fanáticos, parava os jogos cantando La Marseillese como sucedia cada vez que Eric Cantona deslumbrava com mais um golpe de génio. Mas em troca temos o próprio enfant terrible de Manchester a ensaiar o hino francês num trompete no topo de um prédio da cidade cinzenta do norte de Inglaterra. Não é a primeira vez que Cantona se transforma em actor. Já o tinha sido, para lembrar o caso mais longínquo, no drama histórico Elizabeth. Mas desta feita Cantona é Cantona. Igual a si próprio em todos os sentidos. O jogador que abandonou o futebol porque tinha perdido a alegria de jogar passou os últimos treze anos a alimentar a sua aura de grandeza enquanto se dedicava às suas novas paixões. A pintura, a música, o futebol de praia e o cinema. O esboço do argumento de Looking For Eric é do próprio Cantona e só depois de alguns anos na prateleira surgiu a possibilidade de Ken Loach e o seu parceiro de sempre, Paul Laverty, adaptarem a ideia original. Loach é um apaixonado do jogo como qualquer bom britânico. Já em 1969, quando ainda era um imberbe idealista, não resistiu a plasmar no ecrã outro dos grandes ídolos de Old Trafford, o inglês Bobby Charlton. Foi na comédia Kes, onde um professor universitário sonha imitar cada movimento do internacional inglês fintando os alunos pelo corredor de uma austera universidade.
 
 
A história por detrás de Looking For Eric encaixa perfeitamente no universo do cineasta. Um carteiro de Manchester, Eric Bishop, a viver uma profunda crise de meia-idade, encontra-se perdido. Incapaz de lidar com a indisciplina dos seus enteados e farto da sua rotina do dia a dia, este Eric acha que a vida deixou de ter sentido. É então, no culminar dessa depressão aguda, que lhe aparece outro Eric, o Cantona. A princípio Bishop não acredita que está frente a frente com seu ídolo de sempre. A frase “Por favor, diz algo em francês!”, dá a tónica do que se verá depois. Porque Cantona é aqui um guru espiritual muito especial. O único que o pode ver é Bishop. E nem ele acredita nos dons de guia espiritual de Cantona a principio. Mas à medida que este lhe vai devolvendo a alegria de viver, o carteiro começa a perceber que o que parece ser um sonho podia muito bem ser uma situação real.
Perto do final desta história de reconciliação com a vida, com o futebol como veículo único para a reconversão de uma alma perdida, os dois Erics sentam-se à frente da televisão para ver uma colectânea dos melhores golos de Eric Cantona. O francês, sério e sisudo, não reage a cada salto de entusiasmo do pobre carteiro, como se este estivesse a ver cada golo pela primeira vez. E no final diz-lhe que, depois de tantos anos, é um passe impossível para um golo de Dennis Irwin o lance que realmente marcou a sua carreira. Um passe, não um golo. A mensagem não podia ser mais clara. E tal como aparece do nada, Cantona desaparece. Eric Bishop já se reencontrou consigo mesmo.
 
O filme foi um relativo sucesso comercial no Reino Unido e passeou-se pelo Festival de Cannes na passada Primavera onde recebeu vários aplausos da crítica. Chega agora às salas portuguesas com o atractivo de seguir uma história que tem esse traço humano que só cineastas como Ken Loach conseguem dar. Cada adepto pode imaginar o seu ídolo. Cada adepto pode imaginar o seu dia mais negro. Se ele lhe aparecesse com uma mensagem de tranquilidade, quem não iria querer cruzar-se com o seu próprio Eric?


Miguel Lourenço Pereira às 19:56 | link do post | comentar | ver comentários (3)

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Independiente, o único cl...

The Ball is Round, o fute...

A mitologia vai ser telev...

A origem dos Colchoneros

Heróis no relvado, estrel...

Looking For Eric, o futeb...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO