Quarta-feira, 8 de Outubro de 2014

Fernando Santos iria sempre ser seleccionador português. Era uma questão de quando, não de se. Depois de passar pelos “3 Grandes” sem levantar demasiada polémica estava estabelecido o quórum necessário para estas situações. O jogo de interesses prevaleceu sobre o futebol e depois de largos anos a ver como a Grécia sobrevivia com gramos de futebol e quilos de luta, resta rezar para que o novo começo não dure demasiado.

 

fernando-Santos-660x330.jpg

 

Há um treinador em Portugal que conseguiu não ser campeão nacional com Mário Jardel a marcar mais golos do que nunca. Esse mesmo treinador – o Engenheiro de um Penta desenhado no ano anterior – passou por Benfica e Sporting com mais pena que glória. Noutro contexto a sua carreira ter-se-ia afundado no esquecimento. Em Portugal, Fernando Santos acabou como seleccionador nacional. Homem de paz que esquiva sempre o confronto e a polémica, é a figura diametralmente oposta ao perfil de seleccionador que existe desde 2000. Tanto António Oliveira como depois Scolari, Queiroz e Bento procuraram sempre impor a sua imagem através de soundbyites fortes, decisões polémicas e altamente questionáveis e lutas paralelas com dirigentes e imprensa. Santos não é nada disso. Mais parecido a Humberto Coelho que a qualquer outro seleccionador português, tem a vantagem de não ser um homem associado historicamente a um clube. O engenheiro dos subúrbios de Lisboa que levou o Estoril e o Estrela de Amadora a serem equipas de moda nos anos noventa, sempre se assumiu como benfiquista mas, sobretudo, como profissional o que lhe permitiu ser aceite por Pinto da Costa como um dos treinadores em quem mais confiou. A sua passagem por Alvalade ajudou a fechar um ciclo histórico. Nunca saiu a mal com nenhum dos clubes que treinou, nunca teve más palavras para os seus dirigentes e isso, na diplomacia do futebol, vale ouro. Para Santos o premio de ser um low profile há muito que estava escrito. Todos sabiam que seria um dos próximos seleccionadores. Era uma questão de timing. O haraquiri de Paulo Bento e a ausência de opções de vulto por decisão própria como Mourinho, Vilas-Boas ou Jesus facilitou as contas. Nem a (ridícula) suspensão da FIFA fez a federação mudar de ideias. O perfil de Santos é único no mercado e a oportunidade era de ouro mesmo com o eventual prejuízo desportivo. Que pode não ser tão grande como isso. Santos é um homem popular no mundo do futebol mas não é, necessariamente, o homem certo no momento certo. Nem sequer um treinador de elite. É o que estava mais à mão num país que gosta sempre de soluções fáceis.

 

Analisando futebolisticamente o que foi Fernando Santos nos últimos vinte anos ficamos com a sensação de que acabou por ser muito menos do que dele se esperava. Um titulo de liga – em 1999 – e duas Taças de Portugal, tudo com uma equipa que valia o seu peso em ouro e que devia ter ganho mais, muito mais. Com ele começou em campo declive desportivo do FC Porto que só Mourinho conseguiu revitalizar. Santos sobreviveu à habitual política bianual de Pinto da Costa mas não à falta de resultados. O seu estilo de jogo aborrecia as Antas como poucas vezes se viu. Um 4-3-3 rochoso, lento e que beneficiava-se de ter um goleador genial como Jardel e, mais tarde, um génio no meio campo chamado Deco. Depois dos anos de azul e branco veio um vazio, uma passagem pelos grandes de Lisboa sem grande interesse desportivo e o seu exílio futebolístico para a liga grega onde foi escalando posições, sempre graças à sua imagem de gentleman. Acabou com o difícil posto de sucessor de “King Otto”, o homem que deu ao país o Euro 2004. Esteve à altura das expectativas. Muitos imaginavam uma Grécia decadente, futebolisticamente. Santos não conseguiu impedir essa quebra futebolística mas compensou-a com organização, trabalho e espírito colectivo – a base do sucesso original de Rehagel – aguentando a pressão de manter-se na elite, disputando Europeu e Mundial com resultados mais do que satisfatórios. Mas o seu catenaccio grego é tudo aquilo que este Portugal não precisa. Ao contrario do que sucedia com os helenos, aqui Santos vai encontrar uma nova geração de talentos. Um jogador único e uma legião de jogadores de muito bom nível. A disciplina defensiva já era o b-á-b-á do “bentismo”. Ao novo seleccionador pede-se algo mais. Espectáculo, acutilância, dinamismo ofensivo. Um jogo não exclusivamente de rápidas transições para Ronaldo completar mas um futebol mais pensado, fiel aos anos dourados do nosso futebol e possível quando entre os elegíveis estão Moutinho, André Gomes, João Mário, William, Tiago – felizmente recuperado – Adrien, Marcos Lopes, Bruno Fernandes ou Bernardo Silva. Jogadores de toque muito diferentes dos Meireles e Velosos dos anos cinzentos. Portugal continua com problemas graves. Não há avançados (e o ratio de golos de Ronaldo empalidece em comparação com o Real Madrid) e guarda-redes de elite e mesmo nas faixas laterais contar com Cedric, Eliseu, Antunes ou Ivo Pinto não é propriamente uma noticia entusiasmante. Mas a pouco e pouco pede-se um salto de qualidade adequado a um novo leque de opções. Sobretudo, pede-se um seleccionador que saiba que a esses jogadores não basta ensinar conceitos defensivos e que é necessário desenhar um modelo que permita fluir o seu estilo de jogo mais ofensivo e de posse. Fernando Santos nunca foi um treinador desse perfil e tendo em conta as chamadas de Danny, Tiago, Quaresma, Carvalho (os punidos por Bento) parece estar mais interessado no imediato do que no futuro. Precisamente o que Portugal não precisa. Para isso Bento servia perfeitamente.

 

fernando_santos_afp955334.jpg

 

Está claro que o adepto português continua a pensar que o momento em que José Mourinho seja apresentado como seleccionador todos os males do mundo desaparecerão. O sadino terá a sua oportunidade, seguramente, mas até lá falta tempo, muito tempo. E ter alguém como Fernando Santos – alguém com o perfil de Fernando Santos, melhor dito – não parece ser a melhor solução. O processo de estabelecimento de uma nação futebolística com identidade própria é largo. Portugal pensa sempre no amanhã. A Alemanha começou a ser campeã do Mundo de 2014 em 2004 com a contratação de Klinsmann e Low. O mesmo sucedeu com a Espanha de Aragonés ou, em 1994, com a França de Jacquet. Portugal joga em ciclos de dois anos, nunca vai mais além. Ter Vítor Pereira disponível e não pensar nele como o homem que podia estar seis, oito anos a preparar um modelo de jogo português moderno com espaço para o talento que aí vem é um dos maiores erros de gestão que a FPF podia cometer. Não que a solução encontrada não fosse óbvia, todo o contrario. Fernando Santos é o homem do consenso porque assim funcionam as coisas. Com ele há quem pense que Portugal vai começar um novo ciclo. Em determinados aspectos de gestão, será seguramente um perfil diferente, menos estridente. Futebolisticamente o vazio continuará. Até que venha o D. Sebastião, não o treinador mas o dirigente que tenha a coragem de comportar-se como a importância do cargo lhe exige. O de pensar no futebol português em primeiro lugar e nos resultados da selecção depois. Sonhos difíceis de concretizar. 

 

PS: Aos leitores habituais do Em Jogo lamento a ausência de posts. Uma inevitabilidade tendo em conta um projecto profissional dentro do universo da escrita futebolistica que farei publico brevemente e me manteve afastado do ritmo habitual do blog que será retomado a partir de agora. Obrigado por esperarem!



Miguel Lourenço Pereira às 19:57 | link do post | comentar

5 comentários:
De Pedro Lucas a 10 de Outubro de 2014 às 14:02
Caro Miguel,

Dentro dos parâmetros de exigência com que a imprensa trata as participações desportivas internacionais de Portugal, Fernando Santos é o treinador ideal. Nunca irá ganhar nada, porque lhe falta sempre qualquer coisinha, mas chegará smepre para uns quartos de final. Por cá 15ºs lugares em atletismo, 8ºs lugares em ciclismo e quartos de final em futebol, são vistos como grandes conquistas, portanto Santos é o homem certo, no lugar certo. Isto claro, independentemente de ser o tipo com rácio qualidade-de-jogadores-ao-dispor/conqustas, mais baixo da Europa. Repara, não é que eu não goste dele, mas durante 15 meses, ansiei pelo regresso de um qualquer Camacho ou Autuori ao meu SLB. Para mim, Santos continua a ser o tipo que defendeu uma derrota por 1-2 em Paris e que mandou tirar o pé do acelerador a uma equipa que tinha passado de 0-3 para 2-3 contra o Epanyol, caminhando assustadoramente para um 3-3, porque "isto resolve-se em casa". Em termos de ambição, ninguém é mais cacanho do que o Sr. Eng.

Abraço.


De Miguel Lourenço Pereira a 12 de Outubro de 2014 às 10:53
Pedro,

Se Portugal quiser ir por aí, Santos é seguramente o homem certo. Uma pena, há uma geração maravilhosa que se vai perder os primeiros anos de futebol de elite por isso!


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO