Quinta-feira, 12 de Junho de 2014

poucos treinadores que marcaram tanto a história do futebol ganhando tão pouco. Olhando para trás no tempo soa estranho que um homem como Louis van Gaal não tenha um curriculum mais recheado. Especialmente se temos em conta que três dos maiores projectos desportivos das últimas duas décadas saíram da sua cabeça. Em Old Trafford ele terá o desafio de lançar as bases do futuro. A vitória poderá chegar mas o Manchester United precisa, sobretudo, de alguém que aponte o caminho de uma era histórica. O holandês é o homem perfeito.

 

Van Gaal tem uma Champions League ganha com o Ajax e duas finais perdidas. Foi campeão na Holanda, em Espanha e na Alemanha. Criou do nada o projecto mais excitante da história do Ajax pós-Cruyff (o jogador), acabando com a hegemonia do PSV (algo que Cruyff, o treinador, nunca conseguiu). Depois, quando a lei Bosman mudou as regras do jogo, foi para Barcelona vencer ligas, perder Champions e lutar contra a imprensa. Aproveitou para ensinar tudo o que sabia a dois futuros rivais, um tal de Mourinho e um fervoroso Guardiola. Falhou estrepitosamente com a Holanda. Não tem o perfil que se espera num seleccionador, é um homem de contacto constante, de trabalho diário para assimilar os seus métodos. Correu mal a experiencia e pior o regresso a um Barça consumido na depressão pós-Figo. Outros treinadores teriam chegado ao fim. Van Gaal reinventou-se, primeiro na Holanda – com o modesto AZ Alkmaar – e depois na Alemanha onde pegou nos estilhaços do Bayern pós-Hitzfeld e lançou as bases do sucesso que desfrutaram Heynckhes e Guardiola. Seu foi o trabalho de base que abriu espaço para os Lahm e Schweinsteiger, os conceitos de treino, metodologia, trabalho físico, dietas e aplicação de novas tecnologias à preparação dos jogos. Perdeu contra o seu velho adjunto a final da Liga dos Campeões que abriu as feridas numa ambiciosa Baviera. Mas deixou o trabalho feito. Deixou Robben e Ribery preparados, Gomez a meter golos, Schweinsteiger convertido em regista e Lahm com galões de líder. Já o tinha feito quando deixou Puyol, Xavi, Valdés e Iniesta enganaram-se antes de serem ídolos. E com a legião holandesa dos anos noventa, desses nem precisamos de falar. É esse o perfil que o Manchester United quer. É esse o futuro dos Red Devils.

 

A escolha de Ferguson foi seguida religiosamente graças ao peso mediático e emocional do génio escocês num clube que hoje é o que é graças a ele. Ferguson estava incomodado com um sucessor de perfil alto (Mourinho), salvo se fosse Guardiola, alguém que admira (não admiramos todos) profundamente. Preferia um homem mais parecido ao primeiro Ferguson, perfil diferente das estrelas mediáticas dos bancos. Moyes era uma escolha pessoal há muitos anos, talvez o segredo pior guardado do mundo. Mas o homem que reinava em Goodison Park não estava preparado para a missão. O problema não era só suceder a Ferguson. Era fazer o que ele não estava disposto a fazer. Sir Alex retirou-se quando percebeu que sem um investimento sério – há quase uma década que o Manchester investe pouco e quase sempre mal – por parte dos Glazers, uma renovação profunda do plantel era impossível. Isso significava dizer adeus a mitos do clube e a preparar sucessores ao mesmo tempo. Wengerizar-se, dirão em Inglaterra. O escocês não estava para reconstruir pela sexta vez uma nova equipa. E decidiu que era a sua hora. Moyes, mesmo que quisesse, não soube, nem pode. Não houve uma planificação de mercado, os negócios foram precipitados e mal feitos. O preço foi a pior época desportiva em mais de vinte e cinco anos. Com as saídas de Vidic, Ferdinand, Evra, Giggs e, eventualmente, Nani, Valencia, Carrick – saidas que Ferguson não quis ordenar – o clube vai entrar numa nova era. É o timing perfeito para alguém do perfil de van Gaal, alguém que não precisa de muito dinheiro para lançar as bases do futuro.

O holandês tem uma formação com nomes interessantes que trabalhar (ainda hoje Ferguson se lamentará de não ter conseguido renovar a um tal de Pogba), e novas adições jovens que pedirá para dar nova cor à equipa. Com Mata, van Persie, Rooney, Cleverley e Kagawa conta com material suficiente para reorganizar o modelo de jogo, tão confuso nos días de Moyes que mais relembrava os anos do velho kick-and-rush do que os piores dias de Ferguson no banco. Luke Shaw, Adam Lallana, Wilfried Zaha (recuperado) e Connor Wickham são nomes que se baralham no imediato e que transmitem esse gosto pela aposta de futuro habitual. O clube investirá como nunca porque sabe que o risco de uma nova época como esta é demasiado grande para arriscar cair no poço como passou com o Liverpool. Haverá nomes sonantes mas, sobretudo, haverá uma ideia consistente de jogo, um modelo táctico moderno, optimizado ao 4-3-3 holandês, ousado e excitante. Haverá discussões com a imprensa, choques com alguns jogadores (Rooney à cabeça, imaginamos) e muitas surpresas. Mas, sobretudo, haverá interesse em seguir um dos mais influentes treinadores do futebol moderno num dos maiores clubes do futebol moderno que se encontra emocionalmente à deriva.

 

Para van Gaal – sem saber o que passará no Brasil e onde a sua jovem Holanda corre o risco de cair aos pés da Espanha e do Chile na primeira fase – a oportunidade de triunfar no Teatro dos Sonhos pode significar o encerramento perfeito de uma carreira única. Devolver a glória a Old Trafford passa não só por voltar a ganhar títulos agora. Lançar as bases da geração que vai vestir a camisola dos Diabos Vermelhos na próxima década é o seu grande objectivo final. Seria a quarta vez na sua carreira, em quatro clubes diferentes. Algo que nenhum outro treinador foi capaz de lograr na história do futebol ao mais alto nível! 



Miguel Lourenço Pereira às 11:46 | link do post | comentar

4 comentários:
De kafka a 13 de Junho de 2014 às 12:37
Jamais me esquecerei do Ajax que ele criou, para mim ainda hoje é a equipa mais espectacular que vi jogar desde que vejo futebol, no fim da década de 80.


De Pedro Lucas a 14 de Junho de 2014 às 17:05
Dificlmente se conseguiria arranjar casamento tão perfeito como o de Van Gaal com este Man. United. Desde que saiu do Ajax que Van Gaal procura um projecto destes, é quase como voltar aos primeiros dias de Ajax. Arrisco dizer que com Van Gaal, sem competições europeias e com a cultura de vitória que tem o clube, o Man. United é o principal candidato ao titulo da Premier League 14/15.

(o trabalho dele em Munique vai muito para lá do que se vê dentro das 4 linhas. Tornou o clube mais auto destrutivo da Europa numa potência. O adeus ao Hollywood FC começou no exacto momento em que ele assinou o contrato)


De slots betclic a 16 de Junho de 2014 às 00:14
O grande desafio será sem duvida Old Trafford, mas depois da vitória histórica frente a Espanha, quem sabe o treinador não leva a sua jovem Holanda bem longe no campeonato do mundo! :)


De Miguel Lourenço Pereira a 17 de Junho de 2014 às 18:18
A Holanda do jogo com a Espanha foi uma equipa reactiva. Resta saber como será quando tiver de impor a sua ideia de jogo!


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO