Domingo, 25 de Maio de 2014

A Décima. Finalmente. Numa noite onde a justiça dos noventa minutos prevaleceu sobre a justiça poética, o Real Madrid mergulhou nos infernos para sair mais forte do que nunca. Trucidou um rival que não soube nunca disputar a final da sua vida mas que, ainda assim, não a merecia perder. Por aquilo que significa no futebol actual. Cristiano Ronaldo fez história sem estar praticamente presente. Foram os secundários que salvaram as estrelas, as dez que o clube merengue usa agora ao peito com orgulho.

Faltavam dois minutos. Essa angústia histórica que parece que sempre faltaram dois minutos para alguma coisa, apoderou-se do Atlético de Madrid. Como em 1974 um defesa com a camisola quatro apareceu para relembrar que faltavam ainda dois minutos para o fim do mundo. Duas vezes na história, o mesmo filme. O mesmo desfecho. Uma tragédia assim destrói qualquer clube. A uma entidade como o Atlético de Madrid, habituada a partilhar alegrias e tristezas na mesma medida, é apenas mais uma lágrima no meio de tanta euforia. O golo de Sérgio Ramos, absolutamente justo pelo que se vivia em campo, definiu o jogo. Como em 74. A partir de aí não houve final, não houve jogo. Não houve dúvidas.

O Real Madrid carimbou a sua 10º vitória na máxima prova da UEFA com a autoridade de quem duvida da própria sombra. Foi uma equipa incapaz de reclamar o seu lugar histórico durante mais de uma hora de jogo. Não merecia vencer. O erro garrafal (outro) de Iker Casillas, o homem sobre o qual Mourinho avisou que era mais o problema que a solução, tinha deixado claro que este Real era menos assustador que outras versões. Quando até o perenal santo falha, tudo parece perdido. O Atlético encontrou-se com um golo que não queria, que não tinha reclamado. Fisicamente mais imponente onde menos importava, o conjunto de Simeone entrou na Luz para não perder uma final que nunca quis ganhar. Esse golo de Godin, dividido com Casillas e Khedira, dava-lhe uma vantagem que surpreendeu a tudo e a todos. Não era esse o guião. A prova veio depois. Nunca mais os colchoneros voltaram a procurar repetir a graça. Foram inofensivos, inconsequentes e pavimentaram o alcatrão do caminho que percorreram até ao cadafalso. Se a Europa do futebol, sempre á procura de um underdog que nos ensine que há algo mais que dinheiro envolvido neste mundo, torcia pelos atléticos, foi o próprio Simeone que se encarregou de reduzir o afecto. A sua equipa foi estanque, previsivel e inofensiva. "El Cholo" errou, e muito, ao confiar na palavra de Diego Costa, um homem que já a deu ao seu país de nascimento para depois a trocar pelo país de adopção. Costa prometeu que estava em condições mas oito minutos depois voltou atrás. Saiu directamente para o duche, sem pedir sequer desculpa. Numa batalha longa, uma bala menos a gastar. Ia fazer falta.

 

Simeone apresentou uma equipa sem magia. Mas com musculo e autoridade.

Não havia Arda - "no Arda, no party" como diria a brilhante biografia do turco assinada por Juan Esteban Rodriguez - nem Diego. Não havia toque fino onde sobrava a raça de Raul Garcia, Gabi e Koke. Só Tiago e Villa falavam outro idioma, coisa pouca para quem aspira a tanto. Os sessenta e tantos jogos nas pernas não ajudaram. Num plantel pequeno e a dar as últimas pouco mais se podia pedir que não fosse entrega e dedicação. E isso não faltou. Também não serviu para entusiasmar. O problema é que o rival, o dos orçamentos milionários, era incapaz de o fazer com a sua constelação de estrelas. Sem a bússola habitual, Xabi Alonso, e com Ronaldo, Khedira e Benzema em péssimas condições físicas, faltavam ideias, critério e futebol aos merengues. Modric, só, não podia fazer mais do que sobreviver á legião de gladiadores rojiblancos. Durante uma hora lutou só com a ocasional ajuda de um Di Maria preso num 4-3-3 que rapidamente passou a 4-4-2 e o obrigou a trabalhar o dobro do habitual. Ao Atlético o golo deu-lhe a comodidade emocional de não ter de avançar e por culpa disso deixou-se empurrar para o seu campo. Ancelotti, o homem que herdou uma equipa montada por Mourinho a que apenas trocou Ozil por Bale (o galês, apesar do golo, foi um dos piores em campo e um dos principais responsáveis pelo sofrimento dos adeptos blancos) imprimindo-lhe ainda mais verticalidade e dificuldade em manejar um jogo com poucos espaços, rendeu-se à lógica. Saiu o fantasma de Khedira - o jogador, em carne e osso, estará pela Alemanha - e Coentrão, para subirem ao relvado Isco e os seus malabarismos e Marcelo e a sua capoeira com a bola nos pés. Foi o momento que definiu a história do jogo. Ambos conseguiram empurrar o Atlético de Madrid para a sua área. Seguiram-se as ocasiões, faltava apenas a bola entrar. Simeone, num esquema mais defensivo do que nunca (fosse Mourinho a fazer o mesmo e imaginamos o que se diria) preferiu Sosa a Diego, mais musculo e lentidão a um jogador que sabe segurar a bola e criar espaços. Depois perdeu Felipe Luis e esqueceu-se que Alderweireld joga melhor pelo lado direito, onde Juanfran desfalecia com uma constante voragem de velocidade e talento encarnados em Di Maria e Marcelo. Tacticamente, Simeone perdeu aí um jogo que Ancelotti quase se esforçou por não ganhar. O golo de Ramos, o tal que emulou velhos fantasmas colchoneros, esteve à altura do dramatismo que uma final assim exige. Ao Real Madrid faltava-lhe ganhar uma final assim, à inglesa. Até isso logrou. Depois deixou de haver luta. O Atlético nunca tinha criado perigo, não ia ser em meia hora, sem alma já e sem corpo há muito, que o conseguiria. O Real, despido de medos, aplicou a lógica de quem tem mais talento tem sempre mais probabilidades de vencer. A conexão Ronaldo-Di Maria permitiu a Bale entrar na fotografia sem o merecer. O descaro de Marcelo triunfou sobre a passividade defensiva de uma equipa que já não acreditava no empate. E o golo de Ronaldo serviu apenas para ter na ficha do jogo o responsável principal por esta conquista épica nos jogos anteriores. Em Lisboa, CR7 não esteve. E por uma vez, ninguém pareceu notar.

 

O Atlético de Madrid foi durante o ano todo um exemplo de luta, coragem e dedicação. Quando lhe faltou o futebol ganhou a alma. Na Luz faltou-lhe a ambição que lhe sobrou em Londres. Quando a diferença de orçamentos é tão grande, a ambição e a alma são o único que sobra. Sem elas o destino está traçado. Ao clube das "10 Copas", o destino foi finalmente amigo depois de três eliminações injustas sob o mandato de Mourinho que pela primeira vez na sua carreira tem de assistir a um clube que deixa para trás triunfar onde ele falhou. Ironias do destino, principalmente porque este Real joga ao mesmo e com os mesmos que fazia a equipa que em 2012 colocou um ponto final à hegemonia blaugrana. Foi uma noite de sonho para os que acreditam em milagres, foi uma noite de pesadelo para os que acreditam em justiça poética. Foi uma final de Champions League. Não há mais nada que se possa pedir.



Miguel Lourenço Pereira às 18:43 | link do post | comentar

4 comentários:
De Kafka a 27 de Maio de 2014 às 10:06
"o destino foi finalmente amigo depois de três eliminações injustas" ????

3 eliminações injustas??? dizer que o Real foi injustamente eliminado nessas 3 vezes é levar o clubismo ao extremo...

- 2010/2011 foi superiormente eliminado pelo Barça que venceu categoricamente no Bernabéu por 2-0 com 2 golos de Messi e depois no Nou Camp o Barça limitou-se a gerir, logo eliminação mais do que justa

-2011/2012 o Bayern Munique foi claramente superior na 1ª mão onde podia ter vencido por mais golos e na 2ª mão o Real apenas existiu até ao 2-0, e a partir daí só seu Bayern que podia perfeitamente ter arrumado a eliminatória antes dos penaltys, logo volta a ser eliminação mais do que justa, pois o Bayern foi superior no conjunto dos 210 minutos

-2012/2013 o Real foi literalmente esmagado no Westfalenstadion e o resultado justo teria sido um 7-2 sem exagero nenhum, tal a quantidade absurda de golos falhados pelo Dortmund...e na 2ª mão tirando os primeiros 20 minutos onde o Real desperdiça 2 oportunidades claras de golo, só dá Dortmund até aos 80 minutos, onde o Dortmund podia perfeitamente ter marcado 3 ou 4 golos, pois teve oportunidades de baliza aberta, depois no sufoco final o Real lá marcou 2 golos, mas seria uma injustiça de todo o tamanho o Real passar, quando em 180 minutos de jogo apenas dominou 30 e foi dominado em 150 minutos

Portanto foi mais do que justas as 3 eliminações, o Real foi SEMPRE inferior aos 3 adversários...


De Miguel Lourenço Pereira a 30 de Maio de 2014 às 18:50
Kafka,

Para haver clubismo, como minimo, o Real Madrid teria de ser um dos meus clubes de eleição. Não é.

Em 2010/11, apesar do Barcelona ter jogado melhor no conjunto das duas mãos, a primeira mão esteve equilibrada até à "discutivel" expulsão de Pepe. Depois, Messi, até então espartilhado por Pepe, foi devastador e o Barcelona ganhou bem. Com a eliminatória quase perdida, o Real marcou o primeiro golo em Camp Nou incompreensivelmente anulado. Arbitragens polémicas e azaradas (também já tiveram outras afortunadas, como o Manchester United no ano passado viveu)

- No conjunto das duas mãos o Real Madrid foi melhor que o Bayern Munchen, sobretudo na primeira parte em Madrid, na primeira meia hora de Munique e no prolongamento no Bernabeu. Ser eliminado com o melhor marcador de penalties do mundo falha o seu também é azar.

- Contra o Dortmund, na primeira parte no Westfallenstadion o Real Madrid saiu a ganhar 1-0 num jogo que tinha controlado. A péssima exibição defensiva da segunda parte facilitou a goleada. No Bernabeu o Dortmund raramente se fez ver e o Real esteve a um golo de não passar de ronda com vários erros incriveis de Ronaldo e Higuain!


De Duarte F a 27 de Maio de 2014 às 10:42
Não diria que esta equipa é parecida com a que em 2012 "colocou um ponto final à hegemonia blaugrana" ou que apenas tenha mudado Ozil por Bale.

Mourinho jogava sempre com 2 médios defensivos ou mais musculados e Ancelotti jogou nas 1/2 finais e na final só com um. Que até chegou a tirar. Mourinho nunca o faria - e talvez por ser tão reticente em privilegiar o talento em vez do físico não deu o passo em frente depois de colocar fim a essa hegemonia catalã.

Modric no ano passado pouco jogou e mais não seja por isso, mérito a Ancelotti.

Não acho também que o Atlético tenha jogado como jogou o Chelsea 13/14. Deixaram-se ficar cá atrás não só porque foram empurrados, como já tinham um golo e tinham algo a perder. Não compararia Simeone a Mourinho porque este último abdicaria de atacar mesmo estando a 0 e envolveria no máximo 3 jogadores no ataque, coisa que o Atlético - que está longe de me deslumbrar - não faz.


De Miguel Lourenço Pereira a 30 de Maio de 2014 às 19:11
Duarte,

Mourinho, no final da época passada, jogou várias vezes com Alonso-Modric e Khedira a acompanhar e ás vezes mesmo sem o alemão e com Ozil à sua frente. Modric demorou a adaptar-se porque veio sem pré-época, teve uma "explosão" tardia.

No ano anterior a equipa não tinha ninguém desse perfil e por isso várias vezes jogou Kaká com Alonso e Khedira. No primeiro ano foi Granero quem ainda foi fazendo um jogos. É verdade que em jogos mais exigentes, Mourinho preferia mais o musculo que o talento mas Ancelotti também teve de adaptar Di Maria porque carecia de um jogador de maior capacidade fisica na ausencia de Khedira e na dificuldade evidente de Illarramendi em adaptar-se á exigencia do clube.

O Atlético marcou por casualidade, o seu jogo ofensivo foi praticamente nulo (consequencia também por perder, por culpa propria, Costa cedo) e depois do golo quase renunciou ao ataque. Até ao minuto 60 o Real nem sequer conseguiu empurrar o Atlético que só foi superado pela frescura fisica de Marcelo e Isco que activaram o jogo lateral e abriram o campo e foram cercando a defesa colchonera. Também aí Simeone enganou-se e preferiu Sosa a Diego que contra o Barcelona, no sufoco final, foi decisivo!


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Bom dia,Esta é para informar o público em geral qu...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO