Segunda-feira, 21 de Dezembro de 2009

Num jogo de futebol a equação é simples. No final dos 90 minutos se um ganha outro perde. É ilusório acreditar que o resultado final é consequência da labor de apenas um conjunto. Longe disso. Há sempre alguém que fez algo para ganhar e outro que não fez o suficiente, e acabou por perder. A atitude muitas vezes é o desbloqueador. No duelo da noite passada o FC Porto fez todo o possível para perder e o SL Benfica o suficiente para ganhar. E mais uma vez foi a vontade em campo que determinou o pobre resultado final.

 

No último clássico do ano e década o futebol pecou pela sua ausência.

Os que esperavam um duelo grandioso enganaram-se de recinto. No encharcado relvado da Luz viveu-se uma intensa batalha desportiva, mas na maioria dos casos a bola não estava presente. Uma omissão determinante para decidir um resultado pela minima, esse golpe de sorte e eficácia que separa os que procuram e os que anseiam. O Benfica não foi uma grande equipa sob o terreno de jogo. Mas tinha os seus objectivos bem claros. Teve a atitude certa e soube-se adaptar a cada momento do jogo. Nunca deu a sensação de dominar o encontro. Porque sabia que não ia a necessitar de tanto. Foi uma equipa corajosa e controladora. Mas, acima de tudo, foi uma equipa com atitude. E isso acabou por resolver uma contenda que tinha tudo para terminar igualada. O FC Porto, por outro lado, voltou a mostrar todos os aspectos negativos que fazem deste conjunto de Jesualdo Ferreira o mais débil em toda a década azul-e-branca. Não é por acaso que a equipa caminha a quatro pontos da liderança. Não foi no duelo de ontem que a equipa portista se atrasou. Foi nos pontos desperdiçados contra rivais acessiveis onde faltou sempre a mesma fórmula: atitude. Em Paços de Ferreira, na Madeira, em Braga e com o Belenenses. Um total de 8 pontos perdidos apenas por falta de atitude. Em nenhum jogo o FC Porto foi pior. Mas em todos eles foi a equipa mais débil. Mais medrosa. E mais desanimadora.

 

É inevitável olhar para o banco e não ver as diferenças entre Jorge Jesus e Jesualdo Ferreira.

O técnico encarnado passou durante toda a semana com um discurso cauteloso sabendo bem que as baixas que o seu plantel sofria deixavam a estratégia encarnada desprotegida. Preparou a resposta no silêncio e desnorteou um conjunto que chegou à Luz confiante que a ausência de nomes como Aimar, Di Maria e até mesmo Fábio Coentrão jogavam a seu favor. Não foi assim. Jesus provou que a sua estratégia está de tal forma bem oleada que não emperra pela falta de um elemento. Além do mais exemplificou que o plantel é largo e com duas boas opções por posição, que se transformam também em alternativas capazes de dar outro ritmo ao jogo. Carlos Martins fez esquecer o temido Aimar, o brasileiro Ramires esforçou-se mais do que nunca e Urretavizcaya fez esquecer o melhor Di Maria, provando até ser muito melhor no duelo defensivo. A equipa mudou os rostos mas manteve-se fiel à sua filosofia de ataque. Não foram letais no terreno de jogo como noutras ocasiões mas não precisaram de o ser. Um golo fortuito que diz bem do sentido de oportunidade de uma equipa com atitude - Bruno Alves e Helton estão distraídos enquanto que os atrevidos David Luiz e Saviola fabricam o golo do nada - frente a um conjunto confiado e adormecido. O Benfica funcionou porque venceu a batalha a meio-campo num claro 4 contra 3 onde os seus saíam sempre a ganhar. Funcionou porque o ataque nunca deixou de incomodar a baliza adversária e porque a defesa mostrou-se sempre sólida. Funcionou porque as linhas actuaram juntas, numa enorme entre-ajuda. Funcionou porque o rival a deixou funcionar.

Do lado oposto do espelho desta Alice o FC Porto nunca funcionou.

Em nenhum aspecto desportivo. E em alguns extra-jogo. Jesualdo Ferreira voltou a mostrar que a máxima de que há grandes técnicos sem titulos e muitos técnicos fracos com titulos é bem real. Renunciou ao novo FC Porto, uma equipa arrojada para o ataque e com atitude, com as linhas bem juntas e com os laterais a equilibrarem a desvantagem no meio-campo. A simples troca de Belluschi por Guarin denunciou o jogo azul e branco. De contenção, na expectativa. De medo. Sem atitude. A isso junta-se a eterna predileção por Hulk e Rodriguez como extremos que não o são e avançados que não conseguem nunca ser. Dois elementos a menos no puzzle defensivo onde a guerra se perde realmente. E dois elementos inofensivos no ritmo ofensivo, facilmente domados por uma defesa sólida e perigosa no contra-golpe. A entrada de Belluschi  e Varela equilibrou uma equipa eternamente descompensada. Mas foi insuficiente. A falta de rotinas de um plano alternativo e de um estilo de jogo que fuja ao contra-atqaue medroso foram fatais. A isso junta-se a total falta de concentração. O árbitro Lucilia Baptista não ajudou, quebrando o ritmo do jogo constantemente e impedindo a equipa azul e branca de jogar cómoda. Mas os erros acabaram repartidos e não influenciaram o resultado. Mas sim o ritmo de jogo.

Os jogadores portistas pareciam fantasmas, com a cabeça lá bem longe. Já falamos no lance do golo, exemplo perfeito do porquê do resultado final. Mas a falta de aplicação de Fucile e Álvaro, as constantes falhas de Fernando e o ritmo adormecido de Meireles ajudam a explicar o planteamento defensivo de um conjunto que desaparece nos grandes jogos. Nos que pedem caracter e atitude. Que é a imagem de marca do FC Porto. Mas não deste.

 

Enquanto que a vitória encarnada espelha bem o programa de futuro que constroi Jesus, a derrota azul e branca é o resultado natural da falta de estruturação do dragão. Na Luz não há apenas uma equipa ofensiva, organizada e preparada para o futuro. A cada jogador em campo há uma alternativa mais nova no banco para compensar as contas. Felipe Menezes, Urreta, Ruben Amorim, Coentrão estão treinados e preparados para assumir o seu posto a cada momento. Do outro lado cada vez que há uma mudança no esquema o castelo de cartas cai. Desta vez foi Guarin, o buraco no meio campo. Mas antes já foi a vez de Rodriguez, Varela, Farias, Costa, Mariano e uns quantos mais. O FC Porto não tem um sistema de jogo claro. Tem sim um plantel descompensado que o técnico tenta tapar mantendo-se fiel a uma estratégia para a qual já não tem jogadores. Não tem extremos hábeis para o contra-golpe. Não tem um talento criativo para pensar o meio campo e controlar antes de lançar os golpes venenosos. E não tem a certeza de como resolver os problemas quando o barco começa a afundar-se. O problema azul e branco está muito por cima de um ou outro jogador. É uma questão de fundo que precisa de uma solução drástica. A mesma aplicada neste defeso na Luz e que está a dar bons resultados. Porque se o Benfica não foi muito melhor que o Porto em jogo jogado, teve mais profissionalismo, concentração e atitude. E muitas vezes são esses os aspectos que decidem um jogo. Um campeonato.

A desvantagem para os azuis e brancos é perfeitamente anulável. Já o foi no passado e basta olhar para o ano passado, com as águias a terminar o ano em primeiros. Mas mais do que ficar a perder nos duelos directos e a ver de novo a diferença a cair nos 4 pontos, o FC Porto percebeu que há dois modelos de gestão frente a frente nesta luta. E que o seu sai claramente a perder. No final é quando se fazem as contas e as águias sabem que não podem confiar num simples triunfo onde nunca foram excessivamente melhores. Mas o plano traçado por Jesus é claro e tem um objectivo. E na sua equipa todos remam na sua direcção. Olhar para Hulk, JesualdoMeireles é ver três náufragos à procura de uma bóia salva-vidas. E se no final se salvam os três, tanto melhor. Mas a sobrevivência individual superou o peso do colectivo. E isso é sempre um mau sinal para o futuro. 



Miguel Lourenço Pereira às 15:18 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO