Sexta-feira, 4 de Dezembro de 2009

É um dos clubes do Mundo com mais adeptos. O popular "Mengão" estava há 17 anos longe da disputa do título de campeão. Agora está a 90 minutos de repetir um feito histórico. Numa equipa sem estrelas e grandes promessas, o novo rosto do Flamengo é também o espelho de um campeonato que vai perdendo relevância a cada ano que passa, vitima da corrupção das instituições e de um fluxo migratório que parece não ter fim...

 

Quatro candidatos. Quatro percepções do jogo. Quatro sonhos. Quatro presentes.

O título de campeão do Brasil é ainda uma incógnita para quem vive longe da pátria que democratizou o desporto-rei. No meio de tantas provas estaduais, inter-estaduais e paralelas organizadas pela CBF, o campeão do Brasil é sempre um título sui generis. Porque, convenhamos, no Brasil há sempre campeões para todos os gostos e feitios. Mas, na realidade, só um conta. E faltam 90 minutos de sofrimento puro para descobrir qual dos quatro candidatos faz a festa. Sai à rua e antecipa o ansiado Carnaval. No Brasil o futebol é a festa do ganhar e o sofrimento do perder. É pouco o jogo dentro do relvado com sotaque. Aí a disciplina táctica perde sentido, as iniciativas individuais de jovens pés descalços que só querem carimbar o seu bilhete para o Velho Continente decidem jogos. E titulos. Ou despromoções. Com vários históricos a fazerem contas para perceber como se pode escapar ao suplicio de vaguear pela II Divisão - por onde anda hoje um "monstro" como o Vasco da Gama - há quatro torcidas preparadas para fazer a festa. Haverá mais lagrimas do que alegrias. Espelho de um futebol, como descreveu Nelson Rodrigues, habituado ao masoquismo do sofrimento, traumatizado por um jogo que nunca existiu e que olha para a pequena bola como a solução para todos os mistérios da Humanidade.

 

À porta do Maracanã começam a formar-se os aglomerados de adeptos. Há largos anos que esperam voltar a celebrar um "Brasileirão". Muitos lembram-se da equipa mágica de Zico, tricampeã no inicio dos anos 80. A maioria dos meninos de rua nem sabem quem é Zico. Vivem para imitar o novo rei do povo, Adriano. O ex-avançado do Inter enganou Moretti, Mourinho e companhia e fugiu de Milão para o seu Rio natal. Aí voltou a calçar as chuteiras e deu um novo ar de grandeza ao abandonado Flamengo, equipa ferida por ter visto o seu mitico Ronaldo assinar pelo rival Corinthians. Não é o instável Adriano quem faz a diferença nesta equipa. Mas é ele quem traz o glamour que encanta os adeptos e dá cor às conversas de bares. Os seus golos ajudam mas o "Imperador" está longe daquele jogador que encantou o Mundo e que o levou a ser um dos mais bem pagos do jogo. Incapaz de aguentar com a pressão de ter de ser um dos melhores, Adriano fugiu. Voltou ao bairro, onde ninguém lhe pede que seja o melhor. Só que seja ele mesmo. Como o antigo dianteiro do Inter, outras velhas glórias voltam a casa para provar a si próprios que a bola não mudou. Foram os outros. Zé Roberto, Edmilson, Alecsandro, Washington e o inevitável Ronaldo. Fantasmas. Num país onde o passado e o presente se misturam demasiadas vezes.

 

A Serie A - também conhecida como Brasileirão - arrancou com 20 equipas em Maio, depois dos estaduais. Durante o ano o Palmeiras e o Atlético Mineiro mostraram-se implacáveis mas ambos foram fraquejando nas horas decisivas. Os verdes começaram o ano de forma implacável. E depois sofreram na pele o implacável desleixo dos que tudo querem sem nada lograr. Os mineiros, em boa forma até ao Inverno, viveram graças ao génio de Diego Tardelli. Quando a máquina secou, a equipa foi tropeçando. O surpreendente Flamengo, que andou vários jogos pela parte baixa da tabela, foi trepando a classificação e com um golpe de autoridade diante do Corinthians passou para o primeiro posto. Graças a mais um tropeção do S. Paulo que hipoteca assim a possibilidade de conquistar o Tetra depois de ter dominado os últimos anos da prova. A 90 minutos do final do torneio uma vitória do "Mengão" devolve o título à equipa mais amada do Brasil. Há zonas imensas do país onde não há clubes, apenas filiais do histórico Clube de Regatas do Flamengo. É a única formação que ombreia, em popularidade, com a "canarinha". Terá segundo se presume, 40 milhões de seguidores no Brasil. E uns 10 milhões mais fora. Ainda detém o recorde de levar o maior número de adeptos a ver um jogo oficial da prova. 155 mil espectadores. E no entanto, há anos que vive no poço profundo da mediania. Até que a equipa despertou da letargia. O tanque Adriano começou a recuperar o gosto pelo disparo letal e os veteranos Petkovic e Zé Roberto apareceram na hora H. Mas, ao contrário de outras versões do "Mengão", esta equipa é lenta, aborrecida e altamente previsivel. Espelho do futebol brasileiro de hoje.

 

Os seus rivais directos ao título exploram um jogo mais ofensivo. Mas repleto de debilidades. Ricardo Gomes continua a apostar num falso 3-5-2 no São Paulo com Hernanes como pivot das transições e Dagoberto e Washington como dupla de avançados. Uma equipa rápida nos movimentos ofensivos mas pouco prática a pensar o jogo a meio campo. Falta-lhe um pensador nato, um jogador que saiba respirar o jogo. Sim, exactamente, falta-lhe Kaká naquele coração. Por outro lado o Internacional é o risco puro em movimento. Equipa profundamente jovem, acenta o seu jogo na coragem de apostar na velha máxima brasileira de "quem marcar mais ganha". Bonita ideia no papel, pouco prática no gramado. Apesar dos velozes Giuliano, Taison e Marquinho, é no labor de Sandro que está o grande mérito do cojunto de Porto Alegre. Uma equipa que continua fiel ao velho futebol brasileiro, onde a táctica perde para o poder da verticalidade individual. E que faz das suas forças, inevitáveis fraquezas. E quanto ao Palmeiras, a habitual desorganização táctica hipotecou um titulo de que parecia garantido. E faz com que até a participação na próxima Libertadores esteja em causa. Castigo pesado para quem sonhou com tanto.

 

Numa prova repleta de velhas glórias que aproveitam o baixo ritmo de jogo para mostrar que ainda sabem do seu mister, o Brasileirão desta época deixará poucas recordações inesqueciveis. Os rápidos resumos mostrarão os belos golos, as apertadas defesas, os lances geniais e o delirio nas bancadas. É assim que o brasileiro vive o jogo que adoptou como seu. Mas futebolisticamente pouco sobra perante tanto tropeção, desengano e desorganização absoluta. Tacticamente o Brasil continua um passo atrás que o resto do Mundo. E a constante migração dos seus mais jovens talentos provoca o aparecimento de novas equipas, de ano para ano, muitas vezes com jogadores de terceira ou quarta linha. Os melhores, cada vez mais, procuram cedo outras paragens. Na Améria Latina as equipas brasileiras perderam influência. No seu próprio campeonato igualam-se em disparates e tiros no pé. Face a esse cenário, a liga brasileira volta a perder a magia que há anos parecia ter recuperado a pulso.

 

Espelho de uma potência mundial incapaz de se encontrar, o jogo no Brasil continua a ser o mesmo das ruas poeirentas ou dos longos areais. Daí sairão futuras vedetas, mas muito poucos futebolistas. Aí nascem com o talento nos pés. A escola fazem-na fora. E os que aprendem a "biblia" do jogo transformam-se em estrelas. Os outros, limitam-se a ser brasileiros com uma bola nos pés. O que em muitos casos, é mais do que suficiente.



Miguel Lourenço Pereira às 17:48 | link do post | comentar

4 comentários:
De Christopher a 10 de Dezembro de 2009 às 15:58
Hey, o futebol Brasileiro está neste descaso todo?

Concordo que nossas estrelas se vão cedo e que táticamente somos inferiores aos europeus, porém, me cite 1 time de portugal que ganhe de um Flamengo, Corinthians, Internacional ou São Paulo? Até mesmo Atlético MG e Palmeiras.

Podem até vir a ganhar, mas vão sofrer, mesmo com nossa desordem tática e futebol medíocre como citado por vocês.


De Miguel Lourenço Pereira a 10 de Dezembro de 2009 às 16:33
Caro Cristopher,

Acho que até no Brasil têm consciência de que a liga brasileira há muito que não exerce a hegemonia no futebol sul-americano como sucedia a meia dúzia de anos. Não faço comparações com equipas de outros continentes porque as realidades são distintas. Lembro que o S. Paulo e o Internacional venceram o Mundial de Clubes recentemente o que prova que há boas equipas na liga brasileira. Mas na generalidade a maior potência futebolistica, o país que mais jogadores exporta, tem uma liga muito aquém das suas possibilidades.

Culpa da CBF, da corrupçao que rodeia o jogo, da confusao de calendario, da indefiniçao das provas regionais e nacionais? Tudo está intimamente ligado sem dúvida. A displicência táctica é uma caracteristica das equipas brasileiras que tinham por habito compensá-la com o talento natural dos seus jogadores, ao contrário dos argentinos que usavam a táctica para esconder muitos jogadores de valores medianos. Hoje a emigraçao precoce dos melhores talentos - que muitas vezes voltam por falhar a adaptaçao ao futebol europeu - faz com que essa debilidade fique cada vez mais a nu. Que as grandes estrelas da prova sejam Ronaldo, Zé Roberto, Adriano diz muito do nivel actual do torneio.

Provavelmente o talento que existe na liga brasileira seria suficiente para formar uma equipa capaz de ganhar a qualquer um. Mas a falta de organizaçao tactica e desportiva torna os clubes vulneráveis. Como se tem vindo a provar nas provas continentais onde paises de pequena expressao conseguem vencer com facilidade historicos do futebol brasileiro.

Cumprimentos


De Christopher a 11 de Dezembro de 2009 às 11:04
Olá,

Entendi perfeitamente agora seu ponto de vista, espero que sem "bairrismo" do lado europeu é claro!

Bom, o futebol brasileiro realmente só não é melhor devido a grande corrupção que gira em torno do mesmo e um outro dado para incrementar, a rede de televisão que monopoliza o nosso futebol também paga mediocridades aos clubes brasileiros da série A. Inclusive teve concorrência com a Record que ofereceu uma bela quantia para ter a autoridade de transmitir os jogos, porém a rede Globo, mais uma vez venceu, e olha que não cobriu a grande oferta feita pela Record à CBF. Sorte da Globo, azar o nosso!

Mas, não sei se você acompanha o nosso futebol Miguel, porém devido a grande exportação dos nossos talentos enquanto novos, tivemos que aprender a lidar com o futebol taticamente, basta ver os últimos títulos conquistados pelo São Paulo.

O São Paulo, nunca teve um time de craques, no máximo, todos bons jogadores que obedecem fielmente a forma de jogo proposta pelos seus técnicos.

Mas os clubes no Brasil, graças a Deus, estão começando a se profissionalizar. As diretorias começam a tratar o clube como uma empresa e não apenas como uma fonte de renda para seus próprios bolsos! Longe ainda do profissionalismo europeu, porém começa a demonstrar sinais de melhora neste quesito.

E quanto a hegemonia do nosso futebol na américa do sul, não creio que perdemos este posto, acredito que o Brasil e a Argentina são as maiores forças Sul-Americanas e dificilmente perderão para um Equador, Colombia, Paraguai, Uruguai, etc.

O que acontece ao meu ver, é que a história mostra que mesmo com tantos craques e um futebol mais fluído, não conseguimos furar times retranqueiros, com proposta de jogo defensiva, ou seja, mais uma vez prevalece a tática. Até esses paises são melhores que o Brasil taticamente, talvez por não terem tantos jogadores talentosos, aprenderam a serem obedientes a proposta de jogo de seus treinadores.

E a prova de que apenas talento não vence não é só no Brasil, basta observer dois grandes fora das finais da Champions, a velha senhora Juventus e os reds do Liverpool.

Ambos tem um excelente elenco, porém taticamente foram péssimos, culpa de quem? Dos técnicos na minha opinião, tendo em vista que os clubes oferecem um belo elenco e uma estrutura invejável.

Mas isso é um papo pra outro post seu é claro! hehe.

Parabéns pelo Post e pelo blog, ganhou um visitante.

Espero que possamos debater mais e não apenas a respeito do futebol brasileiro, mas o essa grande paixão em geral!

Abraços,
Christopher


De Miguel Lourenço Pereira a 11 de Dezembro de 2009 às 12:54
Viva Christopher,

Bem vindo de novo.

Realmente a corrupção é o mais grave cancro do desporto brasileiro, particularmente no futebol. As dividas, a má gestao e os negocios por baixo da mesa só denigrem uma liga que, pelo seu historial, deveria estar entre as melhores do Mundo.

Quanto ao aspecto táctico, totalmente de acordo. O S. Paulo dos ultimos anos foi a melhor equipa sul-americana da década. Um excelente conjunto que este ano perdeu demasiados pontos faceis. Há uma natural evolução nos clubes brasileiros mas tacticamente continuam sem ter sistemas de jogo alternativos para equipas que se fecham. Daí as derrotas com clubes como Liga de Quito ou Once Caldas, sem grande proposta futebolistica mas muito bem organizados. A nivel de selecçoes, no entanto, o escrete continua intocável e teremos um duelo emocionante em Junho.

Quanto ás equipas europeias, enquanto que acho que a Juve perdeu pela falta de coragem táctica de Ferrara, já o Liverpool está claramente prejudicado pelas constantes lesoes e pelo banco repleto de jovens inexperientes. Anteve-se um ano complicado em Anfield.

Um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO