Quarta-feira, 27 de Novembro de 2013

Na última semana de Agosto de 2012 o Tottenham Hotspurs perdeu o seu melhor jogador. Sem tempo para gastar o dinheiro embolsado num substituto à altura, a equipa penou durante grande parte da Premier League, resolvendo jogos pela mínima e entregando-se de corpo e alma ao galês Bale. O quinto lugar não trazia nada de novo a um dos planteis mais caros da Premier. Um ano depois Villas-Boas fez o oposto. Gastou primeiro o dinheiro que sabia que ia receber pelo galês em Agosto. O resultado é ainda pior. Os Spurs são uma nau à deriva.

Foram cerca de 115 milhões de euros.

Um dos maiores investimentos de toda a temporada. Por um clube que está há mais de meio século sem vencer o título de campeão no futebol inglês. A expectativa estava em alta. Bale, o supersónico galês teria de partir, já todos o tinham como assumido. E iria para fora das ilhas, para não repetir o erro dos gunners com van Persie, que não só desmoralizou profundamente o Arsenal como ajudou a dar o título ao seu histórico rival, o Manchester United. Tudo parecia estar bem. Os reforços de 2012 estavam assimilados e a dezena de jogadores que aterrava em White Hart Lane prometia mundos e fundos para devolver o Tottenham à elite. A Champions League era o primeiro passo. Onde Redknapp já tinha estado, é preciso não esquecer, e onde não conseguiu voltar porque o título europeu do Chelsea surpreendeu tudo e todos no momento errado para o seu rival londrino. Agora a sensação era outra. Com um treinador jovem e ambicioso, um plantel mais equilibrado e algum dos melhores jovens jogadores do Mundo, quem podia parar o Tottenham?

Ás portas do segundo teçro da temporada, as expectativas não poderiam ter sido mais defraudadas. O dinheiro foi gasto mas os resultados não estão à vista. A qualidade de jogo da equipa não variou positivamente em relação ao ano passado e a liderança de Villas-Boas é mais discutida do que nunca. O homem que ganhou tudo o que podia ganhar com o FC Porto está debaixo de mira. Pela segunda vez em Inglaterra corre o risco de não sobreviver ao Natal.

 

AVB apareceu no mapa do nada, como um segundo "Special One".

A grande temporada realizada com o FC Porto deu-lhe uma aura de invencibilidade que o transformou rapidamente no "flavour of the month" do futebol europeu. Abramovich, que não só já o conhecia como já tinha apostado numa ficha similar, anos antes, achou que o português poderia fazer aquilo que Mourinho não conseguiu, trazer um futebol da escola danubiana para o Stanford Bridge. Esqueceu-se de que um treinador sem carisma e sem poder, num balneário de estrelas, é um treinador a prazo. Abramovich prometeu-lhe apoio na renovação da geração de Mourinho mas na hora H mudou de ideias e preferiu sacrificar o homem a crucificar o plantel. Os jogadores responderam com dois títulos europeus consecutivos - Champions e Europa League - com dois treinadores interinos. E Villas-Boas perdeu a oportunidade mais brilhante da sua vida.

Lutador, o técnico portuense não desistiu. Esperou por uma segunda oportunidade que lhe caiu do céu de novo desde Londres. Um dos melhores planteis do futebol britânico e mais tempo e poder para trabalhar. O que poderia correr mal?

Na primeira temporada o Tottenham reforçou-se bem mas a perda de Modric nunca foi, verdadeiramente, colmatada. E foi San Bale o homem que permitiu que o clube aguentasse o ano no top 5, o objectivo mínimo para a directiva de Daniel Levy. Sem golo, sem um médio criativo de primeiro nível e com uma defesa titubeante, muitos pensavam que Villas-Boas tinha-se superado.

A expectativa sobre o que podia fazer começando do zero e com dinheiro era muita. E AVB gastou. Muito. Tudo.

Dos 100 milhões conseguidos por Bale e mais alguns trocos por vendas surpreendentes, o técnico investiu cada cêntimo. Concentrou os seus esforços em jogadores do meio-campo para a frente, deixando outra vez a nú as fragilidades da sua linha defensiva. Que são evidentes. O trabalho de Paulinho, o talento de Lamela, a classe de Eriksen, o faro de golo de Soldado, a promessa belga Chadli ou o gaulês Etienne Capoue chegaram debaixo de muita promessa, ofuscando os já promissores Sandro, Holtby ou Dembelé, todos eles já disponíveis. Durante um mês foi o "rookie" Townsend quem salvou a equipa de resultados comprometedores. As peças não encaixavam no puzzle. E continuam sem encaixar. Depois de várias vitórias pela minima (três delas por um penalty) e de uma derrota surpreendente contra o West Ham, começaram a soar os alarmes. A goleada histórica sofrida contra o Manchester City apenas confirmou as sensações de um projecto que não arranca. E de um líder perdido.

 

No último mês e meio Villas-Boas pareceu um homem dominado pela situação. O caso da utilização de Lloris, o discurso agressivo contra Lukaku e o Everton (rivais directos na tabela), a falta de resposta para os problemas tácticos do seu intermitente 4-3-3 (ora 4-5-1, ora 4-2-3-1) e a incapacidade de dar um murro na mesa, têm desmascarado a imagem que Villas-Boas conseguiu manter em Inglaterra, de técnico frio e de sucesso rápido. O ano dourado na sua cadeira de sonho parece cada vez mais distante. O técnico português corre o risco de ter sido o responsável pelo maior gasto da história de um clube inglês não apoiado por um bilionário árabe ou russo sem que esse gasto se repercuta em campo. É a primeira vez na sua carreira que está mais de um ano com a mesma equipa. E o relógio já corre contra si.



Miguel Lourenço Pereira às 19:24 | link do post | comentar

8 comentários:
De Jogos de Carros a 28 de Novembro de 2013 às 12:24
O Villas-Boas pensava que era o Mourinho Junior, mas não é facil segurar um plantel de estrelas.... quando os jogadores não querem é sempre o treinador que sofre. Nem o Mourinho conseguiu resistir à força do plantel no Real.


De Miguel Lourenço Pereira a 29 de Novembro de 2013 às 19:43
No plantel do Tottenham não há muitas estrelas. Aliás, a maioria dos jogadores foram escolhidos por AVB, não estavam no clube quando ele chegou!


De formatted error free a 28 de Novembro de 2013 às 22:14
fora do protetorado nortenho luso caiu-lhe a máscara. Um bluff, portanto. é isso?


De Miguel Lourenço Pereira a 29 de Novembro de 2013 às 19:44
Não creio que seja um bluff, depende da perspectiva original. Quem o considerava o the next big thing do futebol europeu - e houve muitos - seguramente que tem motivos para estar desiludido!


De RP a 29 de Novembro de 2013 às 16:57
Será que estamos na presença de um Flop como treinador ?. È uma boa questão , que mais uma vez no post que escreveu ajuda a clarificar. Eu tenho para mim que um treinador que ganhe no FCP não seja obrigatóriamente um grande treinador. Eu que me lembre dos últimos 10/15 treinadores que por lá passaram(Excepção a Mourinho) nenhum teve grande sucesso na sua carreira como treinador noutros clubes por onde passaram. Cumps


De Miguel Lourenço Pereira a 29 de Novembro de 2013 às 19:46
A mim parece-me, sobretudo, que AVB é um treinador que não sabe o que quer. E isso é mais grave que ter ou não talento. Não tem uma ideia e, se a tem, não a consegue aplicar. O que é pena porque prometeu muito.

Fica claro que é um treinador que tacticamente não surpreende pela inovação, que não é audaz e que na gestão de planteis tem-se revelado um desastre. Gastar o que se gastou em dois anos e não ter um onze tipo e um modelo de jogo claro e incisivo é, claramente, um problema para quem muitos quiseram ver como o novo Mourinho.


De DC a 29 de Novembro de 2013 às 17:28
Quanto de AVB era VP?
Muito, ou quase tudo, pelo menos da táctica e do treino, na minha opinião.


De Miguel Lourenço Pereira a 29 de Novembro de 2013 às 19:42
DC,

Há dois bons elementos para comprovar a tua teoria. A primeira foi a exigência da SAD do FCP em que Vitor Pereira fosse adjunto de AVB ao contrário do que este queria, talvez antecipando alguma deficiência nessas áreas que precisava de ser reforçada. A segunda passa pela forma como as suas equipas jogam. Nem com o Chelsea nem com o Tottenham (e já vamos em duas temporadas entre ambos) se viu minimamente a mesma rotina, os mesmos principios e a mesma disciplina de jogo que havia no FC Porto. Ao contrário do que sucede com Mourinho ou como sucedeu com Guardiola, mesmo quando mudam de clube a sua filosofia é visivel. Com AVB nunca foi!


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO