Quinta-feira, 3 de Outubro de 2013

O futebol português tem, muitas vezes, nos próprios portugueses, o seu pior inimigo. Este ano havia duas equipas lusas no pote 1 da Champions League. O Benfica vinha de uma final perdida da Liga Europa e muitos, como sempre, tentaram vender esses feitos como uma subida do futebol português no escalão internacional. Não era. A Champions League, prova que coloca cada macaco no seu galho, deixou claro que Portugal ainda pertence a uma segunda divisão europeia quando o árbitro apito para o início do jogo e a demagogia fica no balneário.

 

É dificil ver pessoas surpreendidas com as merecidas derrotas de FC Porto e SL Benfica.

Muito dificil. A maior parte dessas análises saem de seres que vivem em nuvens, talvez esmagados pelo poder mediático dos órgãos de comunicação que teimam em difundir mensagens longe da crua realidade. Ter o presidente de um clube a prometer aos adeptos que a sua equipa vai lutar para ser campeã europeia só porque a final é no seu estádio devia ser motivo de destituição imediata. Nem o Benfica tem o melhor plantel dos últimos 30 anos (uma afirmação que é uma total falta de respeito a grandes, grandes equipas do Benfica) nem organizar uma final dá direito moral a pensar que se pode ganhar. Que o digam ao Bayern Munchen ou à Roma, por exemplo, finalistas vencidos em casa. E esses foram os que lá chegaram.

O futebol português não está em condições de ganhar uma Champions League na próxima década salvo que um cataclismo mundial elimine de golpe a dez ou vinte equipas do seu caminho. É a crua realidade e vale tanto para os encarnados como para os azuis-e-brancos.

O FC Porto perdeu bem para um Atlético de Madrid muito parecido ao FCP de Mourinho. Tinha sofrido para vencer o modesto FK Austria (outrora glória europeia) e terá agora de disputar com o Zenit o apuramento. Se for eliminado não vem mal ao mundo. São duas realidades competitivas incomparáveis. Os dragões têm o pedigree e a experiência europeia (o clube, não o plantel). O Zenit tem o dinheiro. E nesta prova da UEFA o dinheiro conta muito. E mais se se sabe o que fazer com ele. Gastar milhões em jogadores para a equipa B não parece ser a melhor alternativa para encontrar um atalho para o sucesso.

 

Pode o campeão português, uma liga mais previsível que a sueca, onde só duas equipas têm argumentos lógicos e realistas para lutar pelo título (por muito bom que tenha sido o arranque de Sporting e Braga, bom e necessário), ombrear com o líder da liga espanhola. Com uma equipa formatada para ganhar a todo o custo, capaz de fazer soar como poucas ao notável Barça, de vencer duas vezes em poucos meses o Real Madrid em casa (depois de 13 anos de derrotas consecutivas)?

Logicamente, não.

Mas para os adeptos, embriagados de populismo, a vitória era uma obrigação, o sonho europeu uma realidade. São os mesmos que acreditavam no ano pós-AVB que o FC Porto era a terceira melhor equipa da Europa, como se a Europa League fosse medidor de algo. E os que pensavam que o Málaga, só porque não tinha pedigree, era fácil e manobrável, como se provou. O FC Porto, e os seus adeptos, têm-se esquecido que competem numa liga medíocre, com equipas medíocres e um ritmo de jogo que vai do lento ao parado. Não há exigência, não há estimulo e isso passa factura nos jogos a sério. Nos jogos europeus. Aí um jogador que vale para a liga deixa rapidamente de valer e vai-se abaixo. Aí as falhas de marcação que na liga não resultam em nada, transformam-se em golo. O FC Porto até jogou melhor que o Atlético em grande parte do seu jogo mas não sabia a que jogava. Não soube nem matar nem soube defender a vantagem e acabou presa de uma formação que mede bem os seus tempos, o seu desgaste e sabe aproveitar cada ocasião para ferir de morte o rival. O Atlético é um dos outsiders para esta Champions porque vem formatado de dois anos de máxima exigência, encurtando distância para o binómio Barça-Madrid e porque tem um plantel de jogadores de muitos kms nas pernas, veteranos de mil batalhas. O FC Porto é uma equipa verde, feita para exportação, sem liderança salvo a de Lucho que dura uma hora. A essa equipa não se pode pedir mais que tentar vencer um duelo desigual com o Zenit, a equipa que pode comprar num só dia os melhores jogadores dos dois grandes portugueses, sem pestanejar. É uma equipa irregular, com problemas defensivos sérios mas a quem os adeptos azuis e brancos deviam olhar com o respeito que, muitas vezes, parecem ter perdido. Tanto sucesso às vezes tolda as vistas e faz-nos perder perspectiva e humildade. Aos portugueses mais do que a nenhum outro povo, talvez porque estamos pouco habituados a sensações positivas.

Com o Benfica a situação é ainda mais grave, sobretudo porque o seu pedigree europeu é uma lenda antiga que a gestão JJ não conseguiu nunca transformar em realidade. A final da Liga Europa foi uma ilusão de competitividade para os adeptos, esquecendo-se de que o Braga também já foi finalista vencido e não foi por isso que se tornou, da noite para o dia, um player importante nos palcos europeus. O seu grupo é mais acessível (Anderlecht e Olympiakos são, claramente, de um nivel similar) mas como é possível pensar-se em ir a Paris vencer com este plantel, com esta desorganização mental do treinador e este balneário destruido uma formação que pode deixar no banco a Lucas Moura, Javier Pastore e não jogar com Thiago Silva? A uma equipa que não perdeu um só jogo com o Barcelona na época passada e que pode gastar numa hora o que o Benfica não pode (ou melhor, não deve) gastar num ano? Uma vez mais a perspectiva dos adeptos perde-se no meio da propaganda e depois os correctivos em campo parecem mais duros do que são na realidade.

O futebol português tem sido, historicamente, um overachiever nos palcos europeus. Somos o sexto país com mais troféus europeus, apenas atrás dos Big Four e da Holanda (sobretudo graças ao trabalho do Ajax) e à frente de França ou Rússia (mesmo na versão soviética). Isso diz muito de nós e na da nossa capacidade de superação. Mas tudo tem as suas limitações. Os rankings da UEFA enganam porque não reflectem a realidade do momento em que as equipas sobem ao relvado. O Dortmund, uma das melhores equipas europeias e vice-campeão em título, pertencia ao pote 3 do sorteio. O facto de FC Porto e SL Benfica terem sido cabeças de série não adianta nada se as suas equipas e os seus treinadores estão longe, muito longe, de ser parte da elite. Na ausência do poderio financeiro, do talento individual e da destreza táctica, os adeptos apenas podem acreditar em ilusões que dificilmente se tornarão em realidade. A Champions League é para projectos completos e complexos. Não para demagogos e sonhadores!



Miguel Lourenço Pereira às 14:13 | link do post | comentar

6 comentários:
De Anónimo a 3 de Outubro de 2013 às 21:09
Isto faz tudo muito sentido, mas é como jogar no totobola à segunda-feira, não?


De Miguel Antunes a 3 de Outubro de 2013 às 21:33
Exclente texto como de costume, estou plenamente de acordo com tudo


De Miguel Lourenço Pereira a 4 de Outubro de 2013 às 00:33
Infelizmente é um mal que não tem cura, para breve, Miguel!


De Miguel Lourenço Pereira a 4 de Outubro de 2013 às 00:33
Dificilmente pensaria o mesmo se tivesse lido o que escrevi sobre esta equipa do FCP na altura do sorteio, o que que escrevi sobre o Benfica no final da época passada e o que escrevi sobre as competições europeias e o papel periférico de Portugal no "Noites Europeias"! ;-)


De António Teixeira a 5 de Outubro de 2013 às 11:08
Caro Miguel,

Um excelente texto, no qual concordo com quase tudo.

Ainda assim, acho que o trabalho de Vitor Pereira no Porto, com o plantel deste ano mais o João Moutinho poderia ter dado um resultado muito bom (meias de Champions, por exemplo). De relembrar que o Porto perdeu de uma forma estranha em Málaga, e houve muitas factores extra-jogo, se assim lhes podemos chamar: a questão da lesão do Moutinho, a expulsão ridícula do Defour. Dito isto, acho que o Porto do Vitor Pereira, sem esses atenuantes, dificilmente seria eliminado pelo Málaga, e seria um desafio maior para o Borussia do que foi o Málaga (por questão de modelo de jogo). Melhor seria, ainda, se tivesse um Quintero, um Josué, um Licá, um Carlos Eduardo. Mas isto é a minha opinião. Contudo, não ajuízo que pudesse ombrear com o Barcelona e o Madrid, quer o do Tito/Tata, quer o do último Mourinho e do Carlo. Muito menos com o Bayern, ainda que, pelo modelo, pudesse discutir a eliminatória com o Borussia e equilibra-la (sendo que os alemães são melhores, mas teriam muitas dificuldades em virtude da transição defensiva brilhante do Porto).

Sobre o Benfica, é inegável que melhorou a nível europeu. Todavia, e apesar da tremenda injustiça que foi a eliminação pelo Chelsea, também temos de atentar que, quer o Porto do segundo ano (e do AVB) quer o Benfica são muito mais equipa que o Chelsea e que o Zenit. Daí se deduz, igualmente, a necessidade de bons sorteios (que o Mourinho teve, por exemplo) e de contextos adequados para as equipas portuguesas levantarem a Champions. O Benfica, nessa eliminatória e, diga-se já, na final da Liga Europa, sofreu dos mesmos erros que já são habituais no clube/modelo. Parece-me, no entanto, que o Porto, sendo menos ou mais equipa, não perderia da forma que o Benfica perdeu. Mas, de qualquer dos modos, o Benfica fez um excelente trabalho na última Liga Europa e na anterior Champions (a conversa dos rankings advém daí, ainda que não possamos ignorar que foram eliminados na fase de grupos da LC).

Por fim, o futebol português precisa de bons treinadores e de bons executantes. Acho que tem essas duas variáveis para que, a seu tempo, possa dominar a segunda competição de clubes e, algumas vezes, ganhar a Liga dos Campeões. Mas urge, a meu ver, uma mudança de modelo de gestão, quer do Porto quer do Benfica. No seguimento da discussão que encetei com o Luís do Futeboléisto, o que lhe parece esta mudança na actuação no mercado do Porto, com a contratação de alguns jogadores da Liga Zon Sagres (ainda que tenha contratado Quintero, Herrera, Reyes)? Sinais de mudança, ou evento acidental? E que papel, este ano e nos vindouros, para a formação e para a equipa B? Sempre ouvi dizer, e sempre ouvi gabar, até no estrangeiro, a qualidade da formação do Porto ao nível táctico. Não vemos é jogadores sairem de lá para o plantel...

Cumprimentos,
António Teixeira


De Miguel Lourenço Pereira a 5 de Outubro de 2013 às 14:04
António,

Não estou de acordo que este FCP, com Moutinho e o VP, fosse um candidato ao top 4 da Champions League. Os quartos-de-final são um objectivo possível (dependendo do treinador e do plantel) mas só com um sorteio amigo como foi o do ano passado. Passar de aí é um milagre. A diferença futebolistica e orçamental é tão grande que qualquer outro resultado que não uma eliminação honrosa surpreenderia. Este Borussia tem muito mais variantes de jogo do que o FCP e apesar do sofrimento contra o Málaga, foi sempre a melhor equipa no conjunto das duas mãos.

Acho perfeitamente impossível na próxima década o futebol português vencer a Champions da mesma forma que acho até provável que vitórias ou finais na Europa League se repetiam. Aí Portugal compete contra países a quem a competição importa pouco e tem muito mais margem de manobra.

Quanto à mudança da gestão do FCP, é um misto de necessidades de tesouraria (os milhões continuam a ser gastos noutros mercados), de uma falha clara na formação que obriga a trazer jogadores portugueses e ofrmados localmente de outros lugares para cumprir os requisitos da UEFA e uma forma de enfraquecer tanto os rivais directos como a classe média. Lamentavelmente, salvo o caso de Josué que veio com o treinador, e a agradável surpresa de Licá (que beneficia da ausência de um extremo top), nenhum deles encontra espaço para jogar. O modelo de gestão da SAD privilegia desportivamente jogadores de fora para revenda e os da casa vão ter poucas oportunidades para jogar. Uma pena porque foi assim que se descobriram os Meireles, Bosingwas e Pepes do passado mais recente.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO