Sexta-feira, 20 de Setembro de 2013

As Taças têm os dias contados? A julgar pela última decisão da UEFA, a tendência é, cada vez mais, para o seu progressivo desaparecimento. Competições sem grande lucro financeiro, as provas a eliminar foram a base da organização do futebol europeu. Hoje são um empecilho para os clubes e o fim da possibilidade de qualificar-se o finalista vencido para a Liga Europa apenas contribuirá a que cada vez menos a taça seja uma forma de celebrar o futebol de cada país.

 

Quando não existiam ainda os meios e as infra-estruturas para alimentar um conceito de liga, a Taça foi a resposta mais eficaz e coerente para os organizadores dos primeiros passos do futebol moderno. A FA Cup não é só a mais antiga competição entre clubes do mundo. É também o espelho dessa era onde jogos a eliminar faziam mais sentido do que rondas intermináveis de todos contra todos. Não é por acaso que muitos dos países europeus onde o futebol se introduziu seguiram esse modelo muito antes de adoptar a ideia de uma liga nacional.

A isso havia que juntar também o facto emoção. Enquanto foi fácil perceber que o modelo de liga iria, inevitavelmente, beneficiar as equipas com maior potencial e recursos, a Taça era uma roleta russa de emoções, sempre aberta a surpresas. A "Festa da Taça" tornou-se num lugar comum com o tempo mas foi, durante décadas, a única forma que muitos adeptos, por toda a Europa, tinham de celebrar um título oficial com o seu modesto clube. Claro que essa cultura mítica permitiu também reforçar a popularidade da Taça dos Vencedores das Taças, uma das mais populares celebrações das noites europeias de futebol. Uma competição que se prolongou durante quatro décadas até que a galinha de ovos de ouro da Champions League acabou de vez com o seu significado. Inicialmente muitos pensaram que deviam ser os vencedores das taças - e não os segundos classificados - a acederem à prova rainha do futebol europeu. Mas essa ideia não acompanha a filosofia do dinheiro e do poder crescente e independente das ligas face às federações. E, inevitavelmente, os vencedores ou finalistas vencidos das taças foram relegados para a futura Europa League. Agora a festa acabou. Se uma equipa, a partir de 2015, ganha a taça e não está no lote de qualificados directos para a "Champions", entra na prova. Mas se a perder, mesmo que o vencedor seja uma equipa da Champions, o lugar passa directamente para o seguinte classificado não apurado via liga. A última réstia de motivação para apostar na Taça para os mais pequenos e modestos, desapareceu.

 

Num calendário cada vez mais congestionado, a Taça é um problema.

Os clubes grandes dão-lhe cada vez menos importância. É um troféu sem prestigio mas inconsequente financeiramente. Nem dá dinheiro que justifique o investimento nem permite aceder à prova rainha da Europa. Portanto os clubes com os maiores orçamentos focam-se em lutar pelo título ou, em último caso, em fechar o lote de lugares de acesso à Champions. Essa realidade podia abrir aos restantes clubes um espaço livre para disputar o troféu. Para eles vencer uma taça significa mais e se essa vitória garantir esse posto na Europa League que tão dificil é de conseguir nas ligas, melhor. Mas sem o atractivo financeiro e com uma exigência maior para sobreviver na dura competição regular - entre esse sonho de entrar em Champions, a prioridade de qualquer clube e a sobrevivência por ficar num lugar de qualificação directa - são cada vez mais os clubes de meio da tabela que confessam o seu desinteresse pela prova. Se até agora algo os motivava era, sem dúvida, o apuramento directo para as provas europeias. Mas que os grandes emblemas não olhem para a Taça como uma prova importante não quer dizer que não a possam ganhar, mesmo ás vezes sem as suas figuras principais. Uma vez alcançadas as meias-finais, pelo menos, não são 180 minutos a mais ou a menos que vão fazer a diferença. Em Espanha isso significa, por exemplo, que nos últimos cinco anos Barcelona ou Real Madrid sempre estiveram na final. Em Inglaterra sucedeu o mesmo com Chelsea, City e United. Em Itália também, com Juventus e Inter, em Portugal com FC Porto e SL Benfica e na Alemanha com Dortmund ou Bayern. Raros são os anos em que nenhuma dessas equipas chega ao derradeiro encontro. E aí, claro, a equipa que perde sabe que o lugar europeu está garantido, jogando sem complexos e muitas vezes, surpreendendo.

Inevitavelmente esse cenário vai acabar. Com a nova regra, as equipas sabem que só lhes vale a vitória. Mas, sobretudo, que lhes vale de pouco o esforço. Os adeptos perdem um motivo mais para seguir o seu clube pelo país, os grandes sentem-se mais cómodos e, sobretudo, os clubes de linha média-alta, sabem que contam com mais um lugar de acesso na prova regular para sonhar com a Europa. É o triunfo da influência do dinheiro, uma vez mais.

Sem a participação na Europa League via presença, ainda que com derrota, na final, muitos dos clubes europeus nunca teriam tido o prazer de saborear uma noite europeia na sua história. São milhões de adeptos combinados que encontravam neste antigo mas fascinante modelo competitivo uma forma mais de celebrar a sua modesta existência. Platini e os seus sequazes, uma vez mais, trataram de seguir pela via contrária, reforçando o poder da elite financeira europeia pavimentando cada vez mais o caminho para uma competição única composta exclusivamente pelos clubes mais ricos e poderosos das ligas nacionais.



Miguel Lourenço Pereira às 16:28 | link do post | comentar

2 comentários:
De oiut a 21 de Setembro de 2013 às 14:33
Se a isto juntarmos os moldes em que se joga a youth league...


De Miguel Lourenço Pereira a 22 de Setembro de 2013 às 12:16
Uma nova forma da UEFA fazer dinheiro com as ideias alheias!


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO