Quarta-feira, 21 de Agosto de 2013

Está o Brasil preparado realmente para o seu segundo Mundial. Em 1950 o torneio foi o pretexto perfeito para o país reivindicar a sua condição. A organização foi também facilitada pela guerra na Europa que deixou desarmados os países europeus de qualquer tentativa de receber a taça Jules Rimet. Agora, 64 anos depois, o Brasil volta a pretender utilizar o futebol como arma de afirmação política. Os bilhetes já estão à venda mas será o torneio um sucesso nas bancadas?

Estádios por acabar, aeroportos por construir. Hospitais e estradas debaixo de gigantescos pontos de interrogação.

O Brasil está a menos de um ano de receber o maior torneio desportivo mundial, a par dos Jogos Olímpicos (que dois anos depois também serão disputados no Rio de Janeiro). E muitos duvidam do sucesso real do torneio. Fora dos relvados, pelo menos. País em ascensão no panorama política e económico, o Brasil queria demonstrar através do desporto, uma das suas maiores bandeiras, que estava definitivamente inserido na elite dos países do 1º Mundo, uma expressão penosa que desrespeita os cidadãos do planeta. As manifestações na Taça das Confederações, os escândalos de corrupção, os problemas políticos no país e os sucessivos atrasos em obras fundamentais para a organização do torneio permitem levantar a suspeita de que o sucesso está prestar a tornar-se em fracasso.

Se em campo o torneio tem todas as condições para ser um dos melhores de sempre - há a Espanha e a Alemanha, com a nata do futebol europeu, o génio individual de Messi, Ronaldo, Neymar, Balotelli e o perfume do futebol africano, asiático e caribenho - fora dele há perguntas sem resposta e um cronómetro que não para.

Esta semana foram colocados à venda os bilhetes Brasil 2014.

São preços para muitos proibitivos, porque incluem viagens de avião transatlânticas, para destinos cujos aeroportos estão ainda em obras. A distribuição dos jogos do calendário pela FIFA seguramente não ajudará. Num dos maiores países do mundo, quando mais fazia sentido criar regiões fixas para os grupos sorteados - como se procedia antes da chegada de Blatter ao trono da organização - a maior parte dos espectadores terá de fazer centenas e milhares de kms para seguir a sua equipa. Ir ver um só jogo não compensa mas dar a volta ao país para ver 3, 4 ou 5 ainda menos. Não é de estranhar que, tal como em 2002 e 2010, a maioria dos adeptos nas bancadas sejam locais. No Mundial da Coreia e Japão viajaram tão poucos europeus que a organização teve de contratar autóctones para vestir-se com as camisolas das equipas em campo e assim disfarçar, nas televisões, a falta de animação nas bancadas. No Brasil isso não irá suceder. Espanha já sabe que recebimento terá mas argentinos, italianos, portugueses, alemães e ingleses não devem esperar um tratamento diferente. Pela primeira vez desde 2006 um torneio de selecções será disputado num país que opta realmente ao título. E isso conta.

 

A procura inicial dos bilhetes foi elevada, essencialmente porque parte de adeptos brasileiros.

Afinal, estamos a falar de um país com mais de duas centenas de milhões de habitantes, apaixonado pelo "jogo bonito" e saudosos de uma competição de elite. Só com os adeptos locais o Mundial seria um sucesso nas bancadas mas para um torneio criado para o Mundo essa mensagem é pouco convincente. A falta (ou os preços exagerados) de alojamento e meios de transporte coibem os de fora a arriscar tudo, num país marcado profundamente por um sentimento de insegurança e impunidade.

O bilhete final Mundialoscila entre os 330 euros e os 742 euros, preços proibitivos para a maioria dos brasileiros, que mesmo assim esperam ver o escrete canarinho subir ao relvado do Maracaña para ajustar contas com o seu passado. Nesse primeiro Mundial, quando o controlo da FIFA ainda era quase simbólico, estiveram, dizem as más línguas, mais de 200 mil pessoas no estádio carioca. O estádio emudeceu com o golo de Ghighia e desde então procura reabilitar-se aos olhos dos brasileiros. Renovado, terá a sua oportunidade de ouro, seguindo a réplica já deixada por Neymar e companhia na brilhante exibição contra a Espanha, na final da Taça das Confederações.

O Brasil não parte na pole position mas é um rival sério a ter em conta. Scolari prepara bem as suas equipas para torneios curtos, o público será de um fanatismo pouco habitual e as condições climatéricas estarão perfeitas para o seu estilo de jogo, mais físico e agressivo, longe do calor de um torneio disputado na Europa. Espanha e Alemanha, favoritas pelo seu futebol, e Argentina, pela presença de Messi e uma legião de talentosos jogadores ofensivos (na defesa o problema é sério), seguem atrás entre os favoritos deixando os habituais europeus (Itália, Holanda, França, Portugal, Inglaterra...se apurados), sul-americanos (Colômbia e Uruguai), centro-americanos (mexicanos), africanos (Gana e Costa do Marfim, eventualmente) e asiáticos (Japão e Coreia do Sul) como principais oponentes. Os seus respectivos adeptos, salvo por uruguaios, argentinos e colombianos, terão praticamente de contentar-se em seguir pela televisão um torneio que terá sotaque brasileiro a todos os níveis.

 

Pode este ser um grande Mundial se tudo o que rodeia os estádios está envolto em obras? Para o espectador televisivo sim, perfeitamente. Para quem viaja e experimenta a sensação de estar num circo ambulante durante um mês, o Mundial do Brasil pode ser uma sensação agridoce. Os brasileiros têm oito meses para resolver todos os problemas e oferecerem ao mundo o maior espectáculo já visto!



Miguel Lourenço Pereira às 11:38 | link do post | comentar

2 comentários:
De Miguel Antunes a 24 de Agosto de 2013 às 11:14
Exclente Post, como é habitual, mais uma vez parabéns...só alteraria aí um pequeno pormenor, que é o facto do Brasil não partir na pole position...digamos que em campo neutro não partia na pole position, pois pelo menos Alemanha e Espanha são sem dúvida melhores, agora em território Brasileiro o Brasil tem de ser sempre o principal favorito, e a sustentar esta afirmação estão 38 anos de invencibilidade em casa, que em 2014 serão 39 ano, pois a última derrota foi em 1975 contra o Peru para a Copa América, no Mineirão (3-1 para o Peru)


De Miguel Lourenço Pereira a 31 de Agosto de 2013 às 01:48
Miguel,

Exacto. Este Brasil, apesar de tudo, noutro cenário não estaria no top 4 dos candidatos. Mas em casa, é outra conversa! São muitos anos a vencer, a convencer e com um apoio esmagador dos brasileiros, algo que desde a Alemanha em 2006, a França em 98 e a Itália em 90 não se vivia. E todos chegaram, pelo menos, às meias-finais!


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO