Domingo, 25 de Agosto de 2013

jogadores que superam a sua condição de gladiadores dos relvados para dar outra cara. Futebolistas que ultrapassam a sua própria camisa-de-forças e  falam da mesma forma que jogam, com classe, frieza e muito talento. Xabi Alonso é um dos poucos jogadores da actualidade nesse patamar. Numa era de despropósitos, carros de alta gama, brincos, tatuagens, jogadores incapazes de dizer onde estão e para onde vão, o donostiarra é um farol de integridade da mesma forma que em campo tem sido um futebolista imprescindível na última década.

 

Agora que em San Sebastian se sonha com a Champions League convém recordar que a última vez que a equipa basca sonhou tão alto, havia um jogador no meio-campo a pautar o ritmo do jogo com uma frieza pouco habitual num adolescente. Xabi Alonso era, então, como hoje, uma bússula imprescindível. Com ele - e um punhado de outros grandes jogadores subvalorizados pelo mercado - os "donostiarras" chegaram a colocar em cheque os próprios Galácticos de Del Bosque que tiveram de fazer um esforço quase sobre-humano para não perder aquela liga.

Foi o aviso da chegada de um jogador radicalmente diferente ao protótipo espanhol.

Alonso era um médio de corte clássico. Gostava de ter a bola nos pés mas a sua especialidade estava na forma perfeitamente precisa com que a fazia mover de um lado ao outro do relvado com passes curtos e largos, lançamentos longos e diagonais precisas. Com a bola nos seus pés, o carrossel da Real Sociedade movia-se com maior claridade e precisão que a legião de estrelas do Real Madrid. Inevitavelmente, Rafa Benitez, treinador do Valência, tomou nota. Quando aterrou em Liverpool tinha uma prioridade. Trazer consigo o filho do internacional dos anos 80, Marcos Alonso, antigo jogador dos bascos e do Barcelona. A sua chegada foi fundamental para ultrapassar os problemas de construção da era Houllier. Alonso permitiu a Gerrard mover-se com liberdade, conectando mais vezes com uma frente de ataque em constante movimento. Na caminhada para a épica final de Atenas, o médio espanhol consagrou-se como um dos mais importantes centro-campistas do futebol internacional. Um dos golos - recarga de um penalty - foi seu, um mero detalhe para um ano memorável que não se voltou a repetir. Xabi continuou a jogar como os deuses mas o Liverpool deixou de vencer e quando Benitez começou a pensar que o problema podia estar no seu maestro, o jogador entendeu o toque e partiu para Madrid, um clube a quem faltava um líder como o pão para a boca. Encontrou-o.

 

Alonso tem sido o santo e senha do jogo do Real Madrid dos últimos quatro anos.

Apesar dos golos e das genialidades de Cristiano Ronaldo. Apesar da classe (intermitente) de Ozil, das correrias de Di Maria, do músculo de Khedira, da frieza defensiva ou dos golos (poucos) de Benzema e Higuain, o verdadeiro barómetro dos merengues era Alonso. Ausente ou em más condições físicas, a equipa ressentia-se como com nenhum outro jogador. Alonso era fundamental. Entendeu como poucos a concepção de jogo de Mourinho. Tornou-se no seu homem de confiança.

O jogo passava forçosamente pelas suas botas, era ele quem punha ordem na desorganização ofensiva. Os seus passes a rasgar criavam os desequilíbrios que o talento individual transformava em golo. Com uma equipa com dificuldade para progredir em controlo, com passes curtos, como Alonso demonstrou ser igualmente capaz de dominar, na selecção com que ganhou tudo (ele que começou como suplente com Aragonés para fazer-se imprescindível para Del Bosque), a sua visão de jogo era fundamental. Alonso desenhou os títulos conquistados, as goleadas e quando a sua luz se apagou, a equipa inevitavelmente desligou-se.

A chegada de Modric parecia significar uma nova via para o jogo do clube, mas o croata nunca chegou a captar bem o que Mourinho queria dele, no fundo um Xabi mais novo, mas com a mesma filosofia de jogo. Com Mourinho fora do clube, Alonso mostrou uma vez mais a sua categoria. Ele que já tinha sido respeitoso com um Benitez muito critico da sua etapa final em Liverpool, não alinhou no discurso vingativo da maioria do plantel. Manteve-se fiel ao que tinha sido, do primeiro ao último dia. Coerente com tudo. A chega da de Illarramendi, Casemiro e a boa forma de Modric, aliado à presença de Isco e Ozil, formatará seguramente um novo modelo de jogo para o Real Madrid onde a presença de Xabi já não ser tão fundamental como tem sido. Isso não invalida, no entanto, que a sua aportação não seja necessária.

 

Pode ser o seu último ano no Santiago Bernabeu - há uma renovação pendente de ser assinada que depende, sobretudo, da sua condição física, que actualmente o mantém fora dos relvados por dois meses - e portanto a derradeira oportunidade para os adeptos do clube de presenciarem ao vivo um dos melhores médios da história recente do Real Madrid. O ano mágico para o gentleman por excelência dos relvados espanhóis! Um jogador que merece sempre um tributo especial.



Miguel Lourenço Pereira às 11:46 | link do post | comentar

2 comentários:
De Victor Hugo a 27 de Agosto de 2013 às 12:19
Miguel, bom dia.

A melhor coisa que Xabi Alonso deveria fazer era voltar e encerrar (após mais alguns bons anos, claro) sua carreira numa Real Sociedad bem mais estruturada e carente de alguém com suas características. Não acho que queimaria a evolução de Pardo, poderiam mesmo jogar juntos, como acontecia com Illarra, e os resultados eram assombrosos. Pois, se Bergara, Ros e Elustondo são essencialmente operários (e muito úteis) e Pardo já muito mais técnica e visão de jogo, mas sem muita consciência defensiva, falta um homem que concilie essa consciência junto com a tal técnica e visão de jogo, o que daria possibilidades táticas a mais para Arrasate. Illarra era este homem, Xabi já o foi há 10 anos e pode voltar a sê-lo facilmente. Com certeza as portas do clube estarão abertas, e a tendência é que sua coerência o faça voltar a casa.

Miguel, você vê um grande futuro para Arrasate na Real? Até o momento já se percebe alguma identidade própria no futebol do time, ou ainda ele está refém das (boas) idéias de Montanier?

Um abraço


De Miguel Lourenço Pereira a 31 de Agosto de 2013 às 01:50
Victor,

Não me surpreenderia que no final do ano essa seja a sua decisão. Com os problemas fisicos a acumularem-se, o anuncio da retirada internacional para breve (como muitos dos campeões europeus de 2008), ou a Premier ou a Real serão o seu destino.

Arrasate tem muito potencial, alguns dos seguidores mais atentos da Real davam-lhe já muito do mérito da equipa de Montanier. A qualidade de jogo contra o Lyon, nos dois jogos, foi superlativa.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO