Terça-feira, 18 de Junho de 2013

Enquanto os veteranos espalham classe e uma mobilidade que alguns pensavam perdida na memória, os mais jovens demonstram que estão preparados para dar o salto. Não existe na história do futebol uma sucessão de gerações com tanta qualidade em todos os processos do jogo. Nas posições nucleares, o aparecimento a cada nova geração de um jogador de nível máximo é o sinal mais evidente que a hegemonia da Espanha, para lá dos títulos que possa ou não ganhar, não tem fim à vista.

É fácil fazer as contas para perceber que a dupla campeã da Europa e actual campeã Mundial é, por direito próprio, a máxima favorita das próximas competições internacionais. Se alguns dos seus protagonistas principais já falam em reformar-se, eventualmente depois do Mundial do Brasil, os adeptos espanhóis sentem-se tranquilo. Basta olhar para baixo, para os mais novos, para os que vêm a seguir. Duplos campeões da Europa de sub-21, campeões da Europa de sub-19 e flamantes candidatos a vencer o próximo Mundial da categoria sub-20, ninguém questiona o presente de Espanha. Nem o seu futuro.

Essa forma de hegemonia eterna não é fruto do acaso. Há duas décadas os clubes despertaram. O impacto dos Jogos Olimpicos de 1992 foi imenso na mentalidade espanhola. Ao crescimento económico seguiu-se um crescimento emocional de um povo marcado por décadas de ditadura e uma transição desenhada para agradar a gregos e troianos. Durante essa etapa, o futebol espanhol era o dos clubes, o da luta Real Madrid e Barcelona, mas também o dos símbolos regionais. A selecção era uma amálgama de identidades sem ideias próprias que procurava imitar o que estivesse na moda, fosse a dureza alemã ou o cinismo argentino. Eram os dias da Fúria, uma equipa com alma mas sem talento, com garra mas sem ideias. A tal que chegava a cada competição com o rótulo de eventual surpresa para acabar, inevitavelmente, por falhar nos momentos decisivos. Nos momentos onde é preciso ter uma ideia de jogo a que ser fiel.

O futebol espanhol aprendeu a lição. Desde a federação começou a trabalhar-se no futebol de base. Os clubes foram incentivados a seguir pelo mesmo caminho. Uns fizeram-no com mais afinco que outros. O Barcelona e o Athletic Bilbao foram excelentes exemplos de aproveitamento da formação enquanto que os clubes de Madrid preferiram outra abordagem. O tempo demonstraria quem tinha razão. Mas não foi só no treino e formação de jovens jogadores que se desenhou o futuro dourado do futebol espanhol. A nível nacional, de forma quase transversal, adaptou-se um modelo de jogo similar, um estilo de posse comum, de cultura pelo respeito do adversário e pelo conhecimento táctico das matrizes do jogo. Mais do que formar jogadores, em Espanha formaram-se jovens adultos, com capacidade mental para superar qualquer adversidade. Uma capacidade que faltou a tantos dos protagonistas da etapa da fúria e que nos momentos de maior pressão fez a diferença. O clique ganhador, a assunção de sentir-se superiores na sua forma de jogar, passos fundamentais para transformar o sucesso da base no triunfo da cúpula pirâmide.

 

Xavi-Fabregas-Thiago.

Iniesta-Mata-Isco.

Busquets-Martinez-Illarramendi.

A sala de máquinas do futebol espanhol é a melhor do mundo no presente. Mas também já a é no futuro imediato e no futuro mais distante. Não existe, a nível internacional, um tridente de jogadores da mesma geração tão capazes de assumir o controlo de um jogo e de pautar o seu ritmo como sucede com três gerações consecutivas de heróis espanhóis. A titularidade da selecção principal de Del Bosque é intocável. São os jogadores que Guardiola reinventou dentro do modelo desenhado entre Cruyff e Aragonés. Mas quando faltarem, os espanhóis sabem que há dois futebolistas por posição preparados para assumir o seu lugar sem que se note minimamente a diferença. Em qualquer selecção do Mundo actual, Thiago-Illarrramendi-Isco seriam titulares. Fosse o Brasil, Itália, Inglaterra, Holanda, Argentina ou Portugal. E no entanto, são apenas a terceira escolha em Espanha porque o génio de Mata, de Fabregas e de Javi Martinez os antecede, por idade, apenas e só. Não há melhor forma de coroar o sucesso de uma ideia do que sentir que está garantido o seu futuro. No caso da Espanha, a próxima década está entregue a futebolistas desenhados para ganhar, mas ganhar à sua maneira.

A selecção de sub-21 joga ao mesmo jogo que a equipa principal, mas fá-lo melhor. Com mais fome, com mais verticalidade, com mais apetite pelo golo. Eles são o que os principais eram em 2008, quando Aragonés acabou o seu projecto de forma única. Pelo meio, uma série de futebolistas que cresceram com essa fome de afirmarem-se internacionalmente e que se encontram entalados entre duas equipas de sonho. Nove jogadores para três posições que, no fundo, são apenas um curto exemplo da extensão da hegemonia espanhola.

Para cada Sérgio Ramos há um Iñigo Martinez. Para cada Arbeloa há um Carvajal ou Montoya. E um Moreno, um Koke, um Muniain ou Rodrigo. E todos esses trabalhadores talentosos como Nacho, Bartra, Herrera, De Marcos, Camacho, Aguirretxe, Parejo, Michu e os génios precoces de Canales, Jesé, Deulofeu ou Oliver. São tantos os nomes individuais que o problema é eleger. Mas aqui, apesar de tudo, não é a individualidade que faz a diferença. É o facto de todos eles pensarem, agirem e jogarem debaixo de uma ideia comum. O ritmo na equipa principal pode ter baixado, a frieza e o cinismo que foram imagem de marca de Del Bosque quando esteve inicialmente no Real Madrid fez-se sentir na África do Sul e na Polónia e na Ucrânia. Mas a qualidade dos jogadores e o valor desse espírito determinado e ofensivo permite pensar que é praticamente impossível não contar com a Espanha com máximo favorito para os próximos cinco grandes torneios internacionais.

 

Poucas selecções sub-21 jogaram na história como esta versão da selecção espanhola. Capaz, muito provavelmente, de vencer a maioria dos jogos disputados contra selecção principais do planeta futebol. Uma qualidade tal que permite, por momentos, esquecer que a sua antecessora, também campeã europeia, era quase tão boa. E que as suas rivais são a base habitual de projectos desportivos de larga projecção como acontece com Alemanha, Itália ou Holanda. Enquanto em Portugal se descobre, a duras penas, a consequência de abandonar-se o projecto de formação que esteve por base no sucesso dos anos noventa, Espanha demonstra uma vez mais saber qual é o caminho. O do sucesso. Para o qual tem a chave. Uma chave que parece ser de cópia única.



Miguel Lourenço Pereira às 18:26 | link do post | comentar

10 comentários:
De Joao M a 19 de Junho de 2013 às 01:46
Só falharam mesmo nos jogos olímpicos e no ultimo mundial de sub 20. Incríveis estas gerações.
No Mundial da Turquia vem ai mais uma fornada. Não parece tão forte como esta geração, mas a verdade é que a maioria dos jogadores, sobretudo na defesa, ainda não estão no futebol sénior a tempo inteiro.
Do meio campo para a frente mais um poema: Campana (Sevilla); Torres (Atletico) e Suso (Liverpool) ou Atxere (Bilbao); Denis (City) e Saul (Atletico).... no ataque Deulofeu e Jesé .... simplesmente fabuloso, uns a seguir aos outros, sempre no mesmo perfil, mas sempre com algo novo


De Miguel Lourenço Pereira a 19 de Junho de 2013 às 10:45
João,

Sem dúvida. No Mundial sub20 tinham uma equipa claramente suficiente para vencer, foi um acidente de percurso. Com os Jogos acho que ocorreu o oposto, havia uma sensação de superioridade pouco habitual, jogadores completamente estourados fisicamente e rivais que souberam preparar bem os jogos.

Esta nova geração, à primeira vista, pode parecer ligeiramente inferior (e talvez seja) mas é precisamente porque muitos ainda não tiveram minutos na elite. Quando os comecem a acumular, o salto será estupendo!


De vhugo7584@gmail.com a 19 de Junho de 2013 às 20:14
Miguel,

Só vejo dois problemas nesta seleção espanhola, e um deles você já aponta há tempos: a posse de bola medrosa, o cinismo, o jogo de xadrez em que Del Bosque transforma as partidas de seu time, onde o gol, 1 ou 2 no máximo por partida a maioria das vezes, é algo puramente simbólico frente a lenta humilhação a que passa o rival durante os 90 minutos, assistindo a Espanha rodar a bola aborrecidamente. O outro problema é a \"Família Del Bosque\". Tudo bem que o momento atual do time o deixa imune a críticas mais duras desse tipo, mas a insistente aposta do treinador em jogadores como Torres, que é sombra do que era, Albiol, idem, Reina, que é mais um homem de grupo que uma segurança no gol, sem dar chances a jogadores dessas posições que estão em melhor momento, como Negredo, Molina, Michú ou Agirretxe, Iñigo Martinez ou Chico Flores, Guaitá, Ádrian San Miguel ou até mesmo Diego Lopez, além de jamais dar chances, só uma que seja, em algum jogo menor, a jogadores que se vão pelas idades mas que continuam um primor como Arteta, Xabi Prieto, Piti, Rúben Castro e outros mais.
Times que viraram família nunca deram certo após alguns anos. Mas entendo ser uma tarefa difícil pelo momento espetacular que a seleção vem passando, mas é bom prestar atenção.

Abraços!


De Miguel Lourenço Pereira a 20 de Junho de 2013 às 12:52
Vitor Hugo,

Sem dúvida. Nos últimos três anos tenho defendido exactamente a mesma ideia. A qualidade desta Espanha é tal que ganham apesar do seu seleccionador. Mas se jogassem constantemente no modelo original, de Aragonés, seriam muito mais espectaculares e ofensivos do que são.

Quanto á família Del Bosque, totalmente de acordo. Há jogadores em excelente forma que não são convocados porque chocam com o grupo formado. Se é certo que Espanha conta com muitas opções para cada posto, ninguém entende porque Michu ainda não foi à selecção e Torres e Villa, com os números deste ano, estão convocados. O mesmo seria válido para Albiol, para Azpilicueta, Arbeloa ou até Santi Cazorla. Imagino que depois do Mundial, com ou sem Del Bosque, um grupo de cinco ou seis jogadores abandone a selecção (Casillas, Xavi, Xabi Alonso, Puyol, Villa) e se assista a uma mudança de guarda.


De Squirt a 20 de Junho de 2013 às 11:20
Quem é o Iñigo Montoya?


De Miguel Lourenço Pereira a 20 de Junho de 2013 às 19:56
Squirt,

A surpreendente fusão do Iñigo Martinez com o Montoya!


De Anderson Oliveira a 21 de Junho de 2013 às 16:40
Excelente texto sobre o que acontece no Brasil.
Relamente é mais que apenas um jogo...

http://esportes.r7.com/blogs/cosme-rimoli/manifestantes-conseguiram-reuniao-emergencial-discute-nao-so-a-copa-das-confederacoes-ja-que-faltam-so-nove-dias-para-acabar-mas-o-proprio-mundial-de-2014-a-fifa-pode-tirar-a-copa-do-brasil-estad-21062013/


De Humberto Alves a 28 de Junho de 2013 às 02:30
Olá turma do Em jogo,

Meu nome é Humberto Alves, sou gerente de afiliados do www.apostasonline.com e gostaria de lhes fazer uma proposta.

Como não consegui encontrar nenhuma área para contato, poderiam me enviar um email para afiliados [arroba] apostasonline.com para darmos continuidade a negociação?

Grande abraço


De GMoura a 2 de Setembro de 2013 às 23:51
Boas

Será que o autor mudou de opinião quando rebaixou o estilo da Espanha durante o Mundial 2010, referindo até que esse mundial ficaria lembrado pela Alemanha e não pela Espanha, que seria facilmente esquecida pelo futuro?


De Miguel Lourenço Pereira a 3 de Setembro de 2013 às 11:01
GMoura,

Não, a minha opinião sobre a performance da Espanha na África do Sul é exactamente a mesma. Dos três titulos conquistados, é a sua sequência de exibições mais fraca, o seu futebol mais especulativo e menos atractivo, pendente dos falhos dos rivais (Holanda, Paraguai, Alemanha) para depois "rematar" o jogo.

Isso não invalida que, como geração, o trabalho no computo geral seja histórico!


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO