Sexta-feira, 12 de Abril de 2013

Não estranha a ninguém que a final de Wembley da Champions League seja uma questão reservada exclusivamente a dois países. Ninguém no futebol mundial da última década tem tido um trabalho tão intenso e consciente a preparar momentos como este como o futebol espanhol ou alemão. São exemplos perfeitos do que deve ser feito na esmagadora maioria das áreas. O modelo germânico é talvez o mais honesto e estruturado, o espanhol uma consequência habilidosa de uma conjuntura histórica única. Em ambos os casos, modelos de sucesso que deixam claro que o futebol na Europa funciona ao seu ritmo.

Não há petrodólares russos, ucranianos, franceses ou britânicos. Não há equipas inglesas com o seu jogo tão tacticamente previsível. Não há clubes italianos, mais hábeis no tabuleiro de xadrez do que ambiciosos no relvado. Nem sequer há espaço para uma ou outra surpresa. A Champions League de 2013 será uma questão de mérito de gestão desportiva de dois países que definiram um modelo de futuro e estão agora a recolher os louros.

Barcelona, Bayern Munchen, Borusia Dortmund e Real Madrid falam, de certa forma, um idioma parecido. Não são clubes idênticos, os seus projectos têm diferenças significativas, mas ambos enquadram-se bem na filosofia de planeamento que revolucionou o futebol europeu nos anos noventa com o caso gaulês e que seguiu o seu caminho na versão espanhola e teutónica. São duas escolhas paralelas, complementares até, que começaram a degladiar-se ao nível da selecção principal entre 2008 e 2012 e que agora transportam essa batalha para o universo clubístico. O sorteio - casualmente ou não - impediu a realização de dois duelos fratricidas que podiam ter reservado já uma lugar na final para o representante de cada país. Sendo assim, Wembley pode ser uma celebração mista, espanhola ou alemã. Todas as opções estão em abertos em quatro jogos onde o favoritismo não existe. O equilíbrio é total como só poderia ser se os duelos fossem precisamente estes.

O Bayern Munchen mostrou-se claramente superior ao Real Madrid, o Borussia de Dortmund é uma equipa que sofre muito com modelos como o do Barcelona e os catalães têm demonstrado no último ano civil que ganhar ao Real Madrid deixou de ser um hábito para transformar-se numa quase utopia. Em sete encontros, venceram um e empataram dois. Um quadrunvirato que faz lembrar os mais excitantes duelos do mundo do ténis onde Nadal sabe ganhar a Federer, que por sua vez controla bem os movimentos de Djokovic, um tenista que soube explorar os poucos pontos frágeis do espanhol. Um circulo vicioso de grandeza que nos afasta da suposta hegemonia exercida pelo Barcelona nos últimos quatro anos, período onde venceu dois troféus e ficou por duas vezes às portas da final contra rivais teoricamente inferiores. 

 

No caso do modelo alemão, ainda que Bayern e Dortmund sejam tão diferentes entre si como o são Barcelona e Real Madrid, está claro que a Bundesliga se tem convertido no modelo ideal a seguir.

É a liga com mais espectadores da Europa, algo a que ajudam os preços modélicos, os estádios perfeitos, os horários adequados às famílias, a ausência de jogos em aberto e a qualidade do espectáculo. No futebol alemão há poucas estrelas capazes de protagonizar anúncios mas há uma nova geração de jogadores chamados a marcar uma década. Essa aposta na formação, desenhada a final da década de noventa, tem dado progressivamente os seus lucros na reestruturação do futebol da própria selecção. Ao nível dos clubes há vários exemplos de identidades modestas que têm crescido apoiados nos seus jovens talentos mas as duas escolas mais emblemáticas estão em Dortmund e Munique. No caso dos amarelos, o génio de Klopp e os problemas financeiros do clube forçaram a instituição a olhar para baixo e a cuidar dos seus jovens como nenhum outro clube na Europa. Não só os formados na sua cantera mas os contratados, em tenra idade, a clubes rivais. Dessa forma nasceu a geração de Pieszceck, Schmelzer, Hummels, Bender, Gundogan, Sahin, Grosskreutz, Reus, Gotze e Lewandowski, futebolistas tremendos e com uma margem de progressão imensa. Na Baviera, o poder financeiro do Bayern foi o suporte necessário para remodelar por completo a sua filosofia desportiva e o Hollywood FC tornou-se no exemplo de estudo ideal para um clube com nome capaz de mudar numa curta década toda a sua imagem mediática. Á geração de Lahm e Schweinsteiger juntou-se agora a de Badstuber, Alaba, Kroos e Muller, jogadores que têm crescido com espaço e tempo ao lado de figuras da liga germânica (Dante, Boateng, Neuer, Mandzukic, Gomez) e futebolistas de nível internacional como são Ribery e Robben. Não estranha que este seja o projecto de futuro de Guardiola como também não surpreende que depois de dois anos de transição da etapa mais exigente do van gaalismo, o clube tenha encontrado a fórmula perfeita. Com o título no bolso, a final perdida em 2012 atravessada e uma campanha imaculada, os vermelhos do sul da Alemanha são, para muitos, o grande candidato a levantar o troféu e nada melhor que um duelo com o Barcelona para medir realmente o seu potencial. Na época passada controlaram perfeitamente todos os movimentos do Real Madrid e levaram a eliminatória até onde queriam. Agora terão de lidar com o Camp Nou, o baluarte do clube blaugrana numa campanha europeia mais do que tremida.

 

O sucesso do modelo alemão transforma a Bundesliga num torneio cada vez mais mediático e apetecível, superando os milhões e o espectáculo que a Premier League oferecia antes de muitos dos seus jogadores mais emblemáticos a tenham abandonado e, sobretudo, antes que o dinheiro tenha definitivamente desequilibrado a balança. Em Espanha, tudo está na mesma. Vencer é a palavra de ordem no país que domina o futebol mundial com uma autoridade que nos força a viajar até aos anos setenta para ver algo parecido.

O modelo de sucesso em Espanha partiu sobretudo de três premissas. A aposta consciente na formação, que tem permitido o aparecimento de jogadores extraordinários nos mais inesperados dos lugares, a elevada qualidade técnica e táctica de jogo da esmagadora maioria das equipas do campeonato e o peso mediático que o país conseguiu através dos duelos entre Real Madrid e Barcelona, equipas que pela primeira vez desde a década de cinquenta disputam de igual para igual a hegemonia do seu futebol. Da mesma forma que Kubala e Puskas, Suarez e Di Stefano eram os reis desse virar de década, agora são os duelos entre Ozil e Iniesta e Messi e Ronaldo os que colocam os adeptos de todo o mundo colados ao ecrã. Todos querem ver, finalmente, um Clássico transformado em final de Champions League. Pode ser que, à terceira tentativa, o sonho se faça realidade. Mas o caminho será duro.

Ao contrário do equilibrado modelo alemão, em Espanha há quase uma especie de doping financeiro entre os dois grandes clubes que permite anualmente que o fosso com as restantes equipas seja maior. O dinheiro gasto nos últimos anos por ambos os clubes supera quase todo aquele gasto por clubes alemães. Financeiramente, são os reis do futebol europeu, e valem-se desse poderio para atrairem la creme de la creme. A essa vantagem, o Barcelona alia uma espantosa política de formação - estanque já há três temporadas - enquanto que o Real Madrid conta com o espírito táctico de uma velha raposa, capaz de transformar uma diferença abissal entre os merengues e o resto da Europa num trâmite. Para o clube de Madrid será a terceira final em três anos, os mesmos que leva Mourinho no clube. Nos sete anteriores o clube não tinha passado dos Oitavos de Final. Para o Barcelona é a sexta meia-final consecutiva, sinal de que há uma política de continuidade e um projecto desportivo que não oferece reparos. Ambos se defrontarão com equipas à sua medida. O Dortmund foi superior no duplo duelo da fase de grupos mas o Real Madrid sente-se mais cómodo nos duelos a eliminar. Mourinho exige-se a si mesmo tensão e aos restantes e nada melhor que 180 minutos para decidir um finalista para despertar uma equipa que realizou uma campanha doméstica lamentável. Contra o Bayern, o Barcelona encontra o seu alter-ego europeu. Um clube com formação e livro de cheques, um clube com um modelo de jogo atractivo e um peso histórico tremendo. Um clube que a partir de Julho será orientado pelo homem que resgatou o Barça das sombras. Serão duas finais para os espectadores neutrais, dois jogos destinados a entrar na posteridade da história do futebol europeu.

 

Dois gigantes espanhóis, financeiramente titãs, culturalmente sedutores, defrontam os dois clubes mais emblemáticos dos últimos 20 anos da história de um renovado e refrescante futebol germânico. Duas escolas tão diferentes mas unidas pela consciência de que o futuro conta tanto como o passado. Quatro clubes que são, indiscutivelmente, parte do melhor que o futebol europeu tem para oferecer. Em Maio, na final de Wembley, só poderão estar dois e muito ainda terá que passar para conhecer os finalistas, mas as meias-finais da Champions League há alguns anos que não despertavam tanto fascínio.



Miguel Lourenço Pereira às 13:21 | link do post | comentar

15 comentários:
De Vitor Zenha a 15 de Abril de 2013 às 08:57
E o Guardiola?? Já vai trabalhar para o novo clube, dando uma ajuda ao Bayern, ou ainda irá torcer como adepto culé??


De Miguel Lourenço Pereira a 15 de Abril de 2013 às 19:44
Vitor,

Acho que ninguém duvida que o Pep prefira uma vitória do Barça. É o mais normal do mundo!

um abraço


De espanhol a 20 de Abril de 2013 às 00:35
¿Y si Pep Guardiola desease que ni Barça ni Bayern ganen la Champions?


De Pois a 15 de Abril de 2013 às 12:54
O Real está lá certinho, se não for a bem vai a mal.
Depois da expulsão perdoada ao Varane, da expulsão do Nani, dos 2 penaltis por marcar na 1ª mão com o Gala e do golo em fora-de-jogo na 2ª, só não vê quem for ceguinho.

E do outro lado, aquela equipa que aqui no blog é sempre apelidada de ajudada pelos árbitros, já passou com golos de adversários com a mão, com foras-de-jogo de 3 metros, etc...
Mas isso não interessa nada, fale-se do jogo com o Chelsea de há 350 anos.


De Miguel Lourenço Pereira a 15 de Abril de 2013 às 19:46
Pois,

Falta o penalty sobre Drogba em Istambul cometido escandalosamente pelo Pepe. Mas também o não penalty em Paris tão bem assinalado por um árbitro tão elogiado no passado como um árbitro de elite e que agora, de repente, já é mau e a fabulação de um golo com a mão que não se vê em lado nenhum. As mãos e caras misturadas, provavelmente, só num quadro surrealista ou uma anime japonesa!


De Pois a 15 de Abril de 2013 às 20:42
mas que fanatismo! Dizer que o lance do Alexis não é penalty é das coisas mais absurdas que já li.
Só mesmo de alguém completamente fanático anti-barça. Nada que já não se soubesse, a máscara caiu há muito tempo.

Eu se quisesse ainda falava de mais lances como por exemplo do erro técnico que levou o árbitro a obrigar 2 jogadores do Barcelona a saírem do campo e a recomeçar o mais rápido possível o jogo sem os deixar entrar, mas não vale a pena, quem é doente será sempre doente.


De Miguel Lourenço Pereira a 15 de Abril de 2013 às 22:06
Pois,

Neste espaço o fanatismo não existe. O problema é quando a realidade é filtrada a quem melhor lhe convém, quando melhor lhe convém. O lance dos dois jogadores é absolutamente ridiculo, digno de um árbitro de distrital. Mas este é o mesmo árbitro que viu o Pepe tocar no Dani Alves, não percebo onde está a surpresa na incompetência de um homem criticado - e com motivo - jogo sim, jogo também na Bundesliga.



De Pois a 16 de Abril de 2013 às 00:28
AHAHAHAH só faltava o lance do Pepe com o Dani.
O Miguel deve pensar que o Dani é ginasta, porque só um ginasta olímpico conseguiria dar um mortal para o lado oposto para onde tinha rematado, apoiado num só pé, e sem uma força propulsora.
Veja lá o lance outra vez e pense! Provavelmente não teve física no secundário mas qualquer pessoa com 2 neurónios percebe que é uma impossibilidade física alguém dar uma cambalhota daquelas sem uma grande pancada a servir de força propulsora.


De Miguel Lourenço Pereira a 16 de Abril de 2013 às 13:59
O Dani Alves não chega a ser um bom ginasta, mas um grande malabarista e contorcionista é, sem qualquer dúvida. E com um passado que fala por si.

Neste tipo de lances, cada um vê sob o prisma que quer. Mas só alguns é que procuram transformar a opinião em evangelização.


De Pois a 16 de Abril de 2013 às 14:36
Cada um vê sobre o prisma que quer não, uns vêem sobre o prisma que querem, outros vêem o lógico: ERA IMPOSSÍVEL AO DANI DAR AQUELA CAMBALHOTA SEM LEVAR UMA PANCADA FORTÍSSIMA!!!

Não é uma questão de opinião, não é uma questão de clubismo, são simplesmente leis físicas e anatómicas.
E só alguém completamente fanático pode ver o contrário.

Você até podia ver neste lance o Dani a levitar, agora não venha com histórias de evangelização quando o único que está a tentar aplicar dogmas num lance fácil de analisar é você. Aqui qualquer pessoa com 2 neurónios e que já tenha um corpo humano, sabe que o Dani foi tocado. Mas se calhar o Miguel é um réptil ou uma ave e consegue fazer aquilo sem uma força a dar-lhe impulso.


De Miguel Lourenço Pereira a 16 de Abril de 2013 às 15:52
Como já li a mesma opinião em espaços muito diferentes entre si e sem nenhum vinculo particular com o jogador a ou o clube b, imagino que o mundo da escrita futebolística esteja repleto de aves e répteis. A Natureza é algo fascinante, sem dúvida!


De Pois a 16 de Abril de 2013 às 18:22
Normal, o que não falta por aí são fanáticos, e daqueles que tentam vestir a pele de cordeiro então, àos milhares. Mas cedo ou tarde a máscara cai sempre.


De Miguel Lourenço Pereira a 16 de Abril de 2013 às 21:07
Pois,

Seguramente, e evangelizadores também, donos da verdade absoluta, pregadores da moral e da virtude, do certo e do errado também abundam nas planicies da Terra desde tempos imemoriais.


De espanhol a 20 de Abril de 2013 às 00:38
"Enséñame tu piscina"......¿La obra teatral preferida de Alexis y Daniel Alves?


De espanhol a 20 de Abril de 2013 às 00:36
Lo de Ovrebo en Stamford Bridge.....


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO