Segunda-feira, 14 de Janeiro de 2013

É curioso o sucesso que os treinadores portugueses parecem ter quando partem para outras paragens quando em casa, a verdade é que as suas limitações ficam bastante mais à vista. No duelo que decidirá, mais cedo que tarde, o título de campeão, ficou evidente que ambos os treinadores foram incapazes de apresentar um plano que decidisse no tabuleiro de xadrez a contenda de uma época. Sem o génio individual, o Benfica - Porto tornou-se num pálido reflexo do que um grande jogo de futebol pode ser.

No Verão o FC Porto vendeu Hulk para tapar o imenso buraco financeiro da sua SAD.

Não foi um negócio surpreendente. Na última década o clube da Invicta transformou-se numa plataforma de negócios anual. Todos os anos, quase sem excepção, a sua melhor individualidade é vendida a preço de ouro para reduzir o passivo. Como o dinheiro que entra (entre comissões a ser pagos, alienação progressiva de passes e compras de substitutos) quase nunca chega a cumprir o seu objectivo, muitos perguntam-se qual é a real motivação desses negócios. No final, face à evidência, fica claro que o clube tem tanta confiança na sua estrutura que está preparado a abdicar do poder individual para suster o espírito colectivo. Um espírito que parte de um modelo táctico bastante simples, um 4-3-3, que pode oscilar de processos de transições rápidas, como sucedeu na era Jesualdo Ferreira, a um futebol mais rendilhado e de posse, como aplicou André Vilas-Boas. O treinador actual dos dragões, Vitor Pereira, está a meio caminho. Por um lado gostaria de seguir a escola do seu antecessor no cargo mas a perda progressiva de qualidade do plantel e a falta de alternativas têm-no forçado a um estilo de jogo mais pragmático.

Pereira não é um treinador que tenha no seu ADN a palavra risco.

Não só na aposta em jogadores jovens, sem experiência, mas, sobretudo, porque para ele o 4-3-3 é de tal forma sagrado que numa visita ao seu rival directo é capaz de transformar num médio centro num extremo direito apenas para manter o desenho no tapete verde. O FC Porto de José Mourinho conquistou o Mundo, entre outras coisas, porque mudava num estalar de dedos de um 4-3-3 agressivo a um 4-4-2 em forma de diamante de contenção e controlo. Fosse Vitor Pereira capaz de o fazer e o Benfica teria sido destroçado no jogo da Luz. Se com três jogadores a supremacia no meio-campo já era evidente, com quatro, os dragões forçariam o rival a um futebol mais directo. Claro que Defour não é nem James nem Deco, para fazer a ponte entre o ataque e o meio-campo. Como Izmailov, que podia ocupar o papel, tinha duas sessões de treino, seria um risco, mas um risco controlado. Pereira não gosta de riscos.

Quando se encontrou com o empate, agradeceu, colocou Castro e Ba a cimentar a posição defensiva, abdicou do ataque e esperou pelo relógio, sempre bom conselheiro. Podia ter conseguido um balão de oxigénio importante na luta pelo título mas acabou por contentar-se com manter-se em igualdade de circunstâncias (apesar de ter um jogo menos, que tem de vencer), e uma fidelidade absoluta à cartilha.

 

A venda de Hulk tirou poder de fogo ao FC Porto, poder de decisão, especialmente quando as coisas corriam mal.

Já as saídas de Witsel e Javi Garcia tiveram um impacto muito inferior no modelo de jogo do Benfica. As equipas de Jorge Jesus vivem noutra era, são dos dias da televisão a preto e branco, um período da história táctica em que o meio-campo se começou a definir como elemento nuclear no plano de jogo. Jesus está antes dessa evolução. Para ele o futebol é um desporto frenético, como os primeiros 20 minutos de jogo.

Foi assim no seu ano de campeão, uma equipa de tracção à frente mas que contra rivais directos sofria. E muito. Porque não tinha meio-campo ou, pelo menos, um meio-campo de trabalho e construção. A Europa tem sido a vara de medir do futebol de Jesus e ano após ano tem também exposto as suas fragilidades. Apesar de tentar variar entre o 4-3-3 e o 4-2-4, é na abordagem que o técnico mais perde. Não confia nos seus jogadores mais criativos e prefere os mais rápidos, os mais eficazes e aqueles que fazem do pulmão, antes da cabeça, a sua principal arma.

Sairam Witsel e Javi Garcia, entraram Enzo Perez e Matic, e o modelo não mudou porque a troca por troca, na maioria dos jogos, é entre a defesa e o ataque que joga o Benfica. E jogo de uma forma directa, com dois extremos bem abertos, com dois avançados móveis (habitualmente Lima e Rodrigo), que alargam o campo, permitem a incorporação dos laterais e dos médios, sobretudo a partir de lançamentos rápidos e directos para a grande área. Um dispositivo que funciona perfeitamente com equipas que apostam, quase invariavelmente, num 4-5-1 profundamente defensivo mas que na primeira hora do duelo frente ao FC Porto fica exposto totalmente a uma equipa com mais jogadores no miolo e mais paciência na circulação.

Depois da sequência de erros sucessivos que levam ao 2-2, o meio-campo do FC Porto engoliu previsivelmente o do Benfica.

Faltou-lhe a coragem e capacidade de fazer sangue, a aproximação de linhas na área rival enquanto o jogo encarnado se resumia a lançamentos largos para Cardozo que procurava ganhar a segunda bola no ar para Lima e Gaitan surpreenderem as costas de Fernando. Muito pouco para quem aspira a tanto e no entanto foi suficiente para manter os dragões sobre guarda. Sabiam-se sem falta de alternativas no banco e mantiveram-se fieis ao modelo. Um quarto médio tinha acabado com o jogo definitivamente, asfixiado totalmente o rival. No banco Jesus tinha Aimar e Carlos Martins, jogadores que sabem precisamente fazer isso. Só quando os lançou, e abandonou o seu futebol directo, o jogo se reequilibrou e o Benfica criou perigo realmente a Helton. Ao querer a bola nos pés dos seus jogadores, quis ganhar o jogo. Mas ia tarde. O 4-3-3 do FC Porto não só serve para controlar bem o meio-campo mas também para tapar as investidas rivais e o resultado final tornou-se absolutamente inevitável.

 

No único jogo de uma Liga Sagres cada vez menos atractiva, ficaram evidentes as limitações tácticas dos seus dois protagonistas no banco. É muito provável que a segunda volta, no Dragão, apresente uma abordagem distinta. Até lá é improvável que se acumulem os tropeções e o risco terá de ser maior. Só aí se verá se o coelho escondido na cartola de Jorge Jesus, mais proclive a preparar jogos de forma improvável, pode perturbar o esquema sólido de um Vitor Pereira que espera contar com o elemento diferencial que transforma o seu modelo numa máquina de vencer, o colombiano James Rodriguez.



Miguel Lourenço Pereira às 12:30 | link do post | comentar

2 comentários:
De hukie a 17 de Janeiro de 2013 às 01:04
Por acaso não concordo muito que o Vítor Pereira não largue completamente o 4-3-3. Quantas vezes não vi neste jogo o Fernando a descer por causa da pressão dos avançados do Benfica e o laterais a subir para o meio campo a fazer um 3-4-3 à Barça? Faltou depois desenvolver...
E também não sei se Izmaylov seria só um risco controlado. O gajo não toca numa bola num jogo oficial há não sei quanto tempo, logo não devia ter andamento nenhum, e tinha feito talvez 3, 4 treinos com a equpa. Por muito bom jogador que seja, nunca jogou com Lucho, Fernando, Varela ou Jackson (e Moutinho mudou muito), ainda não tem entrosamento com os outros. Pedir a um jogador em má forma que acabou de chegar (por muito experiente que seja) para entrar logo a titular contra o grande rival, não sei...
Que o VP é um medroso, já concordo. Mas se tivesse inventado uma solução táctica nova bem que podiamos ter vencido como podia estar agora a ser crucificado como foi Jesus nos cincazero. A única vez em que pensei que tinha coragem foi no ano passado na luz.


De Miguel Lourenço Pereira a 17 de Janeiro de 2013 às 13:29
Hukie,

Durante um mesmo jogo é normal que o desenrolar do encontro obrigue a ajustes muito pontuais que ás vezes nem chegam do banco, os próprios jogadores apercebem-se de movimentações e flutuam ligeiramente das suas posições. Daí a dizer que é um sistema de jogo que ponha em prática vai uma distância grande. Para isso ser certo as mudanças deviam ser recorrentes, regulares e por um periodo de tempo considerável.

Izmaillov ou Tozé, era o que Vitor Pereira tinha para jogar. Preferiu a experiência, mesmo com um estado de forma deficiente. Diz muito sobre o treinador.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO