Segunda-feira, 7 de Janeiro de 2013

Poucos prémios têm o condão de atrair tanta atenção pública como o Ballon D´Or. E tão poucos se têm transformado num circo de variedades nos últimos anos como o Ballon D´Or. O quarto triunfo consecutivo de Lionel Messi não discute o seu génio. Pelé e Maradona não precisaram de 4 Ballons D´Or para ser considerados os melhores de sempre. Messi também não precisa. Ele está há muito nesse olimpo de génios e por muitos troféus individuais que ganhe, eles não o vão fazer melhor jogador. Mas vão torná-lo um eucalipto, a última coisa que o futebol e este prémio precisam.

 

Quem precisa de um prémio individual num jogo colectivo para consagrar um jogador precisa, sobretudo, de ver mais futebol.

Quando apareceu pela primeira vez na ribalta, em 2006, Lionel Messi já deixava antever que era um jogador especial. Cresceu no melhor sistema de formação do Mundo, foi tratado e mimado como poucas promessas da história do futebol e aprendeu em loco com um jogador que podia ter ido tão longe como ele se tivesse tido a cabeça necessária, Ronaldinho. Quando chegou Guardiola, Messi estava preparado para tomar de assalto o futebol Mundial. E fê-lo com estilo, com classe e com malabarismos que poucos tinham visto.

Messi tem um pouco de quase todos os grandes jogadores da história.

A finta de Garrincha, a mobilidade de Di Stefano, o faro goleador de Pelé, o espirito potrero de Maradona e a mudança de velocidade de Cruyff. Parece feito por encomenda. Ao contrário deste quinteto irrepetível, conseguiu prolongar nos anos a sua carreira fruto ao trabalho de um clube que o soube rodear de um grupo de génios especializados em não aparecer. Di Stefano rivalizou com Puskas e Pelé com Garrincha, mas Messi sabe que dentro da mesma equipa não há rival. 

Os demais jogam, à consciência, para ele e não há nenhum drama nisso. Quando tens um dos melhores jogadores da história na tua equipa, aproveita-o. Mas o génio de Messi supera, por muito, a necessidade de vencer, ano após ano o prémio Ballon D´Or. 

Porque nem o prémio foi criado para premiar o melhor jogador do Mundo, nem lhe faz bem atribuir, ano após ano (e sempre com considerável diferença pontual) o troféu. Não que não seja merecedor, o seu génio é o seu melhor cartão de visita. Mas porque antes dele todos os grandes, todos os gigantes, e Messi não é o único, partilharam os seus triunfos como uma forma, inclusive, de se fazerem ainda mais grandes.

A história faz-se de heróis individuais e, sobretudo, de disputas icónicas. É assim em todos os desportos e mesmo naqueles em que houve hegemonias claras, sempre se encontrou espaço para a concorrência. Era bom para o negócio, era bom para o ego e era mais de acordo com a realidade. Porque Lionel Messi pode ser o melhor jogador individual do Mundo mas não foi o melhor jogador individual em 2012 e as duas coisas, por muito estranho que pareçam, não são sinónimos.

 

O palmarés do Ballon D´Or está repleto de exemplos que explicam bem esta realidade.

Zinedine Zidane venceu apenas uma vez e durante quase uma década foi considerado o melhor do Mundo. No seu "mandato", venceram o prémio  aqueles que brilharam mais num ano em concreto, de Nedved a Ronaldo, de Figo a Rivaldo. Ninguém discute que hoje é Zizou quem está no top da história e que não foram precisos vencer de forma consecutiva vários prémios para o reclamar. O mesmo podemos dizer de Ronaldinho (venceu apenas uma vez), de Beckenbauer e Cruyff (que dividiram entre si cinco prémios, em seis anos) ou da década de 60, onde nenhum jogador repetiu o triunfo apesar de todos saberem que Eusébio e George Best - entre os nomeáveis - estavam um furo por cima de Masopoust, Albert, Law ou Suarez.

O Ballon D´Or tornou-se popular porque premiava os feitos de um ano. Da mesma forma que os Óscares premeiam uma performance em concreto  (Brando venceu dois, em 1954 e 1972, e ninguém quer saber quem ganhou os que estavam pelo meio), os Grammys um trabalho musical, os Ballon D´Or premiavam temporadas. Um génio podia ter um mau ano, o melhor podia ser superado numa época em concreto e os títulos colectivos, a natureza do futebol, contavam e muito porque no fundo, apesar de tudo, é isso que um jogador profissional quer ganhar.

Messi podia perfeitamente vencer estes quatro e mais quatro, que não terão muita discussão. Mas é legitimo pensar que em 2010 não foi o seu ano. Falhou nos momentos decisivos da temporada, onde mais se exige aos maiores. Não é um drama, é uma realidade. O mesmo sucedeu este ano. Em ambos os anos a legião espanhola (Xavi, Iniesta, Casillas) merecia ter tido outro tipo de reconhecimento e o talento individual e brilhante de um ano (como teve Sneijder em 2010 e Ronaldo e Falcao em 2012) superou em 365 dias o seu génio individual mais consensual.

Mas a metamorfose do Ballon D´Or num prémio da FIFA tem destas coisas.

Em 2010 os votos dos jornalistas dariam o prémio a Sneijder mas na votação juntaram-se os capitães, jornalistas e seleccionadores de todo o Mundo, do Vanuatu à Guiné Conacrky, de St. Nevis and Ketis às ilhas Samoa. E isso, forçosamente, transformou o prémio num concurso de popularidade. E não há ninguém mais popular do que o argentino. Nem ninguém mais impopular que Ronaldo. Nem ninguém com mais low profile do que Xavi e Iniesta. E assim sendo, é fácil prever que este cenário se vai repetir até que algo mude a própria carreira do argentino. E o Ballon D´Or vai perder, progressivamente, o glamour e importância que chegou a ter.

 

No final de tudo, o mais triste destes prémios, não está nos aplausos aos vencedores mas na atitude de muitos adeptos que celebram mais uma derrota do que uma vitória. É um velho mal do ser humano, do adepto que prefere ver o rival perder a ver os seus ganhar. A internet voltou a encher-se de imagens de um estóico Cristiano Ronaldo, que esteve correctíssimo em toda a gala (ao contrário do que passou noutros casos). É caso para pensar que se o prémio já é um concurso de popularidade neste modelo, se fosse aberto ao público podia tornar-se num verdadeiro MTV Awards em versão Star Wars. Já há um Jedi branco e um Darth Vader negro. E em todas as grandes rivalidades - e houve-as mais intensas, provocativas e brutais do que esta - uma vez as pessoas esquecem-se que quando dois chegam a um determinado nível, acabam por se alimentar mutuamente. Quando se vive só, como um eucalipto, a tendência natural é para o empequenicmento. Messi é imenso porque sabe que joga contra outro jogador tremendo da mesma forma que Senna e Prost superaram limites para superar-se um ao outro, que Borg e McEnroe treinavam com mais afinco para se baterem um ao outro e Johnson e Bird sabiam respeitar-se mutuamente quando subiam ao campo. Ás vezes a memória e os arquivos ajudam a perceber as muitas realidades de um só dia. 

 

PS: Superlativo o prémio a Vicente del Bosque, um excelente treinador, com um curriculum espantosa e uma figura das que fazem muita falta ao circo mediático que rodeia o jogo. A nomeação de Guardiola, no entanto, acaba por espelhar a mesma realidade que atrás explico. Num ano em que Prandelli, Klopp, Di Mateo ou Simeone superaram-se de uma maneira brutal, o politicamente correcto para os votantes do mundo é escolher o profeta da nova era. Guardiola pode até ser, como Messi, o melhor treinador em actividade (ainda que suspensa), mas em 2012 não foi de longe o seu ano.



Miguel Lourenço Pereira às 19:09 | link do post | comentar

9 comentários:
De Amílcar Monteiro a 8 de Janeiro de 2013 às 05:51
Concordo com a sentença "concurso de popularidade" no entanto o prémio tem o seu valor dado que são especialistas na matéria, julgo, a julgar a performance desportiva dos artistas.

Acho meritória a conquista de Messi mas, além da soma de títulos individuais, o que realmente conta nisto tudo é a 'impressão digital' que fica marcada na memória dos fãs do 'beautiful game' através da arte e da magia dos intérpretes.

Sobre Vicente del Bosque, apetece-me dizer que devia haver duas categorias pois julgo que ser seleccionador e ser treinador são duas coisas diferentes.


De Miguel Lourenço Pereira a 8 de Janeiro de 2013 às 13:26
Amilcar,

Como são os Óscares, os Grammys, os Emmys e a Eurovisão. No fundo todos os prémios partem dessa base, de que há pessoas especializadas que votam. E todos valem o que valem, no fundo reflectem opiniões pessoais.

Como digo no texto, a grandeza de um jogador não se mede pelos prémios individuais, mede-se pelos prémios colectivos e pela impressão que deixa em campo. E aí nem Messi nem Ronaldo precisam de Ballon D´Ors para nada. São grandes demais para serem reduzidos a um prémio.

O Vicente del Bosque além de seleccionador também é treinador. Longe vão os dias em que as selecções tinham um homem que seleccionava e outro que treinava. O estilo de jogo de Espanha não foi ele que o inventou mas foi ele que o perpetuou e a forma como geriu a equipa no Europeu foi notável. Para mim é um justo vencedor.

Um abraço



De Igor a 10 de Janeiro de 2013 às 06:43
Muito mais do que Falcão, e até um pouco do que o Ronaldo, 2012 foi o ano do Pirlo, fundamentalmente porque transformou o Juventus Stadium numa autêntica Rua Sésamo e andou a fazer programas educativos com marionetas. Pelo meio venceu invicto a Serie A, em que foi sem dúvidas o melhor jogador, e foi à final do Euro, onde teve tantas nomeações de MVP como o eleito melhor jogador do torneio. O homem deu workshops de futebol semanais durante todo o ano. E é muito pouco provável que lhe surja outra época com tantos argumentos para discutir um prémio destes. Mas não parece que isso lhe tire o sono...


De Miguel Lourenço Pereira a 10 de Janeiro de 2013 às 17:48
Igor,

Estou totalmente de acordo. Falcao pode ter tido um encore menos entusiasmante à sua volta mas o que Pirlo fez durante todo o ano é para os anais da posteridade mais absoluta. Sem retirar os méritos a Messi e Ronaldo, esse tipo de anos são muito mais valoráveis!


De Eduardo Louro a 10 de Janeiro de 2013 às 17:51
Parece que de repente o mundo descobriu que não existia se não houvesse o melhor. Criou a obsessão do melhor e desatou a inventar maneiras de inventar melhores...
Faz todo o sentido premiar os melhores, exaltar a excelência e salientar os distintos. Faz pouco sentido decidir absolutamente o melhor, mesmo que isso seja possível em Messi.
Os oscares são o melhor exemplo desse exercício e o futebol tem muito a aprender com a Academia de Holywood: no glamour mas também no conceito. Escolher o melhor jogador do mundo em absoluto em cada ano até se poderá aceitar. Mas só se ao mesmo tempo se distinguir o melhor guarda-redes, o melhor defesa, o melhor centro campista, o melhor avançado ou o melhor marcador. Através de um júri especializado, como na Academia.
Um abraço, Miguel.


De Miguel Lourenço Pereira a 10 de Janeiro de 2013 às 19:19
Eduardo,

É exactamente o que penso, na mouche!

um abraço!


De Miguel a 11 de Janeiro de 2013 às 16:10
Qual é a parte da eleição para o 11 do ano que não percebes? Ou o 11 não tem o melhor guarda-redes, melhor lateral direito, melhor lateral esquerdo e por aí fora?


De Constantino a 11 de Janeiro de 2013 às 19:23
Boas,

Antes de mais, Bom Ano.

Penso que o problema da Bola D'ouro começa na data da sua entrega. ao faze-lo no final do ano civil, fica por perceber se se procura premiar o melhor de uma época futebolistica ou o melhor de um ano civil. Se o objectivo é prmeiar uma época, Ronaldo teria que ser o vencedor pois foi o lider de um campeão nacional, a que soma todo o seu talento. Se o que se pretende é premiar o melhor do ano civil, indiscutivelmente Messi foi o melhor. Não vale a pena escamotear os factos, foram 91 golos, um registo que provavelmente nunca mais se voltará a ver. A questão é que os diferentes vencedores ao longos dos anos nunca deixaram vislumbrar um critério uniforme para a escolha do premiado e isso só contribui para descredibilizar o troféu.

Abraço


De Miguel Lourenço Pereira a 13 de Janeiro de 2013 às 00:37
Constantino,

Salvo momentos muito pontuais, os critérios foram bastante similares durante 50 anos, foi a fusão com o prémio FIFA que mudou o cenário actual. Relembro que, por exemplo, em 2010, com os votos dos jornalistas, Messi nem teria entrado no pódio num ano que foi claramente de Sneijder e Iniesta.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO