Quarta-feira, 14 de Novembro de 2012

Numa era em que os analistas mais progressistas teimam em querer enterrar o ponta-de-lança, como fizeram no passado com os extremos e os criativos puros, novas versões da velha espécie teimam em desmentir a filosofia de que o falso-nove, uma invenção de sessenta anos, é o futuro. Javier Hernandez e Edin Dzeko vivem a poucos quilómetros de distância um do outro. Mas no terreno de jogo partilham a mesma habitação. E sabem como fazer dela a mais aconchegante da casa. A sua, a do golo.

 

A contratação de Robie van Persie parecia condenar Hernandez ao esquecimento. 

O mexicano viveu, há duas épocas, uma explosão prodigiosa no ataque do Manchester United, relegando o milionário Dimitar Berbatov para o esquecimento definitivo de onde nunca mais saiu. Foi o homem dos golos definitivos, especialmente quando a chama de Rooney se apagou. Mais do que uma vez.

Chicharito, diminutivo de quem ama o golo (chicharro é golo em vernáculo popular espanhol), tornou-se sinónimo de triunfos épicos naquela escola que tanto apaixona o futebol inglês. Relembrou as gestas de Fairclough, do Liverpool, de Solskjaer, do United, homens que saiam do banco para tratar por tu as redes adversárias. Ele era e ainda é o símbolo de uma nova geração de um país que está destinado a grande voos. E no entanto, nem Ferguson nem os analistas pareciam confiar nele de forma evidente para dar-lhe a titularidade absoluta do gigante de Manchester. Não era o avançado móvel tão em voga, como todos os predadores, vivia de séries positivas e negativas e no futebol actual não há margem de erro. E no entanto estava aí, a responder com golos às dúvidas dos próprios e estranhos. Este ano, a chegada de van Persie podia ter sido o seu fim. O holandês tem respondido com golos, desmarcações e movimentações que agradam a quem se apaixonou por Hidgekuti ou Rivelino reconvertidos em Messi ou Fabregas, como se o nove e meio fosse coisa do hoje e do amanhã. Não é. E os grandes goleadores não desapareceram por completo. Hernandez tornou-se no abono de família do Manchester United no último mês. 

Os golos do mexicano permitiram ao clube trepar até ao primeiro lugar da Premier League, de forma isolada, e ajudaram a garantir o apuramento directo para a próxima fase da Champions League, sem o sofrimento de outros anos e as eliminações precoces como na época passada. Com Rooney cada vez mais reconvertido a falso número 10 (ou 8, como queiram) a partir desde o meio-campo para estabelecer a ponte com o ataque, o mexicano vai aproveitando os minutos e os espaços para deixar a sua marca. Não é nem será titular na cabeça de um homem, como Ferguson, que sempre quis avançados velozes como Hughes, Cantona, Cole, Yorke, van Nistelrooy, Tevez, Rooney e van Persie. Mas cada vez mais prova que é um jogador que pode ser titular absoluto em qualquer equipa do Mundo.

 

Do outro lado da cidade, o lado azul celeste, há um homem que entende o mexicano à perfeição apesar de vir do frio dos Balcãs para o céu cinzento mancuniano. Edin Dzeko é a versão citizen de Hernandez, o goleador absoluto dos momentos desesperados, o homem que parece não ser contabilizado como primeiro opção numa linha de ataque onde os nomes próprios - Aguero, Balotelli e Tevez - correspondem a esse arquétipo moderno do avançado móvel e todo terreno. 

Dzeko pode ser mais previsível, o seu jogo mais físico e posicional, a sua influência no comportamento do colectivo menos evidente. Não desce tanto a fechar linhas, não exerce as mesmas diagonais a meio-campo mas inspira terror em qualquer defesa contrária. Por quatro vezes este ano saiu do banco nos últimos dez minutos e ajudou o City a dar a volta ao marcador e a garantir doze pontos que mantêm os campeões vivos na luta pela renovação do título histórico logrado na época passada. Um título com o seu selo, com golos importantes nas segundas partes onde Mancini perdia a fé nele mesmo e deixava tudo nas mãos de Deus, da sorte e Dzeko.

O bósnio demonstrou na Bundesliga que é um dos melhores avançados puros do Mundo. A sua transferência para Manchester fazia sentido mas encontrou-se com a fome exagerada de uma equipa que prefere contratar primeiro e pensar depois. O overbooking ofensivo, com quatro jogadores de excelência, causou danos colaterais. Dzeko foi o primeiro. Talvez tenha o melhor ratio de golos e minutos do futebol europeu, talvez seja um dos avançados mais importantes nas vitórias agónicas da sua equipa, mas acaba sempre relegado para quarta opção. Ele é o herdeiro de Nial Quinn, o homem dos golos decisivos, o goleador em quem os adeptos sabem que podem confiar quando mais ninguém salva a pátria. 

Como Hernandez, o bósnio é exemplo de uma velha raça que ajudou a fazer do futebol um espectáculo de golos. Quando a história comemora os feitos dos homens que decidem os jogos com os seus gestos implacáveis, que cheiram o sangue e o medo dos rivais, seguramente terá sempre um espaço para lembrar-se homens como Edin e Javier, goleadores puros que resistem à passagem do tempo e ás modas para demonstrar que a beleza do futebol parte também da sua pureza e simplicidade absoluta. 

 

A linguagem do golo tem muitas entoações distintas e a imensa variedade de tipos de dianteiros ajudou o jogo a crescer e a aperfeiçoar-se. Mas o nascimento - ou redescoberta - de novas posições não deve, à partida, significar a extinção de outras. Os goleadores puros serão sempre fundamentais na concepção de qualquer plantel e os êxitos recentes de Dzeko e Hernandez apenas significam que o nove saberá sempre encontrar formas de se reinventar.



Miguel Lourenço Pereira às 12:44 | link do post | comentar

10 comentários:
De Victor Hugo a 14 de Novembro de 2012 às 23:29
Tem que haver jogadores de todos os tipos no futebol. O atacante móvel e o matador, o veloz e o poste. Rooney e Hernandez, Suarez e Crouch, Kenwine Jones (pra mim, um grande subestimado, queria ele no meu time), Raúl e Inzaghi (o melhor oportunista da história.
Assim como há espaço para Pirlo e Gattuso, o maestro e o raçudo (por vezes violento). Há espaço para De Boer e Stam, a técnica e a física. Mauro e Calvet do histórico Santos de Pelé, Baresi e Costacurta e por aí vai mostram duplas de zagueiros e volantes antagônicas e que fizeram sucesso e marcaram história e também mostram atacantes de caracaterísticas diferentes mas que são ou foram úteis nos seus times.
Igual a esquema tático. Não gosto de retranca nem tiki-taka, prefiro um 4-3-3 Cruijff ou Zeman e até mesmo um Kick and Rush de Tony Pulis do que ver a Espanha jogar. Acho que a retranca, embora não goste, também é uma estratégia e deve ser respeitada, assim como os matadores, os \"camisa nove\", os fazedores de gol, que é o maior momento do futebol.

Abraços


De Miguel Lourenço Pereira a 15 de Novembro de 2012 às 12:59
Victor Hugo,

Concordo em absoluto. O futebol é mágico e popular porque oferece espaço para tudo e todos. Valdano dizia, com propriedade, que o futebol é o único desporto onde jogam igual os baixos e os altos, os gordos e os magros, os destros e os esquerdinos, os intelectuais e os musculados, os pobres e os ricos. As barreiras fisicas ou culturais que existem na esmagadora maioria dos desportos no campo desaparecem.

O mesmo se pode dizer das posições e dos sistemas tácticos. Há equipas e jogadores para todos os gostos e feitios, a única coisa que não pode haver é grupos que acreditam que sabem mais do que os outros e que, por arraste, definem quem merece existir e quem deve extinguir-se, um debate que os noves têm ouvido com regularidade nos últimos tempos!

abraço


De JV a 15 de Novembro de 2012 às 10:53
Eu sou um adepto confesso do sistema/estratégia de jogo sem avançado fixo. Mas como é óbvio isto não é para todas equipas, e é com surpresa que vejo equipas alinharem desta forma, quando poderiam ter mais sucesso apostando em formas mais "clássicas" de jogo. São tendências e modas, que depois de umas séries de resultados menos boas fazem alguns treinadores acordarem para a realidade.

Eu adoro Hernandez, é dos poucos avançados puros que me entusiasma grandemente, e concordo em aboluto consigo quando diz que ele poderia ser titular de caras em quase todas as equipas do mundo.

Há uns tempos foi falado o interesse do Arsenal em contratá-lo. Acho que seria uma excelente aposta, contudo parece-me que seja muito improvável que se venha a realizar.

Dzeko, tal como disse foi quase um "Deus" saído do banco o ano passado. Se não fossem os seus golos tardios o ano passado, dificilmente o City tinha ganho a Premier.Aaliás, faz-me muita confusão como é que Mancini continua a comandar esta equipa.

Abraço.


De Miguel Lourenço Pereira a 15 de Novembro de 2012 às 13:02
JV,

Um gosto de todos os sistemas porque consigo encontrar em cada um deles algo que apreciar e que não vejo nos outros. O falso 9 é tão antigo que me surpreende como ainda há pessoas que acreditam que é uma invenção do futebol moderno. Foi-o, do futebol do pós-guerra, ao mesmo tempo que o lateral ofensivo ou o criativo.

Acho que há espaço para equipas jogarem com um nove fixo e equipas que apostam no falso nove, porque no fundo o sistema adapta-se tão bem aos planteis como estes se podem forjar com um sistema em mente. Hernandez e Dzeko são exemplos de joadores que revolucionam um sistema com a sua capacidade individual. Não vejo nem o Utd nem o City mudarem a sua forma de jogar para que tenham mais minutos, mas a sua aportação é evidentemente significativa de que há diversas formas de chegar ao golo.

um abraço


De JV a 15 de Novembro de 2012 às 14:34
Não tinha ideia que a posição de falso 9 era assim tão antiga. Tenho apenas 21 anos, e não sou um conhecedor profundo da táctica mais remota do futebol. Pelo que segui a sua sugestão e comprei o livro Inverting The Pyramid: The History Of Football Tactics. Infelizmente ainda não tive oportunidade de o ler.

No entanto acredito que a posição desempenhada durante essa época é forçosamente diferente do que a que hoje é feita por Messi, nem que seja pela evolução natural do jogo. Por isso mesmo, o meu comentário referia-se precisamente ao contexto mais actual.

E é claro que eu também gosto de particularidades de cada um dos sistemas, mas o giro disto tudo é tentar retirar cada uma dessas particularidades e juntá-las num só sitema que esteja de acordo com os nossos gostos e que seja mais eficaz.


De Miguel Lourenço Pereira a 15 de Novembro de 2012 às 15:17
JV,

Sem dúvida, é extremamente antiga, desde o dia em que a Hungria adoptou Hidgekuti a essa posição precisamente para conseguir o que Messi logra hoje, deixar dois jogadores centrais sem referência de marcação. Se sobem para segui-lo, abrem espaços, se ficam, permitem superioridade no meio-campo. Claro que cada jogador traz algo seu à posição e quanto melhor se é, mais evidente é a sua influência e aí Messi responde como poucos. Essa adaptação, realizada por Guardiola, fecha as portas a qualquer avançado em Can Barça mas em troca dá ao argentino a possibilidade de atingir registos goleadores impossíveis para quem cresceu a jogar mais encostado a uma banda. A posição de falso nove nasce para oferecer golos aos restantes elementos do ataque. Com Messi dá-lhe mais golos a ele do que a qualquer outro. Essa metamorfose é digna de ter em consideração mas inimitável na maioria dos casos.

um abraço

PS: Boa leitura, vale bem a pena!


De 13 a 15 de Novembro de 2012 às 11:06
E tanto uma como outra equipa não irão ganhar a Champions (o City nem vai passar a fase dr grupos) e será uma equipa a jogar com um falso avançado (ou seja Real ou Barça) a ganhá-la.

É óbvio que o falso 9 não vai ser o futuro. Mas não vai porque para se usar um falso 9 é preciso ter um grande jogador e ser um grande treinador.
Os "Jaimes Pachecos" jogam sempre com avançados fixos, não sabem ensiná-los a participar nas outras fases do jogo.


De Miguel Lourenço Pereira a 15 de Novembro de 2012 às 13:05
13,

O falso nove foi o passado da mesma forma que será o futuro, existirá e co-existirá com todos os outros modelos de avançado. O Real Madrid joga com um avançado móvel, que não é o mesmo que falso 9, porque nem Benzema nem Higuain se mexem como uma peça livre no esquema ofensivo. Movem-se de posições, descaem para as alas, mas não mergulham no meio-campo como o fez Hidgekuti ou faz Messi. Confundir o falso 9 com o avançado móvel, que é o modelo do United, do City, do Madrid, do Dortmund, do Milan, do Chelsea, é um dos problemas por detrás desta diabrite mediática.

Pensar, no entanto, que os "jaime pachecos", em tom depreciativo naturalmente, só utilizam avançados fixos é o exemplo de como há posições e jogadores marginalizados por determinadas vertentes que teimam em condená-los à extinção. E é isso que me dá pena, porque a história está repleta de grandes equipas que jogaram com avançados fixos, por muito que a memória às vezes só sirva para o que interessa.


De 13 a 16 de Novembro de 2012 às 09:29
Há uma série de grandes equipas que jogavam em tácticas que hoje em dia não fazem sentido.
O futebol evoluiu, o falso 9 é evolução, as equipas que ficaram agarradas ao passado são indubitavelmente mais fracas.

P.S. Benzema e Higuaín não jogam da mesma forma, nem na mesma posição.


De Miguel Lourenço Pereira a 16 de Novembro de 2012 às 11:29
13,

Naturalmente que não, mas o falso 9 não é só a evolução, é o reaproveitamento de um modelo que tem 60 anos, o que só nos leva a pensar que existem outros elementos utilizados com sucesso no passado que podem ser reciclados para o futebol moderno.

PS: Naturalmente que não, são jogadores muito distintos, mas nenhum deles é um falso número 9!


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO