Terça-feira, 30 de Outubro de 2012

Tito Vilanova tinha o peso da herança sobre os ombros e decidiu-se pelo caminho mais difícil. Abdicou de muitos dos conceitos do seu antecessor e companheiro, Pep Guardiola, e apresentou uma colecção 2012/13 com um traço seu, sem perder com isso a essência real do modelo Barcelona que remonta às ideias de Laureano Ruiz e aos ensinamentos de Johan Cruyff. É com o holandês que Vilanova mais se quer parecer e é graças a essa verticalidade que o Barcelona tem assinado um arranque de época excepcional ao mesmo tempo que apresenta mais dúvidas que nunca no seu sector defensivo, fundamental na estratégia de Guardiola.

 

Quando Cruyff decidiu implementar o 3-4-3 da escola holandesa fê-lo segundo a velha ideia de Rinus Michels que defendia que uma equipa pode sofrer três golos, sempre e quando seja capaz de marcar quatro. Esse ideário futebolístico holandês permanece nos dias de hoje na Eredevise e foi santo e senha do Dream Team, uma equipa super-ofensiva capaz de sofrer cinco golos em viagens a Logroño, Tenerife ou Corunha mas sempre com a capacidade de responder sempre com mais um golo. Eram os dias de bolas largas, pelo ar, de Guardiola a rasgar para Romário, com Laudrup a mover-se como Messi, solto no ataque, e a defesa adiantada, consciente da sua fragilidade, até porque Zubizarreta não era um guarda-redes à Valdés, com essa capacidade notável de incorporar-se ao jogo como um falso libero. Vilanova não conseguiu ter lugar nessa equipa como jogador - foi descartado por Cruyff quando ainda estava na Masia - mas isso não significa que tenha perdido essa influência como técnico.

Onde Guardiola premiava o passe, a posse de bole, os rondos, esse "tiki-taka" revisitado da herança centro-europeia, Tito prefere a verticalidade cruyffiana. Onde Pep centrava o jogo nos homens do meio, nas centenas de passes de Xavi Hernandez para os defesas laterais, que se incorporavam ao miolo, com um Messi muito recuado, de forma a criar, em certos momentos, uma linha de seis num espaço extremamente reduzido do coração do relvado, Vilanova gosta de transições onde os passes sejam orientados sempre para a frente, para procurar o golo. Vilanova não quer que a equipa tenha a bola tanto tempo mas sim que faça da posse de bola o caminho mais rápido para o golo. As possessões deixaram de ser uma protecção para ser uma arma. Xavi já não dá 200 passes por jogo com a mesma facilidade. Em Vallecas, na goleada por 0-5 do último fim-de-semana, deu apenas 64. E no entanto todos eles tiveram sentido, um sentido ofensivo num modelo onde ele deixou de ser o protagonista. Vilanova treinou Cesc e Messi (e Pique) nos juvenis e é neles, nessa geração de 1987, que coloca o peso da equipa. Iniesta e Xavi, os homens de confiança de Guardiola, os seus herdeiros, continuam a ser fundamentais - como não podiam ser - mas já não são a espinha dorsal do jogo ofensivo da equipa, hoje distribuído entre Cesc, Pedro e Messi, um tridente mais dinâmico, veloz e orientado para a baliza contrária. 

 

Vilanova deparou-se com uma defesa de remendos. 

Tem culpa o clube de não ir ao mercado procurar um defesa quando está disposto a gastar uma fortuna num médio com Song, tapado pelo gigantesco futebolista que é Busquets, especialmente tendo consciência que Puyol fisicamente não é o mesmo e que o grande Abidal, que como central é tão competente como lateral, terá um regresso complicado à alta competição. O carácter mais volátil de Gerard Piqué, que perdeu muito do seu talento inicial quando chegou a Can Barça em motivos extra-futebolisticos, transformou essa realidade defensiva num problema. Dani Alves, que Guardiola quis vender (junto com Cesc, Villa e Pique) caso tivesse ficado ao cargo do clube, perde-se entre lesões musculares e noites que terminam já entrada a manhã pela costa catalã. 

Sendo assim, Tito mais motivos encontrou para recuperar o ideário de Cruyff que sabia ter, já então, na defesa, o seu calcanhar de Aquiles. Adriano, Bartra, Mascherano e Song têm sido os centrais utilizados, todos eles com um comportamento que não está à altura da grandeza da equipa. Os quatro golos sofridos na Corunha, a fragilidade defensiva contra um Real Madrid inofensivo e a forma como equipas como o Celtic conseguem fazer sangue das poucas oportunidades que dispõem seriam um problema que a outro treinador dariam múltiplas dores de cabeça. Mas Vilanova é consciente de que não pode remediar essa realidade sem a sua defesa tipo e que é provável que ao longo do ano o quarteto guardiolano Alves-Pique-Puyol-Abidal não jogue nunca ao mesmo tempo. Por isso coloca todas as fichas nos seus homens de confiança. Nos que usam a bola para marcar e não só para controlar.

A equipa é muito mais ofensiva e vertical mas durante menos tempo. Se com Guardiola a posse de bola chegava, habitualmente, aos 80%, e prolongava-se durante quase todo o jogo, sem grandes variações, o Tito Team é mais volátil e concentra-se em momentos pontuais do jogo a sacar petróleo da qualidade individual do seu plantel ofensivo. Não estranha que a maioria dos golos catalães cheguem nos últimos vinte minutos, nos últimos suspiros como sofreram na pele os jogadores do Celtic Glasgow. A equipa não só não desiste como utiliza esse tornado ofensivo para atacar o rival quando o sente mais débil. É uma equipa mais ofensiva mas, ao mesmo tempo, mais cínica, porque escolhe os momentos em que ataca com mais cuidado e de forma mais declarada. Com Guardiola era impossível pensar que o Barcelona não estava a atacar, mesmo que esse ataque fosse simplesmente um espelho de uma situação controlada com toques de bola que deixavam o rival k.o. Com Vilanova há momentos do jogo em que a bola desaparece dos pés dos blaugranas e os rivais têm as suas opções, aproveitando-as mais do que seria de esperar. Mas são momentos concedidos à consciência, momentos que se revelam insignificantes comparados com os período em que o Barcelona decide cercar a área rival e deixar Messi aumentar a sua lenda goleadora. O Barcelona sofre mais com Tito e por isso marca mais. Tem de o fazer. Se não, corre o risco de cair nos erros que marcaram o final da era Cruyff, quando os golos sofridos se mantiveram nos mesmos valores mas os marcados decresceram grandemente.

 

Vilanova sabe que será incapaz de construir uma equipa tão sólida como Guardiola. Pep tinha o seu núcleo no meio-campo, no trio Xavi-Busquets-Iniesta, e na qualidade da sua linha defensiva que quase nunca concedida opções aos rivais para marcar. Nos seus últimos dois anos a equipa marcou muito mas sofreu ainda menos e foi assim que em muitos campos saiu com vitórias pela mínima mas sempre debaixo de controlo. Tito prefere a voragem vertical incerta de jogar um combate de boxe a golpes. Sabe-se possuidor de uma série de jogadores capazes de decidir qualquer jogo a seu favor e aposta tudo nisso. Uma lesão de Messi, Cesc ou Pedro colocaria em cheque o seu modelo de jogo mas a sorte parece estar do lado dos blaugranas e os problemas repetem-se, sim, mas atrás. De certa forma, ao aproximar-se de Cruyff, o que Vilanova faz é fechar o circulo do guardiolismo, um modelo inovador que procurou ir mais longe das ideias do seu mestre e procurar algo novo e actual. Vilanova não descarta totalmente a herança do seu anterior número 1 mas regressa às origens e repete a ideia de Cruyff, vencedor de três ligas no último suspiro, que a sorte procura-se à base de golos e não de posse de bole.



Miguel Lourenço Pereira às 12:22 | link do post | comentar

9 comentários:
De Victor Hugo a 30 de Outubro de 2012 às 17:02
Realmente, lendo seu texto agora percebi esta semelhança de Tito com Cruijff.
O Barcelona de Tito é mais ofensivo, mais inconseqüente, mais intenso que o de Pep, mas não é superior. Saber defender também é um mérito, e Guardiola foi perito nisso, sem contar que o time também vencia assim.


De Miguel Lourenço Pereira a 30 de Outubro de 2012 às 17:30
Victor Hugo,

Sem dúvida. Este Tito Team aproxima-se mais às origens enquanto o Barcelona de Guardiola se defendia com bola este concede mais tempo de posse aos rivais (com o Rayo chegou a estar 50% cada) e é mais eficaz e letal.

um abraço


De Victor Hugo a 30 de Outubro de 2012 às 18:18
Porém, pra quem gosta de um futebol mais bonito e ofensivo, este Barcelona de Vilanova é um prato cheio, junto com a Roma de Zeman.

Um abraço!


De Victor Hugo a 30 de Outubro de 2012 às 18:22
Porém, pra quem gosta desse futebol ofensivo e saudosista o Barça de Vilanova é um prato cheio, junto com a Roma de Zeman.

Um abraço!


De Victor Hugo a 30 de Outubro de 2012 às 18:25
Perdão. Tentei reformular meu comentário mas o primeiro também saiu, embora sejam quase iguais.

Abraço!


De Victor Hugo a 30 de Outubro de 2012 às 18:29
Perdão. Tentei reformular meu comentário mas o primeiro também saiu, embora sejam quase iguais. Só que percebo mais saudosismo que beleza no futebol de Tito e principalmente no de Zeman.

Um abraço!


De Miguel Lourenço Pereira a 30 de Outubro de 2012 às 19:13
Victor Hugo,

Sem dúvida, boa comparação.

um abraço


De JV a 31 de Outubro de 2012 às 11:22
Curiosa a sua explicação em relação a algumas diferenças entre Guardiola e Vilanova. Não sei se foi realmente por ter uma defesa remendada a razão de apostar muito mais na verticalidade e nas pedras ofesivas do seu jogo, mas confesso que faz sentido.

Sinceramente e enquanto adepto do Barça, apesar de me agradar bastante este acréscimo da verticalidade, discordo do abuso de passes longos que têm vindo a ser praticados, e consequntemente do défice de solidez defensiva que tem sido recentemente apresentado. E desagrada-me ainda mais que estes passes sejam feitos sucessivamente por Mascherano, que tem erros gravíssimos a nível defensivo. Não tenho dúvidas nenhumas que é o argentino quem expõe a equipa a maior quantidade de perigos, muitas vezes de forma completamente incompreensível.

Com estas mudanças de jogo, pode aparecer finalmente um jogador que foi contratado por um valor bastante signifcativo e que ainda não rendeu o esperado, Alexis Sanchez.

De resto apreciei muito o seu elogio ao Busquets, porque raramente é elogiado. Algo que não consigo perceber, pois é um jogador tremendo. Uma cultura táctica perfeita, e uma frieza assombrosa para aplicar a sua extrordinária técnica em momentos em que outros simplesmente aliviariam a bola o mais rapidamente possível.


De Miguel Lourenço Pereira a 31 de Outubro de 2012 às 11:31
JV,

Busquets é, provavelmente, o melhor jogador a surgir na sua posição em largos, largos anos. Um posicionamento e leitura de jogo tremendos, sem ele tanto o Barcelona como a selecção espanhola sofrem, e muito. Tem atitudes, extra-tácticas, que lhe condenam, como a outros jogadores, mas futebolisticas tinha de estar em todos os tops possíveis e imaginários.

Quanto a este Barça, a verdade é que a defesa de remendos pode contribuir mas Tito sabe que dificilmente terá a mesma linha defensiva que teve Pep. O estado emocional de Alves e físico de Puyol são de dificil alteração e Pique não é o autoritário central que foi com Guardiola, mesmo quando fisicamente está bem. A aposta num lateral de projecção ofensiva como Alba (sabendo talvez que Alves sairá mais cedo do que tarde) apenas inverte o sentido vertical da linha defensiva. Mas onde Guardiola queria uma linha defensiva que se juntasse ao colectivo e defendesse com a bola, Tito está disposto a abrir espaços e deixar respirar os jogadores de uma pressão tão alta e tão constante, sendo consciente que o poderio ofensivo que tem, na esmagadora maioria dos jogos, resolverá muitos problemas. Até agora os resultados dão-lhe toda a razão mas, futebolisticamente, o desvio do guardiolismo é evidente.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO