Sexta-feira, 26 de Outubro de 2012

A exibição de autoridade do Shakhtar Donetsk frente aos campeões da Europa é a prova definitiva de que na Ucrânia se começa a acreditar que o clube laranja está cada vez mais próximo da elite continental. Depois de um arranque de época memorável, Mircea Lucescu encontrou a fórmula certa para emendar os erros da temporada passada na Europa. Este Shakhtar não só será responsável pela eliminação precoce de um favorito (Juventus ou Chelsea) mas também um candidato a surpresa da época nos palcos europeus.

 

Sem Jadson, muitos perspectivavam, este Shakhtar seria menos Shakhtar. 

Afinal, o jogador brasileiro tinha sido alma e arte durante os últimos anos, protagonista absoluto das grandes noites dos homens de Lucescu e responsável dos seus piores resultados. Quando Jadson não aparecia, a equipa sofria demasiado. Agora, sem ele definitivamente, decido a provar em São Paulo a Mano Menezes que merece ir ao Mundial, os homens de laranja jogam como nunca. 

Lucescu encontrou no seu 4-2-3-1 o equilíbrio necessário para criar uma equipa fiável a todos os níveis. As exibições internas não permitem avaliar o potencial real do clube. Em nono lugar no ranking UEFA, a liga ucraniana é uma competição pouco competitiva, dominada de uma forma ditatorial pelos jogadores de Donetsk na última década com relativa facilidade. Nem Dnierp, Kharkiv ou Metalurg têm conseguido dar o salto, de forma definitiva. E quanto ao Dynamo Kiev, em constante metamorfose, joga cada vez mais o nome do que que qualidade de onze com muitos talentos individuais mas pouca coesão colectiva. A derrota por 4-1 no duelo entre ambos deixou claro as diferenças. O Shakhtar disputou doze jornadas da liga. Venceu as doze. Tem doze pontos de avanço do segundo classificado e cada vez mais corre na imprensa local a anedota que só faltaria o clube ser campeão...a doze jornadas do fim, tal é a superioridade.

Mas a Europa continua a ser o problema, a afirmação definitiva de um clube que venceu a Europe League com autoridade, em 2009, mas que na Champions nunca logrou passar dos Quartos de Final. Frente ao Tottenham, primeiro, e na passada época num grupo surpreendente em que acabou no último lugar, depois de perder em casa com o FC Porto, as desilusões têm sido, de certa forma, o motor para Lucescu procurar renovar-se de forma constante. A derrota com os dragões foi a última em casa desde então. E o Chelsea sofreu na pele essa autoridade com que os homens de Donetsk encaram cada jogo diante dos seus.

 

Lucescu entregou ao arménio Mkhitarayan a batuta da equipa e este deu o passo em frente que o confirma como um dos melhores jogadores do continente europeu.

Aos 23 anos já ninguém duvida do seu tremendo potencial. Com Jadson no onze nunca encontrou o seu lugar. Actuava de interior e perdia a liberdade criativa que fez dele uma promessa aos 17 anos na liga arménia e chamou a atenção de vários olheiros europeus. A sua liderança no ataque é evidente e fundamental. Contra a Juventus superou Pirlo com facilidade no mano a mano que mantiveram pela posse de bola. Na última terça-feira deixou a Juan Mata, um dos protagonistas indiscutíveis do ano até ao momento, em má figura. O jogo foi dele. Deu e recebeu, distribuiu e rematou. Não fosse a exibição memorável de Petr Cech e a vitória podia ter sido maior, muito maior. E justa.

Com o arménio na posição 10, Lucescu fez rodar as tropas brasileiras que dão ao Shakhtar a criatividade absoluta que os transforma numa equipa diferente. Fernandinho foi gigantesco na ponte entre o ataque a defesa, deixando a Hubchsmann as tarefas mais defensivas, tapando as subidas constantes dos laterais, o incombustível Srna pela direita e o ucraniano Rat pela esquerda. No baile ofensivo, Mkhitarayan trocava de posição constantemente com o talento genuíno de um Willian que grita por reconhecimento internacional e Alex Teixeira, a enésima descoberta dos olheiros ucranianos, sempre hábeis a recrutar as surpresas que despontam no futebol brasileiro. Na frente, Luiz Adriano actuava como um nove capaz de jogar de costas para a baliza, movendo-se entre linhas, trocando posições com os colegas, destroçando uma defesa onde Ivanovic, Terry e Cole sofrem cada vez mais com rivais móveis, como se viu com o Atlético de Madrid na Supertaça Europeia.

Esse circulo rotativo de jogadores, que engoliam Obi Mikel e Lampard (Óscar depois), foi a grande arma da vitória ucraniana que com este triunfo se consagra como o grande favorito a carimbar primeiro o apuramento para a próxima fase. Sete pontos, aos quais se pode juntar uma vitória na Dinamarca, a chegar a dez, habitualmente os necessários para seguir em frente. Os 3 da Juventus, incapaz de vencer, e os 4 do Chelsea, parecem já distantes nestas contas e agora a ambição de Lucescu é dar definitivamente o salto. Por qualidade futebolística o Shakhtar é, actualmente, uma das oito equipas do futebol europeu. Com um banco de suplentes que inclui a Ilsinho, Eduardo, Devic, Dentinho, Douglas Costa, Gai e Chygrinski, a ambição é legitima.


A vitória do Shakhtar também deixou evidente que, apesar do brilhante inicio de temporada do Chelsea na Premier League, vencendo com autoridade os rivais que se lhe atravessam pelo caminho, é uma equipa em processo de reconstrução. A equipa ainda está incomoda a ter a iniciativa de jogo e a atacar para dar a volta ao marcador contra rivais que dominam muito melhor os distintos processos de jogo. O génio de Hazard, Mata, Óscar e Ramires é evidente da mesma forma que Torres continua a ser um handicaap, mais do que uma solução, mas o que Di Matteo terá de fazer é garantir uma maior autoridade com a bola nos pés ao mesmo tempo que mantém a solidez defensiva que se tornou trademark do clube e ajudou a vencer, definitivamente, a Champions que Abramovich tanto queria. A mesma com que sonham em Donetsk, um sonho ambicioso mas não tão irreal como se possa imaginar. 



Miguel Lourenço Pereira às 11:23 | link do post | comentar

2 comentários:
De Victor Hugo a 26 de Outubro de 2012 às 19:07
Não acho que o Shakhtar irá chegar a semi ou a final, por exemplo. É um time em evolução, mas ainda muito distante dos gigantes europeus. Será uma surpresa, mas não uma realidade. E nem como surpresa será o único. Ainda há o Málaga e até o Bate Borisov.
Mkhitarayan já é internacional pela Armênia?


De Miguel Lourenço Pereira a 26 de Outubro de 2012 às 20:55
Creio que o Shaktar já está há alguns anos no top europeu, mas a má performance no ano passado na Champions baixou um pouco a sua cotação no mercado. Há dois anos só foi derrotado pelo excelente Tottenham e antes bateu o Sevilla num duelo intenso e caiu com o Barcelona, algo quase inevitável, mas não sem dar luta.

Naturalmente que há quatro ou seis equipas que, em teoria, estão à frente do Shaktar: Real, Barcelona, Manchester United, Bayern Munchen e Borusia Dortmund. O sexto em discórdia, o Chelsea, não soube lidar com eles e o hipotético sétimo, a Juve, empatou com sorte, muita sorte, onde os ucranianos foram muito superiores.

Com um bom sorteio é perfeitamente factível que o Shaktar chegue até aos Quartos de Final. O Málaga também está a dar muito boa imagem e tem potencial de crescimento, mas o BATE não acredito que se apure sequer.

E sim, o Mkhitarayan é o líder da Arménia que quase eliminou a Irlanda do Euro2012.


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO