Domingo, 30 de Setembro de 2012

O arranque da era Vilanova tem superado as expectativas a nível de resultados mas a qualidade de jogo blaugrana baixou claramente em relação aos quatro anos com Guardiola ao leme do clube. A essa realidade, que pouco parece preocupar os eufóricos catalães, contribui seguramente o desastre defensivo em que se transformou o projecto Tito. Apostar por dois médios defensivos como centrais não só destroi a concepção original do modelo como abre as portas a que os rivais acreditem que asfixiar a área de Valdés é o caminho mais curto para a vitória.

 

O projecto Guardiola consagrou-se na fantástica linha medular e ganhou títulos graças à classe de Valdés nas redes e de Messi na área contrária. 

Mas para o técnico de Santpedor o trabalho defensivo era fundamental para garantir vitórias e por isso a sua confiança no quarteto Alves-Puyol-Pique-Abidal foi uma constante. Para azar do técnico blaugrana, esse foi também o sector que mais dores de cabeça lhe deu em quatro anos. E o seu sucessor vive agora a mesma situação.

Com Eric Abidal fora dos relvados até 2013, como mínimo, e com Charles Puyol a sucumbir lesão atrás de lesão a um físico que não lhe permite voltar aos seus melhores momentos, Guardiola já teve de adaptar Mascherano a central e recolocar Adriano como lateral alternativo. Foram opções forçadas com fracos resultados. Com o Jefecito, a defesa blaugrana ficou mais permeável ao jogo rival, mais débil no jogo áereo e menos sólida na construção de jogo. Com Adriano pela esquerda os extremos encontraram espaços que não existiam quando era o francês o responsável pela posição. Duas circunstâncias que explicam a fragilidade defensiva do Barça, principalmente na época transacta. E que continua.

Resulta estranho que, face a esta dura realidade, o Barcelona não se tenha movido no mercado nos últimos dois anos para resolver este problema. 

Jordi Alba chegou, é certo, mas o ex-canterano é um lateral com vocação de extremo, tal como Alves, e a sua incorporação permite mais aumentar a asfixia ofensiva do que resolver os problemas defensivos dos catalães. Já no Euro 2012, onde foi uma das maiores revelações, Alba foi pouco testado nas tarefas defensivas e encontrou no ataque uma comodidade inusual para um lateral. O cansaço acumulado pelo Europeu e Jogos Olimpicos custaram-lhe a titularidade neste arranque de época apesar de ser expectável que, pouco a pouco, Vilanova lhe entregue o flanco esquerdo livremente. Mas no centro, nem no último ano de Pep nem no primeiro de Tito, não houve novidades. Um desleixo, sabendo sobretudo que Puyol já não é o que era e que Piqué, como se viu no ano passado, tem sofrido por manter-se ao mais alto nível como um dos centrais referência do futebol europeu.

 

Entretanto foram saindo opções. 

Muniesa tinha prevista a cedência ao Ajax antes da grave lesão que sofreu e que o manterá fora dos relvados até ao próximo ano. Botía foi cedido, primeiro ao Gijón, e depois vendido acabando em Sevilla. E a Marc Bartra, as oportunidades continuam a ser negadas ano atrás ano, deixando a dúvida de que o clube realmente acredita que ele pode ser, como se previa, o sucessor de Puyol na linha defensiva. 

Face aos erros de mercado que foram Henrique e Chygrinski, o sector central da defesa tornou-se no grande quebra cabeças do Barcelona que no mercado manteve-se inactivo apesar de Vermaleen, Verthogen, Criscito e até Vidic terem sido hipóteses estudadas pelo clube. No final os esforços financeiros ficaram-se por Alba e Song. A chegada do camaronês permite aumentar, ainda mais, os receios e dúvidas dos adeptos blaugranas. 

O ex-Arsenal afirmou-se sempre pela sua posição de médio defensivo, com uma capacidade fisica tremenda e capacidade de cobertura superlativa, dando a Diaby, Cesc, Whilshere ou Arteta, espaço e ar para poder manejar a bola com segurança. Um jogador com o perfil africano de médio possante bem definido que Vilanova quer, forçosamente, face à lesão de Piqué, reconverter em central. Uma posição onde, está claro, se maneja com muitos, muitos problemas. Da mesma forma que Mascherano é um central perigoso, pela forma como não sabe controlar o jogo aéreo e sair com a bola controlada, elementos fulcrais no modelo de jogo de Tito e da escola guardiolista, colocá-lo lado a lado com um jogador com sérios problemas de adaptação a um posto nuclear é um risco muito sério que só uma equipa com o arsenal ofensivo do Barcelona seria capaz de realizar sem temer as repercursões. 

Para já o clube da cidade Condal soma vitórias por jogos disputados mas a maioria delas sofridas. E com golos concedidos que em anos anteriores seriam impossíveis. Frente ao Sevilla o Barcelona encontrou-se a perder 2-0 em dois lances em que a defesa tem sérias responsabilidades. O mesmo passou nos jogos da Supertaça, com o Real Madrid. E mesmo nas vitórias mais claras e expressivas a defesa nunca deu sinais de absoluta segurança. Sem a frieza de Piqué, que continua longe da sua melhor forma, e do espirito de liderança de Puyol, o Barcelona encontra-se com um problema que não soube resolver no mercado e que tem falhado em resolver no relvado. Na próxima semana o Clássico abre as portas à especulação, particulamrnete porque foi a linha defensiva a que permitiu a reviravolta na eliminatória que terminou com a Supertaça a cair para o lado do Real Madrid na última vez que mediram forças.

 

Para um clube que conta com o melhor plantel ofensivo do mundo, com jogadores no meio-campo que ajudam a redifinir o conceito do futebol moderno, que a linha defensiva seja a actual é um problema sério para o futuro. A época é longa e haverá jogos onde os génios do ataque estejam menos inspirados e que o rival seja mais ousado, como foi o Sevilla no primeiro tempo do duelo de ontem. Nesses momentos a frieza dos defesas será fundamental e com Mascherano e Song o cenário não é o mais optimista. Será o grande duelo de Vilanova consigo mesmo, encontrar as peças do puzzle para reequilibrar uma equipa que aspira a mais um ano histórico.



Miguel Lourenço Pereira às 10:43 | link do post | comentar

6 comentários:
De JV a 1 de Outubro de 2012 às 10:30
Sendo adepto do barcelona, custa-me ainda mais a perceber porque é que na época de transferências não foi contratado nenhum central. Toda a gente sabia que esta seria a zona de maiores preocupações ao longo da época. Sempre defendi Verthogen como uma solução fantástica para este problema, e a um preço bastante razoável.

Mascherano com a sua garra e entrega ao jogo consegue enganar os adeptos menos atentos, mas a verdade é que este tem falhas muito graves nas abordagens defensivas, parecendo mesmo que só tem olhos para a bola e esqucendo-se do posisiconamento defensivo da restante linha da rectaguarda.

Em relação a Song, é absolutamente normal as suas prestações a central dada a pouca quantidade de jogos ainda realizados.

Também concordo que este tem sido o Barcelona mais fraco em termos de qualidade de jogo. Demasiada inistência nos passes longos, pouca movimentação entrelinhas, jogadores muito estáticos na frente de ataque.
Apesar disto, o jogo com o Sevliha já foi bem mais conseguido nestes aspectos.
Só espero que para bem do futebol, a equipa volte ao super-nivel que apresentou nos ultimos anos.

abraço


De Miguel Lourenço Pereira a 1 de Outubro de 2012 às 13:24
JV,

Sem dúvida. Os resultados têm escondido um sério problema de fio de jogo que se tem notado desde a Supertaça com o Real Madrid.

No arranque da temporada o efeito Messi foi suficiente para ganhar um colchão pontual entregue de bandeja pela tristeza que impera num Real Madrid auto-destructivo, nos últimos dois jogos foi esse espirito e determinação de vencer que superou as adversidades. Mas em ambos casos a facilidade de criar e dominar o jogo dos últimos anos não se viu salvo em momentos muito pontuais.

Quanto aos centrais, é sem dúvida inexplicável tendo em conta que para Vilanova não há ninguém na formação que cumpra com os requisitos de subir à primeira equipa como parece evidente com a exclusão de Bartra e o empréstimo previsto de Muniesa. O regresso de Puyol ajudará, certamente, mas não chega porque o seu fisicio não está para aguentar um ano inteiro.

um abraço


De Victor Hugo a 1 de Outubro de 2012 às 23:37
É irônico mas o próprio Guardiola tem um pouco de culpa nisso.
Com as freqüentes lesões de Puyol na última temporada e a queda de rendimento de Piqué, Pep preferiu improvisar Mascherano, Busquets e até Keitá em raros momentos ao invés de dar chance aos canteranos, principalmente em jogos menos importantes, os entrosando aos poucos com o time. Foi assim com Puyol e o resultado todos sabemos o quão positivo foi.
O problema é que Guardiola sempre quis zagueiros que soubessem sair jogando, e afirmou preferir improvisar volantes do que escalar zagueiros que não se adequassem a filosofia do clube.
E o que temos? Um Barcelona com fragilidades defensivas que não víamos há muito tempo, canteranos como Bartra, Montoya e Fontás passando dos 21, 22 anos e ainda não se firmando no time principal porque não tem chances, pois a diretoria prefere comprar volantes para serem falsos zagueiros que sabem tocar mas não sabem defender, laterais que são muito mais alas e wingers do que laterais. Aos poucos o Barcelona esquece sua base e começa a investir com neurose numa filosofia que pode estar desmoronando aos poucos por suas próprias conseqüências.


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Outubro de 2012 às 13:03
Victor Hugo,

Sem dúvida, a confiança na cantera do Barcelona funciona nos sectores medulares e pouco no ataque e no centro da defesa. Por um lado Bojan é o único avançado da cantera a ter minutos na era Guardiola (e poucos face à sua utilização com Rijkaard) e na defesa nem Fontás, nem Botia, nem Bartra convenceram Guardiola e Vilanova.

Montoya teve minutos e tem potencial (é já internacional A) e Alba foi "repescado" mas a falta de confiança na cantera aliada à falta de dinheiro para investir, fez com que o staff técnico apostasse mais pelo ataque, seguindo a velha filosofia de que a melhor defesa é o ataque. Mas em jogos mais duros, com o estado fisico de Puyol e mental de Piqué, isso pode ser um risco.


De Victor Hugo a 2 de Outubro de 2012 às 17:07
Miguel Lourenço Pereira

É verdade mesmo que os setores de meio da base são mais valorizados, e também o que menos há erros de percurso (Fábregas, claro, é uma exceção).
No entanto, pela falta de investimento, como você bem disse, o ataque vem sendo bem mais valorizado que antes. Messi, dos Santos e Bojan (duas eternas promessas), e mais recentemente Cuenca, Tello e Deulofeu, vários canteranos vem tendo chance nos últimos anos, mais do que no meio, onde apenas Alcântara parece ter se firmado, além, é claro, do operário Busquets. Seria um efeito Messi? Ou a culpa é da genialidade dos inquestionáveis e intocáveis Xavi e Iniesta, mais a sombra de Fábregas?


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Outubro de 2012 às 19:39
Victor Hugo,

Naturalmente no Barcelona há um intocável e esse é Messi. Enquanto no miolo Xavi, Iniesta, Fabregas, Thiago vão rotando e Busquets joga com maior regularidade, o posto de avançado sempre é exclusivo de Messi e obriga a um overbooking nos extremos entre Alexis, Pedro e Villa, sendo que o chileno e Villa funcionariam melhor no meio do que na ala. Isso faz com que os Tello, Cuenca, Deulofeu, Rafinha tenham poucos minutos para exibir-se e todos os que surjam no miolo do ataque, nenhuma.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO