Domingo, 19 de Agosto de 2012

O futebol inglês encerrou esta semana um ciclo de 15 anos da sua história. Um ponto final surpreende, pelo simbolismo, mas evidente pela forma como a competição se foi adaptando a uma nova realidade de novo-riquismo que domina a elite da Premier League. A mudança de Robbie van Persie de Londres para Manchester não é apenas uma das transferências do ano. É a primeira mudança de um jogador do Arsenal para o Man United em 25 anos. É a transferência que termina, oficialmente, com uma época em que os gunners olhavam de igual para igual aos red devils. Durante quinze anos dividiram o protagonismo da prova. Agora competem em universos distintos.

 

Alex Ferguson voltou a levar a melhor sobre Arsene Wenger. Mas a vitória tem agora um sabor diferente. 

O francês já não é o seu rival. Já não é o alvo a abater, já não está nas principais da Bwin para o título. E já não é a sua principal preocupação. Quando Wenger chegou a Highbury Park da liga japonesa, em 1996, o Manchester United de Ferguson estava a consolidar o seu dominio na Premier League, conquistando o quarto titulo em cinco edições, apenas suplantado por uma ocasião pelo Blackburn Rovers. Nos 15 anos seguintes o único clube capaz de desafiar de forma regular os homens de Old Trafford eram liderados, precisamente, por Wenger. 

Até à chegada de Abramovich ao Chelsea, dividiram todos os títulos principais do futebol inglês. Depois do hiato de dois anos do Chelsea - liderado por José Mourinho - voltaram a ser os principais rivais na prova. Mas o dinheiro injectado pelo russo nos londrinos de Stanford Bridge e a chegada do sheik Al Mansour ao Manchester City foram acabando com o duopólio. O Big Two passou a Big Four, então com o Liverpool e mais tarde com o City a fechar o poker de clubes que podiam aspirar ao titulo da Premier. Mas sem dinheiro - devido à aposta do clube em fazer do Emirates Stadium uma nova fonte de ingressos a curto prazo - e perdendo as suas estrelas, de alguma forma Wenger conseguia estar sempre aí. O seu Arsenal nunca terminou abaixo do terceiro lugar desde a sua chegada. Nunca falhou a fase de grupos da Champions League, prova maldita para o gaulês. E nunca cedeu à tentação de render-se às investidas de Ferguson.

Wenger preferiu perder Nasri para o Manchester City, Fabregas para o Barcelona e Cole para o Chelsea antes de os vender a Ferguson. Com o escocês travou mais do que batalhas ideológicas e dialécticas. Até à chegada de Mourinho os dois monopolizaram o império mediático da Premier. Depois da saída do português afastaram-se ainda mais. Na hora da verdade Wenger confessou que tentou tudo para não perder o jogador holandês para o Manchester United. Mas desta vez não teve alternativa. E fechou-se um ciclo histórico.

 

Com Van Persie o escocês conseguiu o que queria.

Acabou com um rival directo de forma definitiva. Parece evidente que hoje o titulo inglês é questão de três, de três clubes com poderio financeiro suficiente para aguentar esta corrida ao armamento que terá, mais tarde ou mais cedo, outros danos colaterais. O Liverpool foi o primeiro e agora definha nos últimos postos europeus, depois de ter sonhado alto com Rafa Benitez. O Chelsea sofreu-o na pele e só o triunfo na Champions League despertou a vontade de Abramovich de contrariar uma tendência recente e volta a injectar sangue novo - pago a peso de ouro - no clube.  E agora o Arsenal, vitima de uma politica louvável mas que o está a afastar, progressivamente, dos títulos. O clube é o porta-estandarte do programa Fair Play da UEFA mas no terreno de jogo a sua aposta em manter uma massa salarial controlada e um gasto em transferências que não aumente o passivo do clube teve um duplo efeito negativo. Não só afastou os gunners dos títulos como levou os seus principais jogadores a procurarem o dinheiro e os troféus nos seus rivais mais directos. 

Wenger não joga num jogo limpo e sabe-o. Manter-se fiel à sua filosofia é louvável mas suicida e agora o técnico sabe que o máximo que pode aspirar é repetir a enésima presença na Champions League num duelo quente com Tottenham, Liverpool e Newcastle, equipas cujo o orçamento e gastos em transferências se equipara ao dos londrinos. A anos-luz estão os outros, os homens dos títulos.

O United tem lidado com o grave problema de resolver aos Glazer a sua própria divida e isso tem sido um grave handicaap nos últimos anos para Ferguson. A formação do clube não tem dado os frutos esperados a curto prazo, a maioria dos jogadores contratados são jovens de potencial e a necessidade de recorrer cada vez mais à velha guarda é evidente. Este defeso foi um passo fundamental para mostrar que o clube está ainda no topo. A chegada de Van Persie para unir-se no ataque com Wayne Rooney equivale em importância moral ao "roubo" de Eric Cantona ao Leeds United, então rival directo dos Red Devils na Premier. Com o japonês Kagawa a dar ao meio-campo a classe que faltava, espera-se este ano um Manchester mais agressivo, eficaz e autoritário. Uma equipa montada a longo prazo para aguentar os gastos loucos do Manchester City - que continua a ser o grande favorito - e de um Chelsea rejuvenescido a peso de ouro. 

 

Apesar das chegadas de Giroud, Cazorla e Podolski, o Arsenal sai claramente desfigurado deste negócio. Baixou oficialmente um degrau e deixou de ser uma equipa a contar na luta pelo titulo, mesmo que nos últimos anos isso tenha sido sempre uma miragem. Os próximos anos da Premier vão definir-se sobretudo à volta dos clubes com dinheiro vivo e sobreviverá aquele que melhor aguente a concorrência. O grande trabalho de Wenger será agora evitar que o Arsenal repita o exemplo do Liverpool e se mantenha a uma distância saudável do pódio, esperando algum deslize. Talvez assumindo definitivamente que a Premier é outro cantar possa o técnico finalmente focar-se na Champions League e ganhar o único troféu que lhe falta, aquele que mais tem merecido e que sempre se lhe tem escapado. O Chelsea e o Liverpool lograram-no nas horas mais baixas. Quem impede o Arsenal de seguir pelo mesmo caminho? 



Miguel Lourenço Pereira às 00:49 | link do post | comentar

2 comentários:
De Joao a 19 de Agosto de 2012 às 10:46
De inicio pensava que ia ser mais um daqueles textos previsiveis e aborrecidos acerca do poder do dinheiro e a destruicao do futebol, mas nao.

Parabens pelo texto. Muito interessante.


De Miguel Lourenço Pereira a 19 de Agosto de 2012 às 11:41
João,

Obrigado pela visita e pelas palavras.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO