Sábado, 7 de Julho de 2012

poucos desportistas feitos deste material tão humano e cristalino. Desportistas que não competem para humilhar, para superar records ou para gabar-se de isto ou aquilo. Desportistas que leva bem à letra a ideia que está por detrás de tudo isto que se chamam competir, saber ganhar e perder, sobretudo, saber ganhar. Iker Casillas é uma ave rara num mundo cada vez mais marcado pela cobiça. Apanhado pelas câmaras televisivas, o seu gesto não surpreende quem o conhece mas deixa claro que há mais do que tácticas e sorte por detrás das recentes vitórias do futebol espanhol. Há, sobretudo, um humanismo desportista que deixaria orgulho o próprio Pierre de Coubertin.

Gestos de fair play no futebol contam-se pelas mãos. 

Não falo apenas de deitar a bola fora quando um jogador está lesionado porque isso, além de hoje ser quase obrigatório, é fácil e está ao alcance de qualquer um. A grandeza mede-se por outros actos, outros gestos, outros momentos. Há episódios perdidos no tempo, dos aplausos de Eusébio a Lev Yashin à atitude de Paolo di Canio num mitico jogo com a camisola do West Ham United ao peito. Sempre os houve porque sempre houve desportistas humanos no jogo. Mas eles têm-se tornado aves raras, desconhecidos num bosque onde a cor das chuteiras e os penteados para chamar a atenção, onde a cobiça pessoal e o insulto fácil se tornaram no básico da linguagem futebolistica.

Hoje os grandes idolos de massas são bem distintos aos de há largas décadas atrás. Impera o modelo mediático juvenil, uma etapa da vida onde os conceitos humanos ainda não estão assumidos porque, na maioria das vezes, é preciso viver para entender a vida e miudos de 13 ou 18 anos sabem pouco de desporto e de existir. Para essa esmagadora maioria a fome de recordes, em prejuizo tantas vezes do colectivo, é o importante e eles querem ser Ronaldo, e querem ser Neymar e querem ser Messi, jogadores que tentam disfarçar com agências de comunicação por detrás (um melhor que outro) mas que estão nisto para alcançar a glória pessoal como Aquiles liderava os seus Mirmidões para subir ao Olimpo dos heróis. Para esses nomes, os herdeiros de Pelé e Maradona, o futebol é um duelo contra a história e tudo o que se mete pelo seu caminho é ultrapassável. São os individuos num jogo de massas, são os heróis de papel de barro, aqueles que levaram o cinismo e o pragmatismo onde antes havia um aperto de mão e uma palmada nas costas.

Gritos racistas, insultos, desprezo pelos rivais, tudo isso se vive hoje nos relvados com alarmente naturalidade. Num espaço rectângular onde Iker Casillas deve sentir mais só do que muitos se imaginam.

 

O guarda-redes espanhol é o rosto da nova Espanha.

Se é certo que a selecção espanhola chegava muitas vezes aos torneios internacionais com o papel de favorita ou surpresa, muito desse discurso vinha de dentro, da própria geração de jogadores - que não desportistas - que se esqueciam que para ganhar era preciso algo mais que talento e sorte. Faltava-lhes a humanidade, a mesma que ajudou o Brasil a ser o que é, a mesma que explica os eternos conflitos na selecção holandesa ou portuguesa, selecções onde o eu sempre falou mais alto que o nós. Espanha aprendeu a falar em "nosotros" depois de muito tempo desse asfixiante "yo" e fê-lo com uma geração que nasceu depois da complexa Transicion e que cresceu no meio de um país em mutação politica, económica e social. Sobretudo, moral.

A atitude dos jogadores espanhóis de hoje (e isso é alastrável a outras modalidades) está na base do seu sucesso. Não só a vontade de ganhar sempre, mas sobretudo a forma como procuram a vitória. A humanidade que se sente nesse grupo, desde 2008, é provavelmente um motivo de orgulho maior do que os titulos coleccionados ano após ano. Jogadores como Xabi Alonso, Andrés Iniesta, Fernando Torres, David Villa, Juan Mata, Charles Puyol e, sobretudo, Iker Casillas, são esse espelho reflexo de uma equipa que entende o futebol como um desporto genuino e que procura transmitir na idade adulta a mesma paixão e ilusão que encontramos no olhar de um miudo que chuta a primeira coisa que vê a rolar num pátio ou praça do Mundo. Casillas tem sido o capitão e lider espiritual deste projecto. Mais do que ser o melhor guarda-redes do Mundo, um titulo que divide com Gianluigi Buffon desde há anos sem fim, é sobretudo um capitão moral, sempre com uma palavra de elogio para o rival, sempre com um alerta efusivo para os colegas e sempre com um olho na glória e outro no respeito. Um jogador que não se esquece de aplaudir os adeptos que fazem milhares de quilometros, o jogador que quebra o protocolo para beijar a mulher que ama num momento de genuina naturalidade, um jogador que se nega a entrar em guerras alheias para por em questão amizades antes.

As imagens televisivas falam por si. Onde outros jogadores, outros galardoados com o Ballon D´Or, procurariam os últimos minutos de uma final, já de por si histórica, para marcar, marcar e marcar e assim aumentar a sua lenda pessoal, o seu prestigio, o seu cachet, o seu lugar no Olimpo, um jogador, mais do que isso, um lider, aproximou-se do árbitro quase irritado com o tempo de desconto anunciado e pede respeito. Respeito não para ele mas para o rival. Para uma selecção extraordinária que perdia por 4-0 e continuava aí, com dez homens, de cabeça levantada. Respeito para um país que sempre foi a sua besta negra, até 2008, e que nunca tinham vencido. Respeito para o mundo do futebol, para os milhões de italianos que seguiam o jogo pela televisão, para o seu rival Buffon, para todos nós. Casillas pedia humanidade para esse mundo futebolistico entregue ao pensamento mercenário dos grandes guerreiros e fracos homens. 

 

O gesto do capitão espanhol define-o como futebolista, como desportista e como Homem. Define o conceito de fair play num grande palco como há larguissimos anos não se via. Define a imagem do lider geracional de um projecto que ainda tem anos pela frente. Relembra o gesto de Puyol na celebração de Dani Alves e Thiago Alcântara na goleada em Vallecas. Relembra o sorriso timido de Iniesta quando o comparam com Zidane, o gesto sério de Alonso quando falam dele como maestro do Real Madrid ou a cara de Mata quando agradece a assistência de golo ao homem que defendeu durante todo o ano das criticas e que nesse momento da posteridade se lembrou que vale mais um amigo que um golo num jogo de futebol. Relembra porque é que esta selecção espanhola vale o vale, mais do que questões futebolisticas, e relembra porque é que prémios como o FIFA Ballon D´Or cada vez valem menos. Porque, chegados a Dezembro, ninguém se vai lembrar do gesto de San Iker e a maioria continuará dividida entre a luta asfixiante de golos entre Messi e Ronaldo, entre os penteados, as chuteiras, as celebrações, os gritos de "eu" num desporto que, como Casillas não nos deixa esquecer, ainda é coisa de todos "nós"...



Miguel Lourenço Pereira às 10:17 | link do post | comentar

10 comentários:
De filomeno a 7 de Julho de 2012 às 11:25
En la Historia, hay casos de caballerosidad, como cuando Eusebio, al terminar la final de la Copa de Europa de 1962 le dijo "Senhor Coluna".....¿Me puede pedir una autógrafo de Alfredo di Stéfano, vd. que lo conoce? Los jugadores rusos en el Mundial de España de 1982 que entregaban el balón en mano al rival cuando se señalaba falta contra ellos (cosa que también hacía Don Alfredo di Stéfano). Por cierto, un rival, jugando contra Don Alfredo, y ante un gol glorioso de la "Saeta Rubia" le felicitó, emocionado, besándole en la mejilla.......


De filomeno a 7 de Julho de 2012 às 11:31
Sin embargo, y discrepando del post, ni Casillas ni, menos aún, Andrés Iniesta, me inspiran esos sentimientos. Casillas defiende muy poco a José Mourinho de las continuas arremetidas que llegan de Barcelona, y el de fuentalbilla todavía no ha ido a jugar un partido benéfico por los afectados terremoto de Lorca de 2011 (cosa que si hizo Cristiano Ronaldo)..........


De filomeno a 7 de Julho de 2012 às 11:33
En los años 40 del siglo pasado, en un partido del Real Madrid, el árbitro señaló un penalty, que claramente NO ERA, a favor de los merengues. El jugador encargado de tirarlo, creo que Quesada, lo tiró, ostensiblemente fuera, como "protesta", por considerarlo INJUSTO, aunque le favorecía......


De Fernando a 7 de Julho de 2012 às 17:18
"Relembra o gesto de Puyol na celebração de Dani Alves e Pedro Rodriguez na goleada em Vallecas"

Julgo que quem celebrou o golo com o Dani Alves foi o Tiago Alcantara e não o Pedro Rodriguez


De Miguel Lourenço Pereira a 9 de Julho de 2012 às 19:29
Fernando,

Tens toda a razão, o Pedro estava presente mas não chegou a juntar-se à celebração brasileira porque Puyol chegou a tempo.

um abraço


De Tania Martins a 8 de Julho de 2012 às 17:15

O eRepublik um jogo de estratégia social gratuito que pretende simular a vida real, onde temos vários sectores, como a economia, política, meios de comunicação, actividade militar e a sociedade. Basicamente, no jogo, podes ser um grande Político, e ambicionar chegar a Presidente, podes ter um dos maiores Reinos Económicos em Portugal ou até no Mundo, e treinar-te como Soldado, e lutar pelo teu país! Junta-te Hoje e luta por nós! http://tinyurl.com/69o425l


De pt.betclic.biz a 10 de Julho de 2012 às 01:07
Adorei este post.. muito real e sentido. é bem verdade tudo o que escreveu os meus parabéns.. e ao Iker que continue a ser o profissional e Homem que é.


De Miguel Lourenço Pereira a 10 de Julho de 2012 às 01:35
Pt,

Obrigado pelo feedback.

um abraço


De filomeno a 19 de Setembro de 2012 às 18:10
"Dessa equipa só sobra iker casillas"


De mourinhista a 16 de Junho de 2013 às 21:49
Portero suplente del Real Madrid......Portero suplente de la Roja, tambien?


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO