Terça-feira, 26 de Junho de 2012

O rival de amanhã de Portugal já faz parte da história. E com todo o mérito. É campeã da Europa e do Mundo em titulo. Não perde um jogo em eliminatórias há quatro anos e pelo caminho venceu Itália, Rússia, Alemanha, Portugal e Holanda, ficando apenas por provar o seu valor contra o dueto histórico sul-americano. Mas apesar da grandeza indiscutível dos números, o estilo de Espanha é também o mais aborrecido de que há memória. Longe do tiki-taka do Barcelona, vertical e constantemente ofensivo, a equipa espanhola joga com a bola nos pés sempre para não sofrer e muito pouco para atacar.

 

Portugal sabe que amanhã será dificil ter a bola nos pés durante muito tempo.

Não que isso seja uma preocupação. A de Paulo Bento é uma equipa de tracção dianteira habituada à velocidade e ocupação de espaços. Só com a República Checa logrou superar os 50% de possessão num jogo e isso foi, sobretudo, porque os checos foram ainda mais defensivos do que os lusos contra a Alemanha, não criando uma só oportunidade de golo. Mas os espanhóis são diferentes. Defendem com a bola.

Em 2008 a equipa chegou repleta de dúvidas à Áustria. Tinha-se qualificado para o Europeu através de um play-off sofrido, o treinador Luis Aragonés já tinha anunciado que se ia embora e havia muitos jogadores criticados pela imprensa do país vizinho, ainda incapaz de acreditar na ausência de Raúl. Num grupo acessível, a selecção somou os 9 pontos habituais - Espanha ganha, quase sempre, a fase de grupos - e nos Quartos quebrou a maldição contra uma Itália a quem nunca ganharão em 120 minutos. Os penaltys, essa malapata, levou-os a umas meias-finais onde destroçaram os russos, ainda cheios do vodka da celebração da fantástica e inesperada vitória frente à Holanda. Foi o seu melhor jogo numa fase final. Seguiu-se a grande final com uma Alemanha ainda sem a filosofia Low e o primeiro de cinco jogos consecutivos a eliminar a vencer por apenas 1-0. Contra a França quebrou-se a tradição, mas só com um penalty no último minuto. Estatisticamente a Espanha venceu por 2-0 mas só rematou uma vez às redes de Lloris. Tipico.

O futebol espanhol tornou-se, com o tempo, profundamente previsivel. A equipa alinha com o maior número de médios possíveis, joga essencialmente pelo corredor central, e com as linhas muito juntas. Isso permite sempre uma rápida recuperação da bola, que haja sempre um colega disponível para garantir a posse. Mas também deixa evidente a incapacidade de jogar pelas alas com extremos e, sobretudo, jogar com um ponta-de-lança. David Villa jogava como falso avançado onde hoje se move Fabregas. Sem essa referência, há sempre mais alguém para tocar a bola no meio. Mas os defesas ficam sem elemento de marcação, sobem linhas e asfixiam mais o jogo num espaço reduzido. Por vezes as tabelas sucessivas encontram um espaço e surge o golo. Mas isso acontece uma, duas vezes por jogo. Espanha tem um problema grave em criar oportunidades de golo, especialmente com equipas que se agrupam bem no miolo e perturbam esse eterno "meinho".

 

Apesar de eficaz, o futebol da equipa espanhol aborrece o mais entusiasta do futebol de posse.

É diferente ao jogo do Barcelona em três aspectos fundamentais. Não usa quase nunca os laterais como falsos extremos, apesar do espaço que a maioria das equipas lhes deixam nos flancos. A posse de bola é sempre horizontal e procura poucas diagonais porque Iniesta, em lugar de jogar no miolo, é um dos falsos extremos (e Silva é outro), jogadores habituados a serem eles a criar os passes por dentro. E porque não há Messi, esse diabo à solta, em constante movimento, como referência ofensiva, ainda que sempre móvel. Essa verticalidade ofensiva fez do Barcelona de Guardiola o que é. A sua ausência faz da Espanha a sua nemésis moral. A bola e os bajitos continuam a ser o eixo central, mas são usados primeiro para defender e depois para atacar.

Aqui a preocupação é circular a bola o máximo de tempo possível, mas sempre na linha entre o meio-campo e a grande área. É raro assistir a tabelas dentro da área, é raro ver o jogo nas alas e mais raro ainda criar oportunidades atrás de oportunidades. Durante largos minutos a bola chega de Piqué a Fabregas para voltar  Piqué, passando por cada um dos jogadores de campo. E recomeça outra vez. Isso cansa o rival, fisica e psicologicamente, obriga a uma concentração tremenda e, sem bola, obriga as equipas a jogar mais no espaço.

O problema está na questão psicológica. As equipas entrem em campo já derrotadas. Aconteceu com a França como com a Holanda, Alemanha e Portugal no último Mundial. Posicionam-se demasiado atrás, abdicam dos seus principios de jogo para adaptar-se aos do rival e abandonam os seus homens da frente à sua sorte porque pensam que um defesa ou um médio mais faz a diferença. Mas não faz. Espanha joga igual contra um meio-campo de três, quatro ou cinco. Mas atrás ficam os espaços, que ninguém sabe explorar. 

No Mundial de 2010 o Paraguai e o Chile, equipas sul-americanas com outra mentalidade, souberam usar esses espaços e apesar de terem perdido causaram mais problemas aos homens de Del Bosque do que os seus rivais europeus, mais organizados mas perfeitos para uma equipa que vende a imagem do jogo bonito mas que, na realidade, é a nova Itália no sentido pragmático e positivo do termo. Para eles um 1-0 vale tanto como um 4-0.

Apesar de ter ganho tudo o que havia para ganhar, não há semelhanças posssiveis entre o espirito desta equipa e os miticos conjuntos hungaros, brasileiros, holandeses e franceses do passado. Pelo contrário, há uma profunda semelhança com a Argentina de 86, a Itália de 82 ou mesmo o Brasil de 94, grandes equipas que pensavam sempre primeiro no aspecto defensivo e só depois na fome de golos. Espanha foi a selecção campeã do mundo com pior média de golos da história e só uma goleada contra a inofensiva Irlanda lhe permite ser a segunda equipa mais goleadora da prova até agora. Sem esses golos, seria a última. 

Del Bosque poderá alinhar o seu onze base (com Fabregas e sem Torres) mas também pode optar pela velocidade de Navas e Pedro, jogadores que criam mais perigo do que Silva e Iniesta, mas que não entram no espirito do seleccionador e que acabam por ser utilizados mais como revulsivos. Contra o 4-6-0 espanhol (que pode ser um 4-5-1 se jogar Torres) a equipa portuguesa não pode repetir a estratégia francesa ou a que usou Queiroz em 2010. Colocar mais defesas não resolve o problema. Nem sequer reforçar o miolo. Sabendo que Ronaldo não irá ajudar a defender, o substituto de Postiga tem de ser capaz de bascular entre os extremos e o miolo para pressionar o jogo de Busquets. Moutinho e Meireles serão os apaga-fogos encarregues de ganhar e soltar a bola o mais depressa possível mas devem evitar jogar longe de Ronaldo e Nani, que terão sempre 3 a 4 rivais pela frente. Ao contrário do Barcelona, a defesa espanhola de quatro é inamovível e está sempre recuada no terreno. Os laterais terão a tendência de fechar ao centro, mas devem também explorar as falhas defensivas de Iniesta e Silva e, sobretudo, a dupla de centrais deve estar atenta à tendência do jogo espanhol com o fora-de-jogo, esse limite onde ás vezes um árbitro mais sensibilizado à figura de Angel Maria Villar no palco pode fazer a diferença.

 

Portugal tem jogado um melhor Europeu que a Espanha mas não é favorita. É um mérito tremendo da equipa lusa estar onde está e merece os aplausos de todos. Mas vencer a equipa campeã mais aborrecida da história deve ser um estimulo. Os primeiros a derrotar esta Espanha, como sucedeu com o Senegal em 2002 e a Checoslováquia de 1976, ficarão sempre para a história. Para consegui-lo, além de muito trabalho, os portugueses devem ser, sobretudo, muito fieis a si mesmos. É o único caminho para romper com a história! 


Categorias:

Miguel Lourenço Pereira às 10:35 | link do post | comentar

4 comentários:
De PTM a 27 de Junho de 2012 às 18:46
Miguel

muito rapidamente e porque o jogo está a começar, mais uma avaliação spot on.

claro que se pode discordar mas realmente vejo o futebol espanhol exactamente assim, mais um dose de soberba e outra de proteccionismo.

espero ganhar hoje, com muito trabalho e com alguma sorte e que não haja casos nem choramingas no campo a olhar entre mãos para o arbitro


De Miguel Lourenço Pereira a 27 de Junho de 2012 às 23:39
PTM,

A posteriori, cumpriu-se o que tinha escrito e o Paulo bento soube lê-lo de form extraordinária. Faltou a sorte. Apenas e só.

um abraço


De filomeno a 27 de Junho de 2012 às 23:07
El árbitro turco, en la estela de Erkan Goksel, interrumpía constantemente los desmarques de Nani......


De Miguel Lourenço Pereira a 27 de Junho de 2012 às 23:28
Filomeno,

Entre eso, las tarjetas y las interrupciones continuas, queda claro que no ha sido elegido por bueno!


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO