Sexta-feira, 8 de Junho de 2012

Não têm as estrelas, o treinador mediático e as casas de apostas do seu lado. Mas os russos são, claramente, o candidato alternativo a vencer este Europeu de Futebol. Por detrás do trio Espanha, Alemanha e Holanda, o pódio do último Mundial, os eslavos apresentaram frente aos checos motivos suficientes para serem levados a sério nesta prova. Um brilhante jogo de Dzagoev que deixou para um segundo plano uma selecção checa que tem argumentos suficientes para discutir o apuramento com gregos e polacos.

Foram semi-finalistas em 2008 e só o cansaço acumulado frente aos holandeses os impediu de responder à altura do desafio de uma magnifica Espanha. Quatro anos depois, falhado o Mundial de 2010, este torneio é a última oportunidade de uma brilhante geração do futebol russo, liderada por Arshavin, e a primeira para aqueles que apontam para o Mundial de 2018, em casa, como o grande objectivo dos Dzagoev e companhia.

Foi a eterna promessa do CSKA quem soube mover a batuta de jogo do conjunto orientado por Dick Advocaat. Não só marcou dois belos golos como fez a bola rolar, desorientou o esquema defensivo dos checos e finalmente logrou a exibição com a camisola nacional que há muito se lhe exigia.

Ao lado do criativo, o óptimo jogo de um renascido Arshavin e a mobilidade de Kerzakhov e Denisov, foram fundamentais para pender a balança para o lado russo depois de um arranque melhor dos checos. Os homens de Bilek entraram bem em jogo e tiveram as suas oportunidades mas depois do golo inaugural dos russos vieram-se abaixo. Gebre Selassie, pela direita, e Kadlec, pela esquerda, abriram o campo e deram espaço a Rosicky para manobrar a batuta de jogo do meio-campo, mas a teia montada por Advocaat rapidamente neutralizou o jogo de toque dos checos e nem mesmo o golo de Pilar fez tremer a armada russa.

 

Os russos não só dominaram claramente o rival e o marcador como também trouxeram a primeira dose de espectáculo de primeira ao torneio.

Boa circulação de bola, manejo dos tempos, eficácia ofensiva e trabalho colectivo são conceitos que deixam claro que este conjunto pertence à lista de selecções que podem aspirar a chegar longe. É dificil pensar que o apuramento se lhes possa complicar mas o confronto dos Quartos, com qualquer uma das equipas do "Grupo de Morte" é algo que, aos russos, não assusta em demasia. Afinal, foi a mesma sina de há quatro anos e o resultado não foi nada mau para os eslavos.

Os checos de Bilek deram muito melhor impressão do que o resultado final pode antever. Está claro que não estão ao mesmo nivel do top seis do torneio (juntamos franceses e italianos aos quatro já mencionados) mas são uma equipa com recursos, onde o jogo dos laterais surpreendeu pela positiva. Nos primeiros quinze minutos foram a melhor equipa em campo e deixaram um sinal positivo para os duelos que se avizinham, com rivais muito mais acessiveis e com quem a República Checa irá discutir realmente as opções de seguir para os Quartos de Final. Ao conjunto de Bilek faltará, provavelmente, um goleador mais inspirado (o Baros que foi Bota de Ouro em 2004 já não tem a mesma frescura) para poder ombrear com polacos e gregos, mas em consistência e qualidade de jogo, não se mostrou nunca demasiado intimidade com o melhor futebol dos russos. Apesar do castigo que foi encaixar quatro golos, os checos deixam a sensação de poder surpreender na próxima semana.

 

A Rússia garante, praticamente, um lugar nos Quartos de Final (com o resultado do jogo da tarde um ponto deve bastar) e mostra que o trabalho iniciado por Hiddink há seis anos tem pernas para caminhar para os próximos seis, esse ambicioso Mundial que os russos querem vencer. No próximo duelo, com uma Polónia necessitada, os espaços e as fragilidades defensivas dos anfitriões serão tudo o que Arshavin e companhia precisam para rematar matematicamente o apuramento. A República Checa terá mais bola e menos espaços frente aos gregos, um duelo que se irá decidir por detalhes e que definirá, quase seguramente, o segundo apurado. 


Categorias:

Miguel Lourenço Pereira às 21:41 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO