Sexta-feira, 18 de Maio de 2012

Pode um clube que gastou numa década mais do que qualquer outro no futebol europeu vencer o maior prémio do futebol europeu com a sua pior versão? A história do futebol está cheia de exemplos como este e no entanto parece claro que o Chelsea seguiu o caminho mais ortodoxo possível para ganhar o único prémio que realmente importa a Roman Abramovich. Depois de ter estado à porta tantas vezes, vencer no Allianz Arena significa para este Chelsea mais do que um titulo único. É, sem dúvida, a forma perfeita de fechar um ciclo que já teve momentos mais brilhantes.

Terry escorregou e falhou o que seria o titulo perfeito.

Não estava Mourinho mas a equipa tinha começado o ano com ele. Talvez sem o seu mentor algo tenha falhado naquela noite em que Abramovich queria fazer a festa na sua Moscovo. Antes tinha sido a nemésis Barcelona como a foi depois. E o Liverpool, com o golo fantasma de Luis Garcia e o penalty parado por Reina. Ou Deschamps e o seu inesperado Mónaco. Parecia sempre haver algo cósmico por detrás de cada derrapada de um clube que gastou, desde Hernan Crespo a Fernando Torres, o que nenhum outro alguma vez gastou para vencer a "orelhona". 

Di Matteo não é nem Ranieri, nem Hiddink, nem Scolari, nem Villas-Boas, nem Grant, nem Ancelloti e muito menos Mourinho. Mas o Chelsea, salvo nos três anos do português, foi sempre um clube do presidente e dos jogadores e o seu triunfo será sempre o triunfo dos outros. Da velha guarda que o dinheiro do russo pagou e que Mourinho transformou num colectivo que lhe sobreviveu meia década mais do que seria de esperar. Dos Terry, Lampard, Cech, Cole e Drogba, gladiadores que nunca desistiram, mesmo quando Villas-Boas não sabia o que fazer em Napoli, num jogo onde os ingleses foram superados absolutamente pelos italianos. 

A saída do técnico português entregou o balneário aos jogadores e o seu modo de auto-gestão, como tantas vezes funciona (veja-se a Alemanha de 74), foi tremendamente eficaz. A estética ficou para segundo plano, a Premier foi esquecida. Durante três meses o clube trabalhou com apenas um objectivo. De tal forma que esse desespero foi a única arma possível para derrotar o Barcelona em 180 minutos de infarto. E será a grande arma quando a equipa suba ao Allianz Arena, convencida que será a última oportunidade para fechar um ciclo de ouro.

 

Di Matteo é o hábil sargento e sabe que para vencer o Bayern em casa precisa pouco de futebol e muito de alma.

Ninguém espera um Chelsea diferente do que se viu contra Benfica e Barcelona. Uma equipa sem interesse em ter a bola, com uma ocupação precisa dos espaços e apostando pela velocidade do seu ataque. Drogba correrá como nunca, naquele que será provavelmente o seu último jogo de azul. Kalou e Mata serão os seus escudeiros e Torres, como na cidade condal, a arma secreta. A partir daí, atrás, desaparecem os nomes próprios e cresce a sensação do bloco de cimento colectivo que terá de viver sem Ivanovic, Terry, Meireles e Ramires, quatro jogadores fundamentais na meia-final contra os catalães.

Bosingwa, Cahill, Luiz e Cole terão a difícil missão de travar o trio de ataque maravilhoso dos bávaros. E a Lampard, Obi Mikel e, talvez, Essien, caberá destruir a tentativa do Bayern de fazer a bola respirar no meio de tantas pernas. O banco é curto, as opções diminutas e a improvisação será a única arma que Di Matteo terá para enganar a Heynckhes. Mas como tem repetido diversas vezes, a motivação será a gasolina de um clube que terminou na pior posição doméstica em dez anos e que está à beira do desmantelamento absoluto. Ninguém duvida que Malouda, Drogba, Lampard, Terry, Cech, Cole e Essien estão prestes a dizer adeus e os que vêm atrás (e o Chelsea tem dinheiro e jogadores de futuro para jogar melhor do que tem feito com esta versão gladiadora) seguramente que terão oportunidades no futuro para voltar a disputar o ceptro europeu.

 

Mas o clube londrino vive numa ânsia eterna que transpira na pele e na carteira do seu dono. Viver sem a Champions League é existir sem alma em Stanford Bridge e depois de uma década de futebol espantosa, há quem pense que o futebol deve algo a este clube. É a pensar nisso que o onze azul subirá ao terreno de jogo, contando que a história lhe devolva um favor que tantas vezes lhe negou. Mesmo esquecendo que eles são, talvez, o patinho feio da epopeia blue.



Miguel Lourenço Pereira às 14:52 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO