Terça-feira, 8 de Maio de 2012

poucos jogadores tão fáceis de admirar no universo futebol actual como Carles Puyol. O capitão do Barcelona representa o melhor de dois mundos, exemplo perfeito do que foi o futebolista cavalheiro de outros eras e o super-profissional a que se exige nos dias de hoje. Um lider dentro e fora do balneário, um jogador tacticamente perfeito e um dos esteios do sucesso da última década blaugrana e da Roja. A sua ausência no próximo Europeu não é só um problema para Vicente del Bosque mas uma séria perda para os mais românticos amantes do jogo.

É curioso pensar que muitos analistas da imprensa espanhola tinha escrito no arranque desta época que a passagem de Sergio Ramos a central, no eixo da defesa do Real Madrid, imaginando uma dupla com Gerard Pique, então o defesa mais cotado do futebol internacional. Mas a péssima época do número 3 blaugrana e o espirito de sacrificio tremendo de Puyol, capaz de superar intensos problemas fisico mudaram rapidamente o panorama. Em Janeiro parecia evidente que o capitão do Barcelona era o primeiro insubstituivel do sector defensivo catalão e, consequentemente, da campeã da Europa e do Mundo. A sua perda, a apenas um mês de que arranque a prova, é um golpe duro e dificil de encaixar, especialmente porque Piqué nunca recuperou a boa forma e Del Bosque não tem alternativas à altura para uma prova de elite.

Javi Martinez, adaptado por Bielsa à posição, é demasiado similar no estilo de jogo a Piqué para possibilitar uma dupla com o catalão. Albiol teve escassos minutos durante todo o ano, Dominguez foi preterido no Atletico de Simeone, Victor Ruiz não mostrou o seu melhor rosto em Valencia este ano e Botia do Sporting Gijon parece demasiado verde para tanta exigência. O grupo C, onde está colocada a equipa espanhola, conta com rivais de peso (Itália e Croácia) e uma Irlanda que pode surpreender a qualquer momento. Se Arbeloa não convence totalmente a lateral direito (e até agora parecia claro que Sergio Ramos voltaria à sua posição do último Mundial e Europeu com a selecção), o posicionamento de Ramos ao lado de Pique abre um novo problema dificil de resolver para o seleccionador espanhol.

A Espanha do último Mundial foi, sobretudo, uma equipa tremendamente eficaz. Manteve a posse de bola mais do que qualquer outra equipa em prova e marcou menos golos do que qualquer outro campeão mundial. A sua segurança defensiva foi determinante, especialmente a liderança de Puyol, autor do golo decisivo das meias-finais, e do jogo de Ramos pela ala direita. Sem duas das suas grandes armas tácticas, e talvez sem a veia goleadora de David Villa, que ainda tem o país vizinho em suspense, parece evidente que o campeão europeu chega à Polónia com mais dúvidas que certezas na corrida pelo histórico tri Euro-Mundial-Euro, um feito que nunca nenhuma selecção europeia logrou conquistar no passado.

 

A liderança moral de Puyol é um exemplo único no futebol actual.

Enquanto o Chelsea inglês conta com um capitão que se dedica a agredir e insultar jogadores rivais, "el Capi" de Barcelona prefere impedir uma celebração polémica de Dani Alves e Thiago Alcântara numa goleada implacável em Vallecas. É só mais um gesto para uma longa galeria de um atleta que foi impiedosamente assobiado na sua época de estreia. Louis van Gaal lançou-o a titular como lateral direito e depois de alguns erros tácticos nas primeiras exibições tornou-se num dos bodes espiatórias preferidos da afficion. Mais de uma década depois é o seu menino dos olhos.

De lateral a central, de assobiado a capitão de pleno direito, Puyol percorreu um largo caminho que, de certa forma, define o próprio historial recente do Barcelona. Esteve em quatro finais da Champions League, sempre como capitão. Em 2011, num dos seus gestos humanos tão habituais, abdicou levantar o troféu das mãos de Michel Platini cedendo a honra ao colega de defesa Eric Abidal, acabado de recuperar de um perigoso tumor que o levou, este ano, à mesa de operações. Com Rijkaard o central manteve sempre uma forte cumplicidade, com Guardiola a amizade e admiração mutua era mais do que evidente. Foi a base sobre a qual montou o seu esquema defensivo e, apesar da explosão de Piqué, manteve no jogador em quem o técnico realmente confiava. Percorreu os lugares da defesa à medida que as leões e suspensões iam deixando as suas baixas e quando Pep decidiu adoptar esta época num esquema de três centrais, a sua omnipresença era fulcral. É dificil quantificar a sua importância na estrutura do Pep Team mas a sua ausência fez-se sempre notar nas noites mais ágrias do mandato do técnico em Camp Nou. Del Bosque, homem sábio e sensato, sempre soube que o lider do balneário blaugrana era uma das pessoas ideais em quem se apoiar para conquistar o coração dos campeões europeus orfãos de Aragonés. A dupla Puyol-Pique, a sensatez do blaugrana no momento mais tenso das relações entre os jogadores do Real Madrid e do Barcelona, e a sua capacidade fisica inimitável faziam dele peça nuclear para a estratégia defensiva para o próximo Europeu. Um problema de resolução impossivel. Opte por quem opte, a presença gigante de Puyol é insubstituivel.

 

Mais triste é pensar que este pode ser o adeus definitivo de um dos maiores jogadores da história do futebol espanhol à sua selecção. Puyol tinha previsto abandonar a Roja no final do torneio (algo de que se espera também que passe com Xavi Hernandez) e já o teria comunicado a Del Bosque que esta seria a sua última aventura. Perto da centena de internacionalizações, um dos melhores curriculos do futebol mundial, Puyol preparava a sua retirada deixando primeiro a selecção e depois dando lugar no Barcelona a uma nova geração de promessas, lideradas por Fontás. Com este rude golpe é dificil imaginar que o jogador não volte uma vez mais, para ter a despedida que se merece. Se há um jogador espanhol (e há muitos nesta esplêndida e apaixonante geração) que merecia outro destino, sem dúvida quer era "Puyi", um central feroz como um leão mas com a alma de um trovador.



Miguel Lourenço Pereira às 10:05 | link do post | comentar

4 comentários:
De Eduardo Louro a 9 de Maio de 2012 às 18:20
Puyol terá sido o jogador que melhor faz a síntese (e a ponte) entre a celebrada fúria espanhola do passado e a superior qualidade técnica e táctica do futebol espanhol da actualidade.
Da sua polivalência está tudo dito: o único jogador que desempenha as quatro posições da defesa com o mesmo altíssimo rendimento. E lembrar-mo-nos que, de grandes centrais, transaccionados por largos milhões para os gigantes europeus, se diz que só podem jogar sobre a esquerda ou sobre a direita. Que, trocados de posição, não conseguem o mesmo rendimento... Só Puyol desmente tudo isto!


De Miguel Lourenço Pereira a 9 de Maio de 2012 às 20:46
Eduardo,

Totalmente de acordo, um jogador do passado com uma tremenda projecção na era de presente glorioso do futebol espanhol e do próprio Barça.

um abraço


De P. a 10 de Maio de 2012 às 09:27
Penso que o Puyol, só esteve em 3 finais da Champions League (2006, 2009 e 2011).
Depois de Del Bosque ter lhe pedido para ficar até ao Euro quando se abraçaram na final do Mundial e ter aceitado, acaba por ser um destino traiçoeiro.


De Miguel Lourenço Pereira a 11 de Maio de 2012 às 23:52
P,

Tens toda a razão. Três finais e quatro semi-finais perdidas, sete anos no top 4 da Champions League é tremendo. Realmente é pena e vejo dificil que chegue a tempo do Mundial de 2014 mesmo que queira (e ele é jogador de querer), um monumento ao futebol como este merecia despedir-se num grande palco internacional.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO