Terça-feira, 1 de Maio de 2012

No mesmo dia o futebol português assistiu a mais uma cena digna do surrealismo em que se move há alguns anos. Um clube campeão no sofá, outro derrotado no momento em que entraram em campo apenas oito dos seus jogadores. Apesar do que a UEFA diz, o futebol português vive dias negros e uma etapa para esquecer da sua história. O titulo de campeão vale pouco quando durante um ano os grandes, com orçamentos de dezenas de milhões, têm de se medir com equipas onde os jogadores não têm nem para viver. A Liga e a Federação continuam os seus jogos das cadeiras do poder, os grandes preocupam-se com ter uma maior fatia do bolo e os adeptos vendem-se à omnipresente SportTv para encontrar lá fora o espectáculo que ninguém vê cá dentro. 

Faltam três jornadas para terminar o campeonato nacional de futebol.

Há duas, talvez três, equipas a disputar o titulo de campeão. Um titulo que sabe melhor quando se festeja no relvado, no final de um jogo, um titulo que para os adepto significa mais do que para os próprios directivos. O adepto vê motivo de orgulho para seguir acreditando, para pagar as quotas, os bilhetes, as viagens ou simplesmente para ter orgulho em levar a camisola no dia seguinte para o trabalho. O directivo vê números, sonhos europeus e contas para pagar. Porque o que há mais no nosso futebol são contas para pagar.

O Benfica joga em Vila do Conde, o Porto na Madeira. Uma vitória dos campeões em titulo deixa tudo em aberto para o duelo do rival. E quando o Benfica empata, o FC Porto pode sair à rua para festejar. Depois de um dia do seu jogo. Em Portugal há gestores que percebem pouco de gestão e há programadores que não entendem nada de programação. Além de ser evidente para todos que os duelos dos dois candidatos ao titulo deveriam ser disputados nas últimas jornadas de forma simultânea, não parece curioso que seja a equipa que pode celebrar primeiro o titulo a que jogue antes? Estamos a falar de uma Liga que entrega as taças e medalhas de campeões com meses de atraso, algo único no panorama europeu, por isso já nada nos surpreende mas fazia todo o sentido ter sido o Benfica a jogar no sábado e o FC Porto, caso o rival tivesse repetido o mesmo resultado, desfrutado no domingo com a possibilidade de fazer-se a si mesmo campeão. Mas o surrealismo português, esse servilismo a Joaquim Oliveira e esbirros destrói até os momentos mais puros e belos de uma temporada, aqueles em que os adeptos enchem a rua e expulsam as frustrações que levam no corpo.

Numa prova de 16 muitos têm motivos distintos para celebrar mas só um grupo de adeptos pode invadir o espaço público com aquele sorriso no rosto. No Dragão já estão habituados a festejar, são 17 títulos em 25 anos, números asfixiantes para qualquer prova que quer ser competitiva. Os jornais bem tentam vender ligas abertas, oportunidades reais para todos os grandes e para algum intrometido, mas a verdade é que o FC Porto mantém-se num escalão por cima da concorrência. Porque tem um orçamento de 100 milhões de euros, superior a muitos clubes europeus em ligas mais poderosas. Porque tem uma estrutura desportiva e administrativa sem igual no espaço português, imune ao populismo do momento e capaz de ver para lá do horizonte. E porque tem um plantel que, mesmo em horas baixas, é capaz de responder nos jogos a doer. Os azuis-e-brancos ganharam a liga nos duelos directos, na Luz e em Braga, aqueles jogos onde se pedia algo mais. Nos restantes encontros o nivel futebolístico foi miserável, a falta de personalidade do técnico principal um enigma e a postura de muitos dos jogadores, um karma. E mesmo assim, a dois jogos do fim, mesmo assim o FC Porto repetiu o titulo e deixou claro que em Portugal é preciso existir uma catástrofe desportiva para que sejam outros grandes e felizes adeptos a saírem para as ruas.

 

Do outro lado desta prova kafkiana, o desespero de quem teve de mandar para longe a família. De quem come ás custas dos outros e de quem não sabe em que buraco se meteu.

Foi a União de Leiria. Mas antes já foram Salgueiros, Campomaiorense, Alverca, Estrela da Amadora, Farense, Boavista ou Belenenses. Todos clubes com passado europeu, essa imagem de marca que fica na retina e que explica a incapacidade dos directivos portugueses de uma gestão responsável. Tarde ou cedo estes clubes endividaram-se demais, ficaram demasiado pendentes de dinheiro alheio e começaram a desmoronar-se. Dinheiro gasto em infra-estruturas impossíveis de rentabilizar, abandono progressivo da formação, negócios privilegiados com agentes de jogadores, o padrão é o mesmo e o final da história também. A União de Leiria já nem está unida e também já não é de Leiria. Os jogos na Marinha Grande são o espelho dessa hipocrisia social de um clube que tentou crescer de bicos nos pés, sem sequer uma massa adepta empática e disposta a jogar tudo no clube da sua terra. Não é algo novo, viveu-se isso no Algarve, no Alentejo e nos clubes dos subúrbios das grandes cidades.

Mas a realidade mascarada é bem pior. Em Guimarães, um histórico como há poucos, os jogadores levam meses sem receber. Em Setúbal essa realidade é a tónica da última década. Na Madeira os projectos do Maritimo e Nacional só sobrevivem graças ao apoio do Governo Regional. A Académica de Coimbra vive em números vermelhos e o Beira-Mar não sabe muito bem a quem pertence. Numa liga de 16 equipas provavelmente há cinco que têm os salários em dia, mas mesmo essas apresentam um passivo sério que o futuro tratará de dizer quão grave pode ser. O FC Porto e Benfica precisam do dinheiro das provas europeias para respirar. O Sporting é cada vez mais um clube dos bancos e só o Braga, timidamente, oferece outra versão de como deve ser o futebol.

Os oito jogadores que entraram em campo com a camisola da União foram forçados a fazê-lo, pelos clubes que os emprestam (outro cancro do futebol português, o empréstimo compulsivo) e pela vontade de pegar no primeiro dinheiro que caia do céu e fugir. Ninguém os pode acusar de nada a não ser de sobreviventes, como tantos que trocaram o futebol português pelo Chipre, Roménia, Bulgária, Suiça ou Grécia, onde pelo menos os salários chegam a tempo e as famílias têm um tecto. No dia em que Portugal repetiu o campeão, a União de Leiria repetiu a farsa de que significa esta liga de 16. Ampliar o torneio para 18 ou 20 equipas é o espelho perfeito da idiotice do gestor português e só pode terminar numa operação cirúrgica que faça o proporcionalmente inverso. Por muito que doa ao adepto, Portugal não tem dinheiro para sobreviver como país e portanto não tem mercado para uma liga de mais de 8 ou 10 equipas. Uma liga como a que já conta o futebol suíço, alguns países nórdicos e do centro da Europa, países que sabem a que realidade pertencem. Uma prova a quatro rondas, como sucede na Escócia, onde o equilíbrio e a qualidade sejam a nota. Há clubes grandes e pequenos em todos os lados mas seguramente que entendo os jogadores do novo campeão, os mesmos que querem emigrar, quando sabem que uma vitória por 1, 2 ou 3 golos contra um rival que não tem dinheiro nem para comer vale o que vale. Muito pouco.

 

Mas esta situação não passa nos telejornais, não aparece na imprensa e não ocupa a cabeça dos adeptos. Se por eles fosse a liga seria de 20 equipas, os bilhetes seriam de 5 euros, os horários televisivos respeitariam as familias e tudo estaria bem. Mas não está. Na próxima década a probabilidade de que se multipliquem ao ano casos com o do Leiria é tremenda. Os grandes vivem a sua particular via crucis mas mascaram as contas com negócios com fundos desconhecidos, empresários polémicos e vendas fantasmas. Ninguém quer saber, todos assobiam para o lado, afinal estamos em Portugal. O FC Porto é campeão português, a União de Leiria daqui a uns anos aparecerá nas divisões regionais, por onde andava há largas décadas. Nada irá mudar e no entanto poucos se importam. De certa forma é normal, afinal foi a pensar assim que chegamos até aqui. E se Portugal fizer um brilharete no próximo Europeu haverá mesmo quem escreva que somos um exemplo para o mundo. Pena que os adeptos do Leiria ou do Campomaiorense saibam que não é bem assim. 



Miguel Lourenço Pereira às 12:50 | link do post | comentar

14 comentários:
De Vergueiro a 2 de Maio de 2012 às 11:09
Não concordo com a visão de ter apenas 10 equipas de futebol (ou menos de 16) a jogarem entre si. Não foi assim nos tempos em que o SLB foi campeão europeu (14 equipas), não foi assim que o FCP o foi também (16 e 18 equipas) e também não foi assim quando o SCP ganhou a Taça das Taças(14 equipas). Por isso dizer que é necessário reduzir para 10 equipas para ganhar competitividade é enterrar a cabeça na areia e não querer ver os verdadeiros problemas.
Parem de comparar o nosso campeonato com os dos outros países, porque a realidade social é completamente diferente. Digam-me outro desporto em Portugal que arraste multidões e encha pavilhões, e como tal, sustente a actividade para além do futebol? Não há. Em tempos houve o hóquei e o ciclismo, mas até essas estão lentamente a perder assistências, que vivem de aficionados, ex-praticantes e pouco mais. Nos tais países nórdicos, ou helvéticos, com que nos querem comparar, existem todas as modalidades banais (basket, hóquei, andebol, vólei, atletismo) com sucesso e títulos e muitas associações desportivas praticantes, mas também existem outras como râguebi, hipismo, natação, ténis, ténis de mesa, hóquei em gelo, mil e uma modalidades na neve e gelo, patinagem artística no gelo, canoagem, vela, pugilismo, artes marciais etc... Muitas modalidades que exigem financiamento para serem praticadas e assistências, que não estão ao alcance dos países pobres, como é o nosso. Basta ver nos jogos olímpicos o que nós conseguimos fazer!? De vez em quando lá surge um prodígio na sua área, mas nada sustentado. Calhou. E até em modalidades em que teríamos condições (de praia e mar) surgem países à nossa frente que nem praia ou mar têm.
Futebol é um desporto de pobre, barato de praticar e por isso é que tem o sucesso que têm a nível mundial e em Portugal. Estarem a fechar clubes profissionais, ou a reduzi-los é diminuírem o número de praticantes do único desporto de relevo no nosso país. Convém não esquecer que são os clubes profissionais que arrastam consigo vários profissionais, que têm as melhores condições para a formação de jovens, que distribuem verbas e equipamentos por clubes amadores, que cedem jogadores, que compram jovens jogadores por valores baixos, mas essenciais para a prática desportiva e formação nos clubes amadores.
O problema é que o dinheiro em jogo na 1ª liga é demasiado valioso para os dirigentes sedentos de conforto financeiro e sucesso. Vale tudo para se agarrarem ao pote dos parcos milhares de euros que as transmissões televisivas pagam. E quando só existem 16 vagas, 14 fixas, sabendo que logo na partida existem 5 ou 6 clubes que dificilmente descem, sobram apenas 8 vagas para os milhares de euros. É muita gente para tão poucos lugares. E quando vejo equipas portuguesas a chegarem às finais onde equipas italianas, inglesas, francesas e alemãs, não chegam, só vejo uma razão: o campeonato português está demasiado forte.
Mas o discurso da verdade desportiva no que toca a salários em atraso é também ele hipócrita. Como se pode exigir aos clubes pequenos que não tenham dívidas quando os clubes grandes têm passivos de 300milhões e apresentam prejuízos anuais de 15 a 20 milhões? Nos dias de hoje dificilmente vemos resultados de 8-0 como noutros tempos, porque ninguém quer saltar fora. Mas é inevitável: tem de se baixar os salários de dirigentes e jogadores, tem de se diminuir a importação de jogadores, têm de se criminalizar os dirigentes por gestão danosa. Tem de haver regras e fiscalização.
Insisto, o problema não esta no número de equipas nos campeonatos profissionais. Está sim, nas regras que não existem e nos dirigentes muito fracos em honestidade que proliferam nos clubes.


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Maio de 2012 às 14:20
Vergueiro,

Vamos por pontos:

"Estarem a fechar clubes profissionais, ou a reduzi-los é diminuírem o número de praticantes do único desporto de relevo no nosso país. Convém não esquecer que são os clubes profissionais que arrastam consigo vários profissionais, que têm as melhores condições para a formação de jovens, que distribuem verbas e equipamentos por clubes amadores, que cedem jogadores, que compram jovens jogadores por valores baixos, mas essenciais para a prática desportiva e formação nos clubes amadores."

Os clubes profissionais estão a desaparecer sozinhos entre divididas e divididas, ninguém os está a fechar. Equanto à formação, basta saber que Portugal é a liga europeia com mais percentagem de estrangeiros para entender que a formação há muito tempo que perdeu sentido em Portugal, numa liga a 18 ou a 16.

"o campeonato português está demasiado forte."

Confesso que nunca pensei ler esta frase em nenhum lado. Não consigo bem entender o que quer dizer com isso se estamos num país onde 12 clubes não pagam os salários a tempo e horas, onde os estádios estão vazios, onde não há camadas de formação, onde os árbitros são de terceiro nivel, onde a distribuição dos direitos é diminuta e onde as performances de relevância sucedem na Europe League onde só competem a partir do 5º de Inglaterra, Espanha e Itália, e a partir do 4º de França, Alemanha e Rússia, ligas que habitualmente desprezam esta competição e concentram os seus esforços em lutar por um lugar na Champions League. Nunca uma equipa que venceu a Europe League manteve a bitola na Champions porque aí sim estão as equipas das ligas fortes.

" Como se pode exigir aos clubes pequenos que não tenham dívidas quando os clubes grandes têm passivos de 300milhões e apresentam prejuízos anuais de 15 a 20 milhões? "

Como é que eu posso exigir que o seu filho não roube se o filho do Rico X rouba? O que tem uma coisa a ver com a outra, condicionamos o nosso comportamento aos outros, é isso a boa gestão? Que o FCP, o Benfica e o Sporting tenham passivos obriga o Guimarães e o Leiria a tê-los. Não há outras formas de gestão (formação, atração de adeptos, etc..) que implique este desastre financeiro. Essa desculpa é tão fácil como dizer que se o vizinho do lado não paga o condominio eu também não vou pagar porque ele tem mais dinheiro que eu. Dessa forma nunca haverá um projecto desportivo que vá longe, isso é certo.

Uma coisa é certa, só baixar o número de equipas não é suficiente. Mas é inevitável. Ver estádios com 200 pessoas faz bem ao futebol de algum país? Ver equipas com 18 sul-americanos no plantel que mudam todos os anos para agradar a empresárias também? Menos equipa significa mais exigência, menos possibilidades de falhar, jogos mais intensos e sobretudo, menos possibilidades de clubes como o Leiria sobreviverem. Clubes assim não merecem existir profissionalmente, para isso está o amadorismo que tem todo o mérito do mundo.

um abraço


De Vergueiro a 2 de Maio de 2012 às 16:10
1º Ponto – Sim fecharam. Que eu saiba ao reduzirem de 18 para 16 clubes na 1ª e 2ª divisão reduziram-se 4 clubes profissionais, 100 jogadores de futebol e respectivas equipas técnicas. Para não falar que o futebol profissional desses clubes normalmente sustentam os escalões de formação e outras modalidades. E quanto aos clubes desaparecerem, isso sempre aconteceu, com 18, com 14 ou com 16 equipas. Não é de agora, do passado, nem será exclusivamente do futuro.
2º Ponto – Em termos de jogo dentro das 4 linhas está forte sim senhor. Já não vemos os ditos grandes a dar goleadas, porque hoje as equipas pequenas têm bons jogadores, bons técnicos, boas condições de treino e bons relvados e estádios. Eu lembro-me de ver o SCP a jogar no lamaçal de Famalicão que parecia um jogo de matrecos, em que o futebol resumia-se a chutar a bola para a frente, que a bola onde caía parava. Vemos um Benfica a jogar bem contra um Chelsea milionário, na minha opinião (e nem sou benfiquista) foi até a equipa que melhor futebol praticou. No entanto tem dificuldades em ganhar a equipas do campeonato nacional. Isso acontece porque o campeonato português é exigente. Se não o fosse as equipas grandes quando jogavam fora não tinham a competitividade que têm. E não gosto que menosprezem o trabalho defensivo das equipa pequenas porque saber defender também faz parte do jogo. Até o Mourinho com jogadores de craveira mundial fá-lo diversas vezes.
3º Ponto – A analogia com o filho que rouba parece-me um bocado infeliz e completamente despropositada. Peço-lhe que veja os empréstimos ao banco como “um doping” do plantel. Ou seja eu tenho uma marca mais forte com mais adeptos, sócios e aficionados logo consigo ir ao banco buscar dinheiro para investir em jogadores e salários. Quem não tem a possibilidade de empréstimos, fica a dever não aos bancos mas a quem pode: jogadores. No fundo da questão o problema é igual e resume-se a uma palavra: dívidas. Quero com isto dizer que a grandeza de um clube e a capacidade de gerar receita que lhe está associada já deviam ser o “handicap” suficiente para obter melhores resultados, e não ser necessário recorrer a outro artifício que é um empréstimo bancário. Diga-se de passagem eu já nem sei como é que os bancos ainda emprestam, mas enfim… depois vemos o BPN a estoirar e todos nós a pagar. Ou como o Berardo que pediu mil milhões para comprar acções que agora valem 35milhões. Tudo sem garantias bancárias, que é o que os clubes fazem. Alguém vai pagar…
4º Ponto - A questão dos estádios com 200 adeptos é atirar areia para os olhos. Isso só acontece com o Leiria por questões que nada têm que ver com Futebol. O estádio pertence a uma empresa pública, que tem administradores políticos bem pagos e mais uns quantos funcionários, cujos salários tinham de ser imputados ao clube que usava as instalações, ou seja custos que antes a União de Leiria não tinha e passou a ter. Pedir em média 40 euros por jogo pareceu-me óbvio no que ia dar! Mas felizmente não é sempre assim, veja o jogo Gil-Vicente x SLB com bilhetes a 65euros esgotados, num estádio modernizado com condições e 12mil lugares. Agora é óbvio que um estádio como o do Rio Ave sem condições nenhumas, à chuva nos dias de hoje é compreensível que tenha 4mil adeptos a assistir. Há dois anos o Farense na 3ª divisão teve no jogo decisivo de acesso à 2ªB, 10mil pessoas no estádio a apoiar. Isso depende de desempenhos desportivos, preços de bilhetes acessibilidades etc… Não creio que seja por aí…

um abraço.


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Maio de 2012 às 17:08
Vergueiro,

1 - Antes de reduzir a 16 clubes a primeira e segunda liga, como dizes bem, já havia casos de clubes que fechavam as portas. De qualquer forma não acredito que essas quatro vagas tenham provocado um cataclismo no futebol português, lamentavelmente a média de jogadores portugueses e de formação desses clubes seria tão baixa como a dos clubes actuais.

2- Pessoalmente creio que o nivel se aproximou, mas não só pela evolução profissional dos mais pequenos mas também pela perda de qualidade dos grandes. Não há em Portugal uma "classe média", há um fosso tremendo entre os 4 ou 5 que lutam pela Europa e os restantes, se a liga fosse mais competitiva, pontualmente isso não existia. O que existe é mais medo, equipas mais defensivas, jogadores estrangeiros de qualidade duvidosa e muitas dificuldades dos grandes em impor-se com equipas que passam 90 minutos no seu meio-campo.

3 - Não quis ofender com a referência, simplesmente quis dizer que há formas de fazer coisas, o Braga é um exemplo português. Um clube pode seguir o caminho do endividamento e como diz Simon Kuper o futebol não está para dar lucro como uma empresa. Mas há poucos clubes que têm a coragem de seguir outro caminho. Apostar em formação local baixa os custos, apostar em sistemas tácticos ofensivos, em jogadores criativos, em aproximar a relação com os adeptos com preços mais acessiveis, tudo isso é possível e tem sido sucessivamente por todos os clubes portugueses. O caminho mais fácil é seguir o caminho do doping financeiro, claro que sim. Mas não é o único para triunfar, isso é indiscutivel.

4 - Não é areia. Se a liga portuguesa é forte então porque é que quando há jogos sem contar com os três grandes é raro atingir-se uma ocupação do 50%? Em estádios criados para o Euro, com todas as condições, e estádios mais pequenos e desactualizados? Eu vi muitos jogos de futebol em Portugal em muitos estádios e nunca vi estádios com mais de 50% a não ser que estivesse um dos grandes em campo e algum derby ocasional. Quantos vêm o Guimarães-Gil Vicente, o Maritimo-Rio Ave, o Académica-Feirense? Se o futebol português justifica tantas equipas, deveria haver nas bancadas um reflexo desse interesse. Ou nas audiências televisivas. E no entanto isso não há, vemos o top de audiências da SportTv onde está o Setubal-Braga, muito por detrás de jogos internacionais?
Há fenómenos pontuais de apoio, fenómenos que me emocionam como esse que cita, mas são pontuais. Factualmente o futebol português é um futebol sem público. Os preços dos bilhetes são ridiculos, as condições oscilam entre o excelente e o razoavel, há televisão a rodos e para todos os gostos, mas não vejo ninguém na rua a debater um Academica-Feirense como veja em Inglaterra a falar do Swansea-QPR, em Espanha do Getafe-Valencia, em Itália do Atalanta-Roma ou na Alemanha do Monchengladbch-Hannover.

um abraço


De Vergueiro a 2 de Maio de 2012 às 11:17
Por último, o campeonato da escócia é tão bom, que as equipas nem das pré-qualificações das provas europeias passam.
Não comparem o que não é comparável por favor!


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Maio de 2012 às 14:21
Vergueiro,

O que tem a ver o número de clubes com as participações europeias? O que não é comparável é fazer de um país pequenino em gentes e recursos querem ter uma liga da dimensão de paises solventes como França, Holanda e Alemanha, ou de super-potências como a Inglaterra e Espanha. Isso é que não se pode comparar por muito que um que outro bom resultado na Europa dê a sensação de que somos todos iguais. Não somos!

um abraço


De Vergueiro a 2 de Maio de 2012 às 16:34
Chama-se competitividade e diversidade. Quantos mais jogos, mais experiência se ganha. Quantos mais jogadores com estilos diferentes houver, mais se evolui. Se reduzirmos a liga a 10 clubes, a título de exemplo, os defesas centrais de um clube só se vão deparar com 9 tipos diferentes de ponta de lança, que até podem ter estilos iguais, ou não. Uns são possantes, outros gazelas, outros tecnicamente avançados, outros girafas, outros com bom jogo aéreo. Uma coisa é certa, quantos mais clubes e jogos, maior a probabilidade de os jogadores se depararem com estilos diferentes e serem "forçados" a aprender a jogar contra eles, logo a evoluírem.
Quanto à formação posso-lhe dizer que nunca como nos dias de hoje, existiram tantos clubes com formação e academias privadas! E essa é mais uma razão para não reduzir as equipas profissionais. Se hoje já existem demasiados estrangeiros nas equipas de topo, e sobram poucas vagas para os jogadores portugueses, reduzindo as equipas ainda vão haver menos vagas.
Já trabalhei na formação de um clube que militava na 3ª divisão, em 2006 e os putos formados eram trocados com clubes como por exemplo o Vitória de Guimarães por bolas, equipamentos e uns trocos. Eram por isso essenciais. A formação existe e é de qualidade, infelizmente não é defendida como devia ser pela federação, porque não interessa aos agentes de futebol. Porque eu treinei miúdos de 12 anos com uma capacidade técnica e visão de jogo, para mim, surpreendentes. No meu tempo asseguro-lhe que não havia miúdos com aquele grau de evolução.
E já agora desfazer o mito: os jogadores estrangeiros custam mais aos clubes em salários que os jogadores nacionais.

Um abraço.


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Maio de 2012 às 17:18
Vergueiro,

Essa ideia no papel é bonita, mas sinceramente acredita que há tanta diversidade táctica no futebol português? Ao contrário de um Mundial, um Europeu ou uma prova europeia, onde se defrontam realidades muito distintas, dentro de um mesmo país a standardização dos comportamentos é inevitável e os avançados do Olhanense e da Academica não se comportam de forma muito distinta. Quase todos os clubes portugueses jogam em 4-3-3 ou 4-2-3-1, quase todas as posições contam com jogadores de caracteristicas similares.

Em relação à formação, não duvido que as condições tenham melhorado muito e que existam muitos miudos a jogar. Mas eu falo em numeros e os numeros não mentem. Não há nenhuma liga com tantas estrangeiros, as performances das nossas selecções infantis, juvenis e juniores são lamentáveis, nenhum clube aposta na prata da casa (e eu defendo que os nacionais sao muito mais baratos tambem) e há um vazio entre a Geração de Ouro e os miudos de 21 que ninguém consegue preencher e que vai aumentar. Se isso é apostar na formação, que dizer de Espanha, Holanda, Alemanha ou França.

um abraço


De Vergueiro a 3 de Maio de 2012 às 10:47
Eu não falei em diversidade táctica, mas sim de jogadores. Não há jogadores iguais, parecidos talvez, mas não são iguais.
Aprendi isto no pouco tempo que estive ligado ao futebol. De tal maneira que foi decidido que um membro da equipa técnica passaria a visualizar o jogo do próximo adversário para recolher informação. E o resultado foi que os miúdos estiveram na fase final do campeonato da região de Lisboa com SCP, SLB e Estrela da Amadora. Creio que após o nosso abandono do clube, tal não voltou a acontecer. E só foi possível com a nossa entrega ao trabalho, que nem era remunerado.
Aprendi também que as pré-épocas são muito importantes, que as condições de treino e técnicas também o são. E que o trabalho, ajuda (não garante) mas ajuda a obter melhores resultados.
Aprendi que se podia fazer muito mais e melhor nos pequenos clubes que na maioria têm presidentes ao nível (perdoem-me a analogia) de construtores de vão de escada.
Aprendi que até ao nível de putos de 12 anos, que quem tem um pai com capacidade financeira para patrocinar equipamentos, tem um lugar no onze garantido e mais hipóteses do que um zé-ninguém com potencial. Imagine-se ao nível do futebol profissional.

O que defendo é que o problema não é o número de equipas na 1ª liga, mas sim a inexistência de regras. O feirense é a equipa com o menor orçamento. Creio que era 1 milhão de euros. Envergonha alguém ter esta equipa na primeira liga? Não se bateu bem contra os grandes? Não tem bastantes e bons jogadores portugueses? Os parentes caiam na lama se houvessem 12 equipas destas na 1ª liga? Não me parece.
Os clubes deviam viver das receitas que geram, quem gerar mais já tem o handicap de poder contratar os melhores jogadores das outras equipas e pagar melhores salários. Se fosse assim, e como era antigamente, veríamos novamente clubes com grandes massas adeptas de volta aos escalões principais.
Vejam o caso espanhol, em que as equipas pequenas têm grandes jogadores e mesmo assim são trituradas por Barcelona e Real. Não vejo ninguém a dizer que têm de reduzir de 20 para 16 equipas para aumentar a competitividade.
Quanto ao caso do Braga, vamos ver se quando o "Salvador" sair do clube, se este não desaparece como o Boavista, EAmadora Farense etc. Primeiro achei que era uma pessoa competente, mas com já disse o trabalho aumenta as possibilidades não as garante. E nem mesmo o trafulha do Pinto da Costa ou os melhores técnicos mundiais (Alex F.) conseguiram a proeza desse senhor. Há 6 anos que o Braga vai alcançando resultados muito bons consecutivamente. E sublinho o consecutivamente. É impossível. Uma coisa é uma vez. Duas ou três já é raro. Cinco, só com a trafulhice do Pinto da Costa. Por isso 6 anos?? Sempre no topo? Sem falhanços?
Este senhor que quer mostrar serviço a todo o custo antes do Pinto da Costa se reformar, para saltar para o FCP, que foi o único que durante a época toda não se queixou das arbitragens e ainda gozou o prato, quando deixar o Braga, vai deixá-lo em cacos!! Já vimos isto acontecer. Não será a 1ª e última vez.

Abraço.


De Miguel Lourenço Pereira a 3 de Maio de 2012 às 15:13
Vergueiro,

O Feirense é uma das equipas que segue o modelo sustentável, se a liga fosse de 12 equipas, com fair play financeiro, estaria mais depressa dentro do que fora da competição. A ideia é precisamente essa, que o futebol português seja de quem o merece e não de quem rouba para jogar.

Quanto a António Salvador, discordamos em absoluto, os relatórios de contas são bastante mais claros do que os da maioria dos grandes e fáceis de interpretar. É um clube que se mexe muito bem no mercado, segue o modelo do FC Porto dos anos 90 e tem crescido desportivamente de forma sustentada precisamente porque Sporting, Guimarães e companhia estão abaixo do que se lhe esperava e os Boavistas deixaram de ser rivais directos.

um abraço


De Pedro Costa a 8 de Maio de 2012 às 00:11
Caro Miguel;

Não é a primeira vez que comento aqui neste espaço. Já o fiz, mas há algum tempo que não o faço.
Vou voltar a comentar porque este é um tema que de facto, merece discussão e reflexão.

A meu ver, o problema não está no número de equipas da Primeira Liga. Vamos a factos:

se olharmos para o resto da Europa, constatamos que campeonatos com menos equipas não resolvem os problemas financeiros dos clubes. Exemplos? Vejam o caso da Escócia (onde este ano o todo poderoso Rangers viu-lhe serem subtraídos 10 pontos por problemas financeiros) e da Suiça (o Sion saíu de prova a meio da época e o Servette está a passar enormes dificuldades), países com campeonatos de, respectivamente, 12 e 10 equipas, que têm também clubes com enormes dificuldades de tesouraria e a passarem também dificuldades;
também temos o caso espanhol aqui já ao lado, em que é do domínio público que o passivo de todos os clubes da liga BBVA ascende a um valor megalómano, sendo este um campeonato preenchido com 20 equipas, ou até o inglês, em que se não fossem magnatas a pegarem nos clubes, se calhar alguns deles já tinham ido pelo cano abaixo...
os únicos campeonatos que são realmente “gabados” em praça pública pelo rigor e estabilidade das contas dos clubes que os compõem são o francês e o alemão (em relação a este último, cheguei a ver uma reportagem que comprovava que o passivo dos clubes alemães era de 0! milhões de euros), onde os clubes são alvo de uma fiscalização apertada e onde há limites ao que podem gastar;
conclusão: a meu ver, o problema não está no número de equipas, mas sim nos requisitos que são exigidos aos clubes e ao controlo que lhes é movido em termos fiscais e de tesouraria

Reportando-nos ao caso português, há uma conclusão que é unânime: o futebol no nosso país vive muito acima daquilo que deveria viver, apenas porque as pessoas que nele estão (a grande maioria) não sabem aceitar a realidade em que estão inseridos e gerem mal os recursos que têm ao seu dispor. Querer comprar 200 quando só se tem 100 normalmente dá mau resultado...

Temos maus exemplos de gestão, mas também temos bons. Sim, porque em Portugal há equipas que merecem estar por cima. Feirense, Gil Vicente, Paços de Ferreira, são bons exemplos de gestão e que têm tudo em dia. Dizia o presidente do Feirense em entrevista ao Record aqui há uns meses que era fácil ter lucros na Primeira Liga, quanto mais não seja pela facilidade acrescida em atrair sponsors. Pergunto eu: então se um clube recém-chegado e com poucos recursos consegue estar nesta situação, porque é que os outros também não hão-de conseguir? Má gestão, resposta óbvia.

A liga ZonSagres ainda vai dando algum sustento aos clubes. Agora a Orangina, isso é que é um verdadeiro inferno... Cair nela é um verdadeiro tormento e não é por acaso que é tão competitiva desportivamente, pois todos de lá querem saír. Se há 5 clubes com ordenados em atraso na liga ZonSagres, então na Orangina há 15...

Esta discussão deveria girar em torno duma simples questão: terá Portugal capacidade para ter 2 ligas profissionais? Parece-me claro que não!
A Primeira Liga pode a meu ver, ter perfeitamente 18 clubes, pois anualmente e no conjunto das 2 ligas profissionais (não chamando para aqui os clubes da 2ªB, os que também são profissionais), arranjamos esse número de equipas para competirem a nível profissional.
Agora ter outra competição profissional, isso é que levanto muitas e sérias dúvidas.
Liga ZonSagres com 18 clubes profissionais sim, com regras de acesso bem definidas e um grande controlo financeiro por parte da Liga.
Liga Orangina semi-profissional e quiçá, dividida em zonas, para diminuir os custos de deslocação, subindo o campeão de cada uma delas (se fossem duas, subiriam os vencedores de cada uma delas e os segundos jogavam entre eles para apurar a 3ª vaga, isto tendo em conta que desceriam 3 da primeira divisão), e onde competiriam as equipas B.

Para isto acontecer tinham de se criar vários mecanismos, nomeadamente uma almofada de apoio aos clubes que caíssem da ZonSagres para a Orangina, definir bem os requisitos a preencher pelos clubes que subissem e, acima de tudo, assegurar que todos os pressupostos eram cumpridos.

Um abraço


De Miguel Lourenço Pereira a 8 de Maio de 2012 às 00:57
Pedro,

Obrigado pelas visitas e pelos comentários que deixa no EJ.

Quanto ao assunto em questão, é evidente que só falar em redução é manifestamente insuficiente para resolver os problemas do futebol português. É, provavelmente, um dos aspectos menos importantes até. Mas a ampliação da Liga, ao contrário, aumentará ainda mais os problemas de sustentabilidade que vive o nosso futebol.

Quando digo que a liga deveria ter 10,12 ou 14 equipas falo precisamente de espaço para equipas bem geridas, com cabeça, como são os casos mencionados, Paços, Feirense, Gil e também Rio Ave e Olhanense, projectos desportivos que têm viabilidade financeira e social. Não há sitio para projectos crónicos em sustentabilidade como são os Setubal, Leiria e afins (e no caso dos madeirenses, veremos como funciona quando acabar a subvenção regional). Ainda para mais, como dizes, o caos na Orangina convida a pensar que, quem suba, não traga nada de novo e positivo ao clima que se vive.

Suprimir a Orangina é impossível porque, precisamente como dizes, o sustento fora do futebol profissional significa a morte da maioria dos clubes e ninguém se quer arriscar a cair no poço de um dia para o outro. Para mim Portugal não tem mais de 20, 22 equipas capazes para ter futebol profissional de alto nivel, daí duas ligas de reduzida dimensão ser o mais normal do mundo. Não por comparação com outras realidades. Na Escócia, Dinamarca ou Suiça seguramente muitos gostariam de ter 16 ou 18 clubes mas não há clubes viáveis paras as manter, aí as coisas pensam-se ao contrário, é sustentável estar na elite ou não?

Sabendo como funciona o futebol portugues é fácil perceber que interessa aos 3 grandes, á Olivedesportos e a uma Liga elegida essencialmente por clubes pequenos manter ou ampliar o panorama actual. Não me importaria de ter uma liga de 18 equipas se isso significava um apoio massivo da formação, bilhetes mais baratos, jogos em horários dignos, relatórios de contas transparentes, planteamentos tácticos mais ofensivos, golos e espectáculo. O que não vejo é essa realidade ser possível nesse modelo.

um abraço


De Pedro Costa a 8 de Maio de 2012 às 00:13
Só queria referir mais uma coisa: a única coisa que me faz ter receio dum campeonato com 10 ou 12 equipas, são mesmo os exemplos que temos desses campeonatos, que não são os melhores. Além de eu achar que desportivamente é mau, pois pode levar a uma certa saturação de se estar sempre a jogar todos contra todos várias vezes.

No entanto, sendo Portugal uma economia fraca, talvez não fosse uma solução descabida.
É daquelas situações que temos de passar por elas para as avaliar...

Quanto ao momento vivido em Leiria, só queria referir aqui uma coisa e mais tarde se quiseres posso dar-te o meu ponto de vista: está a ser usado como marioneta num jogo de bastidores.

Um abraço


De Miguel Lourenço Pereira a 8 de Maio de 2012 às 00:47
Pedro,

A questão politica que está por detrás deste circo à volta da União é evidente e não é dificil saber quem tem puxado os cordelinhos. Quanto aos clubes na prova, a economia portuguesa é, precisamente, um dos motivos porque acredito que uma redução é um caminho mais certeiro e viável.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO