Segunda-feira, 23 de Abril de 2012

Poucas equipas jogam de forma tão convincente no futebol europeu como os homens do Westphalen. E no entanto poucos se atreveriam a sonhar com um Bicampeonato que não acontecia desde 1996. Mesmo desiludindo na Europa e sem o mentor de jogo da brilhante época passada, os jogadores de Jurgen Kloop foram eximios em provar que deles é o rosto de uma nova era no futebol alemão. Muitos não se deram conta da importância do feito, mas este pode ter sido o primeiro passo para o futebol germânico deixar de ser um monólogo institucional.

O Borussia de Dortmund venceu duas ligas consecutivas apenas uma vez na sua história antes da tarde do último sábado.

Foi entre 1994 e 1996 que Ottmar Hitzfeld resgatou um clube histórico da mediocridade e o transformou num potentado europeu. A equipa de Kolher, Riedlle, Heinrich, Herrelich, Chapuisat e companhia não desafiou o dominio interno de um Bayern Munchen em profunda crise moral como se transformou no terceiro clube alemão a proclamar-se campeão europeu, depois dos bávaros e do Hamburg, na final de Munique em 1996 frente à Juventus de Turim. Dezasseis anos depois os homens do Ruhr voltaram a celebrar um bicampeonato (em 2002 também se sagraram campeões, antes de cair na dura bancarrota) mas o mais curioso é que, desde então, nunca mais nenhum clube alemão se voltou a sagrar bicampeão. Também é verdade que antes da gesta do Dortmund, era preciso recuar a 1983 para encontrar outro bicampeão alemão, o Hamburg, outra equipa que confirmou o dominio nacional com um titulo europeu. São 30 anos de história em que, apenas por duas vezes, o titulo ficou nas mãos de quem o detinha. A não ser que o clube fosse o Bayern Munchen.

Os bávaros eram uma equipa de prestigio antes dos anos 40 e viveram duas décadas na obscuridade até que Franz Beckenbauer os liderou da 2.Bundesliga à glória mundial em meia dúzia de anos. Desde 1969 que o clube de Munique conquistou 21 titulos de campeão. Nesse periodo de tempo logrou por três vezes um Tricampeonato e por outras três vezes um Bicampeonato. Um monopólio ensurdecedor numa das ligas que apresenta um maior número de diferentes campeões do Mundo. Desde esse 1983, dessa dobradinha dos homens de Hernst Happel, que foram campeões alemães oito clubes diferentes, dos quais apenas o próprio Hamburg e o Wolfsburg não lograram repetir, mais tarde no tempo, o seu primeiro troféu. Uma poderosa classe média a que teriamos de juntar Schalke 04 e Bayer Leverkusen, os eternos segundos dos últimos 20 anos, e projectos que o tempo destroçou como o Eintracht Frankfurt dos anos 90 ou o Hertha Berlin do inicio da década passada. Mas sobre todos eles sempre pairou a sombra do Bayern Munchen. Quando a época arrancou poucos imaginavam que fosse este Borusia Dortmund a equipa capaz de quebrar esta malapata. Especialmente tendo em conta o potencial do plantel dos bávaros, confirmado com a sua presença na meia-final da Champions League, algo que pode ser histórico caso Jupp Heynckhes e os seus aguentem a investida do Real Madrid no jogo de quarta-feira.

 

Por isso mesmo este titulo do Dortmund é ainda mais relevante que o da temporada passada.

Em 2011 Kloop montou uma equipa com um futebol tremendo e com uma juventude extasiante mas muitos viam nos homens de amarelo apenas uma moda passageira que o mercado e a tirânia bávara trataria de destroçar. O timido arranque de campeonato e a péssima performance na Champions League pareciam adivinhar isso mesmo. A equipa sentia a falta do critério de Nuri Sahin, a grande incógnita desportiva do ano, e os golos tardavam em chegar. Parecia que o Bayern Munchen apenas teria de aguentar a concorrência de outro Borusia rejuvenescido, outro velho rival, o de Monchengladbach. 

Mas Jurgen Kloop demonstrou ser um estratega eximio. Só lançou definitivamente Ilkay Gundogan quando este mostrou poder oferecer algo similar ao que aportava Sahin. Entregou o jogo ao génio precoce de Mario Gotze, nunca desistiu da verticalidade de Kevin Groskreutz e trocou os golos de Barrios pela eficácia de Lewandowski. A aposta foi ganha. O equilibrio de Perisic, Hummels, Subotic, Kehl e Bender foi fundamental na reviravolta tanto como o génio criativo do ataque. O Dortmund manteve-se fiel ao seu estilo de jogo ofensivo, não se veio abaixo nos tropeções e de repente encontrou-se só na liderança. A partir daí foi só gerir os tempos, lidar com o ataque desesperado do Bayern, derrotá-lo no confronto directo e contar as horas. Sem gastar as fortunas do passado, o clube entendeu que o modelo a seguir tinha de ser o mesmo que levara um clube a viver a sua pior hora financeira aos milhões da Champions. O pouco dinheiro ganho na Europa ajudou a sanear as contas, a impedir a saída dos melhores jogadores e a captivar algumas das novas promessas teutónicas. Marco Reus promete ser, no próximo ano, um reforço de luxo, algo que nem o eterno rei do mercado alemão conseguiu captivar a juntar-se aos Schweinsteiger, Muller, Robben, Ribery e companhia. Se Mario Gomez foi o homem golo, Mario Gotze foi o jogador mais completo que passeou a sua classe pela prova ao longo dos nove meses de competição, provando certa a ideia de Kloop em deixar sair Sahin sabendo que ficaria com um jogador menos constante mas muito mais incisivo no jogo de ataque. Á sua volta o espirito coral do Dortmund não destoou e os números não enganam. Os 25 jogos imbatidos do homens de Dortmund são cartão de visita suficiente para acreditar na solvência do seu projecto.

 

Apesar dos milhões que gravitam à volta do Allianz Arena fazerem, justamente, o Bayern o eterno favorito da próxima temporada, ninguém se atreve agora a pensar duas vezes antes de colocar o bicampeão à sua altura moral. É possível que Jurgen Kloop queira emendar a mão e apostar forte nos palcos europeus, com os consequentes ganhos financeiros que tanta falta fazem no Westphalen. Mas a Bundesliga sabe que está perto de viver um ano histórico, o primeiro desde 1977 quando pela última vez um clube que não o monstro de Munique, o Borusia Monchengladbach, venceu três campeonatos de forma consecutiva. A história é traiçoeira mas um petisco apetecível, algo que Klopp seguramente não vai querer deixar de provar.


Categorias: , ,

Miguel Lourenço Pereira às 18:59 | link do post | comentar

4 comentários:
De João a 26 de Abril de 2012 às 18:08
Apenas um reparo: "Se Mario Gomez foi o homem golo, Mario Gotze foi o jogador mais completo que passeou a sua classe pela prova ao longo dos nove meses de competição, provando certa a ideia de Kloop em deixar sair Sahin sabendo que ficaria com um jogador menos constante mas muito mais incisivo no jogo de ataque."


Não concordo com o que está aqui escrito, o Gotze não foi certamente o jogador mais completo da Bundesliga até porque apenas fez 15 (13 a titular) fruto de uma lesão. Penso que o melhor jogador do campeonato foi de longe o Kagawa. Este sim faz toda a diferença e só de pensar que custou uns tostões...

É a prova feita que há por ai muitos mercados por explorar e ricos em matéria prima. Neste ponto os clubes alemães são aqueles que melhor se movimentam principalmente em países asiáticos, Bósnia, Polónia, Noruega, etc...


De Miguel Lourenço Pereira a 26 de Abril de 2012 às 18:28
João,

Tens razão na lesão do Gotze e no papel fundamental do Kagawa em pegar na equipa do Dortmund, a minha referência ao Gotze vem mais no sentido de ser o jogador mais determinante do futebol germânico actual, apesar de Kagawa ter sido mais importante para a conquista do titulo.

Sem dúvida que esse mercado está há muito por explorar, Hulk e Kagawa são bons exemplos mas não os únicos. A boa gestão dos alemães faz sempre com que encontrem o melhor negócio possível!

um abraço


De João a 29 de Abril de 2012 às 12:09
Miguel,

Sim sem dúvida que o Gotze marca a diferença quando joga, felizmente o Dortmund conseguiu sempre manter-se fiel a si mesmo e nunca chegou realmente a sentir a lesão da pérola alemã fruto do aparecimento/confirmação de novos valores do futebol europeu como é o caso do Kevin Großkreutz e do Perisic.

O que é certo é que mesmo com as lesões do Gotze e do Barrios o Dortmund fez um campeonato fabuloso e agora que eu me deliciava só de pensar que para o ano iria ter a oportunidade de ver um ataque composto por: Gotze, Kagawa, Reus e Lewandowski eis que surgem noticias que o japonês está a um passo de se transferir para o Man Utd. Não é justo.

Boa continuação de blogue.

Um abraço.


De Miguel Lourenço Pereira a 29 de Abril de 2012 às 12:34
João,

É uma equipa fabulosa que resistiu a um óptimo Monchengladbach e um tremendo Bayern mantendo-se fiel ao seu estilo de jogo e sem o seu génio. Creio que este titulo vale ainda mais que o do ano passado por tudo isso.

O Perisic foi uma descoberta deliciosa,tremendo todo o ano. O problema de um clube que viveu a falência de perto é que sabe que se tornou um clube vendedor e é normal que os grandes colossos financeiros pesquem aí todos os anos. Mas se sobreviveram a Sahin, também sobreviverão a Kagawa. Não te esqueças que vem Reus.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO