Quarta-feira, 21 de Março de 2012

De Messi o mais simples que se pode dizer é que é um jogador consensual. Poucos na história lograram ter tanta gente rendida aos seus pés ao mesmo tempo. O recorde logrado na passada noite é apenas um detalhe na sua longa e espantosa biografia como futebolista. Aos 24 anos Messi bateu todos os recordes de precocidade e a esmagadora maioria dos registos de absoluta maturidade. A forma como o mundo do futebol se rende facilmente aos seus pés explica também o seu impacto social e a dura herança que deixará a um Barcelona habituado a estrelas cadentes.

César tinha o recorde e a César o que é de César.

Mas nem nessa maravilhosa equipa das "Cinc Copes", talvez uma das maiores da história do jogo, César era a estrela da companhia, o icone que todos pretendiam emular. Os seus números (232 golos) eram de um goleador nato, de um Dixie Dean á espanhola, mas nem Dean nem César nem Pichichi simbolizam uma era. Messi sim.

O Barcelona está habituado a ter nas suas filas a jogadores de elite. Dois dos quatro ases de poker da história do jogo (Cruyff e Maradona), os dois mais espantosos jogadores das últimas duas décadas (Ronaldo e Ronaldinho) e um leque de glórias que começam nessa equipa de César com o hungaro Kubala e que terminam no jovem argentino. Pelo meio Suarez, Liniker, Laudrup, Stoichkov, Romário, Guardiola, Figo, Rivaldo, Etoo, Xavi ou Iniesta ajudam a entender o nível de classe técnica e talento a que o Camp Nou se habituou nas últimas cinco décadas. E no entanto nenhum desses jogadores conseguiu alguma vez recolher a unanimidade de Lionel Messi. Esse é, sobretudo, o seu grande triunfo.

Pelé foi talvez o único futebolista da história incontestado. Pelo seu aparecimento precoce e espantoso e pela forma como construiu do nada uma equipa que se tornou símbolo de magia e qualidade durante todos os anos 60 até á sua despedida dos grandes palcos com o mais memorável Mundial de que há memória. Por essa época passaram Garrincha, Eusébio, Rivera, Charlton, Best, Fachetti, um precoce Beckenbauer, um veterano Di Stefano e nunca ninguém se lembrou de questionar a supremacia de Edson Arantes de Nascimento. Cinquenta anos depois sucede um fenómeno similar. Excepto os mais acérrimos defensores de Cristiano Ronaldo, a maioria dos adeptos reconhece que o estado de graça de Messi nos últimos quatro ou três anos tem sido espantoso. Não é a primeira vez que um jogador se mantém no mais alto durante tanto tempo, Di Stefano, Cruyff, Beckenbauer e Platini que o digam. Mas quem se lembra disso? Na era moderna, na era global, o mundo habituado a estrelas cadentes surpreende-se com algo que dura mais do que um nano-segundo. Muitos ainda olham de lado para o génio de Ronaldo, Zidane ou Ronaldinho porque, pelo paradigma contemporâneo, sempre parece uma memória efémera. Messi repete-se a si mesmo semana sim semana também, marca golos com a facilidade de um matador, gera jogo com a perspicácia de um playmaker e quando o Barcelona mais débil da era Guardiola se parece afundar, o argentino sai ao seu resgate. Este ano, mais do que nenhum outro, o Barça deve-se a Messi mais do que Messi se deve á espantosa orquestra montada á sua volta.

 

De Messi já se disse muito e pouco ficará sempre por dizer. 

Os titulos somam-se no final da carreira e se as suas três Champions (a primeira como elemento secundário, é preciso relembrar) empalidecem ainda com as cinco de Di Stefano a verdade é que o recorde de Cruyff, Beckenbauer e van Basten já foi igualado. Os prémios individuais, essencialmente o prestigioso Ballon D´Or, colocaram-no lado a lado com Platini e Cruyff e a partir de agora será fácil que a história pende para o seu lado. E no entanto Messi, esse símbolo de uma cultura futebolística que se transformou de contra-cultura a espelho dominante, tem aquilo que nenhum outro grande clássico do passado teve. Uma Némesis á sua verdadeira altura.

O futebol está habituado a reinados curtos mas de uma só personalidade. Durante esse breve ocaso uma estrela brilha de uma forma incontestável enquanto lá em baixo, no firmamento, outras tentam imitar sem sucesso os mais grandes. Mas os números espantosos de Messi encontram-se todas as semanas com os números não igualmente depreciáveis de Cristiano Ronaldo. O português perde em relação ao argentino sobretudo em três apartados que, no final, vão ser suficientes para criar uma imagem de eterno segundo que muitas vezes é tremendamente injusta.

Ronaldo, ao contrário de Messi, vai no seu terceiro clube em sete anos. O recorde de César é possível para quem cresceu e fez-se génio na melhor versão histórica de um clube, onde uma orquestra de génios (primeiro Ronaldinho, Deco e Etoo, depois Xavi, Iniesta, Henry, Alves, Pedro, Fabregas e Villa) permitiu o seu aperfeiçoamento. Ronaldo poderia, se tivesse tido a perspicácia mental, repetir esse feito de Red Devil. Mas a ambição pode mais que a razão e em Madrid o seu nome será sempre comparado com Di Stefano e isso são palavras maiores para qualquer um. E no entanto o português hoje pode fazer o seu 100 golo em Liga com o Real Madrid, em apenas duas épocas e meia. Uma média de um golo por jogo é o seu registo actual no clube e isso sem ter atrás de si estrelas tão brilhantes e (sobretudo) regulares como as do seu rival. Se a Cristiano lhe perde essa comparativa entre cantera vs dinheiro e sentido de pertença vs arrivismo, é sobretudo o caracter do português que lhe faz perder a luta mediática onde se decide a história. Messi vive também dos seus silencios, geridos habilmente pelo clube, e longe de ser um simbolo mediático como foi Pelé o Di Stefano, um profeta como Cruyff, um rebelde como Maradona é, sobretudo, um triunfo do anonimato. Naturalmente que os seus rendimentos publicitários falam de alguém preparado a sacar até ao último euro do seu mediatismo mas a incapacidade de brilhar fora de campo com a palavra como o faz dentro com o pé transforma-o num ser que não ameaça ninguém e que, por efeito oposto, se torna facilmente atractivo. A sua unanimidade ganha-se, sobretudo, com a capacidade que tem o argentino de não gerar anticorpos. Quando cospe em rivais, dispara a bola contra adeptos, protesta sobre a independência arbitral ou é assobiado na sua pátria o enfoque é ligeiro e rapidamente substituído por vídeos das suas eternas e perfeitas diabruras. A máquina propagandística que o Barcelona tão bem sabe levar e que capturou a atenção de mais de meio mundo transformou-se no melhor exercido de relações públicas que um atleta pode querer. O perfil de Ronaldo é mais conflictuoso porque simboliza o novo-riquismo do jogo que os mais românticos desprezam. Para esses, os logros de uma máquina física, como muitos o apelidam, nunca poderão ter o mesmo valor que os de um jogador feito na rua contra todas as adversidades do corpo humano.

 

A história do desporto fez-se sempre de grandes duelos. César é um nome que evoca um passado brilhante mas cujo o registo goleador pertence a outra era, outra simbologia. Messi, por outro lado, ambiciona ir mais além, talvez os 1000 golos de Pelé e sobretudo causar nos adeptos as mesmas sensações que Maradona, Di Stefano ou Cruyff lograram. Mas para ser o herói deste filme tanto o jogador como o clube que o transformou sabem que qualquer história precisa de um vilão. Ali e Frazier apenas combateram um par de vezes. Borg e McEnroe não disputaram tantas finais como a memória nos faz lembrar e mesmo Prost e Senna foram rivais apenas por um triénio em que dispuseram de armas similares. No desporto-rei esse duelo nunca existiu realmente porque nunca dois jogadores estiveram simultaneamente ao máximo das suas capacidades. O resultado final parece importar pouco porque o Mundo já decidiu quem ganhou á partida mas a contenda vai prolongar-se e continuar a entusiasmar os mais apaixonados adeptos. O génio superlativo de Lionel Messi existe por si só mas ganha ainda mais valor quando se relembra, semana atrás semana, contra quem se mede.



Miguel Lourenço Pereira às 13:33 | link do post | comentar

14 comentários:
De Apostas Online a 21 de Março de 2012 às 15:37
Messi tem um lugar na história do futebol! É um génio da bola...


De Miguel Lourenço Pereira a 22 de Março de 2012 às 19:49
Apostas,

Isso, sem dúvida alguma!


De JL Martins a 21 de Março de 2012 às 18:25
@Miguel.

Curvo-me perante mais um excelente post. Quando tiver mais tempo degustarei o mesmo com especial cuidado. E porventura acrescentarei a minha opinião.


De Miguel Lourenço Pereira a 22 de Março de 2012 às 19:49
LJ_Martins,

Muito obrigado pela visita, pelo comentário e ficarei á espera dessa troca de ideias ;-)


De Neto a 22 de Março de 2012 às 11:56
Unanimidade conquistata sem apelativos. Messi sem muita firula e sem diminuir seu adversario, já é magico por natureza. Não precisa de adereços. Sem muito esforço nos deixou acostumados com o q há de melhor no futebol. Messi ingênuamente se personifica em futebol "Arte". Tomara q isso seja a nova tendencia, para se compararem a Messi os demais vão ter q se desprenderem do futebol "Disfarce".


De Miguel Lourenço Pereira a 22 de Março de 2012 às 19:51
Neto,

A mim as unanimidades sempre me preocuparam e seguramente não acredito na ingenuidade num profissional de futebol, seja como for. Mas esse é sem duvida o maior trunfo de Messi fora dos terrenos de jogo e assim ganhou o Mundo. No tapete verde há milhões de razões para confirmar o seu estatuto.

um abraço


De Eduardo Louro a 22 de Março de 2012 às 19:00
Mais um excelente post. Como sempre!
Creio que é Messi é incomparável o que torna qualquer comparação injusta para o comparado. Como bem diz não há herói sem vilão, e é pena que CR7 (só isto já elucidativo), fruto das suas opções, não tenha tido uma máquina que o tivesse preservado desse papel. Dirão que, não se podendo ser o herói, o melhor mesmo é ser o vilão. Que antes um vilão consequente que um eterno segundo humilde. No plano financeiro acredito que sim, e como é esse o que mais releva para o Cristiano ...


De Miguel Lourenço Pereira a 22 de Março de 2012 às 19:53
Eduardo,

Obrigado. Cristiano Ronaldo teve um momento chave na sua carreira. Se tivesse ficado em Manchester teria ganha titulos, quebrado recordes e seguramente defrontado e alguma vez ganho no duelo directo com Messi. Abandonou um clube que jogava para ele por um clube devorador de homens, obrigou-se a uma comparação semanal com Messi e mediaticamente nunca soube ganhar o publico e imprensa espanhóis. Mais do que o futebol, que é outra questão, aí se definiu esta batalha mediática e faça o que fizer parece claro que algo muito grave tem de suceder para inverter os papeis desta fábula.

um abraço


De fourhorseman2 a 23 de Março de 2012 às 16:32
miguel,no texto anterior vc se referiu elogiosamente a messi como um genio,mas nao logrou ainda estar ao lado de pelé,maradona,di stefano e cruyff.Queria ,se possivel,na sua visao,vc demonstrasse como esse poker de mitos romperam a ordem das coisas,se messi ainda pode chegar lá e pq não garrincha como o quinto grande.
miguel,admiro muito seus textos e falo daqui da ilha de itaparica,brasil,te recomendo quando vier fazer um tour plo mundo!rsrs
abs


De Miguel Lourenço Pereira a 23 de Março de 2012 às 20:36
Fourhorseman2,

É uma ideia que tenho há algum tempo e que aproveitarei para desenvolver nos próximos tempos. Sobre Messi creio que será possível que ele rompa esse quarteto se fizer algo sobrenatural. Como lhe faltam as condições sociais, politicas, de liderança natural e carisma para emular esses quatro só o vejo a entrar de rompante aí da mesma forma que se tem apresentado, ou seja, com uma tremenda regularidade. Se Messi jogar daqui a quatro anos como o faz hoje então torna-se por direito própria uma super-lenda.

O grande Mané Garrincha tinha mais futebol nos pés tortos do que quase todos os homens que pisaram a terra e se fosse apenas por talento ele estaria por cima de Pelé, Di Stefano e talvez Cruyff, jogadores mais cerebrais. Só ele e Maradona decidiram "sós" um Mundial e isso diz tudo sobre o seu nível. Mas a sua falta absoluta de profissionalismo, mais similar a um herói do futebol amador, condenou-o a viver á sombra de outros grandes.

um abraço e obrigado pela dica de viagem ;-)


De Androabo a 24 de Março de 2012 às 00:11
Execelente comentário e excelente análise.
Já acompanho seus comentários há poucos meses e somente tenho que elogiá-los bastante.
Tem a capacidade de enxergar este esporte com muita inteligência (Lembra-me do excelente cronista Armando Marques, já falecido).
Parabéns e saudações do Brasil.


De Miguel Lourenço Pereira a 25 de Março de 2012 às 21:08
Androabo,

Muito obrigado pela visita, pelo comentário e pela comparação que não mereço com o grande Armando Marques.

um abraço do outro lado do Atlântico


De Androabo a 26 de Março de 2012 às 04:01
Desculpe pelo erro O cronista a quem me referi é Armando Nogueira.
O saudoso "Mestre" Armando Nogueira.
Veja um pouco aqui sobre o Mestre:
“Obrigado, Mestre Armando”
http://sportv.globo.com/platb/lediocarmona/2010/03/29/obrigado-mestre-armando/

Parabéns novamente.
E um abraço do lado de cá do Atlântico.


De Miguel Lourenço Pereira a 26 de Março de 2012 às 16:27
Androabo,

O erro também é meu, a pensar na mesma pessoa e a errar também o apelido. É uma colecção deliciosa de frases, o Brasil tem escribas notáveis e nos próximos tempos prometo dedicar mais tempo ao futebol brasileiro no EJ. Merece.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO