Sábado, 17 de Março de 2012

Em 1996 a Premier League começava a despontar, a afastar-se da penumbra dos días de luto da First Division. Talvez nem os mais optimistas pensavam então no caracter singular e icónico que a prova teria uma década depois. Esse foi o último ano em que os ingleses não lograram colocar nenhuma equipa nos Quartos de Final da Champions League. O milagre de Ivanovic pode ter evitado que, 16 anos depois, o cenário se volte a repetir. Mas das sete equipas que começaram a temporada europeia só resta uma. E esta realidade não é nova. O modelo da competição e a saúde financeira e desportiva dos clubes da Velha Albion volta a estar no centro das atenções. A debacle anunciada transformou-se em realidade, os velhos fantasmas voltam a pairar pela Mancha...

 

O Blackburn Rovers de Dalglish, Sutton, Shearer e dos milhões de Jack Warner logrou o milagre em 1995.

A vitória na Premier League deveu-se mais ao hara-kiri desportivo do Manchester United, orfão do genial Eric Cantona a pagar as penas do seu mitico golpe de kung-fu, do que propriamente ao talento dos Rovers. O triunfo foi também o ocaso de uma era. Foi a última vez que um clube fora do binómio Manchester-Londres venceu um titulo. Foi também, de certa forma, o último suspiro da First Division onde equipas como Everton, Aston Villa, Nottingham Forrest e Derby County podiam bater o pé aos grandes. Na temporada seguinte os homens de Ewood Park lograram o ridiculo na Champions League, um quarto posto na fase de grupos com 4 pontos em seis jogos, num grupo onde estavam Spartak Moscow, Legia Warsow e Rosenborg. Foi o ocaso da velha Inglaterra, o final de um ciclo negativo que a partir do ano seguinte se iria começar a converter numa tendência positiva com as meias-finais logradas pelo Manchester United, equipa que venceria duas vezes a prova nos dez anos seguintes. Os Red Devils, mais do que qualquer equipa, simbolizaram a supremacia moral e real da Premier League sobre a decadente Serie A e uma La Liga demasiado pendente do duelo Barça-Madrid para crescer no escalão médio, onde a maioria dos clubes só conseguiam sobreviver com ajudas públicas. Dezasseis anos depois dessa data que muitos já tinham esquecido, o futebol inglês volta a ficar demasiado longe do máximo palco europeu. Das sete equipas que arrancaram a temporada europeia (Arsenal, Tottenham, Chelsea, Manchester United, Birmingham, Stoke e Manchester City), só os Blues lograram apurar-se para os Quartos de Final da sua respectiva competição (depois de despedir o treinador e obrar um verdadeiro milagre em Stanford Bridge). E o pior de tudo foi a imagem deixada com eliminações precoces primeiro (United, City, Tottenham) e com sérios correctivos no resultado e no jogo (Arsenal-Milan, United-Bilbao, City-Sporting). O mais curioso é que ninguém parece demasiado surpreendido.

 

Depois da final inglesa entre Manchester United e Chelsea, a tendência de supremacia da Premier começou a inverter-se na Champions League. Nesse ano tinham estado três equipas nas meias-finais. Em 2007 tinham sido três, e em 2006, 2005 e 2004 uma. Na temporada seguinte o Manchester United repetiu o lugar na final e voltaram a encontrar-se três equipas inglesas na fase prévia à final mas o triunfo do Barcelona anunciava uma nova era. Em 2010, pela primeira vez em sete temporadas, nenhum clube inglês esteve nas meias-finais da prova. Em 2011 foram apenas os Red Devils a chegar tão longe. Já ninguém falava de supremacia britânica.

Não eram só os grandes jogadores (Cristiano Ronaldo, Thierry Henry, Arjen Robben) que partiam. Não era só o descontrolo financeiro absoluto da maioria dos clubes, a falta de treinadores ingleses de nível, a clara baixa de qualidade nos niveis de excelência da formação local ou a sobrelotada presença de jogadores estrangeiros de segundo e terceiro nivel, bem diferente do que se viveu nos anos 90. Era algo mais do que isso, uma sensação que se podia palpar.

A eliminação dos dois gigantes ingleses na fase de grupos surpreendeu, mas confirmou essa tendência gritante. O Manchester City, apesar de todos os milhões invertidos, deixou claramente evidente a sua falta de estofo europeu ao cair diante de Bayern Munchen e Napoles. O United repetiu a péssima performance de 2006 e ficou de fora num grupo acessível mas que acabou por ser desprezado por Alex Ferguson até que já não havia volta a dar. O facto dos dois clube serem, ao mesmo, tempo os que dominam claramente a competição nacional explica o desfaze real que começa a existir entre a Premier de há meia dúzia de anos e a Premier League actual.

Na Europe League – competição onde nenhuma das equipas apostou forte e que nenhum clube inglês vence há mais de uma década – a imagem foi ainda mais penosa. O Manchester United sofreu demasiado contra o Ajax e foi futebolisticamente ridicularizado pelo jogo do Athletic Bilbao. Isto utilizando um 11 com a maioria dos seus jogadores titulares. O City eliminou o FC Porto, sofrendo no Dragão e rematando a eliminatória apenas nos dez minutos finais da segunda mão, mas foi incapaz de dobrar a raça e determinação do Sporting. Também neste duplo confronto Mancini usou cartas que valem milhões. O nivel máximo da Premier League é agora questionado por equipas que não lutam pelo titulo em Espanha, Portugal e Holanda e projectos desportivos constantemente questionados como o do AC Milan. Enquanto Espanha continua a demonstrar a sua força com as campanhas de Barcelona e Real Madrid na Champions e o trio Valencia-Atletico Madrid-Athletic Bilbao na Europe League, o fosso entre os conjuntos ingleses e os continentais começa a aumentar.

Apesar do sucesso económico da Premier League, a maioria dos clubes parece incapaz de competir com o poderio financeiro dos grandes clubes espanhóis. Cada vez menos os principais conjuntos da Premier conseguem atrair jogadores de top que joguem no continente (os casos de Hazard, Gotze, Sneijder, Forlan, Falcao, Neuer, Ribery são evidentes) e acabam por ver os orçamentos de transferências inflacionados pelas movimentações entre jogadores da própria liga ou compras realizadas directamente a ligas menores como a portuguesa, holandesa ou francesa. A qualidade dos planteis dos grandes clubes tem vindo a decrescer, os sucessivos empréstimos obtidos junto das entidades bancárias com juros cada vez maiores cercam as contas da maioria das instituições e os elevados preços das entradas começam a aumentar o fosso entre clubes e adeptos a números pré-Relatório Taylor. Uma encruzilhada que não deixa de ser acompanhada pela decadência de uma geração que foi vista por muitos como a “galinha dos ovos de ouro” do futebol inglês e a incapacidade de surgirem nomes com força suficiente para substituí-los. Ferdinand, Gerrard, Carragher, Terry, Lampard, Cole continuam a ser as figuras de referências locais já bem passados a casa dos 30.

 

Neste contexto parece evidente que a qualidade média do jogo da Premier League se transforma progressivamente numa tendência negativa a médio prazo. O imenso vazio entre os milhões de Manchester e os restantes clubes vai aumentando, a liga parte-se cada vez mais em três lotes (um segundo com Chelsea, Arsenal, Tottenham, Liverpool e um terceiro onde se incluem todos os outros) e nos palcos europeus essa crescente debilidade faz-se notar. Se é provável que nos próximos anos alguma equipa inglesa consiga colocar-se de novo numa final europeia, também é cada vez mais evidente que o seu papel hegemónico, como sucedeu com a Itália dos anos 90 e a Espanha do virar de século desapareceu por completo.



Miguel Lourenço Pereira às 11:53 | link do post | comentar

2 comentários:
De CRG a 19 de Março de 2012 às 11:53
Viva Miguel,

Já há muito tempo que não comentava...

Parece-me que o problema particular da Premier foi uma mudança do paradigma numa sociedade ainda claramente dividida por classes. O adepto comum da Premier actualmente é da classe média, deixou de pertencer à classe trabalhadora, que se virou para a Division One.

Relativamente à gestão pouco cuidado, esta não atinge apenas a Premier, atinge igualmente os principais campeonatos da Europa, exceptuando-se a Bundesliga, que continua a praticar preços normais.

Clubes como o Leeds, Valência e Boavista são exemplos claros de que a chegada dos milhões da Champions levaram a uma gestão demasiado voluntarista: um all in que lhes custou caro.

No entanto, não sei se a solução passará por ligas fechadas à americana ou por normas que visem regulamentar os gastos, tornando-os dependentes das receitas.

Abraço


De Miguel Lourenço Pereira a 20 de Março de 2012 às 23:45
CRG,

É sempre bom ler os teus comentários.

Estamos de acordo no perfil social e económico do adepto, hoje a Premier é mais uma competição da Ásia do que da própria Inglaterra e esse divórcio é real. Espero que alguns clubes lancem politicas sociais e economicas sustentáveis e que se aproximem do modelo de Fair Play da UEFA, uma das boas medidas de Platini, e se afastem de casos como os que citas e que se prolongam sine die na história do jogo.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO