Quarta-feira, 22 de Fevereiro de 2012

Pode parecer paradoxal, mas são as leis do jogo. O futebol não respeita tempos e é inimigo natural da paciência e dos projectos a longo prazo. É preciso ter coragem para remar contra a corrente para poder ler as entrelinhas. O Chelsea nunca demonstrou ser um clube com visão de futuro, mas há claros sinais de que algo está a mudar na estrutura directiva do clube londrino. No entanto essa metamorfose só pode funcionar se a paciência admnistrativa se transladar ao terreno de jogo. Mas os idos de Março estão aí e as facas nunca estiveram tão afiadas...

 

Pode ser irónico que o duelo entre Chelsea e Napoles em Londres se disputa nas vésperas dos Idos de Março, mas é uma noite perfeitamente apropriada.

Não que Villas-Boas seja um César, mas seguramente porque todos os senadores – jogadores e directivos – do clube estão desejosos de espetar a sua adaga no cadáver já moribundo do técnico português. Ontem, aos pés do Vesúvio, Villas-Boas parecia-se mais com os restos petrificados pela lava do Vesúvio que podemos encontrar alguns kilómetros a sul na belissima Pompeia do que propriamente um treinador de futebol de topo. O técnico perdeu há muito o controlo do balneário – algo fundamental para sobreviver em Stanford Bridge – e arrisca-se a perder também a paciência de Abramovich. A exibição dos Blues foi desoladora.

Mata abriu o marcador num lance fortuito, mas nem aí parecia que o Napoles tinha perdido o absoluto controlo do jogo. O jogo pelas alas dos laterais ofensivos destroçou a estratégia de Villas-Boas – que apostou num conservador 4-2-3-1 – e o jogo de Hamsik entre Ramires e Meireles foi superlativo. Os golos sucederam-se com uma naturalidade confrangedora, podiam ter sido mais e muitas culpas ficaram por atribuir tanto a um decadente Cech como a uma defesa inadmissivel. David Luiz na Luz já tinha deixado antever que era um central com muitos pontos débeis. Em Londres a sua ineficácia tem sido ainda mais regular. O facto de AVB não ter conseguido establecer uma linha de quatro estável, entre lesões e conflictos internos com Terry e Cole, não tem ajudado. A defesa dos ingleses é o seu calcanhar de Aquiles, mas a verdade é que a incapacidade de trocar a bola e de manter uma larga possessão é cada vez mais evidente e problemática. O projecto de futuro do clube está em cheque, a destituição do portuense é questão de dias e o status quo ameaça destroçar o profundo trabalho de reestruturação interna em que o Chelsea se envolveu de corpo e alma.

 

Quando Abramovich começou a entender que despejar fortunas nos cofres do clube não era suficiente para transformar o Chelsea num projecto ganhador a curto, médio e longo prazo, os Blues começaram a desenhar uma estratégia para cumprir com as regras de Fair Play da UEFA sem perder a competitividade no terreno de jogo.

O histórico “double” conseguido por Ancelloti no seu primeiro ano era um sinal de que o fantasma de Mourinho parecia ter ficado para trás mas a idade do plantel assustava o mais optimista. Em dois anos a directiva decidiu soltar-se da legião montada por Mourinho e seguida por Scolari e apostar no futuro. Os contratos dos veteranos não foram renovados e as saídas multiplicaram-se. Belleti, Deco, Ballack, Carvalho e Anelka foram os primeiros. Drogba, Paulo Ferreira, Kalou, Malouda, Cole e Essien viram as suas pretensões salariais recusadas e os contratos em suspenso. Alex foi vendido ao PSG em Janeiro e em dois anos o clube apostou, sobretudo, em jogadores jovens, com elevado potencial de crescimento e uma cultura futebolistica diferente à do choque e musculo cultivada por Mourinho e Kenyon. Os espanhóis Mata e Romeu, os belgas Lukaku, De Bruyne e Courtois, o repescado Sturridge e o inglês Cahill juntaram-se a um trio lusófono composto por David Luiz, Meireles e Ramires e a um velho sonho do magnata russo, Fernando Torres. Uma verdadeira revolução que ajuda a explicar a situação actual do clube. A velha guarda local – Terry, Lampard e Cole – responsáveis pelas saidas de Mourinho e Scolari – não aceitaram a politica directiva e as opções de Villas-Boas, que os condenou regularmente ao banco de suplentes. Aqueles que viam o contrato expirar criaram um circulo de bloqueio e as novas incorporações nunca demonstram força suficiente para impor-se no balneário. O falhanço desportivo de Torres, Ramires e David Luiz não ajudou a alterar a percepção dos adeptos. Em Stanford Bridge o tempo custa dinheiro. Mais de dois terços dos habituais detentores de lugares anuais ganham mais de 60 mil libras ao ano, são pessoas a que lhes importa muito pouco o amanhã e, sobretudo quando as mudanças implicam questionar o relicário de uma geração que devolveu o clube à glória. Com esse apoio de fundo, o balneário sentiu-se forte. A direcção nunca se postulou definitivamente do lado do técnico – como seria de esperar num projecto construido a pensar nos próximos dois anos – e a posição do sósia de Mourinho, ainda respeitado nas bancadas e no balneário, foi-se debilitando de uma forma que só resultados categóricos poderiam contrariar. Os resultados transformaram-se na consequência da guerra interna e conderam o luso. Salvo que Abramovich, homem de negócios caprichoso mas homem de negócios de todas as formas, saiba ter a paciência que tantas vezes lhe faltou e que sempre significou o imenso abismo que existe entre o Chelsea e o Manchester United, para por um exemplo.

 

Villas-Boas chegou a Londres com uma aura de sucesso talvez precipitada, tanto pela imprensa inglesa como pelo próprio técnico portuense que saiu do casulo do Dragão ainda muito verde. No entanto parece evidente que o problema do Chelsea é muito mais profundo e problemático do que um simples erro de casting de um técnico pode supor. Os Blues têm de saber ser consequentes com a sua politica de rejuvenescimento do plantel e da mutação do sistema e modelo de jogo aplicado. Se as adagas dos conspiradores fizerem sangue nos próximos Idos de Março, o grande prejudicado acabará sempre por ser o clube que dará mais um passo em falso rumo ao futuro. Villas-Boas pode não ser a solução definitiva mas sinceramente é o número menor nesta problemática equação. A lava do Vesúvio pode ter deixado petrificado o técnico, mas é do dono russo que se espera que contenha o seu habitual vulcão auto-destructivo.



Miguel Lourenço Pereira às 12:29 | link do post | comentar

10 comentários:
De Pedro a 22 de Fevereiro de 2012 às 12:57
Esta paciência do Abra para com o AVB deve tar a ser vista pelos antecessores do AVB como um milagre que se passa na cabeça do DONO do chelsea xD


De Miguel Lourenço Pereira a 22 de Fevereiro de 2012 às 14:06
Pedro,

Precisamente os erros de casting anteriores devem servir de licção. Grant e Ancelloti mereciam mais crédito de Abramovich do que realmente tiveram, AVB não está na mesma liga de erro de cálculo em que esteve Scolari.

um abraço


De Apostas a 22 de Fevereiro de 2012 às 23:40
Fantástica leitura Miguel, mais uma vez, e concordo em pleno.

Acrescento que o AVB não tem experiência nem o considero o técnico que vendem, a não esquecer a equipa técnica que o rodeia e está muito longe de ser um Mourinho (e a sua equipa técnica).. esse SR. que foi cantado em 3 estádios em países diferentes na mesma jornada desportiva.

Considero também que a juventude é importante num clube para dar continuidade ao trabalho desenvolvido mas nunca para o dissolver como tem vindo a ser feito no Chelsea.

Quanto aos Idos de Março farão sem dúvidas mais uma baixa que já tem destino traçado.. a meu ver para o FCP.

Abraço


De Miguel Lourenço Pereira a 23 de Fevereiro de 2012 às 08:43
Apostas,

Obrigado pelo comentário.

Sem duvida que o AVB é um treinador com potencial mas sempre considerei a sua saida como algo extremamente precoce, tanto no prestigio que traz para o clube onde chega (fundamental para conquistar um balneário que já ganhou tudo) como para a sua própria experiencia pessoal.

O Chelsea é uma "gaiola de loucas" se Abramovich quiser que o seja. Se o dono, por uma vez, decide optar pelo caminho mais dificil mas com mais futuro, AVB teria futuro no projecto. Conhecendo-o, e sobretudo conhecendo a estrutura interna do clube, parece estar claro que os idos de Março trarão muitos efeitos colaterais.

um abraço


De jaques a 23 de Fevereiro de 2012 às 17:11
No Chelsea passa-se algo muito simples: a força da gravidade. Além de Terry, Lampar, Cole e Drogba já não serem uns jovenzinhods, junta-se o caso de ainda serem muito melhores que os jovenzinhos contratados por Boas (David Luiz de cabelo comprido, Oriol de rabo grande...) e por Abramovich (Torres, o inofensivo), e de Boas não saber contratar nem valorizar jogadores, como se viu no FCP, onde se limitou a aproveitar os jogadores existentes. No Chelsea já não há um plantel pronto a usar, portanto o primeiro a ser usado e deitado fora é mesmo esse em que estão a pensar...


De Miguel Lourenço Pereira a 24 de Fevereiro de 2012 às 08:22
Jaques,

O plantel do Chelsea há largos anos que é claramente mediano e compensava com a força fisica, dedicação e experiência o que não tinha em qualidade. Hoje nem Terry, nem Cole nem Lampard estão para esse sacrificio durante 9 meses.

Villas-Boas queria Alvaro Pereira, Falcao e Modric e acabou por ficar com Meireles, Mata e um Lukaku que nem sequer podia rodar emprestado a nenhum clube. O plantel é claramente mais fraco e descompensado e precisa de sérios reajustes. Para ele ou para qualquer técnico que o siga.

um abraço


De jaques a 24 de Fevereiro de 2012 às 17:19
De acordo. O Chelsea vai cair a pique e, a prazo, talvez volta à dimensão de clube médio inglês...


De Miguel Lourenço Pereira a 25 de Fevereiro de 2012 às 18:25
Jaques,

Sem dúvida, o plantel do Chelsea nesta momento está ao nivel do do Arsenal e Liverpool e por debaixo de Hotspurs e Man Utd e City. Essa é a realidade, quem vive de nomes e de titulos pretéritos custa-lhe entender mas o Chelsea vai forçosamente passar por uma reestruturação que custará um que outro dissabor.

Mas com De Bruyne, Lukaku, Mata, Romeu, McEachran, Van Aanholtd, Cortouis e Cahill começa a desenhar-se um futuro bastante promissor.

um abraço


De filomeno a 4 de Março de 2012 às 19:04
José Mourinho, querido y respetado en Portugal, en Inglaterra, en Italia.........¡Criticado injusta y excesivamente en España......!!!


De Miguel Lourenço Pereira a 7 de Março de 2012 às 12:48
Filomeno,

Não acredites que Mourinho é tão querido em Portugal como em Itália ou Inglaterra.


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO