Quarta-feira, 8 de Fevereiro de 2012

O futebol ensina-nos a amar o imponderável, o incerto, o surpreendente. Nas provas a eliminar, onde os orçamentos contam menos e a paixão vale mais, de tempos a tempos apaixonamo-nos uma vez mais, sempre uma vez mais. Miranda de Ebro tem o coração de Espanha, o coração de um futebol que não acredita apenas em estatisticas, números e que vive do sonho e da incerteza. No final a derrota espelha a inevitabilidade, mas a eliminatória convida a amar, só mais uma vez, o imponderável de uma bola redonda à solta num tapete voador imaginário.

Há só uma hora de distância entre ambas ciudades, mas podia bem ser um Mundo.

Nada parece unir a cosmopolita Bilbao com a pequena Miranda de Ebro. A cidade burgalense tem tudo para encarnar o velho ideario español de pueblo. Não tem mais de 40 mil habitantes, uma pequena amostra de indústria local, meia dúzia de serviços e as lembranças de um passado heroico nos dias pretéritos da Reconquista. A equipa, absolutamente amadora, pugna na II Divisão entre campos diminutos, viagens que se eternizam em autocarro por essa cordilheira norte que rasga a Peninsula e uma ilusão tremenda de sonhar com a inesperada promoção. Todos conhecem as suas limitações, todos sabem o que valem e, no entanto, e isso é futebol, todos provaram na pele o que é contrariar as expectativas. A equipa chegou atè às meias-finais da Copa del Rey, um feito que não se vivia há várias décadas e que espelha o profundo afastamento entre os 40 clubes profissionais e as restantes formações que completam o mapa do futebol espanhol. E chegou depois de bater-se contra os seus, as equipas pequenas que se vão degladiando até à entrada dos gigantes. Mas, sobretudo, depois de acabarem com os legitimos sonhos e aspirações de três primodivisionários. A giria chama-lhes tomba-gigantes, os adeptos de Villareal, Santander e Espanyol conhecem-nos melhor como pesadelos.

 

Claro que o futebol não é Hollywood e as histórias de final feliz escasseiam tanto que já ninguém acredita nelas.

O duro golpe da realidade estava para chegar. Na proximidade de uma hora em autocarro, em plena catedral de San Mamés. O Athletic Bilbao de Marcelo Bielsa venceu a eliminatória ao modesto Mirandês porque soube respeitar o imponderável, entendeu que os nomes não ganham jogos e apresentou-se com a profunda reverência de quem vai disputar uma final europeia. Um respeito que dá mais valor ainda à gesta mirandesa e que está muito para lá dos números (1-2 na primeira mão, 6-2 ontem na “Catedral” basca). O rei de copas, a par do Barcelona, jogou o melhor que sabe jogar e que é muito. O Mirandês entrou em campo lembrando talvez o velho espirito do amadorismo britânico, o reflexo presente do imaginário que deixou na sua época a caminhada tranquila dos Corinthians. Abdicou do seu equipamento histórico, rojillo, por uma camisola idealizada pelo seu treinador, o entranhável Carlos Pouso, ferveroso admirador do Borussia Dortmund. Encarou o duelo como uma paixão, sem sentir-se preso a contratos publicitários, obrigações ideológicas e palavras de ordem. Jogou futebol pelo futebol, perdeu bem e saiu debaixo de um coro imenso de aplausos que vão demorar em esquecer.

Como sempre sucede, quando alguém tão pequeno surge numa festa reservada aos grandes, o nome fica. Fica como lembrança do que o futebol pode ser e tantas vezes não é. Fica como o perfume do tapete verde e o cheiro a suor de um balneário humilde muito para lá das conferências de imprensa cheias de flashes e o cheiro a desodorizante de estrela.

 

Com a derrota o Mirandês conseguiu a glória eterna da memória, algo que muitos aprenderam a valorizar mais ainda que a certeza humana do metal. Para eles a final foi ontem, para o Bilbao a 36 da sua história será em Maio. Cada um tem o seu encontro com a glória. A uns coube desfrutar da essência do jogo, a outros tornarem-se reis de copas de Espanha. O futebol segue sempre por caminhos cruzados, mas, de vez em quando, lá se lembra de encontrar-se numa noite inesquecível.


Categorias: , ,

Miguel Lourenço Pereira às 14:01 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO