Quarta-feira, 1 de Fevereiro de 2012

Pode explicar-se o sucesso recente do Tottenham Hotspurs pela magnifica gestão do técnico inglês Harry Redknapp. Um Manager capaz de inverter a tendência auto-destructiva dos Spurs que voltam a poder proclamar-se, legitimamente, como grandes de Inglaterra. Mas a popularidade dos homens de White Hart Lane deve-se mais à explosão de um génio que esteve a um passo de sair do clube pela porta pequena e que se tornou no símbolo mais icónico dos Spurs desde os dias de Jurgen Klinsmann.

 

Começou como defesa, popularizou-se como extremo e agora é um verdadeiro jogador total.

O sucesso de Gareth Bale pode ser um verdadeiro case-study de sucesso numa liga que continua a viver mais da importação do que do producto fabricado localmente. Bale esteve perto de ser um dos muitos jovens futebolistas britânicos descartados por um clube grande no momento fulcral da sua formação. Mas a sorte e o olhar clínico de Redknapp permitiram-lhe ser precisamente o oposto, o exemplo a que todos os jovens britanicos olham com esperança de emular. O triunfo de um jogador made in UK é mais importante do que se possa imaginar para a psique de um pais que sempre viveu com um imenso sentido de superioridade face ao futebol continental mas que acabou por entrar numa dinâmica regressiva quando a invasão da legião estrangeira deu à Premier League tudo aquilo que ela era incapaz de produzir apenas com o tipico futebolista insular.

Há 20 anos atrás Gareth Bale seria um de muitos. Hoje é um símbolo de uma tendência que os britanicos procuram inverter sem saber bem como. O abandono progressivo do kick and rush fez-se sobretudo com ajuda externa entre jogadores (Cantona, Ginola, Zola, Bergkamp, Gullit, Vieira, Pires, Henry…) e técnicos (Wenger, Houllier, Mourinho, Benitez) de fora. O típico futebolista local continua a ser, sobretudo, um espelho de uma mentalidade que ainda não mudou onde é verdadeiramente importante: as ruas.

O sucesso do modelo francês e espanhol não contagiou a juventude inglesa que continua a preferir a garra à classe, a força à genica, a coragem ao cinismo. Rooney representou esse espírito quando surgiu do nada, em 2003, mas desde então o futebol britânico falhou nas suas sucessivas promessas. Até chegar Bale.

O gales foi recrutado para as filas do Tottenham depois de dar nas vistas no agónico Southampton. Depois de dois anos entre a equipa júnior e as reservas em White Hart Lane o seu destino parecia ser igual ao de tantos outros, uma dispensa sem honra e uma peregrinação por clubes da League One. Uma realidade nada estranha para um clube com um plantel imenso mas sem um timoneiro. A chegada de Redknapp mudou o rosto do clube e, por arraste, o destino de Bale. A pouco e pouco o jovem gales começou a ser opçao na primeira equipa e em 2009 tornou-se titular indiscutivel como lateral esquerdo dos Spurs.

Com um estilo mais brasileiro do que tipicamente british, a forma como Bale encarou o carril esquerdo assemelhou-se sempre mais à herança canarinha de Djalma Santos e Roberto Carlos do que, propriamente, às lembranças mais icónicas dos laterais habituais da Premier. Bale sabia ocupar o espaço defensivo mas onde realmente fazia a diferença era, sobretudo, na sua acção ofensiva. Com ele como autentico ala o Tottenham tornou-se numa equipa predominantemente ofensiva, com Defoe, Pavluychenko, Modric, Lennon e Huddlestone como elementos fundamentais do equilíbrio ofensivo. Bale tinha carta branca para tornar-se no quinto homem do ataque e os seus golos e assistências revelaram-se fundamentais na extraordinária campanha dos Spurs em 2009/10 com o prémio histórico de um bilhete para a Champions League. Na época seguinte Redknapp imaginou, talvez, que os rivais saberiam que as costas de Bale seriam facilmente exploráveis e preferiu jogar pelo seguro. Abdicando de Modric no flanco esquerdo – movendo-o para trás do ponta de lança – o inglês avançou Bale como extremo e fez dele o elemento nuclear do jogo ofensivo da sua equipa. Na Europa só o Real Madrid travou, nos quartos-de-final, a espantosa campanha dos Spurs que teve consequencias domésticas, um quinto lugar que, no entanto, não deixava de ser meritório. A pesar do génio de Modric, da classe de van der Vaart e do papel central de Redknapp nenhum adepto duvidava do verdadeiro papel de estrela de Bale no projecto Spur.

 

2011-12 permitiu ao galês que tantos associam a Ryan Giggs, esse veterano incombustível, dar o passo que faltava. Pela primeira vez desde a década de 80 o Tottenham finalmente pode reclamar que está, de pleno direito, na luta pelo titulo que lhe escapa desde os dias de Jimmy Greaves. Bale já não é só um extremo letal, talvez um dos mais eficazes do Mundo. Agora é um verdadeiro futebolista completo, um verdadeiro joker sem posição fixa no esquema do Tottenham que tanto surge nas alas (esquerda e direita) como surge no eixo central, diante de Modric, a romper linhas. Da mesma forma que Mourinho descobriu em Di Maria um tempestuoso punhal na medular, também Redknapp fez de Bale um falso extremo imprevisível. O seu papel central trouxe ainda mais dinamismo ao jogo veloz do Tottenham e, sobretudo, reforçou o seu papel de estrela mundial de pleno direito, jogador de referencia em qualquer canto do Mundo. Para os britânicos a sua ascensão é um genuíno motivo de alegria. Apesar do talento de Whilshere, Jones, Wellbeck, Wyler, Hart, Cleverley, Adam, Henderson, Young ou Carroll, exemplos de uma Inglaterra genuinamente renovada, cabe a um gales como Bale ser o jogador insular bandeira de uma prova onde os estrangeiros começam a perder o protagonismo que tiveram até às saídas de Henry e Ronaldo e em que o futebol histórico britânico volta a ser referencia nas ruas onde a camisola de Bale vale tanto como o nome de Messi.



Miguel Lourenço Pereira às 23:43 | link do post | comentar

2 comentários:
De R_Matos a 2 de Fevereiro de 2012 às 14:45
Um dos meus jogadores preferidos da actualidade e, indiscutivelmente e comprovadamente, um dos melhores do mundo. A sua eleição por parte dos adeptos para o 11 ideal da Uefa é prova disso.

Um jogador que teve uma evolução fantástica, tornando-se completo e explosivo pela mão do seu timoneiro, Redknapp. Seria mais um caso perdido não tivesse sido a visão deste experiente técnico inglês.

Provavelmente Bale sofrerá um pouco aquilo que Giggs também passou, as limitadas hipóteses de brilhar num Europeu ou Mundial de selecções. Não tenho dúvidas, que seria um prémio para ele, como também Giggs o merecia. Que terá um futuro brilhante, disso não tenho dúvidas.

Abraço


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Fevereiro de 2012 às 19:04
R_Matos,

E o curioso é que, antes da trágica morte de Speed, muitos davam Gales como um dos grandes candidatos a surpresa da fase de apuramento para o Mundial do Brasil.

Jogador tremendo, completissimo que vai seguramente marcar uma era se não se perder como sucedou com tantas promessas britânicas da última década.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO