Domingo, 22 de Janeiro de 2012

Durante os últimos 40 anos a Bundesliga viveu sob uma eterna realidade. O livro de cheques do Bayern Munchen. O clube a quem muitos chamam, despectivamente, FC Hollywood, tornou-se no pesadelo dos seus rivais. Dentro e fora de campo. Estrela que irrompia em hostes alheia, estrela que os bávaros tentavam capturar para o seu castelo. Marco Reus quebrou uma tendência crónica e, sem sabê-lo, pode até mesmo ter invertido uma longeva realidade. Hoje quem contrata são os outros, quem cultiva a formação são os ogres de vermelho.

No magnifico plantel desenhado por Louis van Gaal e que este ano é orientado por Jupp Heynckhes os números de contratações de estrelas locais empalidecem em comparativa com o leque de jogadores que chega dos escalões inferiores. Salvo a recém-chegada de Michael Neuer, indubitavelmente o melhor guarda-redes europeu do último ano, e o olfacto goleador de um Mario Gomez que chegou há três anos vindo do Stuttgart, o Bayern Munchen parece ter abandonado a sua velha politica de roubar as estrelas emergentes aos rivais para cuidar mais do seu quintal. Talvez a politica de formação que tanto (e tão bem) transformou o olhar que temos da Bundesliga também tenha realmente começado a fazer sentido para Uli Hoeness e Karl-Heinz Rummenigee, os homens fortes do futebol do Bayern.

Aos já veteranos Bastian Schweinsteiger e Philiph Lahm juntam-se actualmente Thomas Muller, Holger Badstuber, David Alaba, Toni Kroos, Diego Contento e Maximillian Riedmuller, todos eles formados nas camadas jovens do clube. Nove jogadores da casa no plantel principal, um êxito que não era logrado desde os anos 80 e que espelha bem a inversão da politica desportiva do clube. Se a isso juntar-mos que as mais recentes contratações foram relativamente low profile (o sueco Nils Petersen, o japonês Takashi Usami, emprestado e Anataly Timostschuk) temos um retrato bem diferente do que era habitual. E no entanto o caso Reus podia ter alterado essa imagem redentora.

 

Poucas figuras individuais pareceram tão relevantes no panorama desportivo alemão do último ano como Marco Reus.

O jovem médio-ofensivo emergiu como o líder de uma geração irreverente que transformou o decrépito Borussia Monchengladbach, outrora grande do futebol alemão, numa equipa capaz de lutar pelos primeiros postos da tabela. Rosto visível desta Nova Alemanha, junto a Ozil (Real Madrid), Muller (já no Bayern) e Gotze (estrela do Dortmund), o médio era também o valor mais apetecível do mercado, capaz de captar o interesse dos grandes da Europa...e do Bayern Munchen.

Apesar de ter várias opções para essa zona do terreno (incluindo Kroos, Muller, Ribery e Robben) o apetite bávaro perante uma pechincha (17 milhões de euros de cláusula) tornou-se evidente ao longo da primeira metade da temporada e muitos imaginavam um regresso às origens, ao período em que cada estrela jovem que despontava, como sucedeu com Michael Ballack, Sebastian Deisler, Steffen Effenberg, Oliver Kahn e tantos outros, acabaria no Allianz Arena. E no entanto, à medida que Hoeness tratava de vender a sua nova politica de formação (e estão Emre Can e Dennis Cheesa a caminho), o livro de cheques encarnado voltava a surgir como fantasma de dias pretéritos.

Mas Reus, inadvertidamente, mudou as regras do jogo. Entre Bayern Munchen e Borussia de Dortmund elegeu a segunda opção. O clube que se decidiu a formar para sair da crise financeira e descobriu em Nuri Sahin, Kevin Grosskreutz e Mario Gotze as armas para um titulo histórico decidiu inverter a tendência do mercado e pagar a cláusula por um jogador que, curiosamente, já fez parte da sua célebre formação e que saiu para Monchengladbach para procurar fortuna (como sucedeu com Ozil com o Schalke 04 ou Kroos e o Bayern). A chegada de Reus ao Welfastsadion tem um significado implícito previsível, nada menos do que a partida de Mario Gotze no próximo Verão por valores que certamente cobrirão este gasto surpreendente. Há muito que o Borussia estava longe das altas contratações (Jerome Boateng e Luis Gustavo, hoje no Bayern, foram exemplos de jogadores que se lhe escaparam) e só a frescura financeira com o dinheiro da Champions League e as vendas de Sahin, e previsivelmente, de Gotze poderiam justificar esta aventura.

 

No fundo este golpe na mesa significa, definitivamente, que há um novo ideário nesta nova Bundesliga onde nem todos os jogadores se rendem à atracção de Munich. A partida de Khedira, Ozil, Reus, Aogo e a incapacidade de atrair as jovens estrelas do Dortmund reflecte, de certa forma, uma mudança de imagem no papel de papão dos homens de Munich. É certo que homens como Neuer, Gomez e Boateng (via Manchester)o  continuam a espelhar esse desejo do clube bávaro de se nutrir dos melhores jogadores alemães mas o processo começa a distanciar-se da omnipotência pretérita. Uma lufada de ar fresco para um campeonato que se converteu por direito próprio na grande sensação dos últimos anos. A forma como projectos sólidos em Dortmund, Gelsenkirchen, Bremen, Leverkusen ou Hoffenheim se vão formando, resistindo às acometidas do eterno campeão, ajudam também a explicar este novo perfume que jogadores como Reus, seguramente destinado a marcar o futebol alemão da próxima década, trouxeram aos campos da Bundesliga.



Miguel Lourenço Pereira às 14:06 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO