Segunda-feira, 2 de Janeiro de 2012

Move-se com a ligeireza reptiliana de quem procura um lugar ao sol. Em Nápoles encontrará essa caldeira de emoções que tem o condão de despertar heróis das profundezas do Vesúvio. No Chile é já uma glória superlativa, um herói a caminho de novos episódios para a próxima saga. O mediatismo social rende-se à fantasia de videojogo de Neymar mas o futebol da América do Sul sabe que o seu perfume mais doce no passado ano chegou dos pés de Eduardo Vargas...

 

A histórica relação entre o porto napoliano e a América Latina fazia prever algo assim.

Antes de se consagrar numa estrela mundial - os titulos ajudam nestas coisas de que o mundo te preste atenção - já os olheiros do Napoli tinham marcado a letras grandes o nome de Vargas. O pequeno grande herói da Universidas de Chile, um dos clubes mais históricos do futebol sul-americano, levava um ano completo impressionando com o seu estilo de pincel. Aos 22 anos é um dos jogadores mais promissores do futebol mundial e no Chile só não tem ainda contornos divinos porque pertence à mesma geração de um Alexis Sanchez que em Barcelona começa a demonstrar ao grande público o que os mais atentos conheciam da sua etapa a jogar pelo River Plate numa linha atacante que incluia a Buonanotte e Falcao. 

Vargas transformou o modesto futebol chileno durante o último ano. Respirando essa audácia que define os bons dos grandes, levou a Universidad ao titulo continental Sudamericano, o equivalente da Europe League do outro lado do "charco", e completou um ramalhete de quatro titulos no mesmo ano para o clube da capital chilena, um feito inédito no seu impecável historial. Começar por Vargas é começar pelo fim, pela emoção do momento em que construiu a reviravolta que destroçou a vantagem inicial de dois golos da Liga de Quito nessa dupla final continental. Vargas tinha ouvido os cantos de sereia da Europa em Junho mas a ambição de reinar no continente primou e os onze golos que apontou no torneio transformaram-no na figura inquestionável de uma esquadra que já tinha vencido o torneio de Apertura chileno e a Supertaça frente ao eterno rival, Colo-Colo, em ambos casos com a sua inevitável contribuição. Quando o conjunto se juntou para celebrar, pela quarta vez no ano, a vitória no torneio de Clausura, já nem era preciso imaginar com muita força como Vargas tinha sido, mais uma vez, o herói do momento. Com o azul da "U" ao peito, o avançado destroçou as defesas contrárias e transformou-se no mais jovem jogador de sempre do futebol chileno a receber um prémio continental. Começar por Vargas é começar pelo anúncio da sua viagem a Itália onde se encontrará em casa, no clube mais sul-americano do Calcio, onde disputará com Lavezzi e Cavani, profetas como ele no Uruguai e Argentina, um dos lugares nessa dianteira que Mazzari quer transformar no sabre mais letal do futebol europeu quando a Champions League volte a soar pela pedra do San Paolo.

 

Mas o Vargas de hoje, herói épico, poeta de rua, começa antes do dinheiro, dos titulos e da fantasia.

O futuro herói da "U" começou a despontar na universidade rival, a Católica, com apenas 12 anos. Mas o campo de treinos era tão distante da sua pobre casa no humilde bairro de Renca que os pais acabaram por proibi-lo de partir só, todas as noites, num autocarro que circulava toda a capital e se adentrava na profundidade suburbana de uma cidade onde o frio tem outro significado. Talvez por isso Eduardo estivesse fadado a brilhar, a ultrapassar essa distância tão gigantemente curta. Talvez por isso o programa televisivo Futbol7, patrocinado pela Adias, tenha sido só um pretexto para a vida acertar contas com ele. Deslumbrou, como não o iria fazer depois de tanta vontade acumulada nas tripas, e ganhou direito à posteridade. Começou a fazer parte dessa geração que o demónio Bielsa iria lançar pouco depois com Sanchez e Vidal, ainda num papel secundário, e encontrou no Cobreloa o porto de abrigo necessário. Chegou ao clube com 17 anos e durante três foi o seu porta-estandarte, soube a que sabe a terra ensangretada das divisões regionais, sentiu na pele a dureza da entrada de defesas mais velhos, mais fortes mas com menos fome e trepou até encontrar-se cómodo no tapete verde e macio da primeira equipa. Só saiu de lá para continuar a subir.

2010 chegou depois do sucesso em Toulon - onde marcou três belos golos - e com a compra definitiva do seu passe, depois de largas negociações, pela Universidad de Chile. Já não havia volta atrás.

No primeiro ano jogou forçosamente descaido para a direita e encontrou a sua veia mais goleadora. Saboreou o perfume do futebol continental, destroçando as defesas de Flamengo e Alianza de Lima (na Copa Libertadores) e deu ar fresco ao conjunto azulon no Torneo de Clausura. Mas 2010 não era ainda o seu ano, soava a pouco, faltava algo. Talvez aquele golo a Iker Casillas, um golo que ainda ecoa nos Andes. Talvez o regate que permitiu a reviravolta no segundo jogo da final contra a Liga de Quito, um regate que perdurá na memória. Ou talvez seja tudo aquilo que ficou ainda por fazer?

Com a mais bela baía do Mundo a cada despertar, a Eduardo Vargas talvez o som do autocarro que o deixou de levar aos treinos por insistência dos pais comece a ouvir-se cada vez menos. Na sua pequena Renca natal já há uma rua com o seu nome, pequena ainda, mas ninguém questiona que daqui a nada esse trecho de asfalto se transforme numa avenida de direito. Lá longe será o rebulicio de Nápoles, os gritos de paixão dos legionários de San Gennaro e a sua própria voz interior, essa que não o deixa parar, que determinarão o seu futuro. Tecnicamente tem todas as condições para ser mais um nessa dinastia sul-americana que fez da baía um lar digno de heróis. No Chile ninguém se esquece dele, ao contrário de Vidal e Sanchez ele conseguiu triunfar em casa. E por isso estará sempre nos seus corações. Quando voltar, será com uma coroa de louros na cabeça, desses colhidos ao pé das cinzas da história...



Miguel Lourenço Pereira às 18:25 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO