Sexta-feira, 30 de Dezembro de 2011

algo curioso nos regressos de velhas glórias. Uma sensação do passado perdido que se encapsula num momento que não é real. Thierry Henry decidiu entrar nessa perigosa viagem. Durante dois meses (como minimo) voltará a ser o gunner que todos aprenderam a admirar. Aquele que foi, talvez, um dos mais espantosos jogadores da década passada quer voltar a encantar Londres com a sua magia. Mas à sua volta estará sempre a inultrapassável sombra da sua grandeza...

 

Há um mês, na inauguração da sua estátua à frente do novo Emirates Stadium, Henry chorou.

Sentiu-se profundamente a ligação entre o jogador francês e o clube que o acolheu e transformou numa estrela mundial. Henry e Arsenal são sinónimos do mais belo futebol que se disputou nos terrenos europeus na última década e meia. O francês, perdido nas reservas da Juventus, ajudou a transformar o clube londrino numa potência continental. Com Arsene Wenger encontrou o seu estilo e fez-se referência máxima do futebol champagne dos gunners que sem ele já tinham quebrado o dominio do Manchester United. Com ele lograram algo mais. A eternidade.

Henry liderou a equipa londrina na chamada época dos Invencibles. Levou o clube à sua única final da Champions League e no final do jogo, com a transferência para o Barcelona apalavrada, adiou por um ano a mudança de ares por sentir que devia algo aos adeptos. Uma relação assim não se constroi com o tempo, nasce de forma expontânea. E entre Thierry Henry e o Arsenal a felicidade superou sempre a tristeza.

Depois de 10 anos no clube o gaulês mudou-se para Barcelona, um velho sonho, e depois de três anos complexos decidiu migrar aos Estados Unidos, país por que sempre professou uma sentida devoção. Agora, na pausa da MLS como já o fez David Beckham, decidiu voltar. A casa. A Londres. Ao seu Arsenal.

 

E no entanto é sempre perigoso voltar onde já se foi feliz.

Poucos jogadores causaram tanto impacto numa equipa como Henry quando chegou a Londres. Tornou-se no herdeiro de facto de Ian Wright (depois da experiência de Anelka) e no parceiro perfeito para as diabruras de Dennis Bergkamp. O técnico francês Arsene Wenger, que o lançou às feras no seu baby Monaco, colocou-o como falso dianteiro, descaido no flanco esquerdo, e causou uma verdadeira revolução no estilo de jogo dos gunners. Com Ljunberg, Pires, Bergkamp e Vieira o francês formou um quinteto perfeito que marcou um antes e um depois na evolução táctica do futebol inglês. Como outro francês, Cantona, anos antes, quebrou com o hermetismo táctico da Premier e ajudou o Arsenal a ganhar o pulso de hegemonia ao Manchester United. Foi sol de pouca dura mas enquanto brilhou foi resplandecente.

No final da sua etapa em Londres o fisico já começava a dar sinais de cansaço mas como provou no Mundial de 2006, a sua inteligência de jogo tinha há muito superado as suas habilidades fisicas e agora o mitico 14 era um jogador mais completo do que nunca. Foi quando decidiu partir, de mutuo acordo com o seu mentor (resignado como sempre e já preparado para dar a batuta da equipa a Cesc Fabregas) para um projecto que sempre o apaixonou, o Barcelona. Os adeptos do Arsenal podiam ter lamentado a sua partida mas visto o que conseguiu em Can Barça o certo é que podem guardar a sensação de terem tido o melhor Henry de sempre.

Agora, cinco anos depois, Henry está longe de ser um jogador de top. O fisico abandonou-o totalmente, a mente já pensa mais na luxuosa reforma a que tem direito e daquela chispa que fez dele um num milhão ficaram as lembranças. Os adeptos do Arsenal certamente sentirão algo no estômago quando o voltarem a ver a entrar em campo com o canhão no coração mas talvez, secretamente, as suas esperanças de ver algo mágicamente henryano se transformem numa doce decepção. Tal como Beckham provou no regresso do seu auto-imposto exilio, as velhas glórias quando regressam aos palcos europeus parecem pertencer a outra era, a peças de museu sagradas, brinquedos de antiquário misturados com modernices contemporâneas.

 

Talvez tudo isso passe pela cabeça de Henry. Talvez não. Como se pode discutir um grande amor? Mas o passado ensinou-nos que estes regressos á gruta perdida do tempo perfeito e pretérito muitas vezes transformam-se numa memória que só queremos esquecer. Para a esmagadora maioria dos adeptos e amantes de futebol, Henry pertence a outra era a outro mundo, este clone seu poderá tentar emular os seus dias de glória, os dias em que foi o maior atleta europeu do Mundo. Mas secretamente sabemos que o original continua lá, no passado, a rasgar o mundo com um sorriso...



Miguel Lourenço Pereira às 19:04 | link do post | comentar

4 comentários:
De Pedro Maia a 1 de Janeiro de 2012 às 18:18
Miguel,

Só um pequeno comentário para dizer: BRILHANTE! A tua escrita é deliciosa. "Em jogo" é um "porto seguro", onde encontramos o futebol escrito com emoção e "romantismo"!

Continua sempre assim.

Grande abraço

Pedro


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Janeiro de 2012 às 08:17
Pedro,

Não há melhor forma do que arrancar um novo ano do que com palavras assim. Obrigado a ti e a todos os que perdem alguns minutos do seu dia a visitarem este espaço ;-)

um abraço


De RMatos a 10 de Janeiro de 2012 às 10:27
Não é que Henry foi mesmo feliz no regresso, marcando logo na estreia o golo que deu a passagem à próxima fase da Taça de Inglaterra? Talvez seja um predestinado a brilhar eternamente pelo Arsenal!

Abraço


De Miguel Lourenço Pereira a 10 de Janeiro de 2012 às 10:38
RMatos,

Há realmente predestinados para a alegria e Henry é um deles. Sem querer tirar mérito ao belo golo, subscrevo tudo o que disse porque uma coisa é o Henry que fez as delicias da última década e outra é o Henry que jogou meia hora ontem e ajudará ocasionalmente a equipa daqui em diante. O nome (e a eficácia) são os mesmos mas as sensações serão sempre distintas.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO