Quarta-feira, 21 de Dezembro de 2011

Setembro nunca foi tão quente e Guardiola tão audaz. Nesse inicio de mês de despedida de um Verão inesquecível escrevi aqui que o técnico de Santpedor tinha dado um passo mais em frente e abdicado da figura do avançado moderno. Muitos pensavam que este Barcelona não podia ir mais longe e que o desejo de jogar só com centro-campistas era mais um sonho retórico que um projecto realista. Palavra de Pep, palavra cumprida. O futebol de moda, agora,  é dos médios!

A chegada de Fabregas e Alexis Sanchez ao Camp Nou (ao mesmo tempo que se promovia definitivamente o talento inato de Thiago Alcântara) parecia, à primeira vista, criar um problema de overboking. Um plantel superlativo com poucas opções atrás, menos à frente e um excesso de centro-campistas para quem esteve habituado a jogar os últimos anos num 4-3-3 fléxivel mas, mesmo assim, 4-3-3.

Guardiola, provavelmente o treinador que melhor soube inovar tacticamente o jogo desde os dias de Marcelo Bielsa (de quem, de certa forma, é tão sucessor como de Johan Cruyff) sabe que não renovar é morrer, não só no panorama do futebol profissional actual mas, sobretudo, no ADN desportivo do Barcelona.

Um clube que sofre mais do que é habitual quando deixa de ganhar tem de encontrar uma constante motivação para não perder. A decadência dos projectos de Cruyff, van Gaal e Rijkaard deixou lições aprendidas e, melhor do que ninguém, Guardiola sabia que o sucesso só era factível se a aposta fosse em quem sentisse profundamente o sentimento de gere o cosmos de um clube que brilhou com os seus galácticos nos anos 90, com uma hoste de holandeses na mudança de século e depois com o sotaque exótico afro-brasileiro no mandato de Rijkaard. Rodear-se de filhos da Masia, filhos seus, foi o primeiro passo. Cercar-se de médios, o definitivo.

Guardiola sempre referiu que para ele o jogo era uma questão de centro-campistas e se fosse possível alinhar 11 médios o faria. Claro que muitos levaram pouco a sério este e outro tipo de frases que levaram a Ibrahimovic a catalogar o técnico como "filósofo", um epítome que funciona mal com o cheiro a suor dos balneários. Mas esse ideário táctico que contrariava a tendência histórica de considerar o jogo ou uma questão de defesas ou de avançados nunca saiu da mente de Pep e sentindo-se forte, sentindo-se conhecedor do meio onde navegava, o técnico decidiu romper com as regras e realizar a mais profunda mutação táctica desde os dias de Sacchi. No ocaso do Verão anunciou as intenções, na despedida do Outono completou a metamorfose. Muitos duvidavam da eficácia do 4-6-0. Para Guardiola o futuro é o 3-7-0.

 

Naturalmente um desenho táctico sem avançados e praticamente com os mesmos defesas que ideou Herbert Chapman há oitenta anos não só parece complexo no papel. Na realidade é-o ainda mais. Provavelmente é um esquema que funcionará no tempo e espaço, tempo hoje, espaço Camp Nou, reflexo perfeito desse leque de maravilhas que é o plantel blaugrana. Dificilmente uma equipa pretérita conseguiu reunir tantos talentos num espaço tão apertado do tapete verde como este projecto que arrancou com os despojos de Rijkaard e que se metamorfoseou até tornar-se algo profundamente inovador.

Qualquer clube que não disponha de jogadores que combinem tão bem a velocidade e o critério, o posicionamento defensivo e o jogo colectivo transformaria este esquema num desastre absoluto, mais próprio de um desenho infantil do que uma ideia vanguardista. Mas Guardiola sabe que esta era é irrepetível e que Xavi, Iniesta, Busquets, Cesc, Messi, Thiago e Alves não voltarão a jogar juntos com o mesmo apetite, frescura e classe como nesta série de anos que se prolonga mais do que muitos esperariam. Por sabê-lo, por senti-lo, Pep tem a certeza que esta experiência entrará nos anais da história e aí ficará, como peça de museu, quando o seu projecto, inevitavelmente se desintegre. E enquanto dura, o melhor é desfrutá-la.

Este 3-7-0 não renega do ataque nem da defesa. Busca o eterno equilibrio que tantos técnicos são incapazes de lograr, ora sacrificando um homem à frente (como os Mourinho), ora perdendo o controlo do manejo dos espaços atrás (como sucedeu com a Alemanha de Low no último Mundial). Guardiola conta com um lateral da escola brasileira que lhe garante a factibilidade de jogar apenas com três defesas. Dani Alves não é um jogador único porque o seu modelo de jogo é, no fundo, um loop do que o Brasil vem oferecendo, com mais ou menos critério, desde a década de 50. O seu aproveitamento como falso extremo, falso médio, falso defesa emula o que Scolari procurou com Roberto Carlos e Cafú em 2002 e de certa forma pode dizer-se que o brasileiro fez pelo lado direito o que o eterno número 3 do Real Madrid logrou com o esquerdo. O seu balanço ofensivo é compensado pela frieza posicional de um trio de ases - Puyol, lateral direito nos dias de van Gaal, Piqué e Abidal, um lateral esquerdo que é central e que às vezes nos lembra que foi lateral esquerdo. Com esses três homens (e com Mascherano), Guardiola sabe que a solução será sempre a mais fácil e, preferencialmente, com a bola a seguir tranquilamente no tapete verde. O trabalho de Victor Valdés, que se transforma nesse quarto defesa, num libero ao estilo de Rene Higuita, é igualmente fundamental para garantir uma defesa que se coloca preferencialmente equidistante entre o miolo e a grande área. E que encurta o campo como Guardiola aprendeu de Sacchi durante horas de conversas perdidas no tempo.

 

É no entanto o médio que se torna o protagonista. O verdadeiro, o falso, o interior, o exterior, o ofensivo, o destruidor, o constructor...

Com Guardiola o futebol de moda tornou-se no futebol dos médios. Hoje os miúdos continuam a encantar-se com golos e sprints mas há cada vez mais pequenos Xavis, Iniestas e Fabregas de futuro nos recreios das escolas. O médio total tornou-se tão ou mais apelativo que a figura do solitário dianteiro. Essa solidariedade colectiva de que vive o jogo do Barcelona, esse eterno rondo que continua até nas horas de sono, transforma os sete magníficos do miolo numa arma impossível de contrariar, pelo menos, até agora.

Alves é o homem que varre à direita, aquele em quem todos podem confiar que tanto pode abrir o campo ao máximo como, subitamente, realizar uma diagonal que desconstrói a defesa mais bem organizada. No lado oposto dançam Sanchez ou Thiago (ou Pedro, ou Villa, ou Afellay, ou Cuenca que a lista é interminável). Esse é o posto mais anárquico, o que varia conforme o interprete mas que, sobretudo, tem menos preocupações defensivas que o lado oposto, o que mais depressa encontra forma de surgir como falso avançado (como sucedeu com Sanchez no Bernabeu) ou pivot para o jogo de toque curto dos restantes cinco. No jogo contra o Santos, o tal que fará parte de qualquer lição de bem jogar a partir de hoje e até tempos imemoriais, Thiago exemplificou perfeitamente o que Guardiola idealizou para essa camisola rotativa. Um sacrifício pelo bem comum, um destelho para a alegria colectiva. Desde o seu primeiro ano que nos habituamos a ver os extremos de Guardiola junto da linha lateral. Tornou-se no seu habitat natural, da mesma forma que já o eram nos dias de Chapman e que, com o passar dos anos, se tornou num pálido reflexo do passado. Mas, sobretudo, esse posicionamento permitiu abrir um imenso quadrado no meio onde se desenham os triângulos que formam o esqueleto blaugrana. Esses são os homens que fazem funcionar a máquina. O que impedem que a bola não incomode demasiado os três (quatro com Valdés) atrás e que garantem que ela acabe, com o máximo número de toques possível, nas redes do contrário.

Dois vértices em baixo - Busquets e Xavi - dois vértices em cima - Cesc e Iniesta - e um joker livre pelo meio, Lionel Messi, e as palavras deixam de fazer sentido. A forma como a bola flutua pelos pés dos cinco jogadores em espaços tão exíguos relembra uma celebre cena de um dos mais icónicos dos filmes dos irmãos Marx, A Night at the Opera, onde o quinteto de irmãos consegue encher um compartimento de um cruzeiro das mais distintas personagens.

O miolo do Barcelona parece sempre sobrepovoado, o campo parece do tamanho de um ringue de futebol sala, e no entanto essa escola de toque que se fomenta desde a mais tenra idade na Masia transforma esse problema na verdadeira solução. Os rivais não sabem manobrar-se em tão pouco espaço, a bola perde-se com mais facilidade porque não há tempo para pensar e a tentação do lançamento largo só facilita a recuperação da posse de bola, esse credo do qual vive e respira qualquer equipa de Guardiola.

 

O 3-7-0 não será a táctica do futuro (o 4-6-0 não era propriamente uma novidade inédita, apesar da sua pontualidade ocasional) porque depende de tantas condições que é altamente improvável que volte a surgir uma conjuntura tão propicia. O futuro do futebol mundial dependerá sobretudo não dos Mourinhos, Ferguson ou Wengers, nomes consagrados fieis ao seu ideário, mas sim dos técnicos novos que estudem a maneira de pensar deste Barcelona e encontrem o antídoto certo, um antídoto que reclame a bola e o espaço como seu sem abdicar de um e de outro. Será complicado porque o esgar colectivo de assombro, esse aplauso generalizado provoca sobretudo uma falta de tempo e critério para a observação e estudo das falhas, que certamente existem, no planteamento de Guardiola. Até chegar esse momento, até assistir-mos a uma nova metamorfose, o futebol será desses magníficos. Mais do que títulos o grande logro histórico deste Barcelona foi superar os preconceitos do passado e transformar-se na vitória dos médios!



Miguel Lourenço Pereira às 09:42 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO