Sábado, 17 de Dezembro de 2011

Sabia André Villas-Boas que trocar a cadeira de sonho por uma cadeira electrocutada tinha os seus riscos e apesar de parecer uma mudança fácil a decisão de trocar o FC Porto pelo Chelsea sempre pareceu mais complexa do que se possa imaginar. O projecto desportivo de Abramovich chegou a uma dessas encruzilhadas onde realmente se julga a condição de grandeza de um clube. O técnico português foi chamado mais por essa crença do magnata russo nesse futuro respeitável do que propriamente numa filosofia de resultadismo que orienta projectos onde o dinheiro fala sempre mais alto. Resta saber quanto vale a fidelidade do russo a uma ideia...

Pouco fica quando o dinheiro acaba e, mais tarde ou mais cedo, ele acaba mesmo.

Treinar um projecto desportivo que está assente no livro de cheques é um risco porque a cobertura pode um dia falhar e revelar uma realidade cheia de cinzentos escuros e negros. Hoje ninguém aceitaria treinar um Blackburn Rovers endinheirado e no entanto isso foi o que Kenny Dalglish fez quando os Rovers eram o Chelsea dos 90s e quebraram um mandato dictatorial do melhor United de Ferguson. Equipas como o Manchester City ou o Chelsea, por muito passado respeitável que tenham, sempre foram membros dessa classe média futebolística, irmãos pequenos dos grandes rivais urbanos e, portanto, perdendo o prestigio tinham de o compensar com algo. O dinheiro.

Só que projecto assim normalmente têm prazo de validade. Se o dinheiro é curto - e quem se lembra de Peter Risdale? - acabam depressa quando o banco começa a exigir mais do que o que dá. Se o dinheiro dura vários anos é, habitualmente, quem o investe que se farta de mais do mesmo e procura uma noiva loira de mamas falsas, um novo iate de luxo, um clube nas Américas e um hotel nas Arábias. Quando o dinheiro se vai vai-se tudo com ele e só os clubes que apostaram no prestigio histórico - por muito mal que andem de dinheiro - conseguem sobreviver com dignidade em dias de penúria. Os outros - lembram-se do Matra Racing? - caem no esquecimento. Esses clubes vivem o momento, o sonho e precisam de homens que sintam essa necessidade de armar tenda em qualquer lado para triunfar. José Mourinho foi o homem ideal para Abramovich porque era um treinador com a vista noutro lado desde o primeiro dia. O seu impacto é imediato, o seu sucesso exprimido até ao tutano e depois, et voilá, o adeus a tempo e horas prevê a catástrofe. O Chelsea pós-Mourinho até fez melhor figura na Europa (foi a uma final da Champions, perdida pelo azar de Terry e a fraqueza mental de Anelka) e voltou a vencer a Premier, mas essa aura de projecto novo atractivo perdeu-se. Mais do que Abramovich se fartar - e o dinheiro começou a chegar em menor quantidade - foi o mundo que se fartou do Chelsea. Os adeptos procuraram outros ódios de estimação (olá City), os jogadores descobriram que havia destinos mais atractivos e os rivais perderam-lhe o respeito. Em quatro anos o Chelsea deixou de ser um ogre temido a ser mais um de muitos clubes de top que têm prazo de validade quando os cheques deixaram de chegar definitivamente. O iate de Abramovich já conheceu melhores dias.

 

No meio deste cenário de luxúria desportiva, chega com uma garrafa de Porto vintage um tal André Villas Boas a Londres.

Não é um Special One porque as imitações raramente funcionam e o seu sucesso no FC Porto deveu-se a muitos factores e só um deles lhe corresponde directamente. Cómodo no clube do coração, chegou a um momento da sua vida onde podia perspectivar um futuro repleto de titulos portugueses e alguns brilharetes europeus aqui e ali. Mas esse prestigio que é treinar o FC Porto não deixa de ser enganador num mundo de tubarões da alta finança e como o mais cínico dos Humphrey Bogarts podia presumir, isso não era suficiente. Londres atraía pelo passado mas sobretudo pelo futuro. O problema, está claro, era o presente.

Villas-Boas viveu na pele a era Mourinho. Sabe o efeito do sadino nos seus ex-jogadores e sabe que depois deste sair estes nunca mais voltam a ser os mesmos. Essa orfandade emocional, esse físico destroçado por anos de exigência máxima são difíceis de compensar e o Chelsea de Mou continuava a ser o mesmo cinco anos depois, anos em que Abramovich tentou vários modelos sem nunca se sentir satisfeito. O problema dos novos-ricos do futebol não é o dinheiro que gastam mas a sensação de que o fazem sem ter uma só ideia. O Barcelona gasta todos os anos verdadeiras fortunas mas, pelo menos, vive uma ideia de jogo à que é habitualmente fiel e que lhe permite dar continuidade à estrutura do clube. No caso de entidades como o Chelsea (olá City) vê-se o enfoque no imediatismo e nunca se pára para pensar o que se quer para o amanhã. O Chelsea é um clube de possessão ou de contra-golpe? De pressão alta ou de deixar jogar? De jogadores com uma entidade técnico-fisica evidente ou uma miscelânea? Ninguém, nem o próprio Abramovich, sabe ou pensa sequer nisso. Por isso os Mourinhos do futebol funcionam tão bem porque eles trabalham com o que há para o hoje. O amanhã é para os lorpas que vêm a seguir resolverem. Villas-Boas não quer ser o lorpa de turno, o novo Grant, Scolari ou Ancelloti mas para isso terá de medir os seus tempos com frieza e determinação.

Já na época passada se tinha começado a reestruturar o plantel do clube londrino mas, uma vez mais, sem ideias de futebol presentes. A contratação de Torres, David Luiz e Ramires deixaram a nu essa incerteza. Um avançado que joga em velocidade num plantel onde abundam os avançados. Um defesa de choque mas com propensão para o erro ocasional ao lado de uma dupla Terry-Ivanovic, de primeiro nível. E um médio pulmão sem critério com a bola que deixa antever que o toque não será uma prioridade. E no entanto, meses depois, chegam Mata, Meireles, Oriol e com eles Villas-Boas a defender o critério, a posse e o jogo entre-linhas. O 4-3-3 da era Mourinho, compacto, de jogo lateral e veloz transformou-se num 4-3-3 de defesa alta, linhas móveis e ataque continuado. Mas a filosofia no papel contrasta com a falta de critério no balneário.

 

As derrotas dos Blues frente ao Manchester United, Liverpool e Arsenal foram mais do que derrotas no plano futebolístico. O Chelsea perdeu contra equipas de prestigio, instituições que sabem ao que jogam e que, por muito mal que estejam no presente, têm um ADN a que são fieis e que sacam a reluzir em jogos de máxima importância. O Chelsea vive perdido nesse meio porque Villas-Boas ainda não teve habilidade para manobrar esses tempos de gestão fundamentais para que um blockbuster se transforme num êxito de larga duração. Mais do que reformular o plantel onde abundam jogadores em fim de carreira o que o português tem de lograr é persuadir Abramovich a esquecer o iate por um instante e pensar que a sua paixão de uma noite se transforme num longo casamento, cheios de dias rotineiros, jantares de família aborrecidos e sessões de sexo esporádicas e sem paixão. Villas-Boas sonha sobretudo em criar à sua volta o mesmo prestigio que logrou Wenger que soube manter longevos os homens do "boring Arsenal" como Keown, Adams, Dixon e Parlour ao mesmo tempo que ia imprimindo o seu cunho com Henry, Pires, Ljunberg, Vieira, Cesc e companhia. Vencer o Manchester City é um logro importante no imediato mas não deixa de ser um duelo de iguais, de duas equipas cheias de egos mas sem uma identidade. Mais do que disputar o titulo ao novo-rico do momento a liga do Chelsea deveria ser a do amanhã, a que lhe permita um dia sentar-se ao lado do trio histórico que define o futebol britânico e esperar a ser servido como um membro mais da família.



Miguel Lourenço Pereira às 20:14 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO