Terça-feira, 13 de Dezembro de 2011

Na sociedade actual o pensamento único é uma tendência dominante e, ao mesmo tempo, preocupante. O diferente, o alternativo, o original, o ancestral é deixado de parte em prole de uma linha comum, de um politicamente correcto que corrói até à medula os alicerces da nossa sociedade. O futebol, que funciona sempre como espelho sincero desse mundo interior, vive o mesmo dilema. A ditadura futebolística de um Barcelona único, respaldado pelo sucesso internacional da selecção espanhola transformou em vaca sagrada o futebol de posse mas como a experiência de Luis Enrique vem provar, o sucesso de cada estilo depende, como dizia Gassett do "eu", das circunstâncias.

 

O sucesso espantoso do Barcelona de Guardiola escondeu, na passada época, um fenómeno ainda mais atraente. O êxito da equipa B dos catalães. O projecto que liderava Luis Enrique foi, durante largas semanas, uma das grandes sensações do futebol europeu, demonstrando uma classe e superioridade que permitiam imaginar uma posição cómoda na tabela em muitas ligas europeias. E estes, maioritariamente miúdos, eram apenas a segunda versão do conjunto blaugrana, aquela a que Pep recorre quando sente necessidade de expandir o plantel principal, controlado até ao último ego.

Seguindo a filosofia de toque da escola cruyffiana, imitando o modelo de jogo dos titulares, o jogo do Barça B encantava pela fluidez, pelo controlo e pelas dimensões ofensivas. No cálculo do espaço, no tempo com a bola e na aptidão pela surpresa. Com Nolito, Soriano, Robert, Oriol, Montoya, Bartra, Thiago, Fontás e companhia, estava claro que só com esse pensamento único na bola como filosofia a equipa podia funcionar. E como um relógio suiço, preciso e mecânico, o projecto foi transformando-se de anedota a realidade e terminou o ano em posições de disputa de um play-off de acesso a que teve de abdicar por questões lógicas de regulamento. Era evidente que o papel de Luis Enrique fazia todo o sentido nesse micro-cosmos onde a posse, o passe e o “rondo” são santo e senha e muita foi a expectativa que se gerou quando o asturiano – um dos que trocou Madrid por Barcelona, no caminho inverso que fez Laudrup na mesma época – anunciou que iria procurar um novo desafio, talvez sabedor que viver à sombra de Guardiola é complicado.

 

Por muito paradoxal que aparente a escolha de Luis Enrique pela AS Roma no inicio parecia fazer sentido.

O clube gialorosso tem uma tradição dentro do Calcio de ser uma equipa que preza a bola mais do que o espaço. O clube que glorificou Conte, Falcão e Totti gosta de sentir-se importante a fazer o esférico circular e o projecto milionário que pretendia revitalizar a vida de um dos poucos clubes a desafiar a hegemonia do Inter durante os mandatos de Mancini e Mourinho parecia ter encontrado a sua alma gémea.

Só que Luis Enrique, destemido mas sempre incauto, esqueceu-se das celebres e certas palavras do seu amigo Guardiola sobre um futebol italiano que ele aprendeu a amar durante as suas passagens por Brescia e pela própria Roma. Numa das suas dissertações, quando ainda bebia futebol como aluno, Pep falou da sua relação com um célebre dirigente do Brescia enquanto discutia à mesa sobre a supremacia do futebol de toque e o jogo de espaços que sempre caracterizou o giocco a la italiana. Depois de horas a debater Pep levantou-se, beijou a testa do seu contertulio e exclamou, “tens razão, é impossível discutir a essência de um povo”, e deu por terminado o assunto. Com essa afirmação ficou claro que Guardiola se deu conta que enquanto o futebol de toque funciona bem dentro da filosofia centro-europeia – exportada fielmente para Barcelona e só para Barcelona – no resto do mundo encontra sempre resistências face à cultura local. Em Itália, como Mourinho provou, ter a bola é o de menos quando se controla o espaço. No país da bota o sucesso do Barcelona é visto à distância com admiração mas, também, com esse dose de profundo realismo de um futebol diferente que não é nem melhor nem pior no mesmo que consagrou o AC Milan ou a Squadra Azzurra na última década. Esse olhar arrogante que a maioria dos apologistas da posse têm sobre os demais esta habitualmente ausente quando se olha a partir de outras filosofias, incapazes de aceitar o dogma da verdade institucional.

A campanha de Luis Enrique numa Roma reforçada a seu belo prazer (Bojan, Osvaldo, Lamela, Jose Angel) demonstra bem esse olhar de superioridade frustrado. Entre adaptar-se a uma filosofia local e depois explorar o seu ideário e impor a sua mentalidade, Luis Enrique optou pela segunda abordagem, desafiou os adeptos, encarou-se com Totti e em troca não conseguiu apresentar nada. A sua equipa tenta jogar como os projectos blaugranas pretéritos mas o ADN italiano parece vir ao de cima quando a bola deixa de fluir com normalidade e a velocidade e o recuo de linhas convida a pensar que desastrada é este mistura de ideários. Como se um violinista clássico tentasse entrar numa rave, Luis Enrique é incapaz de entender que antes da sua Roma poder jogar como o Barcelona, primeiro tem de assimilar todos os conceitos sociais, politicos e individuais que fizeram do clube catalão o clone perfeito do ideário holandês. A singularidade do espírito catalão tornaram-no num laboratório perfeito para este sistema de jogo mas, ao mesmo tempo, deixaram-no ainda mais isolado do resto do Mundo onde o jogo directo (no Norte), o jogo de espaços (no Mediterrâneo), a desordem táctica assente no génio individual (em grandes partes da América e África) e, sobretudo, um jogo muito mais estruturado e muito menos fluido são santo e senha. O técnico que abdicou de Isaac Cuenca (emprestado ao Sabadell) por entender que a equipa B deveria emular o jogo da principal, repleto de falsos 9 em lugar de extremos puros, voltou a deixar em evidência a sua incapacidade para ver mais além do velho ditado que nele se aplica tão bem.

 

O fracasso do técnico espanhol no projecto romano é evidente e consequente com tudo aquilo que Luis Enrique preconiza. Um dos grandes defeitos dos treinadores quando migram é o autismo que demonstram face à nova realidade que os rodeia. Esse insularismo mental consegue sempre que se suspeite de técnicos que são bem sucedidos num só laboratório de provas (daí as suspeitas de muitos com Guardiola, suspeitas que não partilho) porque mais do que manejar as tropas, conhecer a bíblia táctica e lidar bem com a imprensa um técnico é, sobretudo, um antropólogo e sociólogo, capaz de reconhecer o mundo onde entra e onde pretende triunfar. Se faz da sua vida profissional um doutrinário das ideias únicas, do politicamente correcto, o seu destino está traçado desde o primeiro dia. O sucesso de uma ideia não faz com que seja, forçosamente, a única ideia a seguir.



Miguel Lourenço Pereira às 11:11 | link do post | comentar

7 comentários:
De hmocc a 14 de Dezembro de 2011 às 21:05
Outro brilhante texto. Miguel assim gastas-me os elogios.

De facto, a dúvida que isto levanta é se Guardiola conseguirá (quererá) emular o sucesso que tem em Barcelona noutro lado qualquer...

Tal como acontece a Luis Enrique, penso que será practimamente impossivel. Aliás, como diz o próprio Guardiola, agora só consequirá fazer pior do que já fez.

Este Barcelona já pertence ao domínio da fábula, mas cada fábula tem tempos e lugares próprios, que nunca poderão ser replicados com os mesmos resultados noutros lugares e noutros tempos.

Abraços.

Hugo


De Miguel Lourenço Pereira a 15 de Dezembro de 2011 às 08:28
Hugo,

Obrigado eu pelas recorrentes visitas e comentários.

Guardiola é mais inteligente do que Luis Enrique no sentido em que parece saber adaptar-se melhor ao meio. Enrique quis evangelizar fora de portas e até pode ser que acabe como mais um martir do bom gosto à mão desses bárbaros italianos que nada entendem disto, mas jogar na Serie A como joga o Barcelona há 25 anos sem interpretes e uma filosofia à altura só podia dar nisto.

Pep será fiel a si mesmo mas também entenderá as vicissitudes do meio que o rodeia. Por isso será extremamente selectivo quando a fábula acabe.

um abraço


De Marco Morais a 17 de Dezembro de 2011 às 08:41
Para quem tiver "tendências" blaugrana (já lhes chamo assim, para não dizer holandesas), Itália será sempre um desafio incrível.

Não tenho acompanhado a Roma, mas penso que o insucesso do Lucho se deverá à tal "arrogância" que falas. No papel, na teoria, o jogo que ele preconiza será perfeito e dará para ganhar mais vezes do que "dará" para perder. E é essa obsessão - se esse é o melhor para quê adaptar? - que o faz virar costas a outros estilos de jogo, que lhe poderão dar mais vitórias.

Mas o sonho também é isto. É fazer valer as ideias em que se acredita. Outros (não muitos), como Mourinho, têm soluções mais lógicas e completas e ganham por onde passam... são mais abrangentes e incisivos.



De Miguel Lourenço Pereira a 21 de Dezembro de 2011 às 08:09
Marco,

Mais do que holandesa ou blaugrana esta é a escola centro-europeia desde a década de 10, dos ensinamentos de Jimmy Hogan, muito antes dos Meisl, Sebes, Michels, Cruyffs ou Guardiolas que se seguiram.

O talento de Luis Enrique para mim não está em discussão e é legitimo que um técnico queira apresentar ideias novas - que para isso também o contrataram - mas pelo que vi dos jogos da Roma nos primeiros meses havia um claro abandono de uma tradição histórica do clube que um treinador inteligente e que se saiba mover nunca faria. Se conseguir conciliar as duas realidades não excluo que seja bem sucedido.

um abraço


De Marco Morais a 17 de Dezembro de 2011 às 08:42
Mas compreendo o Lucho, no sentido da restrição em abandonar um jogo que vai ganhando títulos e títulos interpretado pela melhor equipa que já vi jogar. Mas é uma cultura, um contexto histórico e social que só com uma paciência enorme se poderá reproduzir novamente. Claramente, na Roma esperam-se resultados e vitórias e não há paciência para esperas.

Outros aproveitarão este falhanço, porque a ideologia que Luís Enrique defende tem lugar em muitos lados. Por mim tinha, desde já, esse lugar garantido, no Dragão.

Abraço, Miguel =)


De dielle a 20 de Dezembro de 2011 às 18:52
Olà Eu seu uma adepta italiana da Roma.
Gostei da maior parte da analise, mas não credo que experiência de Luis Enrique és um fracasso. Como você diz no artigo sobre AVB , é preciso ter paciência e ao contrário do que você escreveu ("em troca não conseguiu apresentar nada") depois de apenas quatro meses já começou a ver-se muito bem a mão do treinador e a aplicação da sua filosofia. O objectivo nunca foi repetir o jogo de Barcelona (mesmo que o "falso 9" nasceu em Roma com Spalletti , Totti já não é mais o jogador do 2007, infelizmente), ao invés o objectivo sempre foi propor a filosofia de atacar e defender com 11 homens (guarda-redes incluído) e este, embora nem sempre bom, é o que o treinador e os jogadores estão tentando fazer, melhorando cada vez.
Fracasso? ainda é cedo demais para dizer.


De Miguel Lourenço Pereira a 21 de Dezembro de 2011 às 08:13
Dielle,

Fico feliz em saber que o EJ já chega aos seguidores giallorosso :-)

A questão da paciência é legitima com todos os treinadores e Luis Enrique não é uma excepção, mas ao contrário do Villas Boas, que soube criar um equilibrio entre a espinha dorsal dos dias de Mourinho e a nova guarda que quer implementar, senti com Luis Enrique um corte demasiado abrupto e que entrou em choque com o espirito do plantel - com Totti à cabeça - em prole de uma filosofia que não me pareceu demasiado bem explicada para ter sucesso.

Como disse ao Marco não excluo que a situação mude mas para isso Luis Enrique também terá de beber um pouco da cultura romanista (que como disse no artigo tem um longo historial de futebol de toque) antes de querer implementar à viva força um ideário táctico que demorou largos anos a tornar-se real....Roma e Pavia não se fizeram num dia.



Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO