Segunda-feira, 28 de Novembro de 2011

Por cada estrela planetária há uma centena de jogadores anónimos para a maioria dos adeptos mas que representam muito uma pequena parte dos amantes do beautiful game. Jogadores que fintam as adversidades com o que têm e que dão o que não têm para deixar a sua marca no tempo. Gary Speed, esse incombustível herói de muitas tardes, era um desses mitos anónimos estranho para muitos, tão familiar para mim...

Não quero saber como Speed morreu. Basta-me saber como viveu, como jogou!

Ouço boatos e prefiro guardá-los no caixote, debaixo desses mais de 500 jogos que disputou na Premier League. O primeiro a lográ-lo antes de que o veteraníssimo David James lhe roubasse o recorde. Talvez o único que detinha. Como se a ele isso lhe importasse algo. Speed era a antítese do seu nome. Jogador calmo, pausado, um box-to-box profundamente vertical mas que sabia jogar com critério, que encontrava sempre o passe certo para resolver a tarde. Tinha a garra e força de qualquer galês, esse espírito de guerreiro que transportou ao longo dos seus 20 anos como futebolista profissional. Mas possuía igualmente uma inteligência de jogo que nunca foi muito comum nas ilhas britânicas, essa capacidade de ler e pensar o jogo parando o tempo e medindo o espaço. Sem ser um jogador dotado de uma grande técnica (como foi, por exemplo, Mathew Le Tissier) ou um de uma superlativa visão de jogo, encontrava sempre o tempo certo para aparecer.

Doi-me a ausência de Speed quando relembro as tardes que passamos juntos, separados por tantos kilómetros, unidos pelos raios que saiam da televisão em forma de imagem onde o redescobria de branco, azul e amarelo ao lado desse tridente histórico composto por David Batty, Gary McAllister e Gordon Strachtan. Juntos formaram o miolo do Leeds United de Howard Wilkinson, o mesmo Leeds que devolveu à glória e aos titulos uma cidade murcha desde os dias de Don Revie.

O mediatismo do triunfo foi todo para um superlativo Eric Cantona - que não suportava nem o técnico nem os colegas - mas o trabalho duro desse último ano da First Division, desse despedir de uma era, pertenceu todo a essa linha de quatro onde Batty defendia, McAllister dava o último passe, Strachan emprestava veterania e Speed, um jovem Speed, estava por todos os lados. Esse titulo foi o primeiro e também o último da sua carreira. E no entanto a sua vida, de bola nos pés, estava apenas a começar.

 

Quando essa equipa histórica do Leeds se desfez (até que chegou O´Leary e a sua promissora juventude) mudei-me com Speed para Goodison Park onde o seu talento foi confirmado e reforçado. Capitão ao segundo ano no histórico conjunto dos Toffees, o galês encarnou à perfeição o espírito combativo de Howard Kendell mas foi com o treinador que começaram as desavenças que, em 1998, o levariam a norte a juntar-se ao projecto quase megalómano do Newcastle de Kenny Dalglish. Depois da ressaca da era Keegan (com dois titulos perdidos perto do fim), o técnico escocês procurou alguém que tivesse a calma necessária para trazer estabilidade a um onze demasiado balançado para a frente. Mas com a saída de Kenny e a chegada de Gullit e o seu "sexy football", o papel de Speed em St Jame´s Park, onde era mais um operário no meio de uma constelação de egos, viu-se relegado para um injusto segundo plano que pautou toda a sua passagem pelo Tyneside.

Como sempre - e como sucedia nos seus dias com a camisola vermelha de Gales ao lado do flamante Ryan Giggs com quem combinou sempre tão bem, e tão sós estiveram - lutou, impôs-se, brilhou sem ser espectacular, foi visto e deixou-se ver com remates colocados de segunda linha, livres directos implacáveis e um pulmão inesgotável.

Quando a sua etapa em Newcastle chegou ao fim, nova viagem e lá fomos para Bolton, talvez a primeira equipa inglesa a entender o jogo continental como algo mais que uma pura excentricidade. Speed foi contratado pela experiência mas, sobretudo, pela calma que transmitia ao jogar e ao lado de Sam Allardyce. O seu impacto junto dos colegas e adeptos foi tal que a direcção o convidou como técnico interino quando o manager abandonou o Reebok Stadium. Um primeiro passo rumo aos bancos que durou pouco. A bola ainda rolava na sua mente com demasiada insistência e Speed preferiu voltar ao tapete verde do que a manter-se comodamente sentado à espera de ver os dias passar. Primeiro em Bolton e depois em Sheffield matou a fome, mas a idade (39 anos) e as dores de costas, fizeram com ele o mesmo que com outros grandes. Disse-lhe adeus mas mantive-o debaixo de olho em Brammall Lane e depois em Cardiff, onde tomou conta do destino de um histórico que desde os anos 50 não participava numa grande prova internacional. O seu trabalho como seleccionador galês foi, todos o sabemos, impecável. Pela primeira vez em mais de duas décadas, Gales baixou do número 50 do ranking FIFA e o sorteio para o Mundial do Brasil parecia levantar sustentadas esperanças de um feito histórico. Bellamy, Bale e Ramsey convidavam a isso mesmo. Speed mais.

 

Enquanto o mundo de futebol se dedica a homenagear, a aplaudir de pé um desses heróis esquecidos, um desses guerreiros inombráveis, eu lembro-me de Speed com a mesma clarividência com que me fui cruzando com ele. Aquele remate colocado frente ao Norwich. O golo de cabeça que desmontou a defesa do Newcastle. O tiro indefensável que deu longos pesadelos a Peter Schmeichel. Essas correrias sem fim, essas tardes de sol, essas noites de chuva, essa eterna lembrança. Os jogadores de futebol não morrem, apenas eternizam esses longos 90 minutos...



Miguel Lourenço Pereira às 09:51 | link do post | comentar

6 comentários:
De Jorge a 28 de Novembro de 2011 às 11:25
fiquei chocado quando soube da notícia, que só vi ontem à noite quando cheguei do Dragão. foi um jogador que admirava exactamente pelo low-profile, o espírito de sacrifício e de entrega ao jogo. RIP.

um abraço,
Jorge


De Miguel Lourenço Pereira a 28 de Novembro de 2011 às 11:30
Jorge,

Como Magpie adoptado que és sabes perfeitamente do que falo em cada linha, um desses jogadores indispensáveis em qualquer equipa de quem a maioria só se lembra quando sucedem coisas como esta.

um abraço


De R_Matos a 28 de Novembro de 2011 às 16:44
A notícia do falecimento de Gary Speed foi, realmente, um choque para o mundo do futebol.

Apesar da minha tenra idade e não me lembrar com total clareza as proezas obtidas ao serviço do Leeds, lembro-me como se fosse ontem, os tempos do Bolton em que Speed era o verdadeiro patrão.

Lembro claramente, nos primeiros tempos de Sporttv, onde a Premier League começou a ser seguida com (ainda) mais atenção, o prazer que me dava ver jogos do Bolton, simplesmente e apenas devido a Gary Speed, um veterano que aprendi a homenagear pela entrega, classe, mestria que apresentava em campo, liderando e sendo voz de comando de uma equipa que, em muito, dependia dele!

Não sendo sempre um defensor de (certos) jogadores que teimam em prolongar carreiras sem fundamento, muitas vezes saindo pela porta pequena, Speed não foi nem de perto nem de longe um destes casos. Um mestre táctico e um líder que merecia mais do que aquilo que obteve.

Como treinador, ainda que há pouco tempo, mostrava já capacidade para tornar Gales numa selecção em crescendo para os próximos anos, assente numa capacidade táctica característica de Speed, projectada pelo aparecimento de um Super Gareth Bale, mas não só.

As razões trágicas da morte deste campeão pouco me importam, prefiro relembrá-lo com a braçadeira de capitão do Bolton, um exemplo de profissionalismo e carácter.

Abraço e parabéns pelo excelente texto


De Miguel Lourenço Pereira a 29 de Novembro de 2011 às 08:46
R_Matos,

Obrigado.

Lembro-me bem dessas tardes no Reebok Stadium onde ficou bem evidente que o seu imenso talento era incombustível com a idade. Como treinador via-se o mesmo perfil e muitos sonhavam, e com legitimidade, com um brilharete galês na qualificação para o próximo Mundial.

Um jogador imenso e absolutamente eterno.

um abraço


De sergio_alj a 30 de Novembro de 2011 às 01:16
Sempre admirei a Premier League, desde os saudosos tempos dos comentarios do Gabriel Alves ao fim-de-semana na rtp2.

O percurso de Gary Speed fala por si, foram 840 jogos (535 na Premier League) e 134 golos divididos por Leeds, Everton, Newcastle, Bolton e Sheffield United.

Um jogador que deixava tudo em campo, mas que ainda tinha uma classe que faltava ao tipico futebol britanico. RIP


De Miguel Lourenço Pereira a 30 de Novembro de 2011 às 08:03
Sergio,

Grandes tardes, grandes retransmissões, grandes resumos, ainda tenho uma colecção em VHS com todos os resumos emitidos pela 2 desde o arranque da Premier até 2002 quando apareceu de forma definitiva a SportTv a arrebatar na totalidade os direitos da prova.

Speed era um dos muitos mitos que a ajudaram a tornar na liga mais espectacular do Mundo.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO