Domingo, 6 de Novembro de 2011

A saída de Fabregas provocou um calafrio na espinha dos gunners. Pela enésima vez um dos seus melhores jogadores preferia abandonar o navio capitaneado por Arsene Wenger e, pela enésima vez, um sentimento de orfandade apoderou-se dos adeptos de um clube que passou de aborrecido a genial e de dominador a sofredor. Apesar das apostas de última hora em Arteta e Benayoum, o que os gunners não esperavam é que a solução para o vazio deixado pelo catalão estivesse dentro de casa. Na camisola de Aaron Ramsey.

Quando Wenger acordou com a direcção do clube que o dinheiro disponível nas arcas dos londrinos seria, quase na integra, destinado à construção do novo Emirates, tinha um trunfo na manga. A sua experiência no Mónaco ensinou-lhe o verdadeiro valor da formação e depois de conquistar Inglaterra com duas equipas repletas de estrelas e descartados pelos grandes do Continente, o desafio agora era repetir o feito com material da casa. Um problema, tendo em conta a diferença gigantesco de orçamentos com os seus rivais habituais, Manchester United e Chelsea, e com o dinheiro dos petrodolares do Manchester City, então um rival inexistente.

Essa aposta na formação começou a dar, paulatinamente, os seus frutos em jovens que vinham dos quatro cantos do Mundo, desde Fabregas a Song passando por Sagna, Szczesny ou Denilson. Apesar dessa aposta clara os adeptos reclamavam a herança britânica de um clube que se tinha tornado mais numa filial desportiva das Nações Unidas do que, propriamente, num grande do futebol inglês. Theo Walcott foi a primeira resposta de Wenger mas o rápido extremo vinha da formação do Southampton e não contava propriamente com o selo da casa na camisola. Só em 2009 se começou a perspectivar uma mudança de rumo nas apostas pessoais do gaulês. A primeira chamou-se Aaron Ramsey.

O médio galês começou a sua formação na sua Cardiff natal e em 2008 foi recrutado pelo clube londrino que via nele uma cópia do modelo de médio que jogadores como Frank Lampard e Steven Gerrard popularizavam, talvez como nunca, nos tapetes ingleses, o chamado box-to-box. Ramsey tinha um pouco de tudo. Posicionamento defensivo, velocidade, arranque, colocação no remate, precisão no passe e um sentido de autoridade que o distinguia dos demais. No 4-2-3-1 habitual de Wenger o seu posicionamento permitia-lhe sonhar com uma equipa sem Fabregas, já então fortemente cobiçado pelo Barcelona. O francês sabia que o jogador, tarde ou cedo, iria querer voltar a casa. O relógio obrigava-o a trabalhar mais depressa do que nunca para preparar a sua sucessão.

 

Em 2009 Ramsey começou a ser utilizado com maior regularidade e o seu estilo de jogo pareceu encaixar perfeitamente com o ideário wengeriano, um técnico que defende o futebol espectáculo mas que não abdica da solidez e eficácia nos seus jogadores. Foi a primeira aposta assumidamente britânica do producto da casa e o seu talento era mais do que evidente. A sua progressão confirmou as expectativas do técnico e o seu papel na equipa começou a conquistar preponderância até que, numa inesquecível tarde de 27 de Fevereiro, em 2010, o seu génio cruzou-se com as pernas de Ryan Shawcross. A duríssima entrada do médio do Stoke City atirou Ramsey para o hospital com uma fractura de tibia. O seu fantástico crescimento era brutalmente interrompido e começavam a surgir as dúvidas sobre o seu futuro como atleta de alta competição.

Foram meses duros, muito duros para o galês. Como é habitual nele, Wenger prolongou o seu contracto para dar-lhe um forte sinal de confiança mas foram precisos nove meses para Ramsey voltar a tocar numa bola de futebol num jogo competitivo. Entretanto o técnico francês tinha encontrado uma nova coqueluche, o inglês Jack Whilshere, que ocupou no campo e na mente dos adeptos um lugar que apenas há um ano parecia eternamente destinado ao galês. Para recuperar a forma o jogador foi emprestado, primeiro ao Nottingham Forrest e depois ao seu Cardiff durante três meses. Quando voltou a Londres a equipa que semanas antes parecia candidata a tudo entrou numa espiral auto-destructiva que afectou profundamente o médio. O seu jogo de re-estreia pelos gunners ocorreu na derrota por 2-0 contra o Manchester United, nas meias-finais da FA Cup. Dias depois seguir-se-ia a eliminação da Champions League, a derrota na League Cup e o descalabro na Premier. O médio foi ainda utilizado nos jogos finais e começou a recuperar velhas sensações mas a suspeita estava aí. A sua dupla com Whilshere, reeditada desde os dias em que ambos coincidiam na equipa de reservas do clube, parecia prometer muito mas o final da época adiou a experiência por um par de meses. A venda de Cesc facilitou o processo mas foi a lesão de Whilshere, como triste ironia do destino, que devolveu a titularidade a Ramsey.

O galês agarrou-a com ambas as mãos e tornou-se peça fundamental de um renascimento esperado do Arsenal depois do descalabro em Old Trafford (sem oito titulares) e do arranque titubeante na liga. No último mês poucas equipas exibiram a mesma regularidade e qualidade que os gunners e o trabalho fisico e táctico de Ramsey contribuiu fortemente para essa transformação de cordeiros em lobos. O seu posicionamento, atrás do espanhol, no desenho do 4-2-3-1 - com van Persie, Wallcot e Gervinho à sua frente e Song no apoio defensivo - dá outro dinamismo à condução ofensiva dos londrinos. Os seus golos e assistências revelaram-se determinantes em Marselha e no duelo do último fim de semana contra o Chelsea de André Villas-Boas. O seu passe, no golo inaugural de van Persie, desmembrou por completo a eficiente linha defensivo dos Blues e o seu pulmão e inteligência táctica desmontaram o tridente do meio-campo do Chelsea.

 

Espera-se avidamente o regresso de Whilshere no Emirates e muitos começam já a especular se o técnico francês vai optar por manter o duo no meio-campo (abdicando de Song), se será o recém-contratado Arteta - bastante irregular desde a sua chegada a Londres - a ceder o posto à promessa inglesa ou se a ascensão de um destes novos prodígios do futebol britânico significará, no imediato, travar a ascensão do outro. Apesar de serem jogadores com perfil similar, Wenger já provou a Ramsey numa posição mais criativa, por detrás do trio da frente, e para muitos esse será o caminho a seguir. Depois do espantoso mês de Outubro o jovem capitão de Gales tem vontade de recuperar o ano perdido e para os londrinos isso só pode significar boas noticias. Se os destaques da imprensa vão para a febre goleadora de um superlativo Robbie van Persie, a verdade é que Wenger sabe que a mutação de jogo de um Arsenal que todos se preparavam para enterrar antes de tempo se deve, sobretudo, ao génio do galês.



Miguel Lourenço Pereira às 10:57 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO