Sábado, 15 de Outubro de 2011

No meio do deserto de ideias em que vive o futebol português a hipotética ideia de ressuscitar as equipas B num formato distinto ao seu modelo original é uma lufada de ar fresco. Insuficiente, dentro de um contexto muito mais lato, mas um passo correcto para uma realidade indismentível e que exige uma resposta imediata por parte de clubes e organizações directivas. No entanto a forma como se arranca o ideário deixa no ar algumas dúvidas pertinentes sobre um outro - e tão grave problema - do futebol luso como é o eventual fim de muitos projectos desportivos que até hoje sobrevivem por um fio.

 

Em 1999, quando a Federação Portuguesa de Futebol, através de uma equipa de trabalho que incluia Jesualdo Ferreira, apresentou a ideia das equipas B (um modelo já praticado em Espanha há décadas), capaz de emular a politica de equipas de reservas que existiram durante muitos anos no futebol português e que subsistem, ainda hoje, no futebol britânico, os aplausos foram generalizados.

Mas o projecto foi um fracasso imediato. A forma como se estruturou o projecto tornou-o imediatamente num nado morto. O impedimento das equipas serem promovidos a uma Liga de Honra a 18 equipas condenava no fundo os jovens futebolistas de FC Porto, SL Benfica, Sporting CP ou Maritimo a actuar eternamente contra jogadores amadores da 2º Divisão B. Perante esse cenário frustante tornou-se evidente que o projecto das equipas B era mais um encargo que uma solução. Os clubes acabaram por entender que era mais prático recuperar a velha fórmula do empréstimo, tão em voga desde finais dos anos 80, do que perder rendimento com um projecto sem futuro. Doze anos depois só a equipa do Maritimo sobreviveu, provavelmente devida à sua particular condição insular, e com um sucesso digno de menção honrosa.

Resgatar então o ideário das equipas B pode parecer um erro à primeira vista. Mas o contexto é outro. E a necessidade evidente.

Em 1999 o futebol português ainda não tinha entrado na sua era de ouro. A selecção A estava prestes a apurar-se para o Euro 2000, apenas a sua quinta grande competição em 80 anos. Os clubes portugueses não marcavam presença numa final europeia há uma década e os grandes nomes lusos contavam-se pelos dedos das mãos. A vitalidade de clubes de médio nivel era evidente na figura do Boavista, Guimarães, Maritimo e Braga de então e a liga lusa, apesar da invasão brasileira, ainda era maioritariamente composta por jogadores da casa. Doze anos depois, o dilúvio, como diria Luis XV, é evidente.

Entre a ilusão de uma década imaculada da selecção A, de três titulos europeus (e dois finalistas vencidos) e da consagração mundial de Figo, Mourinho e Ronaldo esconderam-se os problemas graves e estruturais do futebol nacional. Do descontrolo das contas dos clubes, do desaparecimento das equipas médias, da redução de equipas do futebol profissional, dos excedentes de jogadores estrangeiros e, sobretudo, do abandono da formação, aquilo que, precisamente, ajudou a transformar Portugal numa nação periférica num país capaz de olhar nos olhos das grandes potências desportivas. O final da herança do projecto Queiroz, apoiado pelos clubes nas suas próprias estruturas internas e, sobretudo, alimentado pelos clubes médios, abriu um fosso tremendo que começa agora a ser evidente. Entre as decisões mais importantes para reverter o rumo a formação ocupa um papel fulcral num país sem rendimentos para competir com o poderio financeiro doutras ligas. As equipas B são uma das soluções possíveis. Não a única, não a mais importante mas, seguramente, uma das mais certeiras, especialmente com a confirmação da UEFA da utilização definitiva da regra 6+5.

 

Segundo o projecto que será levado à próxima reunião da Liga de Clubes, o projecto federativo propõe o ressuscitar das equipas B apoiado por seis clubes. Ao Maritimo juntam-se Braga, Guimarães e os três grandes. As equipas só poderiam inscrever por cada jogo a três jogadores com mais de 23 anos (para recuperar atletas fora de forma da equipa principal, como sucede nas ligas de reservas inglesas) e tinham de ter inscritos 22 jogadores de formação do próprio clube que nunca poderiam alinhar pela equipa principal num periodo minimo de 72 horas.

A grande questão das equipas B foi a sua colocação errada num contexto amador como é a 2º Divisão B. Por isso foi fundamental a ideia de abrir definitivamente as portas da Liga Orangina com o inevitável impedimento de promoção à Liga Sagres, como sucede em Espanha ou Alemanha, por exemplo (o Barcelona B, na época passada, não só alimentou os campeões da Europa com jogadores como Thiago ou Fontás como terminou em lugares de play-off a liga regular). No entanto a forma como se introduzem as equipas obriga às habituais soluções de compromisso das entidades lusas. Em lugar de estruturar a competição a Liga toma o caminho mais fácil e aumenta para 22 equipas a competição, insinuando que pode contribuir também para mudar o número de promovidos e despromovidos entre as ligas profissionais de dois para três conjuntos bem como a despromoção progressiva de mais uma equipa para a 2º Divisão B nos próximos seis anos até voltar a nivelar os seus números de participantes a um minimo de 18. 

Na prática esta medida revela condições importantes. Hoje clubes como Sporting, Benfica ou FC Porto têm listas de dezenas de jogadores emprestados por vários clubes lusos e estrangeiros. Esta medida permitirá a Domingos, Jesus e Pereira a possibilidade de trabalhar lado a lado com esses Miguel Rosa, André Almeida, Nuno Reis, Cedric, Atsu ou Diogo Viana que significam, de certa forma, o futuro dos grandes de Portugal. Uma medida que também permitirá aos clubes grandes aligeirar a ficha de gastos no plantel principal já que dispõem de uma equipa alternativa que pode alimentar o plantel principal. Para os jovens de 18 anos saídos dos juniores (ou alguns titulares menos usados) competir com Belenenses, Leixões, Santa Clara ou Oliveirense não será muito diferente do desafio de defrontar os Feirense, Olhanense ou Gil Vicente que irão encontrar na Liga Sagres. Enquanto competem com rivais de maior nivel estão às ordens da equipa principal em lugar de passar um longo interregno, longe de casa, muitas vezes passando desapercebidos dos directivos e técnicos. Assim acabaram os Paulo Machado, Helder Barbosa, Vieirinha, Fábio Paim, Danilo Pereira e companhia do passado.

 

Se essa medida é importante para reforçar o papel dos jovens de formação nos seus clubes base (recordamos o gritante exemplo do FC Porto que não conta com um só jogador da sua formação na equipa principal o que implicou a penalizou da UEFA de inscrever apenas 21 jogadores na Champions League) a verdade é que também tem o seu reverso da medalha.

Desde há vários anos para cá que a politica de contratações dos clubes lusos se tornou numa máquina de importação fora do controlo. Os grandes (mais o FC Porto e menos o Sporting com o Benfica a inverter, agora, a tendência) lideraram o processo mas os pequenos e médios rapidamente os imitaram e de certa forma abandonaram também a sua formação. Se Figo, Baía e Rui Costa sairam dos grandes, Pedro Barbosa, Sá Pinto, Nuno Gomes ou Costinha sairam de clubes médios e pequenos. Esse fenómeno tornou-se um oásis no Bessa, Restelo, D. Afonso Henriques, AXA, Bonfim, Municipal de Coimbra...desde há muitos anos. Os clubes passaram a limitar-se a importar de forma impulsiva e a depender dos empréstimos dos jovens (e erros de casting) dos grandes para fechar os planteis. Isso significava menos gastos e uma dependência politica que Porto e Benfica souberam aproveitar bem criando verdadeiras relações de dependência com várias instituições.

Sem dinheiro, sem jogadores da casa, muitos desses clubes irão passar graves problemas quando os grandes deixarem de emprestar jogadores, desviando-os para a sua equipa B. Terão de encontrar rapidamente soluções para não cair no erro do Boavista ou Belenenses, clubes que andaram anos na corda bamba até que a corda finalmente se rompeu.

Um problema que terá consequências em projectos que acabarão como os Salgueiros, Alverca ou Estrela da Amadora do passado mas que será inverso na Liga Orangina. Com rivais das equipas B as equipas da segunda liga terão mais atenção, mais espaço mediático e estarão mais expostos aos clubes de primeira que queiram observar as jovens promessas em acção. Um aumento do interesse pelas equipas da prova pode equilibrar, e muito, o equilibrio da balança desportiva de várias instituições até hoje relegadas para segundo plano.

No fim de isto tudo está o futebol nacional como tal. A presença de equipas B dinamiza uma liga profissional abandonada, fomenta a formação, especialmente entre os grandes e sobretudo dá espaço e minutos para jogadores jovens começarem a ganhar o seu espaço. Se essa foi a bandeira do futebol luso até 2002 - e a base do seu sucesso - esse terá de ser o ponto de partida desta nova etapa. Se Nelson Oliveira, Miguel Rosa, André Almeida, Mika, Nuno Reis, Cedric, Sanu, Atsu, Viana e companhia começarem a ter minutos nas pernas, chamadas às equipas principais e reconhecimento público pode ser que a renovação geracional que se adivinha tão dificil se transforme num processo menos turbulento.

Claro que a ideia no papel funciona sempre melhor do que na prática, especialmente se falamos num futebol como o português, cheio de ratoeiras, armadilhas e corrupção activa e passiva. O projecto tem todas as pernas para andar (o sucesso do Barça ou do Villareal B em Espanha e das equipas de reserva na Alemanha, Inglaterra e Holanda assim o diz) e pode ser uma alavanca económica e social para reinventar o futebol luso. Mas é apenas uma solução de base que necessita muito trabalho estrutural por trás e muita vontade para funcionar. As equipas B são parte de uma ponte para um futuro melhor mas a margem é longa e vai ser necessário muito mais cimento, pedra e alcatrão para chegar ao outro lado do rio...



Miguel Lourenço Pereira às 18:25 | link do post | comentar

6 comentários:
De ze luis a 16 de Outubro de 2011 às 16:44
clap, clap, clap, historicamente bem resumido e modernamente bem assumido.

Falta acrescentar: mais um fracasso absoluto da FPF de Madaíl y sus muchachos. Como o bronco brasileiro, a FPF mamou da teta cheia enquanto durou mas não mais deu erva para a vaca se alimentar.


De Miguel Lourenço Pereira a 16 de Outubro de 2011 às 20:33
Zé Luis,

Como sempre, obrigado.

Deve ser caso único na história recente do futebol europeu que um seleccionador tanto tempo a ser pago por uma federação tenha sido tão nocivo para o desenvolvimento da estrutura futebolistica de um país. O exército de sargentinhos de Scolari, apoiado na geração de Queiroz e na estrutura de Mourinho, secou por completo a formação de duas ou três gerações, precisamente as que moldaram o sucesso espanhol, alemão, russo, turco e holandês.

As equipas B são uma solução curta mas pelo menos recapacitam os erros de gestão da FPF do inicio do século que estancaram por completo uma ideia que faz todo o sentido.

um abraço


De Manuel Augusto Siva a 20 de Novembro de 2011 às 19:38
Caro Senhor Miguel Lourenço Pereira,
As minhas mais respeitosas e cordiais saudações.
Não o conhecia. Nem sabia da existência do seu blog, assim como lhe desconhecia o pensamento e o trajecto pessoal, longo e profícuo. Foi o desejo de conhecer opiniões diversas sobre a candente questão das equipas B, que me trouxe até à sua pessoa. Em boa hora, porque ainda nem terei tido o tempo necessário para a interiorização completa dos valores, conhecimento, lucidez e desassombro que a sua mensagem encerra e já me disponho aqui, a prestar-lhe a minha homenagem e reconhecimento.
Sou autor do blog sportinguista, Leoninamente!!!..., cujo Url inscrevi no início do comentário. No mundo do desporto tenho um amor, Sporting, que muitas vezes me afecta a visão global do país desportivo real que nos envolve. Mas que combato, obrigando-me a um mínimo de "fair-play" e respeito pelos adversários.
Sofro mais com a pobreza do nosso futebol, que com os seus poucos e efémeros êxitos. E ao dizer que sofro com a pequenez do futebol português, envolvo também o sujeito do meu amor desportivo: o Sporting. Mas quem o feio ama, bonito lhe parece! É a nossa - de portugueses - sina!...
Apenas li até ao momento, meia dúzia dos seus artigos no blog. Mas estou rendido ao seu pensamento e, sem culto de personalidade que por princípio rejeito, antes com respeito e admiração pelo seu trabalho, que só agora tive oportunidade de começar a conhecer, quero dizer-lhe que contará com o meu permanente e assíduo interesse.
No último artigo que publiquei no meu blog, tomei a liberdade de citar trechos do artigo que publicou no "Em Jogo" sobre a problemática das equipas B e "linkei" mesmo o seu blog, para que os meus leitores possam também conhecer o seu pensamento, que refuto de demasiado importante para a formação correcta de uma opinião que poderá vir a revelar-se importante na pressão que entendo ser necessária à implementação do projecto de inserção dessas equipas no único escalão em que lhes adivinho futuro. Estou certo que não me levará a mal a liberdade que usei no tratamento de um trabalho que é apenas seu.
Se me honrar com a sua permissão, gostaria também de "linkar" o seu blog, na minha lista de blogs preferidos.
Creia-me admirador do seu trabalho e do seu pensamento.
Álamo(Leoninamente) (MAJS)


De Miguel Lourenço Pereira a 21 de Novembro de 2011 às 08:07
Caro Manuel Augusto,

É uma honra e um imenso prazer contar com visitas como a sua, com palavras tão calorosas e que aprecio genuinamente pelo desapego às questões clubisticas e pelo amor comum à essência do futebol.

Efectivamente a questão das equipas B é um espelho da problemática desportiva em Portugal, um de muitos que poderia dar um novo rosto a um futebol que teima em agarrar-se a pequenos momentos para esquecer as grandes conjunturas.

Alegro-me sinceramente de que a leitura do trabalho do EJ lhe seja útil de alguma forma e devolverei com o maior dos gostos essa reciproca troca de links para que todos os que passem por aqui possam deparar-se com novas e captivantes leituras.

um sincero obrigado


De Manuel Augusto Siva a 21 de Novembro de 2011 às 16:59
Caro Miguel,
Venho apenas expressar-lhe a satisfação que a sua resposta me trouxe. E agradecer-lhe a cortesia do seu assentimento à colocação do link de EJ na minha lista de favoritos. E porque na reciprocidade nem me atrevi a falar-lhe, imaginará que o seu gesto me confundiu e nem sei ainda como retribuir-lhe a delicadeza. Tentarei dela ser digno, na qualidade do meu blog e na admiração e respeito que me merece.
Obrigado


De Miguel Lourenço Pereira a 22 de Novembro de 2011 às 10:42
Estimado Manuel,

É sempre um prazer encontras no mundo online (já que no papel escasseia a qualidade) leituras que são tantos esclarecedoras como captivantes, por isso o prazer de o ler é todo meu.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO